Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Saúde 10/May/2013 às 00:03
87
Comentários

Por que o CFM tem medo dos médicos cubanos?

Médicos cubanos assustam o Conselho Federal de Medicina. Corporativistas temem que mudança do foco no atendimento abale o sistema mercantil de saúde do Brasil

A virulenta reação do Conselho Federal de Medicina (CFM) contra a vinda de seis mil médicos cubanos para trabalhar em áreas absolutamente carentes do país é muito mais do que uma atitude corporativista: expõe o pavor que uma certa elite da classe médica tem diante dos êxitos inevitáveis do modelo adotado na ilha, que prioriza a prevenção e a educação para a saúde, reduzindo não apenas os índices de enfermidades, mas sobretudo a necessidade de atendimento e os custos com a saúde.

Essa não é a primeira investida radical do CFM e da Associação Médica Brasileira contra a prática vitoriosa dos médicos cubanos entre nós. Em 2005, quando o governador de Tocantins não conseguia médicos para a maioria dos seus pequenos e afastados municípios, recorreu a um convênio com Cuba e viu o quadro de saúde mudar rapidamente com a presença de apenas uma centena de profissionais daquele país.

A reação das entidades médicas de Tocantins, comprometidas com a baixa qualidade da medicina pública que favorece o atendimento privado, foi quase de desespero. Elas só descansaram quando obtiveram uma liminar de um juiz de primeira instância determinando em 2007 a imediata “expulsão” dos médicos cubanos.

No Brasil, o apego às grandes cidades

medicos-brasil

Dos 371.788 médicos brasileiros, 260.251 estão nas regiões Sul e Sudeste (Foto:

Neste momento, o governo da presidenta Dilma Rousseff só está cogitando de trazer os médicos cubanos, responsáveis pelos melhores índices de saúde do Continente, diante da impossibilidade de assegurar a presença de profissionais brasileiros em mais de um milhar de municípios, mesmo com a oferta de vencimentos bem superiores aos pagos nos grandes centros urbanos.

E isso não acontece por acaso. O próprio modelo de formação de profissionais de saúde, com quase 58% de escolas privadas, é voltado para um tipo de atendimento vinculado à indústria de equipamentos de alta tecnologia, aos laboratórios e às vantagens do regime híbrido, em que é possível conciliar plantões de 24 horas no sistema público com seus consultórios e clínicas particulares, alimentados pelos planos de saúde.

Mesmo com consultas e procedimentos pagos segundo a tabela da AMB, o volume de clientes é programado para que possam atender no mínimo dez por turnos de cinco horas. O sistema é tão direcionado que na maioria das especialidades o segurado pode ter de esperar mais de dois meses por uma consulta.

Além disso, dependendo da especialidade e do caráter de cada médico, é possível auferir faturamentos paralelos em comissões pelo direcionamento dos exames pedidos como rotinas em cada consulta.

Sem compromisso em retribuir os cursos públicos

Há no Brasil uma grande “injustiça orçamentária”: a formação de médicos nas faculdades públicas, que custa muito dinheiro a todos os brasileiros, não presume nenhuma retribuição social, pelo menos enquanto não se aprova o projeto do senador Cristóvam Buarque, que obriga os médicos recém-formados que tiveram seus cursos custeados com recursos públicos a exercerem a profissão, por dois anos, em municípios com menos de 30 mil habitantes ou em comunidades carentes de regiões metropolitanas.

Leia também

Cruzando informações, podemos chegar a um custo de R$ 792 mil para o curso de um aluno de faculdades públicas de Medicina, sem incluir a residência. E se considerarmos o perfil de quem consegue passar em vestibulares que chegam a ter 185 candidatos por vaga (Unesp), vamos nos deparar com estudantes de classe média alta, isso onde não há cotas sociais.

Um levantamento do Ministério da Educação detectou que na medicina os estudantes que vieram de escolas particulares respondem por 88% das matrículas nas universidades bancadas pelo Estado. Na odontologia, eles são 80%.

Em faculdades públicas ou privadas, os quase 13 mil médicos formados anualmente no Brasil não estão nem preparados, nem motivados para atender às populações dos grotões. E não estão por que não se habituaram à rotina da medicina preventiva e não aprenderam como atender sem as parafernálias tecnológicas de que se tornaram dependentes.

Concentrados no Sudeste, Sul e grandes cidades

Números oficiais do próprio CFM indicam que 70% dos médicos brasileiros concentram-se nas regiões Sudeste e Sul do país. E em geral trabalham nas grandes cidades. Boa parte da clientela dos hospitais municipais do Rio de Janeiro, por exemplo, é formada por pacientes de municípios do interior.

Segundo pesquisa encomendada pelo Conselho, se a média nacional é de 1,95 médicos para cada mil habitantes, no Distrito Federal esse número chega a 4,02 médicos por mil habitantes, seguido pelos estados do Rio de Janeiro (3,57), São Paulo (2,58) e Rio Grande do Sul (2,31). No extremo oposto, porém, estados como Amapá, Pará e Maranhão registram menos de um médico para mil habitantes.

A pesquisa “Demografia Médica no Brasil” revela que há uma forte tendência de o médico fixar moradia na cidade onde fez graduação ou residência. As que abrigam escolas médicas também concentram maior número de serviços de saúde, públicos ou privados, o que significa mais oportunidade de trabalho. Isso explica, em parte, a concentração de médicos em capitais com mais faculdades de medicina. A cidade de São Paulo, por exemplo, contava, em 2011, com oito escolas médicas, 876 vagas – uma vaga para cada 12.836 habitantes – e uma taxa de 4,33 médicos por mil habitantes na capital.

Mesmo nas áreas de concentração de profissionais, no setor público, o paciente dispõe de quatro vezes menos médicos que no privado. Segundo dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar, o número de usuários de planos de saúde hoje no Brasil é de 46.634.678 e o de postos de trabalho em estabelecimentos privados e consultórios particulares, 354.536.Já o número de habitantes que dependem exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS) é de 144.098.016 pessoas, e o de postos ocupados por médicos nos estabelecimentos públicos, 281.481.

A falta de atendimento de saúde nos grotões é uma dos fatores de migração. Muitos camponeses preferem ir morar em condições mais precárias nas cidades, pois sabem que, bem ou mal, poderão recorrer a um atendimento em casos de emergência.

A solução dos médicos cubanos é mais transcendental pelas características do seu atendimento, que mudam o seu foco no sentido de evitar o aparecimento da doença. Na Venezuela, os Centros de Diagnósticos Integrais espalhados nas periferias e grotões, que contam com 20 mil médicos cubanos, são responsáveis por uma melhoria radical nos seus índices de saúde.

Cuba é reconhecida por seus êxitos na medicina e na biotecnologia

Em sua nota ameaçadora, o CFM afirma claramente que confiar populações periféricas aos cuidados de médicos cubanos é submetê-las a profissionais não qualificados. E esbanja hipocrisia na defesa dos direitos daquelas pessoas.

médicos cubanos

Estudantes estrangeiros na Escola Latino-Americana de Medicina

Não é isso que consta dos números da Organização Mundial de Saúde. Cuba, país submetido a um asfixiante bloqueio econômico, mostra que nesse quesito é um exemplo para o mundo e tem resultados melhores do que os do Brasil.

Graças à sua medicina preventiva, a ilha do Caribe tem a taxa de mortalidade infantil mais baixa da América e do Terceiro Mundo – 4,9 por mil (contra 60 por mil em 1959, quando do triunfo da revolução) – inferior à do Canadá e dos Estados Unidos. Da mesma forma, a expectativa de vida dos cubanos – 78,8 anos (contra 60 anos em 1959) – é comparável a das nações mais desenvolvidas.

Com um médico para cada 148 habitantes (78.622 no total) distribuídos por todos os seus rincões que registram 100% de cobertura, Cuba é, segundo a Organização Mundial de Saúde, a nação melhor dotada do mundo neste setor.

Segundo a New England Journal of Medicine, “o sistema de saúde cubano parece irreal. Há muitos médicos. Todo mundo tem um médico de família. Tudo é gratuito, totalmente gratuito. Apesar do fato de que Cuba dispõe de recursos limitados, seu sistema de saúde resolveu problemas que o nosso [dos EUA] não conseguiu resolver ainda. Cuba dispõe agora do dobro de médicos por habitante do que os EUA”.

O Brasil forma 13 mil médicos por ano em 200 faculdades: 116 privadas, 48 federais, 29 estaduais e 7 municipais. De 2000 a 2013, foram criadas 94 escolas médicas: 26 públicas e 68 particulares.

Formando médicos de 69 países

Em 2012, Cuba, com cerca de 13 milhões de habitantes, formou em suas 25 faculdades, inclusive uma voltada para estrangeiros, mais de 11 mil novos médicos: 5.315 cubanos e 5.694 de 69 países da América Latina, África, Ásia e inclusive dos Estados Unidos.

Atualmente, 24 mil estudantes de 116 países da América Latina, África, Ásia, Oceania e Estados Unidos (500 por turma) cursam uma faculdade de medicina gratuita em Cuba.

Entre a primeira turma de 2005 e 2010, 8.594 jovens doutores saíram da Escola Latino-Americana de Medicina. As formaturas de 2011 e 2012 foram excepcionais com cerca de oito mil graduados. No total, cerca de 15 mil médicos se formaram na Elam em 25 especialidades distintas.

Isso se reflete nos avanços em vários tipos de tratamento, inclusive em altos desafios, como vacinas para câncer do pulmão, hepatite B, cura do mal de Parkinson e da dengue. Hoje, a indústria biotecnológica cubana tem registradas 1.200 patentes e comercializa produtos farmacêuticos e vacinas em mais de 50 países.

