Redação Pragmatismo
Compartilhar
Europa 28/May/2013 às 14:41
31
Comentários

Por que a Islândia é um dos locais mais pacíficos do mundo?

Qual é o segredo da Islândia? Crimes violentos são praticamente inexistentes na ilha no norte da Europa, mas não há uma resposta perfeita para explicar por que o país está entre os que detêm os menores índices de criminalidade do mundo

Andrew Clark, BBC Mundo

Embora eu tenha crescido na Nova Inglaterra, no nordeste dos Estados Unidos (onde neva com frequência no inverno), senti uma sensação diferente ao ver as nevascas islandesas. Era algo paralisante, com rajadas de vento épicas que faziam com que os flocos de neve parecessem navalhas.

Quando deixei minhas malas no solo coberto de neve da capital, Reykjavik, um homem se aproximou de mim em um jipe.

“Quer subir?”, perguntou-me.

Aquilo parecia uma loucura. Quem entraria no carro de um desconhecido?

Mas, apesar do que já me disseram sobre pegar carona com estranhos, pulei na parte traseira do veículo sabendo que nada de mal aconteceria.

Pois, afinal de contas, eu estava na Islândia. Eu ficaria por lá uma semana com o intuito de estudar os baixos índices de criminalidade do país. Essa era minha segunda viagem a essa gélida nação em seis meses.

Passei os últimos três anos na Universidade de Suffolk, no Estado americano de Boston, estudando direito internacional.
Antes de minha primeira visita a Reykjavik, em agosto de 2012, já havia definido o tema da minha tese: faria um estudo sobre a Convenção de Genebra para a guerra cibernética.

Mas aquela semana na Islândia mudou meus planos. Estava agradavelmente surpreso com o que vi.

Qual é o segredo?

Os crimes violentos eram praticamente inexistentes na Islândia. As pessoas pareciam despreocupadas com sua segurança ou de seus filhos, a ponto de deixar as crianças sozinhas na rua.

Leia também

Passei temporadas na Noruega, na Suíça e na Dinamarca, mas agora esses países pareciam tomados pelo crime, em comparação com a Islândia.

De volta aos Estados Unidos, mudei o tema de minha tese. Queria saber qual era o segredo da Islândia.

Francamente, não há uma resposta perfeita para explicar por que o país está entre os que detêm os menores índices de criminalidade do mundo.

Segundo o UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes), a taxa de homicídios na Islândia entre os anos de 1999 e 2009 nunca foi mais alta que 1,8 por 100 mil habitantes.

Os Estados Unidos, por sua vez, registraram no mesmo período taxas de homicídio anuais de 5 a 5,8 casos para cada 100 mil habitantes.

No Brasil, a taxa é ainda maior, de 23 homicídios por 100 mil habitantes.

Pouca diferença de classes

Depois de conversar com professores, autoridades, advogados e jornalistas, os fatores do sucesso da Islândia nessa área começaram a ser delineados – embora seja impossível determinar em que medida cada um deles contribui para o resultado final.

Em primeiro lugar, quase não há diferença entre as classes alta, média e baixa na Islândia. Por causa disso, praticamente inexiste tensão econômica entre classes – algo raro em outros países.

Um trabalho de um estudante da Universidade do Missouri que analisou o sistema de classes islandês descobriu que somente 1,1% dos participantes do levantamento se descreviam como classe alta e apenas 1,5% como classe baixa.

Os 97% restantes se identificaram como classe média, ou trabalhadora.

Em uma das minhas três visitas ao Parlamento islandês, me reuni com Bjorgvin Sigurdsson, ex-presidente do grupo parlamentar da Aliança Social Democrata.

Para ele e para a maioria dos islandeses com quem falei, a igualdade é a principal causa da quase ausência de crimes.

“Aqui os filhos dos magnatas vão aos mesmos colégios que o restante das crianças”, afirmou Sigurdsson.

Para ele, os sistemas de serviços públicos e de educação do país promovem a igualdade.

Muitas armas, poucas drogas

Os poucos crimes que acontecem no país geralmente não envolvem armas de fogo, apesar dos islandeses possuírem muitas.
A página de internet GunPolicy.org estima que haja aproximadamente 90 mil armas no país – cuja população é de cerca de 300 mil pessoas.

Isso faz com que a Islândia figure na posição número 15 do ranking mundial de posse legal de armas de fogo per capita.
Mas adquirir uma arma de fogo não é fácil no país. O processo inclui um exame médico e uma prova escrita.

