Luis Soares
Colunista
Compartilhar
São Paulo 15/Jun/2013 às 14:45
23
Comentários

“Estamos enfrentando o AI-5 de Geraldo Alckmin”

Igor Felippe: “Estamos enfrentando o AI-5 do governador Geraldo Alckmin”

Igor Fellipe, Viomundo

geraldo alckmin pm sp

“Estamos enfrentando o AI-5 do governador Geraldo Alckmin, que suspende várias garantias constitucionais e consolida uma “linha dura” militar em pleno regime democrático”

Guardo na memória alguns episódios do governo de Mário Covas, que considero um político importante na história, que fazia política com convicção e sangue nas veias. Líder mais autêntico da história do PSDB, Covas foi governador de São Paulo e sofreu uma pressão muito forte por conta do crescimento dos índices de violência.

Era uma São Paulo saudosa de Malufs e Fleurys, que acabara de viver o Massacre do Carandiru, e cobrava medidas enérgicas contra o crime. Havia uma forte pressão comparável à campanha em curso pela redução da maioridade penal. As cobranças eram para que o governador se manifestasse de forma dura contra os criminosos.

Covas respondeu o seguinte ao ser questionado pela imprensa: qualquer manifestação do governador naquele contexto seria entendida pelo policial, lá na ponta, como uma autorização para matar. O então governador, que tinha toda a razão, “apanhou” bastante dos setores conservadores e da mídia que o acusavam de “bundão”. Covas queria dizer que qualquer sinal desse tipo vindo das autoridades é entendido pelos policiais como uma ordem para usar todos os meios possíveis para “resolver” a situação.

Leia também

De lá para cá, muitas coisas mudaram. O PSDB já foi um partido preocupado com os direitos humanos, que tinha ainda memória da participação de seus dirigentes no processo de luta pela democracia na década de 80. A postura do governador Geraldo Alckmin não lembra em nada a postura responsável de Covas. As declarações do governador não só legitimam como estimulam e liberam as ações de violência da Polícia.

Aqui vai uma das declarações do governador, o responsável político pelas ações da PM: “Manifestação é legítima, natural. Outra coisa é fazer depredação de patrimônio público, deixar um rastro de destruição por onde passa, prejudicando o usuário do sistema”.

Esse discurso aparentemente democrático, de respeito às manifestações, entra nos ouvidos dos policiais como uma orientação de agir para impedir a realização desses protestos, ainda mais com o clima criado por uma cobertura criminalizadora da mídia. A mensagem entendida pelos policiais é a seguinte: essas manifestações são ilegítimas, violentas e devem ser reprimidas com toda a força.

E foi justamente o que os soldados da PM fizeram na noite desta quinta-feira. Prisões arbitrárias (de portadores de vinagre), espancamentos covardes, agressões a jornalistas, tiros e bombas jogadas em grupos de manifestantes que gritavam “sem violência, sem violência”.

A disposição da polícia era encerrar o ato o quanto antes, independente da postura dos manifestantes. A intolerância de uma polícia revanchista, que começou a fazer revistas e prisões de cidadãos na saída do metrô antes do ato, teve como resposta a ampliação da consciência dos manifestante de que a violência só joga água no moinho de quem está contra os protestos.

A palavra de ordem “sem violência, sem violência” é uma demonstração dos objetivos dos manifestantes, que repetindo em coro a frase constrangem a polícia e envergonham uma minoria – aparentemente ainda menor – disposta a acirrar os ânimos.

Um país com a democracia consolidada, diante dessa situação de violência institucionalizada contra a população, faria um movimento pelo impeachment do responsável pela ação da PM, o governador Geraldo Alckmin. Se o prefeito Fernando Haddad comete um erro político ao sustentar a posição de manter o aumento da tarifa de ônibus, Alckmin ameaça com a sua polícia a democracia e as liberdades civis ao impedir a realização de uma manifestação que tem uma causa justa.