Presença de médicos cubanos no exterior

Desde 1963, com o envio da primeira missão médica humanitária à Argélia, Cuba trabalha no atendimento de populações pobres no planeta. Nenhuma outra nação do mundo, nem mesmo as mais desenvolvidas, teceu semelhante rede de cooperação humanitária internacional. Desde o seu lançamento, cerca de 132 mil médicos e outros profissionais da saúde trabalharam voluntariamente em 102 países.

No total, os médicos cubanos trataram de 85 milhões de pessoas e salvaram 615 mil vidas. Atualmente, 31 mil colaboradores médicos oferecem seus serviços em 69 nações do Terceiro Mundo.

No âmbito da Alba (Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América), Cuba e Venezuela decidiram lançar em julho de 2004 uma ampla campanha humanitária continental com o nome de Operação Milagre, que consiste em operar gratuitamente latino-americanos pobres, vítimas de cataratas e outras doenças oftalmológicas, que não tenham possibilidade de pagar por uma operação que custa entre cinco e dez mil dólares. Esta missão humanitária se disseminou por outras regiões (África e Ásia). A Operação Milagre dispõe de 49 centros oftalmológicos em 15 países da América Central e do Caribe. Em 2011, mais de dois milhões de pessoas de 35 países recuperaram a plena visão.

Quando se insurge contra a vinda de médicos cubanos, com argumentos pueris, o Conselho Federal de Medicina (CFM) adota também uma atitude política suspeita: não quer que se desmascare a propaganda contra o regime de Havana, segundo a qual o sonho de todo cubano é fugir para o exterior. Os mais de 30 mil médicos espalhados pelo mundo permanecem fiéis aos compromissos sociais de quem teve todo o ensino pago pelo Estado, desde a pré-escola e de que, mais do que enriquecer, cumpre ao médico salvar vidas e prestar serviços humanitários.

Por Pedro Porfírio, em seu blog

Recomendados para você

Comentários

  1. Ivanio Martins Postado em 10/May/2013 às 00:19

    Cuba é referência tanto na educação como na saúde pública, trazê-los(os médicos) para cá vai proporcionar a prática da medicina preventiva, principalmente nas localidades onde ao acesso à hospitais é mais difícil. Mas não devemos esquecer das dificuldades que os nossos médicos possuem em atender a grande demanda nos hospitais espelhados pelo país, que encontram-se defasados e sem infraestrutura alguma.

    • Adyneusa Postado em 16/Sep/2015 às 18:30

      E porque os médicos cubanos conseguem fazer o que os nossos não conseguem? podemos pensar!

  2. Lauro Portela Postado em 10/May/2013 às 09:30

    Só uma correção: "Entre a primeira turma de 2005 e 2010, 8.594 jovens doutores saíram da Escola Latino-Americana de Medicina" Jovens doutores não. Doutor é quem tem doutorado e não quem conclui bacharelado em medicina (ou direito). Mas o artigo está muito bom. Parabéns.

    • Eduardo Costa Postado em 22/Oct/2013 às 01:20

      Olá, Lauro. Tecnicamente falando, pelo menos alguns médicos cubanos podem ser considerados doutores. Explicando melhor. Nos Estados Unidos e no Canadá, alguém que queira ser médico, faz um curso de graduação que pode ser em Engenharia Mecância (caso de Catherine Mohr, a mão do Robot DaVinci) ou até latim. A escola de medicina pode exigir que essa graduação contenha alguns cursos de química, computação, cálculo integras e física. Depois da graduação, o estudante entra na escola de medicina onde faz o equivalente a um doutorado (Medical Doctor). Algumas escolas, como é o caso de Harvard, fornecem, além do Medical Doctor, um PhD -- Philosophiae Doctor. Aparentemente, Cuba dá essa opção para estudantes de países - como os Estados Unidos - onde o doutorado é obrigatório para exercer a medicina. No caso, o futuro médico deve fazer o USMLE e parte do rotation nos Estados Unidos.

    • Med98 Postado em 23/Aug/2014 às 12:52

      A alcunha "Doutor" é diferente do título "Doutor", e sua origem se confunde com o próprio exercício da profissão. Na Grécia antiga todos aqueles que se dedicavam às atividades intelectuais deveriam estudar filosofia antes, tendo assim o título de "Douto". Nos países de língua inglesa não se tem esse problema, pois o médico lá é M.D. (Medical Doctor) enquato que o PhD (Philoshophy Doctor) é o equivalente ao "Doutor" de quem defende tese de doutorado. Nos países de língua portuguesa, criou-se essa confusão, porém Médico continua sendo Doutor, mesmo que pela alcunha e não pelo título.

  3. Pedro Postado em 10/May/2013 às 09:53

    Sempre acompanho as postagens do Pragmatismo Politico. Realmente gosto do que leio aqui. Infelizmente hoje não tive essa experiencia. Este assunto é muito mais delicado do que o colega Porfirio expõe. Sim, os indices de saúde de Cuba são invejáveis e seu modelo de saúde deve ser seguido por nosso país. Agora, receber médicos Cubanos(ou de qualquer outro país) sem submetê-los a revalidação é um erro e submeter a população a risco desmedido. Mesmo o acordo de Amizade entre Brasil e Portugal, que reconhece automaticamente o DIploma auferido no país de origem, indica a necessidade de realização de prova para a Ordem dos Médicos. Cada país tem suas peculiaridades, legislação, epidemiologia, diretrizes de investigação e tratamento. Desconhecer isso, é impericia. Quando o autor fala que médicos não sedimentam-se no interior longinquo por estarem acostumados com geringonças tecnológicas, demonstra o total desconhecimento da prática médica. Baste ele mesmo recorrer os NEMJ, e procurar por artigos que comparam acuracia de exame físico X exames complementares para ver o quanto são necessarios. E não estou falando de ressonancia magnética, PET scan. Estou falando de raio-x, uma ferramenta diagnostica com mais de 1 século e que não existe em muitos, muitos locais do nosso Brasil. Estou falando de exames laboratoriais básicos, não de testes de reação de polimerase. Já tive a chance de trabalhar no interior(Acre), e sei o que digo. Atender um paciente, ver o que ele necessita e não poder oferecê-lo o que merece demonstra a sua total insignificancia diante do sistema. Grande parte da responsabilidade do sistema de sáude é colocada sobre o médico, mas é apenas a ponta do iceberg, aquilo que é visto, sentido pela população e explorado pela mídia. Sinto nojo quando leio isso, sabendo que o problema começa na atenção básica, que não possui plano de carreira para médicos se interiorizarem, sabendo que o problema começa na educação básica, que não permite que o conhecimento chegue à população e a mantenha inerte, engessada pela midia e ações populistas descabidas. Dizer que o CFM é corporativista e apenas deseja manter a ordem mercantilista da medicina é uma piada de mau gosto de alguém que não trabalha na realidade da saúde brasileira. Tenho esperança que o Porfirio não seja trabalhador da área da saúde, e que tenha escrito isso fincado nos seus ideais. Sugiro que investigue mais a fundo como se dão os problemas de gestão de saúde no interior do Brasil, pois não teria tempo nem linhas para escrever estes tópicos aqui. Abraco, Pedro - médico do SUS, com muito orgulho

    • Cacique Postado em 10/May/2013 às 11:10

      Eu acho uma grande pena constatar que a Medicina é a profissão aonde a gente encontra desvios éticos com mais facilidade. O Brasil está apelando para a ajuda dos médicos cubanos porque o corporativismo dos médicos brasileiros impedem que se resolva o problema por aqui mesmo.