A polícia também não anda armada. Os únicos agentes que podem portar armas de fogo são uma força especial chamada “Esquadrão Viking”, que atua em poucas ocasiões.

Além disso, o tráfico de drogas na Islândia é pouco expressivo. Segundo um relatório da UNODC, o consumo de cocaína por cidadãos com idades entre 15 e 64 anos é de 0,9%, o de ecstasy, 0,5%, e o de anfetaminas, 0,7%.

Também há uma tradição na Islândia de denunciar os crimes diante de qualquer indício ou agir para freá-los logo no início, antes que a situação piore.

No momento, a polícia está combatendo o crime organizado enquanto o Parlamento discute leis para ajudar a desmantelar essas redes criminosas.

Quando as drogas pareciam ser um problema em expansão no país, o Parlamento estabeleceu uma política antidrogas independente e um tribunal especial para lidar com o problema. Isso aconteceu em 1973. Nos dez primeiros anos de funcionamento do tribunal, 90% dos casos foram resolvidos com multas.

Esses são os segredos da Islândia, que poderiam orientar outros países que buscam soluções para seus problemas de delinquência.

Por isso, enquanto eu subia naquela manhã no jipe daquele homem que sorriu para mim e perguntou se eu precisava de ajuda com as malas, me senti seguro, mesmo não sabendo quem ele era.

Recomendados para você

Comentários

  1. sk8_sk8 Postado em 28/May/2013 às 14:47

    Colocar uso de drogas como fator dessa equação não faz sentido algum. O que eles não tem como fetiche é a tal da guerra às drogas, inventada pelo corrupto Nixon nos anos 70. O que é algo bem diferente...

  2. Anon Postado em 28/May/2013 às 15:50

    Um país pequeno, localizado em uma ilha, com uma população consciente e governo que dá oportunidades a todos (nada de capitalismo selvagem). É esse o segredo.

  3. Rafael Postado em 28/May/2013 às 17:35

    Nada de capitalismo selvagem? Leia um pouco sistema financeiro finlandês, antes e durante a crise.

  4. Alessandra Garuzzi Postado em 28/May/2013 às 19:27

    Não há uma resposta??? Como assim não há uma resposta? Depois de informar que: - Quase não há diferença entre as classes alta, média e baixa na Islândia. - Por causa disso, praticamente inexiste tensão econômica entre classes – algo raro em outros países. - Somente 1,1% dos participantes do levantamento se descreviam como classe alta e apenas 1,5% como classe baixa. - Os 97% restantes se identificaram como classe média, ou trabalhadora. - A igualdade é a principal causa da quase ausência de crimes. - Os filhos dos magnatas vão aos mesmos colégios que o restante das crianças. - Os sistemas de serviços públicos e de educação do país promovem a igualdade. - Os poucos crimes que acontecem no país geralmente não envolvem armas de fogo, apesar dos islandeses possuírem muitas. - Adquirir uma arma de fogo não é fácil no país. O processo inclui um exame médico e uma prova escrita. - Além disso, o tráfico de drogas na Islândia é pouco expressivo. Acaso é necessário mais alguma explicação???

  5. Prado Postado em 28/May/2013 às 19:27

    Islândia ≠ Finlândia.

  6. p Postado em 28/May/2013 às 20:03

    é engraçado como ainda existe esse discurso que procura dissociar abuso de drogas e violência. se todo usuário de drogas fosse comedido, pacífico, civilizado, pacato... ou pelo menos a maioria, todo mundo estaria liberado pra desfrutar dos prazeres, pra viajar, pra ter suas fantásticas experiência sensoriais. na prática, infelizmente, não é assim. o usuário pacato, cordial, é exceção.. e a maconha, tá cada vez mais "demodé" e manjada, perdendo espaço pra o uso e abuso de drogas mais pesadas. a guerra contra o tráficot em lá suas meias-verdades, mas a violência psicológica, doméstica, moral e urbana que o abuso de drogas traz não é uma delas. ;)))

  7. Selton Postado em 28/May/2013 às 21:00

    Acho que esse tipo de comparação em relação a outros países sobre o índice de criminalidade tem que acabar.É incoerente comparar o Brasil com a Islândia,por toda uma questão geográfica,ou seja,o tamanho de ambos os países(o Brasil é mais de 30 vezes maior que a Islândia).Da mesma forma que não tem coerência comparar o Brasil com o Haiti em relação ao IDH,visto que há fatores sociais,políticos e econômicos que contribuem para o desfavorecimento dessas estatísticas.