Diante disso, estamos enfrentando o AI-5 do governador Geraldo Alckmin, que suspende várias garantias constitucionais e consolida uma “linha dura” militar em pleno regime democrático. A generalização de ações ilegais pelo Estado, especialmente as arbitrariedades do seu braço armado portador do monopólio da for ça, obriga uma ação em defesa da democracia que passa pelo afastamento imediato do responsável por essa situação, o governador Alckmin, que não mostra condições de conduzir esse processo.

Por outro lado, enquanto não der uma declaração firme contra a violência da polícia e a concreta ameaça à democracia, Haddad será considerado condescendente e pagará um preço político pela postura titubeante.

Os atos dos jovens, que versam sobre temas de fundo relacionados à questão urbana, ganham importância cada vez maior porque passaram a tocar em uma ferida que marca o nosso país. No processo de redemocratização da década de 80, setores da classe dominante evitaram que se levasse a cabo o potencial das transformações defendidas pelo movimento político que estava em luta.

Assim, não houve uma ruptura com o regime militar para a instauração de uma democracia que levasse até as últimas consequências a participação do povo na política e a destruição da estrutura de repressão criada na ditadura. Por isso, a polícia que agora reprime jovens manifestantes é a mesma que prendia, espancava e torturava aqueles que lutavam contra a ditadura.

Com isso, a questão central não é mais o aumento de 20 centavos nas tarifas (embora esse seja o problema motivador). Estão em jogo os limites da democracia, cada vez mais estreitos ao não tolerarem a realização de manifestações, a ocupação de espaços públicos e a participação popular na política.

Cada vez mais jovens saem às ruas para protestar e os atos estão ficando maiores. Cresce o sentimento de que é necessário lutar e, mesmo com o clima de terror e medo criados pela violência da PM, esses jovens se somam às manifestações de cara aberta e com um brilho especial no olhar. Muitos vivem pela primeira vez, com seus 16 ou 17 anos, a experiência de participar de protestos de massas.

Esse processo pode contribuir na construção de uma força social no futuro, se for conduzido de forma responsável, estiver colado nos anseios mais sinceros da sociedade e criar condições de converter o ativismo de animados e corajosos jovens em uma organização política capaz de enfrentar os problemas estruturais, que necessariamente fará a ruptura adiada na década de 80 e, enfim, consolidará a democracia no país.

Recomendados para você

Comentários

  1. Marcos Postado em 15/Jun/2013 às 18:29

    Eu falo que esse povo maluco vive em outra realidade AI-5? Estão lutando contra fantasmas, tomara mesmo que vire uma guerra civil, quando estiverem rodeados de mortos, talvez se arrependam.

  2. Rogério Postado em 15/Jun/2013 às 19:47

    Um bicha queria dar pra 2 caras, mas vieram 5. Aí a bicha surtou e disse: "Aaaaiiii... 5?"

  3. Müller Postado em 16/Jun/2013 às 08:02

    O psdb e dem estão fracassados e sucumbidos. Se o populacho que se diz de direita quiser representação política séria que comece com outro partido. Porém o Brasil não precisa da direita no momento atual, aliás, ela é um dos empecilhos do país atualmente! COMO TEM PALHAÇADA NESSE PAÍS: COMO É QUE PODE UM LUGAR (AQUI, BRASIL) SUJEITOS POBRES E DE CLASSE MÉDIA SEREM DE DIREITA...KKKK..PATÉTICO...TIM MAIA TINHA RAZÃO...KKKK

  4. Ariana Postado em 16/Jun/2013 às 11:01

    Postura responsável do Covas??????Socorro , o PSDB sempre perseguiu trabalhador , haja vista a greve dos professores de 2000.Onde ele foi provocar aqueles que estavam acampados na frente da SEE , e , olhe bem , como a policia tem começado os ataques nos atos contra a passagem , Covas naquele momento veio provocar os professores .Onde teve um tumulto , ele acusou e depois exonerou 4 professores.Um deles é o professor Tonhão , com 30 anos de magisterio , e três faltas na sua ficha .Hoje esse professor vive ainda lutando , e sua aposentadoria foi negada até pelo STF.Brasil é uma democracia Burguesia , onde que tem realmente direitos , são apenas a minoria. O Povo está Acordando!