      • Edu Costa Postado em 22/Oct/2013 às 03:29

        Fico triste ao ver acusações de corporativismo e desvio ético contra os médicos brasileiros. Dizer que eles são despreparados, aceito; nossas escolas não são das melhores do mundo. Mas nossos médicos fazem o que podem com a educação recebida pelo governo. Senão vejamos. Um médico termina o curso entre os 27 e 30 anos. Como o vestibular é muito difícil (o que é uma coisa boa; só os mais capazes deveriam ser responsáveis por vidas humanas), o estudante frequentemente entra na faculdade com 23 anos. Vai terminar o curso já trintão. Aí começa a luta pela residência. Exames dificílimos, durante três, quatro anos. Há cursinhos preparatórios para esses exames. Não são baratos. Os estudantes fazem plantões, muitas vezes em hospitais mal equipados, ganhando pouco e, desse pouco, ainda gastam 1000 reais no cursinho. Finalmente, entram na residência, Clínica Médica. Na residência, a grande maioria ganha aquela bolsa de 2300 reais. A jornada de trabalho é de 60 horas. A maior parte do tempo, o residente não está aprendedendo. Está simplesmente atendendo. Depois ... terminada a clínica médica, entram em outra residência, mais específica. Isso é necessário, senhores, para dar um atendimento de qualidade. Os seis anos de faculdade são insuficientes. Mas resumindo, essa maioria dos médicos trabalham até perto dos 40 anos por um salário que revoltaria um taxista. Aliás, conheço pelo menos dois residentes que trabalham de taxista para complementar o salário. Mais lucrativo e menos desgastante do que fazer plantões. E evitar o desgaste é importante para quem precisa de atenção total para cuidar da vida dos pacientes. Mas, então, o médico termina sua especialidade. Suponhamos que seja oncologia. Vocês sabiam que a falta de uma mamografia bem feita pode representar uma queda de 30% na mortalidade de câncer de mama? Será que a presidente enviou um equipamento de mamografia junto com os médicos cubanos? Esqueci-me. Para evitar o escândalo de erros médicos que possam atrapalhar a eleição do Padilha, os médicos cubanos não podem fazer procedimentos complexos. Só atendimento básico, daquele tipo que nos Estados Unidos é feito por paramédicos. Mas aqui estão estes jovens e estas jovens com a residência completa. Digo jovens, mas já são quase quarentões; elas muitas vezes ainda não tiveram filhos e já estão próximas da idade em que não poderão mais tê-los. Alguns, com tino comercial e muita sorte, começam a ganhar relativamente bem. Mas a maioria... No prédio em que moro, há vários médicos. Certa vez o hospital universitário contratou 20 intensivistas, com salário de 2500 reais. Isso mesmo. 2500 reais. Não faltaram candidatos. Pessoas que ainda não tinham concluído a residência passaram no concurso e entraram na justiça, brigando pelos 2500 reais. Dos quais não poriam nem 2000 no bolso. Você vai dizer-me que esses 2500 reais ou 3000 reais ou 4000 reais é para 20 horas. O médico pode pegar mais dois empregos, trabalhar 60 horas e ganhar quase 10000. Médico precisa de tempo para treinar, estudar, fazer eletroforese, olhar lâminas no microscópio de contraste de fase. Então, não deveria trabalhar mais de 20 horas. Existem aqueles que atendem em consultórios pela UNIMED. Recentemente, consultei um urologista famoso, índice H 4. Fui atendido pela UNIMED. Ele deve ter recebido 50 reais pela minha consulta. Se tanto. Fiquei lá durante 40 minutos jogando conversa fora. Em nenhum minuto tentou expulsar-me do consultório. Depois eu, ou seja, a UNIMED, ainda tinha direito a retorno. Pelo SUS, ele recebia ainda menos. E tinha de preencher toda aquela papelada. O urologista famoso, índice H 4, cobra menos pela hora do que o Wisam, que corta meu cabelo. Wisan cobra 102 reais, sem direito a retorno. No meu caso, ele faz um abatimento. Freguês antigo. Então ele concorda em cobrar o mesmo que o urologista cobra. O taxi que me leva ao urologista, espera eu terminar a consulta e me leva de volta para casa (não sou muito jovem) cobra mais do que o médico. E não é tão atencioso. Já levei parentes à UNICAMP, onde foram atendidos pelo Dr. Luiz Carlos Teixeira. Pelo SUS. Atencioso, explicou-me tudo sobre drogas que bloqueiam o URACIL, ou que impedem a formação de microtubos. Mas por que o Dr. Teixeira ou o Dr. Daniello (o tal índice H 4) não vão para o interior? Sem equipamentos e sem especialistas para apoiá-los, esses médicos sentem que vários de seus pacientes morrerão por diagnósticos tardios de câncer, por falta de um colega para orientá-los, etc. Vocês já ouviram falar no teorema de Condorcet? Esse "cara" era advogado, não médico. Mas ele descobriu e demonstrou matematicamente que um grupo de especialistas com probabilidade maior que meio de dar um diagnóstico correto tem mais chances de acertar do que um especialista isolado. Esse é o princípio norteador dos expert panels. Procurem na Wikipedia sobre o teorema de Condorcet. Os médicos sabem que isolados eles nada podem fazer. Por isso, preferem ficar em cidades onde tenham contato com especialistas, como Campinas, Maringá, Uberlândia ou Petrolina do que isolar-se. Mas apenas poucos médicos ganham bem. A maioria trabalha por salários que você não aceitaria. E gasta a maior parte do salário com seus próprios pacientes. Agora, com meu próximo argumento vou tentar provar o seguinte: Se o governo oferecesse um plano de carreira, e 3/4 do salário de um juiz, além de laboratórios razoavelmente equipados, os médicos brigariam na justiça pelo emprego no interior. E os tais laboratórios razoavelmente equipados não são muito caros. E poderiam ser fabricados no Brasil. Ou importados da China. Ou da Hungria. Vamos à prova. Vocês sabem que Lula é de Garanhuns. Estou aqui, em uma cidade de Pernambuco que fica pertinho de Garanhuns. A cidade se chama Petrolina. É muito quente. Dos quatro médicos do Mais Médicos alocados para cá, todos desistiram. Um disse que era muito difícil trazer a família e coisas tais. Os outros não sei que desculpas deram. Pois bem, por sugestão do senador Cristovam Buarque, foi fundada uma universidade federal aqui, com direito a escola de medicina. O salário de um professor é qualquer coisa abaixo de 10000 reais, para quem tenha doutorado. Pois bem, vários médicos ilustres e capazes brigaram por essas posições. Pois havia uma carreira. Dei uma olhada no corpo docente da universidade. Havia nomes assim: Samira Yarak, dermatologista, índice H 3, Ricardo Santana, índice H 6, José Carlos de Moura, Eliana Mattos Lacerda, índice H 4, etc. etc. Fiquei sabendo de várias histórias interessantes. Parece que dois professores queriam a mesma vaga. Um tinha doutorado pela John Hopkins e até havia dado aulas por lá. A banca não considerou as aulas da John Hopkins válidas e o tal cientista ficou em segundo lugar. Outro entrou. O médico da John Hopkins entrou na justiça pela vaga. É isso, senhores. Ofereçam uma carreira e os brasileiros vão para lugares onde cubano não se atreve a pisar. A propósito, o governo não forneceu hospital para a UNIVASF. Suspendeu as obras do Policlínico. Pois bem, a prefeitura doou seu hospital de traumas para a universidade, com heliporto e tudo. Pintaram o hospital bonitinho, pregaram um letreiro de Hospital Universitário, conseguiram tomógrafo de 35 canais, imageadores de mamografia, e tudo mais. Resumindo: Um plano de carreira, salário de 3/4 de um juiz e doutores da John Hopkins vão brigar pela vaga.

      • MARIA ANTONIA S. DIAZ Postado em 26/Aug/2014 às 18:34

        SALUDOS, EU COMCORDO COM VOCÊ, NOS, OS MÉDICOS CUBANOS NÃO TEMOS CULPA DE ISSO..VERDADE? SO VIMOS AJUDAR AO POVO BRASILEIRO QUE E O MAIS NECESSITADO, PARA COOPERAR, COMO NO OUTROS PAÍSES DO MUNDO, NOS ESTAMOS FORMADOS PARA ISSO...BASTA DE CRITICAS E RESSENTIMENTOS, NOS NÃO SOMOS CONTRARIANTES DOS MÉDICOS NATIVOS, SO ESTAMOS TRABALHANDO E JÁ....OBRIGADA.

    • Pedro Luiz schmidt Postado em 22/Feb/2014 às 08:06

      Pedro, tbém sou Pedro e concordo com tua fala, tens razão.Ta faltando um plano de cargos, carreira e salários . Concordo com senador Cristovan em mandar os recém formados 2 anos pro interior

