Redação Pragmatismo
Compartilhar
Esquerda 16/May/2013 às 10:18
30
Comentários

Sobre ser de 'direita' ou de 'esquerda', no Brasil e no mundo...

Se quisermos realmente qualificar posturas de direita e de esquerda, temos que verificar como as pessoas se posicionam, por exemplo, frente ao capital e ao trabalho; mas não só isso...

Rodolpho Motta Lima, Direto da Redação

O tema em questão é mesmo instigante. É interessante verificar como incomoda a alguns a simples menção às categorias “esquerda” e “direita” no campo da política. Mais interessante ainda é perceber que a reação quase sempre parte daqueles que, pelo que pensam e praticam, seriam de direita…

É uma discussão estéril, concordo, mas por motivos diferentes dos normalmente levantados. Em países considerados modelares por esses mesmos críticos , a terminologia esquerda x direita, com suas variações, é empregada sem os traumas que provoca aqui. Então, é mesmo uma discussão estéril, porque não há como negar o óbvio. Há – e desde sempre – no Brasil e no mundo, pensamentos e atitudes de esquerda e de direita, em maior ou menor profundidade, gerando maiores ou menores consequências. Os termos remontam à Revolução Francesa: os Girondinos, à direita no plenário da Assembleia nacional, representavam os nobres e os burgueses ricos; os Jacobinos, sentados à esquerda, eram representantes da pequena burguesia e do povo. Mas as duas posturas ideológicas vêm de muito antes.

Não sei se ajuda como argumento mencionar as recentes declarações do ministro Joaquim Barbosa, o herói da vez na mídia, afirmando, na Costa Rica, que, em nosso país, os três maiores jornais impressos são , todos eles, “mais ou menos inclinados para a direita no campo das ideias”. De onde será que ele tirou essa palavra? E como chegou a essa conclusão?

Mencionei o adjetivo “ideológicas”, porque é mesmo disso que se trata: ideologia, ou seja, um conjunto de ideias (ou ideais?) que as pessoas acabam assumindo em função da visão do mundo que absorveram, dos valores que aprenderam, das vivências que experimentaram. Todos precisam de uma ideologia pra viver (e não apenas o Cazuza), e mesmo os que a recusam já assumem uma, no ato mesmo de recusá-la…

Em cada momento, em cada lugar, as posições de esquerda e de direita podem até apresentar variações, nuances, matizes. Mas há sempre como enxergar os dois campos. E não é, seguramente, desqualificando um dos dois com a análise de processos de corrupção (um certo “corruptômetro” que anda por aí), que iremos separar os dois lados. Se esse ou aquele político de esquerda é corrompido, esse ou aquele político de direita também o é. Se funcionários de órgãos públicos cedem às propinas, empresários da iniciativa particular é que os compram…

trabalhador rural direita esquerda

Ruralistas e latifundiários se autointitulam como membros das “classes produtoras”. Onde ficam os que realmente produzem, os trabalhadores do campo?

O destaque que se dá a um ou outro desses lados corre por conta dos interesses de quem destaca. No Brasil, por exemplo, a tal mídia de direita apontada pelo presidente do STF destaca os erros da esquerda e omite os da direita a que pertence. Por esse caminho, então, não chegamos a lugar algum, a não ser à convicção de que a corrupção é nefasta, onde existir, e deve ser combatida. E que valeria a pena discutir que tipo de sociedade é essa que, calcada no lucro e nos valores materiais, gera, a todo momento, fraudes, negociatas e corrupção…

Se quisermos realmente qualificar posturas de direita e de esquerda, temos que verificar como as pessoas se posicionam, por exemplo, frente ao capital e ao trabalho. Não é interessante verificar que ruralistas e latifundiários se autointitulam e são rotulados pela mídia como membros das “classes produtoras”? Onde ficam os que realmente produzem, os trabalhadores do campo, explorados e às vezes escravizados? Dependendo de para onde façamos pender a nossa “balança ideológica”, seremos, sim, de direita ou de esquerda.