    • isabela Postado em 13/Oct/2013 às 13:28

      Nada a ver o que vc falou. Grande besteira. A verdade que lá nao tem essa de migração, africanos aos montes, concentração de renda e os crimes que acontecem quase sempre são de estrangeiros fazendo besteira. Nao tem esse negocio de favela, nem nada. É a mentalidade lá que é diferente e a educação, a tradição tb conta.

  8. Vinícius Postado em 29/May/2013 às 00:11

    "Países como Noruega, na Suíça e na Dinamarca pareciam tomados pelo crime". Queria ver o Brasil tomado pelo crime como estes países, me sentiria totalmente seguro.

  9. Cleber Postado em 29/May/2013 às 00:54

    Selton, se não podemos comparar Islândia e Brasil devido à diferença de tamanho, como vc afirma, então podemos comparar Brasil e EUA, certo? ;-)

  10. Leandro Postado em 29/May/2013 às 10:21

    Penso ser impossível comparar seres humanos entre si, pois somos únicos, e o mesmo vale para as nações. Para compreender porque a Islândia é um dos países mais pacíficos do mundo, não basta apenas passar semanas ou meses no lugar. É necessário se aprofundar no processo histórico que constituiu essa nação. Claro que da inveja dos islandeses. Quem não queria morar em um país sem desigualdade social, sem crime, com poucos casos de droga, pouca corrupção. Eu adoraria. O texto elenca a questão da igualdade entre as classes sociais, muitas armas de fogo e poucas drogas. Como isso se aplicaria no Brasil? Acho que de forma alguma. Infelizmente o lindo exemplo da Islândia não nos ensina nada. Porque as transformações tão necessárias para melhorar nossa sociedade deve vir de dentro. Do povo brasileiro. (infelizmente).

  11. Bruno .R (@bruno_rms) Postado em 29/May/2013 às 10:30

    Ótimo artigo, acho que realmente não podemos comparar porém como o Selton ressaltou ali em cima, o índice foi comparado com 100 mil habitantes e não toda população, porém isso não vem ao caso. Acredito que para existir uma eficácia e harmonia primeiramente teríamos que mudar muita coisa em nosso pais, começando pelo egocentrismo promovido pelo consumismo que vem através de altos impostos e impulsiona as pessoas sempre a querem mais, pois nunca atingem o "sentimento de satisfação" e assim promovem o egocentrismo. Pelo menos ao meu ver, quando tivermos uma boa educação no país, estaremos no rumo certo ao progresso.

  12. Rene Postado em 29/May/2013 às 10:50

    Bruno entendeu errado o índice. 23 homicídios para cada 100 mil habitantes, não quer dizer que "foi comparado apenas com 100 mil habitantes e não toda população". Quer dizer que pra cada 100 mil habitantes, ocorrem 23 homicídios. Basta fazer uma regra de três pra descobrir quantos ocorrem por ano no país todo. E Selton, o IDH está de fato ligado aos fatores sociais, econômicos e políticos. A qualidade de vida é diretamente oriunda destes. E o tamanho do país não diz nada. EUA e canadá são maiores que o brasil e possuem menos criminalidade. Austrália é quase do tamanho do brasil e a criminalidade é infinitamente menor. Faz todo sentido comparar a criminalidade dos países sim.

    • luiz roberto Postado em 05/Jan/2014 às 15:41

      Estava rindo dos comentários e de repente, li o seu. Fico feliz em saber, mais uma vez, que existem pessoas que ainda raciocinam.

  13. Danilo Sebe Postado em 29/May/2013 às 11:26

    Em uma crítica construtiva ao artigo e no intuito de auxiliar o autor nos seus estudos sobre os baixos índices de violência na Islândia, sugiro que você faça uma apanhando histórico, leve em consideração que a população da Islândia se mantém a mesma população Nórdica a bastante tempo, o próprio frio excessivo que mantém as pessoas mais próximas no árduo inverno é um fator social que auxilia na convivência pacífica. A própria organização social herdada dos viking auxilia muito a igualdade jurídica e social. Numa sociedade totalmente homogênea que evolui mantendo traços das sociedades primitivas (organização em clãs, valorização dos anciãos e a visão de que todos participam da vida social e tem uma função ali dentro) são fatores que não podem faltar numa análise sobre a Islândia. Sugiro que leia o livro A Riqueza e a Pobreza das Nações: Por que algumas são tão ricas e outras tão pobres, esse livro vai te ajudar a traçar um bom paralelo para a análise de fatores que levam a baixa taxa de violência na Islândia. Abraços e sucesso em seu estudo.