    • MARIA ANTONIA S. DIAZ Postado em 26/Aug/2014 às 18:11

      Dr Pedro meus respeitos y saludos...sou uma Dra cubana do Programa Mais Médicos em Brasil, agora estou em Bom Despacho Minas Gerais em o PSF Ana Rosa ...ajudando gostosamente e o que eu faz como profissional da saúde que sou há 26 anos e com todo o respeito que ambos merecemos vou e quer contestar seu comentário acima... eu não tenho uma língua no português fluida , eu falo melhor que escrever, pelo que me estou esforçando muito para aprender a escrever melhor, agora eu se que você vai entender ou compreender muito bem quase ou todo o que aqui eu vou escrever -lé agora... nos, os médicos cubanos, temos uma escola muito parecida a você, só que quando nos estudamos a carreira o fazemos em todas as doenças respectivas e com uma visão mundial, não em particular o respeito a Cuba, porque como você compreendera em nosso pais foram erradicadas muitas doenças principalmente transmisiveis aos inicios do triunfo da revolução cubana, foi para esso que fez a mesma....mais não temos quica a experiência vivida pessoal com a doença mas conhecemos a mesma todo ao respecto e quando precisamos atualizar algum tema o fazemos porque esso caracteriza aos médicos cubanos, nos estamos em constante atualização dos conhecimentos científicos a nível mundial e esso e profissionalismo de nossa escola....mas eu não vim a escrever aqui para mostrar essa parte de nos os médicos cubanos, eu escrevo aqui para dizer você y a os outros doutores nativos que estão pensando como você que por favor se atualicen mais em nossa formação...não e menor que a de vocês e quicas sim mais completa e integral, e feio que eu tenha que relembrar-lhes esso vocês... mas por favor.....pergunte ao ministério da saúde de cada estado e município sobre os documentos que nos entregamos, legais todos, com os timbres das embaixadas quando fizer-on o cadastro na cada sede, que em meu caso foi no Espiritu Santo e fizemos tres exames....oral, escrito, de língua portuguesa e de medicina, com as doenças cronicas e agudas, transmissível e não, que são mundialmente conhecidas e epidemiologicamente conhecidas dentro de seus estados prioritariamente E as mais especificas de MG ....e que não são só brasileiras ok? o sistema mundial de medidas OU internacional com o que nos trabalhamos e há muitos ANOS E MMOL/L e quase não trabalhamos com o sistema de mg/dl na maioria dos resultados dos exames laboratoriais dos que você fala no seu palestra aqui acima e estamos trabalhando com ele porque o conhecemos ok?....QUE TEMOS DIFICULDADES COM O IDIOMA MAIS O MENOS SEM, E VERDADE, TA CERTO DR....E...QUE ACONTECE? MATAMOS A ALGUM NATIVO? ATE AGORA EU ACHO QUE NÃO....QUAL A DISCUSSÃO SE TEM MÉDICOS NATIVOS E DE OUTROS PAÍSES aqui QUE TAMBÉM TEM, ATE MAIS PROBLEMAS DA LÍNGUA PORTUGUESA QUE NOS, QUE SO A ESTAMOS PRATICANDO AGORA, NESTES TEMPOS E GRACIAS A DEUS SEM SEU AJUDA, PORQUE SO FAZEM CRITICAR-NOS....COLOQUE-SE NO LUGAR DE NOS, COMO FALA VOCÊ O ESPANHOL, OU CASTELHANO? SERIA MUITO BONITO E ATE UM HONOR PARA VOCÊS PODER FALAR O CASTELHANO, PORQUE SÃO O ÚNICO PAIS DA AMÉRICA LATINA QUE SÃOS LATINOS MAIS QUASE QUE RENEGAM DE SEUS RAIES LATINAS E NÃO OS ENGANEMOS DR....SE DE VERDADE O EM VERDADE VOCÊ QUER NOS AJUDAR SO PRACTIQUELO SEM FALAR ASSIM ..NOS NÃO NECESSITAMOS REVALIDAR UM TITULO QUE JÁ TEMOS, QUE EU TENHO HÁ 26 ANOS E QUE ONDE EU TRABALHE E ATE AGORA JÁ HE MORADO COM EXPERIÊNCIA BASTANTE AMPLIA EM 5 PAÍSES COMO MEDICO E HE RETORNADO PARA MEU BELO E AGUERRIDO E IMCOMPARABEL PAIS, CUBA....sou tão medico como você e vamos TRABALHAR JUNTOS...VAMOS FAZER PLANTÃO, VAMOS TRABALHAR EM UMA CLINICA, EM UM DOMICILIO, EM QUALQUER LUGAR QUE VOCÊ QUER SE E QUE PRECISA SABER MAIS DE NOS, QUICAS TENHA SURPRESAS DR...NOS, OS MÉDICOS CUBANOS SOMOS TAM PROFISSIONAL COMO VOCÊS, MÉDICOS, GRADUADOS DE MÉDICOS, E se e CORRETO FALAR SOMOS DOUTORES EM MEDICINA GERAL, ISOS PRECONCEITOS QUE VOCÊS TEM E O QUE FAZ MAIS RUIM SEU MEDICINA E RIDICULARIZA SEU ESCOLA DE MEDICINA, SOMOS PROFESSORES, MESTRES, DIPLOMASTES, NÃO DE UM CURSINHO DE APOS GRADO, TEMOS MUITOS OK? E NENHUM E FALSO....AGORA, VOLTO A QUE VOCÊ TEM A RAZÃO EM QUANTO A QUE ALGUNS DE NOS PRECISA APRENDER MAIS O PORTUGUÊS COMO MUITOS DE VOCÊS TAMBÉM....EU ESTOU E FICO A SEU ORDEM E ME GOSTARIA CONHECE-LO PESSOALMENTE...ajudar ao povo, a seu povo desinterezadamente, com um salário por um contrato de trabalho a vezes NÃO BEM CUMPRIDO em algumas coisas, com um trato a vezes desmerecido e com faltas de respeito de seus partes não e bom, nos trabalhamos por conciencia e só POR amor a nossa profesao....NOS PRATICAMOS UMA MEDICINA HUMANISTA E ENFOCADA SOMENTE NO SER HUMANO, A RAZÃO DE NOS EXISTIR COMO PROFISSIONAL DA SAÚDE...COMO MÉDICOS E TENHA PRESENTE QUE SOMOS MAIS QUE MÉDICOS DA COMUNIDADE...NOS SOMOS MÉDICOS INTEGRARES E MUITO INTEGRARES DR.. OBRIGADA POR SEU ATENÇÃO, SE DE VERDADE LEIO ESTAS PALAVRAS ESPERO VOCÊ REFLEXIONE SOB O QUE FALOU E QUE OS QUE SABEMOS RESPEITARMOS E TEMOS DIGNIDADE NÃO CONCORDAMOS EM ALGUMAS COISAS, E MELHOR A VERDADE POR NA FRENTE QUE FALAR POR AS COSTAS..,TA CERTO? EU SOU ASSIM..PERDOE MINHAS FALAS ORTOGRÁFICAS...UM ABRASO GIGANTESCO E SEM RESERVAS...ESTAMOS PARA APRENDER A CONHECERMOS....O QUE PARA VOCÊS E NOVO PARA NOS E MUITO ANTIGO JÁ...TODO O QUE FAZEMOS E COM AMOR E COM DESEJOS DE APRENDER MAIS, POR ISSO ESTAMOS FAZENDO A ESPECIALIDADE NA MEDICINA COMUNITÁRIA DE VOCÊS AQUI TAMBÉM, QUE E DO MUNDO OK?... VOCÊ SABE ISSO? OBRIGADA OUVIU? MUITO OBRIGADA DR. DISCULPA-ME

      • Adyneusa Postado em 16/Sep/2015 às 18:29

        Maria Antonia, seu depoimento é de grande importancia, nos ensina muito. Foi clara e objetiva. O problema do Brasil é que formamos profissionais para atender a classe dominante, a classe dos ricos, o capitalismo ensina a ganhar dinheiro e não ver a pessoa como um ser humano. Nós somos um monte de órgãos, passado em RX, Ressonancia magnética e outros aparelhos, porque as indústrias de tecnologia querem vender, assim como a farmaceútica, que é a mais poderosa aqui. O que precisa mudar, são as escolas de medicina, como para todo profissional. O médico aqui exerce o bio poder, ele é o centro, os outros profissionais são auxiliares, isso que precisa mudar, pois todos profissionais tem sua importancia, trabalhar em equipes multidisciplinar, e trabalhar na prevenção de doenças e não tratar os órgãos doentes. Tem que parar de enxergar a pessoa como um paciente, um monte de órgãos, e sim como um ser humano. Hoje em nosso sistema de saúde, o SUS, já estamos trabalhando e incentivando os profissionais a ter outro olhar para trabalhar em equipes, e não individuais. Acredito que vai levar tempo para isso acontecer. Nossos planos de saúde estão esgotados, pagamos e não somos bem atendidos, a espera por consulta é longa, mais do que no SUS. Os hospitais(privados) são todos equipados, mas falta médicos, muitos batem o cartão e vão embora, deixando os pacientes esperando. Levei a um hospital privado meu filho com Caxumba, chegamos lá as 23:30 e o primeiro médico atendeu as 1:30, porque eu corri atrás. Tina mulheres grávidas, e várias enfermidades juntas esperando, pessoas sentadas no chão sem paciencia, um rapaz começou a chutar as cadeiras e quebrar as coisas, e o médico(segundo), chegou as 4:00 da manhã. Uma pessoa morreu nos corredores, e estou te falando de hospitais particulares, onde pagamos um convênio alto. Tem que mudar essa cultura do dinheiro, e passarmos a olhar as pessoas como ser humano, e com os mesmos direitos, isso se ensina nas escolas. Os nossos médicos estão com medo de perder o campo aqui, que eles sempre dominaram, e os médicos Cubanos vieram para tirar eles do conforto, do monopólio do poder. Tem que aprenderem com voces a serem mais humildes, porque não são Deus. Parabéns pelo seu trabalho, pelo trabalho dos médicos Cubanos, que zeraram a mortalidade infantil do Piauí, obrigada por darem essa lição aos nossos médicos. Vai demorar a eles aprenderem, pois cabe aos governos implementarem aulas nesse sentido. Seja bem vinda, e Deus te abençõe, e a todos seus compatriotas, o povo brasileiro os recebe de braços abertos e com muito amor. Obrigada por salvarem meu povo.

  4. Edmar Fernandes Postado em 10/May/2013 às 09:59

    Bom dia, desejo continuar o diálogo convosco para poder municiá-los, e todos os leitores, sobre algumas realidades da medicina brasileira. Após estes dados que vos apresentarei, ficará mais "claro" algumas bandeiras defendidas pelo CFM: 1 - nós, médicos, lutamos há anos pelo reconhecimento da nossa profissão, pasmem. Esta há anos tramitando nas casas legislativas, mas como há interesses privados comprometidos, a lei do ATO MÉDICO não é aprovada (quem tem uma profissão que é regulamentada sabe a importância) 2 - Se podemos citar outros países para fazer as devidas comparações entre saúde, IDH ou economia (o que eu sou contra já que são realidades diferentes) basta citar que estes outros países, inclusive Cuba, não aceitam juridicamente/legalmente/ moralmente que outros profissionais formadas em países alheios adentrem o seu país e exerçam o trabalho desejado. Não é assim que funciona! Dentre outras consequencias, acabaria com as manifestações sindicais para melhores condições de trabalho e rendimento, se estamos falando de democracia ou mesmo de ditadura. 3 - Cada um sabe a realidade da sua profissão. A maioria das cidades do interior contratam médicos tacitamente e não há meios legais que impeçam que façam isto. Nos Conselhos Regionais de Medicina de todo o país, há diversas ações de médicos que não foram devidamente pagos. Confabulo como as pessoas devem imaginar que deve trabalhar um médico nestes lugares. A falta de material, infraestrutura não são culpa do médico. Se há uma demanda grande de atendimento para uma emergência e tem poucos médicos, ou não tem, não é culpa do médico. A culpa é da falta de interesse das prefeituras/governos estaduais para com a saúde. 4 - Um dos grandes erros ao implatarem diversas escolas médicas foi a não obrigatoriedade de haver centros de práticas médicas próprias. As escolas médicas, desta forma, atenderiam a população de uma forma mais abrangente, como se existissem dezenas de Hospitais Universitários. O que há por trás desta informação que é desconhecida ou não lembrada na mídia? Estes excessos de pacientes que deixaram de ser atendidos de uma forma ideal (por centros univesitários médicos distribuídos pelo país) são obrigados a ter um plano de saúde. Da mesma forma, o plano de saúde (que ganha bilhões de reais de lucro líquido/ano - semelhante aos Bancos) e o próprio governo, conseguem criar um reserva de mercado de médicos para poder conjecturar e impor condições para sua admissão. Neste caso não estou defendendo minha profissão por estarem formandos profissionais demais. Falta qualidade. Um exemplo para finalizar esta parte: em uma emergência médica, seria muito importante que seus médicos tivessem vários anos de pós-graduação em clínica médica, UTI para realizar um trabalho adequado, mas a maioria são recém-formadas que não tem a devida experiência. Não é culpa dos médicos, mas culpa dos gestores de saúde/ municípios/ estados que não sabem gerir ou não o desejam por vários interesses. 5 - Por fim, é muito importante que a população esteja ciente da realidade da saúde do nosso país. A categoria médica sozinha não consegue vencer interesses privados. Nos grandes meios de comunicação que tem uma parcela significativa dos seus rendimentos pagos pelos planos de saúde não há espaço para nossa profissão. E "cá"entre nós: nossa profissão sempre ajuda e sempre ajudou a população. Tenho diversos pacientes que viram verdadeiros amigos ao longo da minha vida. Trabalho também no setor públicos concursado da Prefeitura Municipal de Fortaleza. Se não houver uma política de revalorização do trabalho médico no Brasil, a situação médica e da saúde do país só tende a piorar. Não aposto no pior, não sou pessimista, espero, ansiosamente, que nossa profissão seja regulamentada e que nós, médicos, nos unamos para retomar as rédeas da saúde do país. Meu nome é Edmar Fernandes, CRM-CE 7577, Dermatologista