Leia também

Quem aceita, por exemplo, passivamente, o rótulo de “consumidor” e não percebe a gradativa ascendência dessa palavra sobre o nome “cidadão”, seguramente está absorvendo valores da direita, do mercado, do consumo individualista a qualquer preço, em detrimento de valores sociais que se perdem a cada dia… Um problema de esquerda ou direita, podem crer…

As cotas , e o posicionamento que se assume sobre elas, são um outro tema que permite a identificação ideológica. Elas colocam de um lado os que as rejeitam como algo contrário à “meritocracia”, que não premiaria os “melhores”. Uma espécie de “seleção natural” que de natural não tem nada, porque esquece, convenientemente, que o “mérito” , em um país perversamente desigual como o nosso, já começa no berço, e acaba sendo, com exceções que confirmam a regra, um mecanismo de perpetuação de elites. Do outro lado, há os que lutam pelas cotas como instrumento de correção social, um pagamento de dívidas históricas contraídas pelos poderosos. Direita x esquerda, sem dúvida…

Nessa esteira haveria muitos outros exemplos. Um, bem emblemático: a bolsa-família. A posição de direita considera que a bolsa estimula a inércia, uma espécie de “dolce far niente” dos premiados com as “polpudas” importâncias, um bando de desocupados que o Governo subsidia… Nada mais perverso do que os bem alimentados ousando discorrer sobre o problema dos que têm fome, aquela mesma fome que o saudoso Betinho dizia que “não podia esperar”. O que interessa, para a esquerda, é que dezenas de milhões de brasileiros saíram da miséria e vão mais longe do que isso, muito mais, a julgar pelas recentes notícias que dão conta que 1,3 milhão de “bolsistas” devolveram a sua bolsa ao Governo porque já conseguem caminhar com os próprios pés…

Segmentos de direita podem, aqui e ali, ter posicionamentos mais à esquerda, até por demagogia. Da mesma forma, por fraqueza ideológica, a esquerda pode ter momentos de direita. Não devia ser assim, mas acontece. Mais cedo ou mais tarde , essa confusão de quem entra em contradição com a própria visão do mundo pode provocar irreversíveis problemas de consciência. Nesse quesito, felizmente, e desde garoto, a minha consciência vai seguindo em paz…

Recomendados para você

Comentários

  1. ie-brazil Postado em 16/May/2013 às 10:43

    ótimo texto. Parabéns.

    • Gustavo Postado em 09/Sep/2013 às 22:53

      O texto é bom, sem dúvida, de um autor bem humorado e consciente de seu ponto de vista. Este debate de direita e esquerda nunca deixou de ser atual. Mas é uma pena que uma ideia do século XIX passasse a definir, de modo maniqueista, o que é inteligência, ou ponto de vista adequado a determinado grupo, sem levar em consideração elementos da realidade, mutáveis como o tempo, qualquer tempo. Continuamos platônicos. E entre idealismo e realismo, tornamo-nos ideológicos. Razão teve Shopenhauer: "o homem é um animal metafísico".

  2. Ranier Postado em 16/May/2013 às 10:48

    quanto ao bolsa familia, é triste dizer que no estado do Amazonas houve um aumento de bolsista, fato que denota que, pelo menos neste estado o bolsa tem sido uma politica insuficiente. há a necessidade de outra politica que complemente aquela. investimentos em educação

  3. Cacique Postado em 16/May/2013 às 11:45

    O aumento de bolsas pode ser simplesmente o resultado de um maior esforço dos órgãos do governo para encontrar e incluir mais pessoas que têm direito ao auxílio. Em um estado com tantas dificuldades de deslocamento como o Amazonas, que não por acaso é o maior estado brasileiro, acredito que essa seja a melhor explicação para o aumento das bolsas. Para concluir que as pessoas não estão tendo iniciativa para sair da dependência do governo, é preciso olhar para outro dado: quantas pessoas estão DEIXANDO DE RECEBER o auxílio por terem aumentado sua renda. E não quantas estão recebendo. Sobre Direita x Esquerda, acho que o texto foi didático, mas a discussão é muito mais complexa. Existem diferentes direitas e diferentes esquerdas, e algumas às vezes realmente se confundem, sem que haja necessariamente qualquer "fraqueza ideológica". Aliás, "dureza ideológica", que eu chamaria de falta de flexibilidade, é um sério problema de muitos setores da esquerda brasileira.