  5. Carlos Ferreira Postado em 16/Jun/2013 às 11:14

    Comparar Covas com A.lckmin é, no mínimo, uma sandice. E quem disse que esse último, o chuchu, é um democrata? Um governador ligado à ultra-direita e às instituições que a representam.

  6. jackson Postado em 16/Jun/2013 às 13:01

    Parabéns aos que deixaram de apenas se indignar e foram a luta pelos seu direitos. A quem se acomoda com respeito as questôes políticas e sociais, fiquem com meus lamentos, pois graças as suas atitudes, aliás, a falta delas, o governo do País continuará livre para praticar abusos e roubos, como sempre foi...Há uma luz no fim do túneo.

  7. Henrique Postado em 16/Jun/2013 às 19:24

    Desde jovem vereador (de Pindamonhangaba) Alckmin se tornou um bajulador da ditadura. Caio Junqueira, em um artigo no jornal Valor (03/04/06), desenterrou uma carta em que ele faz elogios ao general Garrastazu Médici. Segundo o jornalista, Alckmin sempre se manteve “afastado de qualquer movimento de resistência ao regime militar… O tom afável do documento encaminhado a Médici, sob cujo governo o Brasil viveu o período de maior repressão, revela a postura de não enfrentamento da ditadura, fato corroborado por relatos de colegas de faculdade e políticos que com ele atuaram”. ... Está bem representado no aparato policialesco ditatorial do alckmin!

  8. Suane Postado em 16/Jun/2013 às 21:18

    http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2013/06/1295714-servico-secreto-da-pm-diz-que-psol-recruta-punks-para-protestos.shtml

  9. Ashley Postado em 16/Jun/2013 às 22:14

    Nossa, Rogério, como você é inteligente e divertido.

  10. Andre Guerreiro Postado em 16/Jun/2013 às 22:40

    Isso mesmo, pessoal. Continuem alienados, trabalhando três meses pra pagar impostos e sofrer na fila do SUS ou pagar tarifa abusiva de ônibus que mais parece uma lata de sardinha na hora do rush. Deixem que a mídia grande, que está preocupada com a seleção neste exato momento penetre em suas mentes escravizadas. Imagino que todos que reclamam possuem carro para ir trabalhar, pagam convênio médico entre outros serviços que deveriam ser direito de todos. Vejam calados os políticos aumentarem os próprios salários e tentarem colocar em atividade uma coisa tão suja quanto a PEC-37. Veja o governo aumentando o preço da tarifa enquanto gasta bilhões com Copa do Mundo. Tire a bunda do sofá e vá visitar um hospital público nesse exato momento. Quem está na rua agora faz isso pelo Brasil. Tem que ter culhão, colegas. Não dá pra ficar sentado no sofá assistindo série e comendo BIS a vida inteira, enquanto tudo isso acontece em volta. Ou dá?

  11. Gabriel Postado em 16/Jun/2013 às 22:52

    O AI-5 não é só do Alckmin em SP, mas do Brasil mesmo. As autoritariedades cometidas pela PMESP têm sido amplamente divulgadas pq são em SP, contra nós, jovens de classe média. Mas no interior do país, a PF e a Força Nacional têm perseguido há muitos meses lideranças indígenas envolvidas na luta da posse da terra contra grileiros, agricultores, pecuaristas, usinas hidrelétricas, etc. e até mesmo assassinado friamente muitos deles! Isso não é abordado pela mídia podre porque ninguém vê, não está na cara. O país nunca saiu da ditadura, somente a suavizou porque o povo engolia o pão e aplaudia o circo. Agora cansamos, e é hora de revolução.

  12. Henrique Postado em 16/Jun/2013 às 23:06

    Saudades de Pinheirinho!

  13. Henrique Postado em 16/Jun/2013 às 23:12

    Galera, nao vamos tornar uma manifestação tão bacana como essa em algo político por favor...

  14. Paulo Postado em 16/Jun/2013 às 23:19

    Acho que ele não ta ciente do que ta acontecendo, e o tamanho da dimensão que ta isso tudo !

  15. Fabiana Postado em 17/Jun/2013 às 07:39

    Acordem!