    • Cris Postado em 10/May/2013 às 11:09

      O que não dá é haver tantos médicos formados no Brasil e a grande maioria deles não aceitar ir para as regiões mais longínquas por não querer se afastar dos grandes centros. Vergonha é alguém fazer o juramento de hipócrates e esquecer do principal ponto desse juramento: salvar vidas. Vergonha é ver muitos médicos mercenários como os que temos no Brasil, só ajudando quem tem dinheiro para pagar seus serviços. Isso sim é vergonha. Que venham os cubanos e que sejam bem vindos. Se eles não honram o juramento que fazem ao se formarem: “Prometo que, ao exercer a arte de curar, mostrar-me-ei sempre fiel aos preceitos da honestidade, da caridade e da ciência. Penetrando no interior dos lares, meus olhos serão cegos, minha língua calará os segredos que me forem revelados, o que terei como preceito de honra. Nunca me servirei da minha profissão para corromper os costumes ou favorecer o crime. Se eu cumprir este juramento com fidelidade, goze eu para sempre a minha vida e a minha arte com boa reputação entre os homens; se o infringir ou dele afastar-me, suceda-me o contrário.” Então que pelo menos os estrangeiros o façam.

      • Anna Postado em 09/Sep/2013 às 15:51

        você não entende Cris, os médicos irão para regiões longínquas desde que o governo ofereça infra-estrutura para eles cuidarem dos pacientes. Querida assista o jornal da cultura e veja a realidade da questão.

      • Pedro Luiz Schmidt Postado em 22/Feb/2014 às 08:13

        Desabafe mas não ofenda, temos médicos bandidos e safados que adquirem muita fama na mídia, porém temos milhares que amam a profissão e são pouco ou nada valorizados pelos contratantes. Acho que pertenço a esses últimos , amo muito meu trabalho e sou muitíssimo amado pelos meus pacientes e é dessa relação que mealimento, meus patrões quero que vão à merda

  5. Rodrigo Postado em 10/May/2013 às 10:05

    A pergunta seria: por que os médicos cubanos não conseguem passar no exame para validação do diploma? Inverter a lógica é jogar para a galera. Justificar tudo com "faltam médicos no Brasil" é tão falho a ponto de podermos também dizer que faltam cozinheiras, faxineiras, técnicos das mais diversas áreas, mas nem por isso estamos "importando" qualquer destes profissionais cubanos. Ah, a lógica esquerdista desvirtuada... Tudo é justificável pelo populismo tortuoso... Ou será que agora é a hora de afagar os ditadores Castro, mais uma vez? Já não bastasse quando praticamente foram expulsos boxeadores e músicos cubanos, agora temos de arcar com médicos que, em que pese seu esforço, já não representam aquela medicina cubana de outrora? O esquerdista no poder, repetindo o direitista, não quer melhorar a educação, quiçá com medo dos "empresários capitalistas antidemocráticos protofacista escravocratas leitores do PIG" (cabe lembrar a Caros Amigos, que curiosamente agiria como perfeita exploradora ao não assinar carteira de trabalho, pagar piso salarial, recolher FGTS, INSS e, face a greve, paredón, ou seja, demissão sumária - http://www1.folha.uol.com.br/mercado/1245175-revista-caros-amigos-demite-jornalistas-apos-greve-contra-cortes.shtml). Então não invistamos em cursos de medicina nem na qualidade dos mesmos. Vamos abrir as portas para graduados na Bolívia, em Cuba, pois quem vai sofrer as consequências não é o esquerdista, mas o povo. Sensacional. Mas, é isso. "Lula disse, Lula é lei" e azar de quem quiser contrariar, pois será apedrejado, xingado pelos chavões preguiçosos de sempre, agora havendo duas categorias de cidadãos: o esquerdista, com salvo-conduto para repetir erros direitistas e ainda inovar, e o resto da população brasileira, que tem de ter sua fala censurada, calada à força.

    • André Postado em 10/May/2013 às 11:08

      O problema é que nossos médicos estão querendo trabalhar só nas cidades grandes e não estão nem ai para a população carente são todos filhinhos de papai que se formam e querem mamatas, o governo tinha que exigir que um médico recém formado pela rede publica ou federal nesse caso tenha que exerce a profissão nessas áreas remotas pelo menos 5 anos não é trabalhar de graça a unica exigência e 5 anos de prestação de serviços recebendo salario e alojamento ou ajuda de custo para moradia e comida, para pagar os custo que o governo teve com eles. Dai não precisaria trazer médicos de fora simples, Mas pergunto eu cada esses médicos, pergunta se eles querem ir claro que não muito saem da faculdade e vão trabalha nas capitais.

    • MARIA ANTONIA S. DIAZ Postado em 26/Aug/2014 às 19:05

      Os médicos cubanos fazemos exames antes de entrar ao Brasil e fazemos exames no Cuba com os professores brasileiros, ok? e entregamos todos os documentos legais, e somos tão médicos como vocês e os que aqui estamos aprovamos o exame, se tem duvidas fale com o ministério de seu estado município ou pais, e uma falta de respeito de você falar assim de nos, nos, os médicos cubanos, temos dignidade e não brigamos com a vida do ser humano, somos dignos e muitos profissional, e temos e praticamos a ética...não tenha duvidas ok? mas eu acho, que esse não e o motivo de seu degusto...e a competência e os preconceitos a que vocês estam acostumados colega e basta já, deixemos tranquilos, que já tem um ano a missão, o programa Mais Médicos e a realidade e outra, seu regionalismo e a falta de companheirismo e sociolismo....nos se fazemos juramento de Hipócrates antes de começar estudar e depois de graduarmos...deixem aos Castro tranquilos, se você não conhece Cuba não repita o que você ouviu, por favor..respeitemonos, nos os cubanos não falamos de vocês e da pena tantos erros que cometem a diário, falem como melhorar este seu pais, sem falar de nos e de nosso governo....basta já....ok?

  6. Yure Costa Postado em 10/May/2013 às 10:39

    A pergunta seria: por que os médicos cubanos não conseguem passar no exame para validação do diploma? R. É necessário observar que as provas são feitas por proficionaies da area ligada CFM... do mesmo jeito o acesso as universidade...

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:34

      Os médicos cubanos passam, quem não passa são os brasileiros que lá estudaram. Estranho, não?

  7. Yure Costa Postado em 10/May/2013 às 10:50

    A falta de estrutura da União, Estados e Municípios é clara... Os médicos que trabalham para o Estado sofrem com as pérsias condições de trabalho, Falta de medicamentos básicos para a realização de cirurgias simples... O Estado do RN encontra-se em estado de calamidade... Onde Crianças morrem nos hospitais por falta de medicamento... São tantos os problemas que ....

  8. Sydnei Melo Postado em 10/May/2013 às 10:53

    Eu acho que a pergunta poderia ser reformulada: porque os médicos formados em outros países não conseguem passar no exame para validação do diploma? Porque, francamente, a impressão que eu tenho é que não é só Cuba que enfrenta restrições severas no processo de revalidação de diplomas promovido pelas faculdades de medicina. Sem contar que a revalidação do diploma não significa negar a competência do profissional, porque o currículo pode ter orientações diferentes sem, contudo, desqualificar o profissional. É como querer igualar o curso de economia da UNICAMP com o da USP: é impossível, porque as diretrizes curriculares são bastante diferentes, o que não significa negar a qualidade do profissional formado nestas instituições.

  9. Newton Vieira Postado em 10/May/2013 às 10:53

    Não. As provas que foram dadas aos cubanos e outros estrangeiros foi feita pela mesma entidade que faz outras provas do governo federal, não tem nada a ver com o CFM... Esses estrangeiros, na maioria, tem um ensino péssimo, já tive contato com alguns. A questão é: eles vão entrar no país sem qualquer avaliação da capacidade técnica? Por que faltam médicos vão deixar qualquer um entrar sem avaliação? Faltam Juizes no país e conheço diversas pessoas prestando concursos a anos... Vamos aprovar todo mundo para preencher as vagas de juízes????? Claro que não. Não é por que faltam médicos nas áreas mais carentes do país que devemos levar qualquer médico para lá. E, o principal motivo de não ter médicos nessa região é por não ter estrutura nenhuma! Não faltam somente médicos, falta tudo! O governo não investe o mínimo necessário nesses municípios mais afastados e vem falar agora que a solução é trazer médicos cubanos. O povo e a mídia acredita e o governo tira o foco na responsabilidade que tem de anos e anos sem investimento e planos de carreiras para os agentes de saúde......