  4. MOISES Postado em 16/May/2013 às 11:53

    PT hoje é de direita ou de esquerda? Ao fazer aliança com antigos opositores, como fez com o ex-presidente José Sarney (PMDB-MA), Fernando Collor (PTB-AL) e Paulo Maluf (PP-SP), e, ao mesmo tempo, o pouco avanço que tivemos no plano social nestes 10 anos, vejo que a esquerda hoje no Brasil fica apenas no plano da ideologia. Na prática, primeiro vem o poder, por isso essa prostituição na política. Não há mais oposição, vence quem está no poder. Em São Paulo, p.ex., Geraldo Alckmin tem investido em parcerias com o prefeito Fernando Haddad, já pensando nas eleições, ou seja, no poder. No Brasil é assim, ao final, as ideologias sucumbem ao poder.

    • Marco Lisboa Postado em 19/Dec/2013 às 08:09

      Desculpa, mas recomendo que releia o texto.

  5. Nestor Postado em 16/May/2013 às 12:38

    quem toma posição de uma ideologia ou uma religião se está auto-rotulando! No campo da politica é muito redutor pensar assim. Mais ainda num país (ou países) em que a dita chamada "esquerda" faz melhor o trabalho que a "direita". É dizer, não faz muito sentido ter uma direita mais conservadora quando há uma esquerda que desenvolve ativamente o capitalismo, mesmo que selvagem. Existe uma terceira via que poucos tem tomado posição..

  6. Daniel Cidade Postado em 16/May/2013 às 14:20

    Bom texto, mas irônico vindo do pragmatismo político, que faz a mesma coisa que a mídia faz, de ressaltar os erros de um lado e ocultar os do outro. A diferença é que vocês fazem com a esquerda, eles com a direita.

  7. Vinicius Postado em 16/May/2013 às 14:31

    Ótimo texto, concordo quase que integralmente com os seus pontos de vistas. No entanto, no que concerne às cotas raciais e sociais nas universidades públicas, eu discordo. A má formação a que se submetem negros, pardos e os socialmente despreciados não advém da falta de acesso ao ensino superior. Às universidades públicas, que notavelmente possuem um processo seletivo mais dificultoso, fazem a sua parte, qual seja, selecionar os melhores preparados. Trata-se de culpa, única e exclusivamente, das péssimas condições do ensino fundamental e médio da rede pública. Erros grotescos de interpretação, gramática e matemática advém de lacunas e falhas na própria formação escolar do indivíduo. quem é o culpado? O Estado, óbvio. Solução? Com certeza não é permitir que aqueles que, infelizmente, possuem más formações educacionais tenham acesso ao ensino superior de forma adversa à meritocracia. O correto é preencher às lacunas existentes com uma boa educação, para que estes indivíduos tenham conhecimento suficiente para ter acesso à faculdade. Utopia? Pensem o que quiserem os críticos, no Japão e Coréia do Sul, países notavelmente aniquilados por décadas de guerras, isso foi possível e é uma realidade que cala a boca do mundo inteiro.