  16. Flávio Fernandes Postado em 17/Jun/2013 às 09:45

    Você é porta-voz da polícia para interpretar como eles "interpretam" a frase dita pelo governador? "Nas entrelinas eles está mandando reprimir as manifestações" Deixe de ser ridículo e embase melhor seus argumentos!!!!! Tem gente que realmente está preocupado em mudar algo e tem muita "maria vai com as outras" no meio dos manifestantes, tem gente que não quer violência e tem muito baderneiro no meio dos manifestantes e pelo lado da polícia é a mesma coisa, têm os bons policiais e os maus profissionais, que aliás, existem em todas as profissões, inclusive parece que você é um bom exemplo de mau profissional. Tente ser imparcial nas suas colocações!!

  17. Henrique Postado em 17/Jun/2013 às 10:56

    Vamos acordar: - há um governador que mantém um PM nos moldes ditatoriais; - há uma imprensa (folha, estadão, época,veja, istoé) que recebe anualmente milhões dos cofres públicos e só faz um jornalismo declaratório nunca se importando com a realidade social - é o 'script' ditatorial; - há a capital mais rica do país que possui a maior dívida da nação; -..., e - há os amestrados e alienados que acreditamemtudo o que é veiculado. Mas a educação política nunca foi debatida.

  18. Henrique Postado em 17/Jun/2013 às 11:06

    A elite brasileira nunca foi e nunca terá nenhuma mobilização social verdadeira. Criminalizar uma manifestação é tudo o que eles querem. A única forma de se evitar isto, é muito simples: o diálogo e mais democracia. Ou seja, estimular a participação cidadã e adotar mecanismos inovadores nos processos de decisões públicas. Pronto, isto é democracia. Cabresto midiático e polítco nunca o foram!

  19. Henrique Postado em 17/Jun/2013 às 12:48

    O gato socialista Um gato que bancava o socialista, com o fim de chegar a deputado, estava a comer um frango assado na cozinha de um capitalista. Outro gato, com lógica sectária ao primeiro afirmou: - Estou contigo. Pensa tu que eu também, querido amigo, pertenço à mesma classe proletária. E bem sei que se nestas revoadas, eu quiser esse frango que dispões, o partirás já, já, em duas porções, pois não somos, debalde, camaradas. - Isso não, disse o outro sem pudor, eu não divido nada, ó meu artista. Porque, se em jejum sou socialista, comendo, sempre sou conservador. (Carlo Alberto Salustri (1871-1950/poeta italiano)

  20. Henrique Postado em 17/Jun/2013 às 12:58

    Facam o download desse video! O youtube ja o censurou com restricao de idade: http://youtu.be/kxPNQDFcR0U PM paulista quebra o vidro de viatura militar durante protesto Talvez o policial tenha tentado esquentar os ânimos com a finalidade de justificar a interverção da força bruta do aparelho repressivo do estado de São Paulo, governado pelo tucano Geraldo Alckmin. Querem criminalizar os movimentos sociais.

  21. danilo Postado em 17/Jun/2013 às 20:58

    AI5 já é um exagero, eu to vendo uma manipulação que se normalmente no cotidiano, gente o AI5 era um nível de censura e crueldade (chegando a torturar até a morte) sem precedentes, não se faz revolucionários como antigamente.

  22. Osvaldo Aires Bade Comentários Bem Roubados na "Socialização" - Estou entre os 80 milhões Postado em 26/Jun/2013 às 22:25

    A chuva no molhado e o fim da Era Lula-Dilma QUEM ACREDITA QUE A “DITAMOLE”, NO BRASIL, NÃO TINHA PARTIDO É BANDIDO http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/06/quem-acredita-que-ditamole-no-brasil.html

  23. Dennis Bueno Postado em 11/Mar/2014 às 22:15

    Esse cara deve estar fumando orégano misturado com cueca suja e mijo de gato... E imagino que não seja só ele... mas uma parcela imensa da população que não entende a #%$$# que está acontecendo e vive a bater palmas e votar em bandidos que se alinham com regimes que matam os próprios cidadãos.