    • Maitana Carvalho Postado em 10/May/2013 às 14:42

      Newton, tive contato com alunos de Cuba que vieram a Jequié e a minha impressão foi muito boa. Lá eles vivem o SUS na prática, o que aqui a gente só vê na teoria. E eles trabalham muito em cima das questões da saúde pública, da atenção básica que ao meu ver encaixa perfeitamente com o perfil de médico necessário para ocupar áreas carentes do interior. E no discurso da maioria dos médicos há sim preocupação com reserva de mercado e vem pra cá com um discurso hipócrita que tá preocupado com a saude da polpulação. A casa tá caindo. Quero ver agora quem vai fazer medicina realmente por amor. Sei que quando eu chegar no mercado o salario não estará o mesmo e as condições de trabalho piores do que já estão, porque se por um lado há o discurso disfarçado de reserva de mercado, o outro que fala das péssimas condições a que os médicos sao submetidos principalmente em cidades do interior é muito verdadeiro. Os médicos cubanos chegarão e as condições de atendimento à população continuarão precárias. Minha preocupação está apenas no fato de que li recentemente que esses médicos estrangeiros entrarão aqui sem fazer a prova do revalida e poderão atuar por 3 anos sem o CRM. Isso é um absurdo e inaceitável. Se eles forem avaliados e for constatado que estão aptos a salvar vidas, por que n recêbe-los? Médico ruim tem em todo lugar, os que estudam aqui no Brasil tão se achando os superiores por terem conseguido permanecer aqui, quando muitos deles são na verdade um risco a saude pública, deveriam ser também avaliados.

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:38

      Fico imaginando a formação péssima dos médicos cubanos... Imagina se fosse ótima, com os já excelentes índices que aquele país possui no setor, não é mesmo? Se não fosse Cuba, nem vacina contra hepatite B o Brasil teria. Uma "mirada" básica nos índices de saúde do povo cubano e é para o Brasil, com suas 200 faculdades de Medicina se envergonhar.

  10. Guilherme Postado em 10/May/2013 às 11:02

    Rodrigo, pare um pouco e pense na idiotice que é a seguinte frase: "Vamos abrir as portas para graduados na Bolívia, em Cuba, pois quem vai sofrer as consequências não é o esquerdista, mas o povo." Realmente as pessoas que moram no interior do Brasil preferem não ter médico nenhum, e se deslocar centenas de kms para serem atendidos em qualquer situação médica, a ter alguém formado em cuba ou na Bolívia para atendê-los. E só na cabeça desvirtuada de um reacionário o povo e os "esquerdistas" são categorias completamente distintas e antagônicas. E que porra o Lula tem a ver com esse assunto????

  11. José Fernando Postado em 10/May/2013 às 12:07

    A proficiência de Cuba na área médica e biotecnológica é um fato mundialmente reconhecido, não há o que questionar. Além disso, o modelo de gestão pública de saúde aplicado em Cuba parece atender eficientemente as necessidades da população. Mas acho que tecer loas a tudo que é feito em Cuba, assim como execrar tudo que é "made in USA", filtrando tudo exclusivamente pelo viés ideológico, é ter uma visão bem limitada das questões. Simpatizo com Cuba e os cubanos, e creio que há muita coisa a se aprender com eles em matéria de gestão pública e políticas sociais. Mas me parece que essa questão da importação de médicos em função da carência de profissionais nas regiões ermas do Brasil é bem mais complexa, e que reduzi-la a um debate de cunho ideológico é simplista demais. Se fossem médicos norte-americanos ao invés de cubanos, o teor da matéria seria o mesmo? Sem dúvida há muito que melhorar no modelo de gestão pública de saúde no Brasil, e há sim aqueles que tem visão corporativista e consideram a saúde como um negócio lucrativo a ser explorado. Mas determinar uma política pública de saúde que atendesse amplamente a população não seria uma atribuição do poder público, acima de qualquer associação de classe? Muito oportunos os comentários de Pedro e Edmar, profissionais que conhecem a realidade da estrutura do sistema de saúde brasileiro.

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:44

      Entendo seu posicionamento. Mas creio que a questão é outra: se fossem médicos estadunidenses, teriam sido recebidos com tanto preconceito, com o ódio descabido que vimos em aeroportos de cidades brasileiras? haveria necessidade de se fazer uma matéria sobre o tema para mostrar que eles têm competencia e estariam no nosso país para uma ação humanitária, e não mercenária? Abs

  12. Marcos Aquino/Sanitarista-Funasa Postado em 10/May/2013 às 12:31

    Vou apenas citar uma frase já bastante conhecida em favor dos médicos cubanos: "Conhecereis a Verdade, e Ela vos libertará". Antes de acreditarmos em tudo o que os donos da Saúde brasileira propalam, convém aprofundar o conhecimento a respeito do que criticam e combate. Essa campanha difamatória nada mais é do que reflexo das antigas ordens emanadas da CIA/EUA aos países, até então, atrasados como era o nosso. Já passou da hora do modelo predatório de medicina praticado no Brasil encontrar o seu fim.

  13. George Postado em 10/May/2013 às 12:56

    ABsurdo falarem que o governo investiu no estudante de medicina e por isso ele tem que trabalhar 5 anos no interior. Logicamente isso teria que acontecer com dentistas, enfermeiros, engenheiros, todas as profissões. Mas veja só, será que eu também não tive custos? só o governo investiu? passei horas de plantão não remunerados, chegava as 5h da manhã para ver os pacientes internados, depois ia para os ambulatórios e ia para cirurgias até tarde da noite, ficando com o paciente no pós-operatório. Se fossem pagar minha mão de obra? será que não dei nada em troca ao governo em 6 anos fazendo isso. Ainda preciso passar mais 5 no interior. Se for por isso pq apenas médicos cubanos? Deveria vir médicos de angola então!

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:51

      5 anos? onde você viu isto??? Isto não existe. A proposta da MP 621 (Programa Mais Médicos) o segundo ciclo a ser criado nos cursos de medicina no Brasil é de trabalho em atenção básica por 2 anos exclusivamente no SUS, não necessariamente no interior, e este tempo pode ser contado para a Residência. Isto é uma mudança de foco importante, remetendo à prevenção e educação em saúde - ao contrário do modelo atual, que foca mais na especialização. E os intercambistas são de vários países, com contratos firmados via Organização Panamericana de Saúde. Não são apenas cubanos. Eles são maioria pela tradição que têm em ações humanitárias por todo o mundo. E mais, a prioridade é para médicos brasileiros, os intercambistas só irão aonde os brasileiros não querem ir - os brasileiros não estão sendo obrigados a ir para o interior.

  14. Allan Dias Polverini Postado em 10/May/2013 às 12:56

    Cuba é referencia em que? Para quem? E por o que motivo? Não consigo responder estas perguntas exceto pelo fato de terem que lidar com problemas de países subdesenvolvidos com menos recursos que nós, menos dinheiro, menos tecnologia, menos infra-estrutura. Talvez, e digo somente talvez, na assistência básica possam ter algum tipo de resultado favorável, pois 80% dos problemas de saúde não precisam de recursos financeiros ou tecnológicos maiores, basta cuidados básicos com a saúde para resolvê-los ou mesmo preveni-los. O que é factível sem a necessidade de trazer profissionais sem a devida comprovação de sua competência, questão de extrema relevância e é extremamente perigoso a atuação de médicos pouco preparados. Basta investimento e gestão adequados. Estamos há anos e mais anos com um sistema de saúde sucateado e subfinanciado. Acordem! Os ralos da corrupção e da ineficiência escoam o dinheiro que sai dos nossos bolsos e não vemos frutos dos impostos que pagamos! Apegue-se a partido político e verá o fim desta nação, pois político pensa em si e na próxima eleição, muito raro pensar no bem estar da populacão. A questão é técnica e existem amadores tratando dela, portanto não me surpreende surgirem propostas absurdas como esta. É mais uma para o histórico de ingerência na saúde. Meus pêsames brasileiros. Allan Dias Polverini Médico Neurocirurgião CRM 129597

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:55

      O triste é ver que parte (eu disse, parte) da classe médica brasileira pensa que o Programa Mais Médicos foi feito para eles, direcionado para a categoria, mas não foi. Foi criado para humanizar a assistência à saúde no Brasil, para viabilizar o acesso a atenção básica a milhões de brasileiros que não a têm. A cegueira é tanta que parece que tudo gira em torno deles.

  15. Bia Postado em 10/May/2013 às 14:03

    Concordo com o Pedro! A saúde está como está pq não valorizam o profissional da saúde e nem dão a eles condições de trabalho. Lógico q médicos não vão sair do convívio familiar pra serem explorados e verem pacientes morrer. Militares q NUNCA vão pra guerra ganham mt mais q nossos profissionais da saúde que enfrentam uma vdd guerra tds os dias. E de q adianta esses médicos cubanos lá sem aparelhos, sem farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas. É mt ignorancia pensar q a saúde está concentrada somente num diagnóstico médico. Se a presidente estivesse preocupada msm com a saúde, criava carga horária de 30h e salário digno a tds os profissionais da saúde.