  8. Rodrigo Teixeira Postado em 16/May/2013 às 14:36

    Um texto de direita x esquerda, escrito por alguém claramente de esquerda... Até ai nem um problema se fosse aplicado como o autor defendeu, a imparcialidade com relação a visão do outro. A corrupção da esquerda não é pior que a da direita e tem que ser combatida com a mesma imparcialidade : perfeito até ai. Daí em diante, a parcialidade toma conta do texto. Me permito fazer uma compensação (mais imparcial) aos 3 pontos comparativos mais importantes. ------- Cotas ------- O que o autor diz sobre a posição da direita : "rejeitam como algo contrário à “meritocracia”, que não premiaria os “melhores”. Uma espécie de “seleção natural” que de natural não tem nada, porque esquece, convenientemente, que o 'mérito' ,.... acaba sendo, um mecanismo de perpetuação de elites" O que a direita de fato diz : - Não é o papel da universidade, promover a igualdade social, embora ela seja (justamente por funcionar de maneira meritocrática) um perfeito termômetro do nível de igualdade social de uma sociedade. O papel da universidade é realizar pesquisa e produção de conhecimento de fronteira. E para que os resultados alcançados atinjam o objetivo da melhor forma possível, é necessário que a universidade permanece um ambiente meritocrático. Cotas (especialmente as raciais) são medidas paliativas que mascaram a situação de abandono da escola pública ( o abandono aliás vem sendo feito pelos dois lados no Brasil. Nada mais justo, deixar isso claro). O objetivo real é conquistar os votos dos beneficiados a curto prazo. Propostas oriundas da direita para resolver a questão a curto prazo : - Bolsas para alunos do ensino terem seu estudos em escolas particulares de qualidade, durante ensino fundamental e médio, 100% financiados pelo governo. ------- Bolsa Família ------- O que o autor diz sobre a posição da direita : A posição de direita considera que a bolsa estimula a inércia, uma espécie de “dolce far niente” dos premiados com as “polpudas” importâncias, um bando de desocupados que o Governo subsidia. O que a direita de fato diz : A Bolsa família é um mecanismo eleitoral. Não dá o peixe, nem ensina a pescar. Se o governo atual for irresponsável no fim do seu governo (causando uma inflação por exemplo), todas as conquistas que essa mesada trouxe ( e que são sim importantes) são investimento perdido, pois essas pessoas voltariam ao estado inicial de miséria. E quem pagaria a conta é claro, seria o próximo governo, pois ele é que teria que lidar com a inflação, em quanto o governo que deu a assistência sai com a imagem intacta. Propostas oriundas da direita para resolver a questão a curto prazo : - Se o objetivo é combater a fome e a miséria, porque não criar um sistema de voucher (semelhante ao que as empresas oferecem aos seus trabalhadores) onde o beneficiário tem um cartão que só pode ser utilizado em mercados ? Por que dar dinheiro vivo ? ( Talvez dinheiro vivo ganhe muito mais votos e esteja mais em sintonia com um projeto de perpetuação !) ------- Capital e Trabalho ------- O que o autor diz : Onde ficam os que realmente produzem, os trabalhadores do campo, explorados e às vezes escravizados? O que a direita de fato diz : Marx falha terrivelmente a classificar como trabalho ( ou aquilo que produz valor) como somente as transformações físicas que foram empregadas ao bem de consumo. Sem planejamento, gerenciamento e coordenação não existe produção em larga escala , e estes não vem da força de trabalho. Lucro não é uma dedução do trabalho, trabalho é que é uma dedução do lucro. De fato é mais comum que os posicionados a direita ideológica ( incluindo eu mesmo) não pertençam as classes mais pobres da sociedade, mas não pelo os motivos que a esquerda prega. O valor central da direita está apoiado sobre o entendimento de que mesmo um estado forte e organizado é constituído por indivíduos, e o indivíduo sempre colocará os seus próprios interesses a frente. A direita entende que os seres humanos não são iguais e nunca serão. Todo sistema ideológico quando colocado na prática apresenta descontinuidades, paradoxos e simetrias. E dessas simetrias que ambos os lados se valem para atacar o outro. A direita não é dos ricos e a esquerda dos pobres. A direita é centrada no indivíduo a esquerda no coletivo. Ambos valores são necessários na construção de uma sociedade próspera e que garanta a liberdade do indivíduo, e ao mesmo tempo não tolere mecanismos de perpetuação. Por motivos óbvios os valores de esquerda seduzem muito mais os pobres que os de direita ( aqueles que tem mais dificuldade de andar com as próprias pernas). E também não é coincidência que a maioria dos pobres que conseguem prosperar começam a se inclinar para a direita. Precisamos de um diálogo mais honesto sobre direita x esquerda. Pelo menos no campo ideológico

    • Thamyris Postado em 28/Sep/2013 às 07:47

      Oi Rodrigo, tudo bem? Estou produzindo um artigo científico a respeito de definições de direita no Brasil. Será que você teria alguma bibliografia que siga sua linha de raciocínio neste post para indicar? Obrigado.

    • Marxista Postado em 15/Oct/2013 às 10:01

      "em planejamento, gerenciamento e coordenação não existe produção em larga escala , e estes não vem da força de trabalho." Há diversas passagens d'O Capital em que Marx fala sobre o trabalho de gerenciamento. Na edição da Boitempo, leia as páginas 269, 406 e 407. Existem mais passagens, essas são as que recordo. Marx não ignorou o gerenciamento e a supervisão. "Lucro não é uma dedução do trabalho, trabalho é que é uma dedução do lucro. " Marx também não afirma que lucro é uma dedução do trabalho, mas sim que o lucro é uma dedução do mais-trabalho, que gera mais-valor. O processo de produção é uma transferência de valor ao produto final. Mas de quê forma o capitalista lucraria? Essa é a pergunta que foi respondida de maneiras mirabolantes pelos economistas do século XVIII e XIX. Era muito simples. O que é salário? Um mínimo que permita a subsistência do trabalhador e de sua família. Se 6 horas de trabalho permitem pagá-lo esse mínimo em forma de salário, o restante da jornada é mais-trabalho e está, portanto, gerando mais-valor no produto final. A taxa de lucro é proporcional à taxa de mais-trabalho e mais-valor.