  14. AJfromLA Postado em 29/May/2013 às 11:48

    Já morei no mundo inteiro, literalmente e Reykjavik foi o lugar mais seguro que já vie jamais poderia imaginar o quão maravilhoso é sair a noite e saber que jamais você terá algum problema relacionado a violencia. Infelizmente pessoas que vivem em outros países, principalmente Brasil e o resto América do Sul não percebem o quanto é perigoso simplesmente parar num semáforo a noite, por que estão "ridiculamente" acostumados. Se não tem pobreza e todo mundo tem acesso a educação, para que roubar, ou "fugir" da realidade usando drogas. As pessoas são muito melhores quando se vêem igualmente.

  15. Maria S B Valverde Postado em 30/May/2013 às 13:34

    Compartilho totalmente com a opinião do Danilo Sebe. Quem sabe, sabe!

  16. Jânio Postado em 31/May/2013 às 09:34

    A resposta? Uma população de pouco mais de 300 mil pessoas, e 98% são nórdicos, e destes mais de 80% são cristãos. É igual uma cidadezinha aqui perto... resumindo: QUASE TODO MUNDO É PARENTE!. Nada de socialismo babaca!

  17. Rafael Postado em 01/Jun/2013 às 00:21

    Não existe pregação de ódio entre classes nas escolas de lá?

  18. Mr. Rover Postado em 01/Jun/2013 às 13:56

    é mais um blog, não um artigo científico. É como se fosse a opinião de qualquer outra pessoa, com alguns dados e experiência presencial. Não precisam esculhambar a matéria.

  19. kARIN Postado em 05/Jun/2013 às 17:57

    O que destingue um país do outro é seu nivel sócio- cultural . Quando a educacao é a base primordial de um povo mais desenvolvido e democrático é o País em que se vive. O senso de justica e igualdade para todos é o que torna um país civilizado e organizado socialmente , no sentido de paz, solidariedade , liberdade e respeito humano...

  20. Thiago Teixeira Postado em 07/Jun/2013 às 07:47

    O Segredo é geográfico. Numa ilha, você rouba um carro e correrá para onde? Todo mundo se conhece e todas sabem aquele carro não é seu. Cabo Verde e São Tomé e Pricnipe são ilhas Africanas pequenas e também possuem índices baixos de violência.

  21. Eduardo Postado em 07/Jun/2013 às 21:10

    O país funciona porque não tem corrupção nem religião. Um fator secundário é: "há uma tradição na Islândia de denunciar os crimes diante de qualquer indício ou agir para freá-los logo no início, antes que a situação piore." Simples, não precisa de tese para chegar a essa conclusão.

  22. Luisa Pate Postado em 26/Jul/2013 às 00:48

    Certa vez, li um artigo sobre uma revolução que derrubou o partido situação e colocou no poder um partido liberal, Verde se nao me engano , pois reinava opressao, corrupção . Poucos anos se passaram com o novo regime e o regime antigo voltou ao poder...Alguem tem noticia disto?

  23. Andre Postado em 29/Dec/2013 às 20:17

    Será? Como explicar então o caso da Índia, que mesmo com diferenças chocantes ainda tem uma das menores taxas de criminalidade do mundo? Como explicar que as maiores taxas encontram-se no continente africano, onde não existe tanta desigualdade (mas sobra miséria)? O segredo esta, dentre outras causas, na educação do povo, no sentido de Nação (veja que pátria não é nação... Isso é claramente percebido na África)... Riqueza, diminuição da desigualdade e da criminalidade são consequências... Ah, a Islândia foi um dos países mais afetados pela crise econômica-financeira global... Lá não foi marolinha não, foi tsunami mesmo!

  24. Pedro Paulo Postado em 08/Jan/2014 às 11:18

    Muitas cidades brasileiras com população igual (+/- 300 mil habitantes) tem a mesma taxa de homicídios igual.

  25. Ana Maria Postado em 03/Mar/2014 às 19:00

    Tanta estupidez e ignorância. A Islândia só tem 300 mil habitantes, toda a gente se conhece e é uma ilha distante de onde não se foge e ninguém se pode esconder. Como pode haver crime num lugar assim?

  26. Renato Postado em 21/May/2014 às 17:10

    Aqui até os nossos governantes fomentam a violência. Veja o Lula com a sua teoria do "nós" contra "eles". Jogando brasileiros contra brasileiros. Isso é questão também de cultura. O Brasil se transformou em um país violento por diversos fatores, principalmene o cultural. Vivemos a cultura da violência. Somos bombardeados todos os dias por notícias de violência. Passou a ser algo natural, do nosso quotidiano. O problema é como reverter isso.