  16. AIMO Postado em 10/May/2013 às 14:08

    Li os comentários aqui e digo que é bonito ver alguns médicos falando em ética, falando em investimento na área da saúde e todo o resto, fácil falar com a bunda numa cadeira de 2000 reais, fácil quando o papai pagou a facul enquanto o Junior só deveria estudar e aproveitar as regalias da burguesia, enfim onde eu quero chegar? Acontece que com a vinda dos médicos de outros países e principalmente de cuba, os playboizinhos criados a todynho q não querem atender a população do SUS correm o risco de perderem a "boquinha" no serviço público, onde eles batem cartão e voltam para o escritório particular do papai atenderem a burguesia. CHEGA DESSA PALHAÇADA, VÃO ATENDER AO POVO, A MASSA Q MOVIMENTA ESSE PAÍS DE VERDADE, AOS MÉDICOS QUE FINGEM ATENDER, A HORA DE VCS TA CHEGANDO, LEVANTEM A BUNDA DA CADEIRA E VÃO TRABALHAR, CHEGA DE HIPOCRISIA...

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 17:59

      Isto é válido. Boa parte dos que ficam po raí repetindo como papagaios que os intercambistas "não são qualificados", são apenas filhinhos da classe média alta que jamais, jamais, iriam atender pessoas pobres no interior do País, mesmo com salário de R$ 30 mil e toda a tecnologia do mundo disponível. E duvido muito que eles consigam diagnosticar uma tuberculose só com estetóscopio, ou anemia só com exame do olho. É ruim, hein... Já os cubanos, que primam pela prevenção, pela atenção básica...

  17. Larissa Postado em 10/May/2013 às 14:18

    E os médicos piram! Cuba é referência sim. Não é desculpa jogar a culpa na isenção destes profissionais de fazerem o revalida. Verão que os médicos de Cuba são humildes e além de tudo mais competentes que o PREPOTENTES médicos que encontramos no Brasil! Os "doutores" brasileiros estão muito preocupados com o fato de eles não passarem pela provinha que poderia atestar a proficiência deles na profissão. Enchem a boca para dizer que no interior não há recursos para exames, não há medicamentos, etc, agora viram a limitação, semi-deuses?! A questão é que os médicos cubanos têm vocação, experiência com medicina da família, a elite bastarda desta profissão no Brasil só pensou em status e remuneração ao ingressar na faculdade. Daí não aguentam um sistema público, um pronto-socorro ou ter que improvisar. E dão desculpinha esfarrapada com medo dos grandes profissionais cubanos que estão por vir. Claro, não posso esquecer que o Marcos Aquino disse tudo no comentário acima. Vamos engolir a arrogância, "doutores" sem doutorado!

  18. sonia dezute Postado em 10/May/2013 às 15:29

    Uau!!! Assuntos proibidos!!! Vai cair por terra o mito do médico 'pobrinho'!!!!

  19. Heleno Postado em 10/May/2013 às 16:56

    E se as Faculdades Públicas fossem instaladas fora das capitais, favorecendo a fixação em cidades mais afastadas? Isso é Política Pública de Governo.

  20. solis Postado em 10/May/2013 às 17:02

    Eles,falam tanto de medicos, não entende esse povo "burro" esquecem quem são os profissionais que ajudam a se "formar".Sim este profissional que trabalha 3( três turnos) para ganhar a metade do que um médico ganha! Esse profissionais que não tem consultório, para cobrar em media uma consulta de R$ 100,00 ( cem reais). Esses profissionais, que estudam até 10 anos para tentar "sobreviver", esses profissionais que que não são "corporativos".Creio que vocês ditos intelectuais..sabem qual profissional estou falando! Sabemos que a educação no Brasil, é uma das péssimas e o Estado não contrata "estrangeiros"..creio que também você intelectuais sabem por que? Será que se a educação começar a lucro..o Estado trará os "estrangeiros"?

  21. Sergio Neto Postado em 10/May/2013 às 17:38

    A referência cubana é inquestionável senhores Allan Dias Polverini e George, a verdade é que vocês deverão observar e se forem inteligentes aprender com o que eles tem a ensinar sobre saúde básica e prevenção em saúde. Caso vocês não tenham conhecimento sobre a superioridade da medicina cubana em detrimento a oferecida no Brasil é fácil obter dados, só olhar as referências dadas pela OMS. Não sejamos hipócritas ao ponto de falar que o povo vai sofrer como vi em um comentário anterior. Quem irá se preocupar com a melhora da saúde pública serão vocês que verão a diminuição de idas de pacientes às clínicas privadas e isso refletirá em seus ganhos.

  22. Rodrigo Postado em 10/May/2013 às 18:20

    Pois é, Guilherme. Somos revoluças e reaças, corinthianos e flamenguistas, negros e brancos, homens e mulheres etc. Eu é que estou errado, pensando que éramos, todos, cidadãos brasileiros. Concordo, entretanto, com a dificuldade de muitos cidadãos. Inclusive com a de uma amiga minha, médica em Redenção-PA - ela vive tudo isso que você fala, atendendo munícipes e indígenas da região. E, em vez de melhorarmos a educação, estradas, tudo, é mais fácil dar muitos e muitos empregos aos amigos de Fidel. Mas me questiono também quanto ao déficit de Advogados (classe a que pertenço), Engenheiros, Defensores Públicos, Dentistas etc. Vamos abrir as portas para profissionais da Venezuela, Irã, Coréia do Norte. Aí, quando a tucanada voltar, abrimos as portas para escritórios de advocacia dos EUA, médicos da Europa etc. Pra quê temos leis, "né"? Lei é só algo que atrapalha a implantação de um projeto de poder, disfarçado de bondades. E, com o perdão da paráfrase de seu entendimento, digo que só na cabeça pequena (que não quero crer ser seu caso) é que qualquer crítico é um reaça, inimigo a ser calado à força. Eu pago impostos, assim como você. Tenho direito de criticar e cobrar tanto o tucano, quanto o petista.

  23. Rodrigo Postado em 10/May/2013 às 18:30

    Será esse o "processo seletivo" para demonstrar a capacidade do estudante? Nada contra esta ou aquela pessoa estudar, independentemente de sua origem. Mas fiquei curioso quanto à qualidade do processo seletivo. Se eu estiver errado, melhor. Será, pois, apenas a demonstração de que os jovens oriundos de assentamentos estudaram, se qualificaram e, em processo seletivo, demonstraram qualidade para o bacharelado em ciência tão importante. Ou seria tudo arranjando, uma forma de repatriarmos amigos de determinado partido, formados de forma ainda pior que aqueles oriundos de determinadas faculdades brasileiras? Será? https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=KslPYEoUg-A#!

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 18:07

      qual é o problema de assentados serem médicos? ou empregadas domésticas? ou filhos de pedreiro? qual é o problema de haver um sistema educacional no mundo que é 100% gratuito desde a pré-escola atá a Universidade? Ao contrário do Brasil, neste país a entrada é para todos, mas sair formado é muito mais difícil. No Brasil, o funil é às avessas, principalmente nas Universidades Públicas, difícil para entrar (em geral só os mais abastados conseguem), mas como vômito, despeja-se milhares de profissionais de quinta, formados por faculdades privadas de mais quinta ainda.

  24. Altair Ahad Postado em 11/May/2013 às 08:39

    ta certo. no geral os medicos se concentram em poucos lugares... a população de regiões afastadas não podem pagar pela demora de um médico brasileiro em ir para essas regiões. São poucos que estão indo. O médico brasileiro não é obrigado com razão a ir para essas regiões mas não é direito as pessoas ficarem sem atendimento médico também.

  25. teodosio Postado em 11/May/2013 às 23:20

    Se um médico desses cometer um erro, vai ser julgado corretamente ou, simplesmente, ser extraditado? E a responsabilidade do governo vai ser solidária?

    • Kátia Postado em 08/Oct/2013 às 18:11

      Se qualquer desses profissionais cometer erro médico o contrato firmado com a Organização Panamericana de Saúde prevê as punições, e como ele terá registro provisório do CRM da Região onde atuará, terá o mesmo tratamento que qualquer outro médico brasileiro.

  26. Lilliam Postado em 12/May/2013 às 13:52

    Se os medicos sao mercenário porque cobram pelo atendimento, então todas as profissões sao mercenárias....e todos deveriam fazer caridade..

    • Rosana Postado em 11/Sep/2013 às 21:33

      Não, Lilliam. Os médicos que cobram de pacientes do SUS são mercenários. Acredite. Essa raça existe.

  27. Renata Postado em 12/May/2013 às 18:29

    Hoje estão querendo importar 6.000 médicos. Amanhã, 6.000 professores. Depois, arquitetos, engenheiro. Será que conseguiriam importar 6.000 advogados e jornalistas?

    • Gobette Postado em 11/Sep/2013 às 21:34

      Jornalista não precisa. Qualquer chinelão pode ser jornalista. lembra que não precisa mais de diploma? Uma pena...como se fosse fácil ser jornalista.

  28. Katharine Demiran Postado em 12/May/2013 às 19:49

    Acho impressionante a quantidade de pessoas que falam de coisas que conhecem apenas pela televisão. Os médicos não vão trabalhar nos interiores porque lá não há remédios e vários equipamentos básicos até mesmo para uma simples sutura e. Como um médico vai trabalhar em um lugar para ver o seu paciente com dor e não poder ajudá-lo?? Quem aqui iria trabalhar sem o mínimo de condições para realizar o ser trabalho com o minimo de dignidade?? Que tipo de pessoa iria para um lugar onde as estradas que servem para as ambulâncias trafegarem com os pacientes estão com buracos que não permitem a passagem de bicicletas?? Isso é culpa de quem?? Reflitam e lembrem-se, médicos são profissionais assim como qualquer outro e acima de tudo também são seres humanos.