  9. Wesley Postado em 16/May/2013 às 16:48

    Texto é um mero instrumento de propaganda esquerdista, pois mostra a situação do viés da esquerda e não consulta os dois lados. A esquerda política prega a igualdade social por meio da força do Estado, limitando a liberdade econômica e individual através de tributos tirando de quem tem mais para dar aos que tem menos, e ela é liberal em relação aos costumes, pois apoiam o casamento gay, aborto em detrimento dos valores religiosos. Já a direita é conservadora em relação aos costumes, colocando os valores religiosos e da moral acima de tudo e são liberais em relação à economia, pois pregam o Estado mínimo. Nesse sentido direita política não existe no Brasil, pois todos os partidos políticos são estatistas e pregam o gigantismo do Estado e a alta tributação em detrimento da liberdade individual e financeira. Portanto a esquerda prega a agenda estatista (o gigantismo estatal), como desarmamento, alta tributação, ecologismo, e por aí vai. A direita quer que o Estado intervenha o mínimo na vida das pessoas e pregam a moral e bons costumes. É incrível ver a desonestidade intelectual desse site, quase sempre fazem propagando ao invés de esclarecer os fatos de forma real.

    • C. Lopes Postado em 11/Nov/2013 às 00:54

      Compartilho do mesmo pensamento. O Brasil não tem partidos de direita. Tem, sim, quadrilhas que saqueiam, fingindo que governam...

  10. Wesley Postado em 16/May/2013 às 17:04

    E mais, o que define uma democracia é a concorrência livre e igual entre a direita e a esquerda. Não há vitória de nenhum lado, pois é um conflito insolúvel. Portanto o que determinam a saúde de um país é a concorrência de igual pra igual entre essas duas forças. Há os extremismos, a extrema esquerda prega a submissão completa da sociedade a um partido estado e a extinção completa de todos os valores religiosos e tradicionais. A extrema direita prega a criminalização da esquerda e a militarização da sociedade. A concorrência livre e efetiva entre a esquerda e direita democrática é o que mantém os lados extremos afastados. Portanto num regime democrático a esquerda governa por quatro ou oito anos e desce e sobe a direita e desfaz tudo o que a esquerda fez e reconstrói de novo e vice versa. É o rodízio do poder entre a esquerda e direita que defina a democracia.

  11. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 16/May/2013 às 18:54

    Não existe direita e nem esquerda de FATO no Brasil. Existe um hibridismo e quem ainda deseja polarizar, o faz por convenções fantasiosas ou desatualizadas.

    • Arnaldo Postado em 17/May/2013 às 00:39

      Excelente texto. Leitura obrigatória, aliás. Ser de esquerda ou de direita, porém conscientemente.

  12. Odair Postado em 17/May/2013 às 08:07

    Muito esclarecedor o texto, bom mesmo. Reforça a minha ideia, de que o país é dividido entre aqueles que querem "manter o status quo" e os que procuram um lugar digno ao sol.

  13. gleidi Postado em 17/May/2013 às 09:58

    Texto muito bom. O importante, não é ser de direita ou esquerda, bom mesmo é ter uma visão abrangente dos fatos, e como diz o autor, ter consciência de que educação, moradia e vida digna não pode ser previlégio só de uns. Parabéns, pela lucidez e coerência.

  14. Carlos Postado em 17/May/2013 às 21:12

    Rodrigo Teixeira, quanto as cotas raciais, realmente é uma questão difícil de defender. Mas as cotas para estudantes do ensina público ajudam a selecionar os melhores para a universidade, como deve ser. Na USP foi feita uma pesquisa estatística muito bem elaborada que percebeu que alunos oriundos de escolas públicas que tiraram a mesma nota que alunos de escola particular no vestibular geralmente se desenvolvem mais durante a faculdade. Parece que a Unicamp repetiu a mesma pesquisa e obteve resultados semelhantes. Com base em quanto os alunos de escolas públicas despontam à frente dos outros, a fuvest atribui uma pontuação extra a esses. Desta forma é possível pegar um aluno talentoso que não obteve uma forte base no ensino fundamental, mas terá a oportunidade de contruir novas bases, assim como todos os outros ingressantes, agora mais firmes e cientificas.

  15. Barillo Postado em 28/Jun/2013 às 00:38

    "O esquerdista fanático e o direitista visceral: dois perfeitos idiotas". Primeiro:Esse site é de esquerdistas fanáticos. Agora,Direita e Esquerda na visão desse site. Direita: Mal,rico,branco,capitalista,opressor,capeta e matador de pobres. Esquerda: Legal,gentil,bondoso,paciente,humanista,salvador e dono da razão. Uma leve visão tendenciosa,rs. Só nunca me explicam porque todos os países socialistas caíram em desgraça,porque tantas pessoas morreram no sistema socialista e porque ninguém liga pros esquerdistas(se eles fossem a salvação,o povo correria para os seus braços,ou ideologia).

    • Aline Postado em 09/Apr/2014 às 18:04

      Marx teorizou que o socialismo deveria ser implantado em um Estado com capitalismo plenamente desenvolvido, pois somente assim haveria riqueza para distribuir. Nenhum do países que adotaram o socialismo atendiam a estas condições. Além disso, na teoria marxista, o Estado deveria ser comandado por um grupo organizado em um partido e oriundo dos trabalhadores, mas o que acabou acontecendo foi que Stálin matou aliados do próprio partido e decidiu comandar sozinho, tornou-se um ditador. Daí em diante, o regime centrou-se em figuras individuais, quando em teoria não era para ser assim. O Estado concentrou todas as atividades econômicas praticamente, mas a teoria marxista fala de comunidades rurais e empresas com direção coletiva de trabalhadores e que, na prática, pouco foram adotadas. A teoria marxista dizia que, após este estágio chamado socialismo, seria, então, implantado o comunismo, no qual o Estado seria eliminado, não sendo mais necessário, e todas os bens já seriam coletivos. Como você pode ver a teoria de Marx não foi corretamente aplicada a país algum.

  16. Ricardum Postado em 02/Jul/2013 às 15:38

    Vejo muito mais ataques dos de esquerda do que o contrario. É coxinha, reaça, facista... A grande maioria dos que se dizem de esquerda vivem como centro direita. Nossos governos são de centro esquerda. E quem acha que o PT é de esquerda é pq é militante. O partido tem ideiais de esquerda, mas governa como centro direita.

  17. Marco Bueno Postado em 07/Jul/2013 às 08:13

    Como diz a minha mãe: "não crie chifre em cabeça de cavalo". Este pensamento é de esquerda, de direita, de centro, do avesso ou de que lado? Esta foi a minha percepção ao terminar de ler este artigo, e para mim é o que basta. Me senti bem conduzindo, orientado e sem pensamentos de larápios. Notei que a explicação foi mais ou menos assim: "olha leitor, isso é o que penso sobre assunto... se você quiser saber mais, vai ter que estudar". Para mim, esta leitura foi gratificante como tantas outras boas e ruins que faço. No entanto, não sou de entrar no blog de qualquer cidadão que seja só pelo prazer doentio de contesta-lo. Um crítico criticando o outro me parece um comportamento imaturo, mal educado e descabido. Não dá para construirmos algo novo se ficarmos manipulando as palavras e se escondendo atrás delas, como se estivéssemos em uma brincadeira de pega-pega ou pique-esconde. Precisamos urgentemente aprender o que é ser crítico. Entendendo e respeitando as diferenças entre o supérfluo e o necessário.

  18. André Terra Postado em 09/Jul/2013 às 00:34

    Os partidos se apresentam como correntes ideológicas por uma questão "pró-forma", espécie de pedigree, pura marquetagem na vã tentativa de criarem uma identidade coletiva mobilizadora! Nesse movimento, encobrem o verdadeiro conflito que é sempre Oposição x Situação ! Se a Situação quer Juros mais altos, a Oposição tem outro receituário, e vice e versa "ad eternum" ... vale o que rende mais votos com o menor custo orçamentário e político! Numa canetada, surgem estatísticas mágicas! . Ocorre que o dito dualismo não faz sentido algum, a não ser às manipulações de praxe! Interessa apenas à Militância Bipolar, com o seu reduzido e antiquado vocabulário político, manter viva essa ficção, pois é uma forma de se afirmar pela Negação do "Outro", reedição de maniqueísmos:"o inimigo interno á espreita!" É a "natureza" definidora do ser Militante! Precisa do contraste, é obcecado pelo oposto, pelo diferente sem o qual não sabe definir a si próprio ! Precisa traçar uma linha , e ao fazê-lo, vê "os outros" como antípodas de sua "justa visão de mundo"! . Basta ver como o autor fracassa ao tentar, AUTOMATICAMENTE, deduzir da prática a paleta ideológica citando o exemplo das Cotas , descritos como "Direita x Esquerda sem dúvida ...!" Discordar de tal política compensatória não é ser de "Direita", pois os mesmo que assim opinam exigem uma Educação Pública de Qualidade para Todos! Oras, como essa posição poderia ser direitista se o dito direitismo reivindica o Estado Mínimo: menos despesas públicas, menos impostos e mais liberdades individuais contra a interferência estatal tanto na vida coletiva quanto privada? Ocorre que como o atual governo se denomina "Popular de Esquerda", pautado pelo "ethos coletivo", quem discorda só pode, AUTOMATICAMENTE, ser conspirador de Direita, contra o povo - na taxonomia obliterada da Militância! "Santa Inquisição"! Trata-se apenas de discutir qual a melhor política pública para a Educação, e não de debater, inutilmente, uma solução de Esquerda ou de Direita como se fosse possível inventar uma "Etnomatemática" politicamente correta para traduzir a "Curva de Gauss"! Mas , vejam, "Gauss" não rende votos, Etnomatemática sim ! Isso se chama Política Demagógica, estratégia dissuasiva para fingir que o problema foi equacionado! . Resumo da estória, a disputa é para saber quem é legítimo para falar em nome do "povo", essa entidade que justifica tudo. Se não, vejam como as coisas se invertem: o Sr.Henrique Meireles (ex presidente mundial do Bank Boston) foi o presidente do Banco Central do Brasil durante os oito anos de gestão Lula - "governo de esquerda popular" ! Dentre a entrega final dos índices de inflação e PIB em patamares civilizados, também consta a transferência de R$ 200 bilhões à banca financeira ! Não faltam até hoje "Sacerdotes" do partido fazendo "contorcionismo teológico" para enquadrar esse Pecado Neoliberal dentro da Bíblia Petista de justiça social, de forma a manter seu universo binário harmônico, imperturbável e coerente com as consciências individuais maculadas dos militantes! Deve doer muito, e fundo ! Haja fé ! Saudações, . Deixo a dica da excelente série: “Destino: Educação – Diferentes países, diferentes respostas", é só pesquisarem!

  19. Mauro Postado em 30/Jul/2013 às 19:18

    Acho engraçado as pessoas serem contra o bolsa-família , não conhecerem o programa, a parte da contrapartida , e dizerem que é dar o peixe em vez de ensinar a pescar. Talvez morram de fome antes de conseguirem aprender , mas seus filhos consigam com essa ajuda. Ou talvez, nem tenham mais condição de aprender. Aí vêm esses pseudo-intelectuais chamarem de assistencialismo, e nem se quer passam fome. E quando o governo ajuda aos ricos, há mais de 500 anos,chamam de subsídio, incentivos fiscais.

  20. Poseidon Postado em 09/Dec/2013 às 18:10

    Segundo o DataFolha de ontem, a esquerda atrai pessoas com MAIS educação.

  21. gonello Postado em 10/Mar/2014 às 14:57

    A melhor classificação para o espectro político não é entre DIREITA e ESQUERDA, mas sim pelo grau de liberdade necessário à cada ideologia. Para realizar as ambições da "esquerda", é necessário mais atuação do estado, mais leis, mais regulações, mais intervenção do público sobre o privado. Já para a "direita", a liberdade é o principal, quanto menos o estado se intrometer, melhor. Nesse espectro libertário, o anarquismo está na extrema direita (ausência total de estado, liberdade total para os cidadãos), e o comunismo juntamente com facismo estão na extrema esquerda (intervenção máxima do estado na vida privada, seja pelo partido comunista, seja pelos ideais nazistas ou qualquer outro tipo de facismo). Democracia seria um estágio antes do anarquismo, pois existe um estado mínimo necessário para uma sociedade justa. Dentro da democracia, por sua vez, existem muitas variações, que pendem mais para a direita (mais liberdade) ou esquerda (mais controle pelo estado). Existem diversos tipos de democracia, mas a Constituição de 88 concretizou em nosso ordenamento jurídico uma democracia voltada para o social, onde o estado tem obrigação de fornecer o mínimo e um pouco mais a todos os cidadãos. Entretanto, o problema surge na dimensão econômica: onde é impossível para um ente público fornecer benefícios sem retirar recursos de algum lugar. Mas como o estado é obrigado por lei a cumprir suas obrigações sociais, isso acaba refletindo na carga tributária, que por sua vez impede o desenvolvimento dos pequenos negócios e prejudica a mobilidade social. Em outras palavras, se um trabalhador não consegue se tornar patrão, isto é um reflexo da atuação do estado na economia, cujo objetivo é a satisfação social. Daí vem o combustível para acreditar na falácia da desigualdade hereditária. A desigualdade social não vem do mero fato de nascer pobre, o problema é não ter condições de sair da pobreza porque a economia (saturada pelo estado) não permite. Eu, pessoalmente, conheço pessoas que nasceram pobres e saíram da pobreza por conta própria. O Bolsa-família é um alívio, não um remédio. O fenômeno da ascenção das famílias beneficiadas não se explica pelo benefício, mas pela melhora da economia como um todo. Se a economia permanecesse sub-desenvolvida certamente o bolsa-família seria inócuo. Se algumas famílias conseguiram ascender socialmente é porque o estado (mesmo governado por esquerdistas) prosseguiu com as políticas de privatização e abertura da economia, com regulamentação. Assim é a social democracia: 1) país livre e democrático 2) com economia regulada e 3) atuação estatal para proporcionar bem estar social. Nossas divergências são apenas quanto à intensidade do segundo e terceiro pontos. Por isso é que existe muita confusão entre esquerda e direita no Brasil. Pelo espectro libertário, fica mais fácil identificar os valores de esquerda e de direita. Nesse sentido, os partidos políticos brasileiros são todos de centro ou centro-esquerda. Por isso temos a sensação de que não existe definição aqui, porque o país está concentrado mais ou menos na mesma zona do espectro político. Reflexos da educação? da cultura? da Constituição de 88? não sei, mas o fato é que, pragmaticamente falando, somos todos simpáticos à social democracia, independentemente do que achamos que somos.

  22. Luigi Postado em 24/May/2014 às 14:51

    Bonito o texto, e importantes os comentários, mas daí vem uma cera "filosofia" do "politicamente correto" e misturou todas as ideias. Como disse Luis Fernando Verissimo em sua crônica "Defenestração": "-Alô... - O que é que você quer dizer com isso?..."

  23. Luis von Postado em 23/Sep/2014 às 00:39

    Esquerda e direita não é uma questão de opinião ou visão de mundo como o autor coloca, tivemos países capitalistas e socialistas e a questão é decidir em qual deles vc preferiria viver nos EUS ou na URSS. Ambos os sistemas foram testados na prática e todos sabem que a URSS fracassou e os EUA foram bem sucedidos. Os pobres dos EUA estão muito melhores que qualquer cubano (exceto Fidel Castro) e isso é um dado da realidade e não questão de opinião. Os socialistas comparariam com a Africa, mas aquele lugar seria miserável de qualquer maneira e não é por causa do capiatalismo. O principal país socialista foi a URSS e por isso essa comparação é a única possível. Os socialistas inconformados com os fatos vão querer comparar a prática de um país capiatalista com a teoria do socialismo, mas a teoria não serve para nada se não funciona na prática. Se a sua opinião está em conflito com os fatos e se quer encontrar a melhor opinião possível a única opção que vc tem é mudar de opinião pq os fatos não mudam por sua causa. A esquerda procura uma situação ideal e a direira busca o melhor que é possível fazer