  29. Carmando Alves Postado em 12/May/2013 às 20:29

    Morar em Cuba que todos acham um Verdadeiro Paraíso que é bom ninguém quer !!!!????

    • Gobette Postado em 11/Sep/2013 às 21:35

      Morar em Cuba não sei, mas que tem uma pá de gente indo se tratar lá...ah, isso tem.

    • Aderson Postado em 31/Mar/2016 às 11:57

      Não.

  30. José Maria Gurgel Postado em 13/May/2013 às 03:19

    Entendo que a vinda dos médicos cubanos ao Brasil irá possibilitar um amplo debate sobre as nossas precárias condições de saúde da população, principalmente a mais carente, pois o SUS - Sistema Único de Saúde oferece uma assistência de péssima qualidade e é responsável pelo óbito de milhões de brasileiros que procuram o setor público de saúde, visto que na prática não tem acesso à alta tecnologia das ressonâncias e tomografias, cirurgias caríssimas, planos de saúde e a estranha relação de médicos com laboratórios e clinicas particulares, onde muitas vezes a plantão médico num hospital público é apenas consultas para encaminhamento ao setor privado. O fato de trabalhar a medicina preventiva e praticar uma medicina alternativa, como a fitoterapia, é um golpe naqueles que vêem a medicina como um comércio altamente lucrativo, sem atender a maioria da população.

  31. gustavo Postado em 14/May/2013 às 12:11

    To vendo gente aqui tomando dores de medico. Coitadinhos dos médicos. Médicos atendem por convênio de 20 a 30 consultas por dia. A maioria não chega a 10 minutos. Recebem dos convênios de 35,00 a 60,00. Mais 04 ou 05 por dia como particular (de 250,00 a 500,00). Fora as cirurgias e outros procedimentos onde se cobra uma fortuna. Vai bater na porta de um médico ou dentista morrendo de dor. Se for via SUS, sem chance, se for via plano de saúde, a próxima consulta só daqui a 06 meses. Se for particular, conseguem vaga no dia e na hora. Lembram há uns 03 anos quando houve um surto de dengue no Rio e o governo convocando voluntários da área de saúde para ajudar, e apareceram milhares. Por outro lado, os médicos estavam sendo remunerado a R$500,00 por dia.

  32. Henrique Vertti Postado em 14/May/2013 às 14:36

    Concordo em alguns pontos com o Dr. Edmar Fernandes. O principal problema da falta de médicos no interior do Brasil, é a falta de pagamentos de salários. Já testemunhei isso acontecer em 2004. Nessa época, eu trabalhava no interior do Tocantins, como farmacêutico bioquímico, quando fui procurado pela secretária de saúde do município, afim de ajudá-la a conseguir um pediatra para trabalhar no hospital municipal. Entrei em contato com um conhecido que acabara de concluir sua residencia em pediatria pela PUC Campinas. O salário oferecido pela prefeitura era algo em torno de R$ 25 mil. Acertada a contratação do profissional médico, começaram os problemas. Ao chegar na cidade, o pediatra notou que faltava medicamentos, equipamentos básicos (otoscópio, por exemplo), etc. O primeiro mês, a prefeitura o pagou em dia. O segundo mês, atrasou 10 dias. O terceiro mês, ele recebeu um cheque pré-datado, e o mesmo foi recusado pelo banco por falta de fundos. Obviamente, o médico ficou furioso. Ele saiu de um grande centro para levar calote de prefeitura do interior! Conversando com outros médicos, percebi que essa prática de prometer bons salários para atrair médicos é corriqueira. Atraem a vítima com um bom salário e depois dão o golpe (não pagam). A prefeitura começa a acumular dívida com o profissional e, este acaba em uma "sinuca de bico": se ele sair do emprego, terá que mover uma ação judicial custosa e morosa para receber aquilo que é direito dele. O profissional acaba então, permanecendo no cargo, com a esperança de que uma hora seja feito algum tipo de acordo para que ele receba seu salário. Isso sem contar a politicagem. O médico (e outros profissionais de saúde) são obrigados a se submeterem aos desmandos de prefeitos, secretários de saúde e vereadores semi alfabetizados e que acreditam que podem passar por cima de uma ordem médica. Já vi casos de vereador solicitar transferência de pacientes para hospitais de cidades vizinhas (mesmo sem necessidade), enviar ofícios ao médico para que o mesmo autorize um "fulano" a entrar no hospital fora do horário de visitas, e por aí vai. A falta de pagamentos de médicos por parte das prefeituras é algo conhecido e difundido. Porém, em um grande centro, quando a prefeitura não paga o profissional, o mesmo dispõe de outras vagas de emprego no setor privado. No interior, isso dificilmente ocorre, então o profissional médico fica a mercê de políticos desonestos eleitos por um povo despreparado para votar.

  33. pedro severino Postado em 15/May/2013 às 18:40

    Todo poder emana do povo para o povo.

  34. Agamenon Maior Postado em 20/May/2013 às 19:07

    Sugiro uma avaliação pra TODOS os médicos. Inclusive brasileiros! Passou? Blza, tenha o seu CRM e vá trabalhar!

  35. Virgínia Postado em 26/May/2013 às 12:45

    Muito pragmático esse artigo juntamente com alguns dos seus comentários. Muito fácil falar que médico só que ganhar dinheiro e ficar em grandes centros. A bem da verdades, esses críticos sem razão desconhecem a realidade dos interiores longínquos das grandes cidades. O problema é estrutural e não é importando médicos sem a prova de revalidação quer irá resolver. Muito difícil fazer qualquer tipo de intervenção, por mais preventiva que ela seja, sem materiais BÁSICOS para isso. Muitos destes hospitais faltam luvas, gaze, fio de sutura simples, medicamentos essências, entre outros. Além do que, como sair de uma faculdade, privada ou pública, e trabalhar em um lugar onde não oferece nenhum tipo de plano de carreira, o médico fica a mercê de gestores municipais que são capazes de demitir pessoas competentes para gerir saúde no município em favor de apoio político. Pessoas que se muito sabem sobre saúde/gerenciamento de saúde é fazer um O com o copo. Juízes vão para os confins do Brasil com esse proposito. Entram na 1ª vara, fica o tempo necessário para isso, sabendo da sua ascensão para as varas seguintes. Isso é possível na carreira médica? Absolutamente. E para finalizar esse breve explanação para esses favoráveis a importação estrangeira sem revalidação, vamos falar em empatia. Gostariam os senhores ou os seus próximos de serem atendidos por um profissional estrangeiro que não fala a sua língua, não tem recursos para melhorar sua moléstia, muito menos para diagnosticá-la? Sairiam dessa consulta satisfeitos e curados? Tenho certeza que não! Portanto, meus caros, o buraco é mais embaixo.

  36. joanderson lima Postado em 06/Jun/2013 às 11:57

    São poucos os médicos cubanos ou que se formaram em Cuba que conseguem atuar no Brasil. “São bem vindos os médicos formados no exterior e que passam pela revalidação legal de seu diploma para exercer sua função. Não questionamos a importação de médicos, desde que eles passem pela revalidação. Hoje, por exemplo, nós temos 299 médicos formados no exterior registrados no Conselho. Desses, apenas 37 tem diploma de Cuba”. A revalidação e o registro é a garantia de que o médico possa exercer bem sua função. O processo consiste em três etapas. Na primeira, o médico precisa apresentar sua grade curricular( no Brasil tem curso de sus ela em Cuba nao), pois ela precisa ser semelhante à brasileira. Na segunda etapa, ele precisa fazer a prova escrita. Somente se passar por essas fases o médico faz a prova prática. A PERGUNTA QUE NÃO CALA: e o povo brasileiro que vive nos lugares onde não tem médicos os médicos brasileiros não querem ir trabalhar lá irão continuar sem assistência à saúde? Estão aqui querendo ideologizar a questão. Sou a favor de que venham médicos de qualquer país do mundo, em caráter temporário, e desde que prestem os serviços nas regiões onde precisam. Essa gente precisa saber que o Brasil é um continente (não é apenas o sul e sudeste desenvolvidos) e tem muitas carências. E pegar ou largar, precisamos dos médicos pra já. QUER DIZER QUE AS MULHERES QUE RESIDEM NOS CONFINS DA AMAZÔNIA, POR EXEMPLO, NUNCA IRÃO TER DIREITO A SER ASSISTIDA POR UM GINECOLOGISTA??? Isso é um absurdo, o governo federal precisa quebrar essa reserva de mercado dos médicos brasileiros!

  37. Juliano Postado em 12/Jun/2013 às 15:36

    Acho interessante pessoas rotularem os médicos formados em nosso país com playboys, filhos de papai, etc., esqueceram-se que existem faculdades públicas cuja seleção é por mérito através do vestibular ou enem. Inclusive vários alunos de escola pública passam nessas seleções, mas são somente os alunos que estudam. Aluno vagabundo não passa. Sem querer generalizar sabemos que o brasileiro é um preguiçoso nato. Paralelamente tem-se a mesma situação naqueles empregos de sálarios altos. Sempre reclamam quando entram em greve, principalmente as pessoas que não estudaram suficientemente para passar no concurso. Assim é nessa questão, se acham que o mercado é restrito e cooporativista, que estudem e façam parte dele.

  38. Roger Postado em 13/Jun/2013 às 18:38

    A ignorância de quem acha que entende política publica de saúde e apoia a vinda de médicos cubanos sem revalida ainda vai me dar câncer...

  39. Silvio Junior Postado em 22/Jun/2013 às 08:19

    A" mafia" de branco é fogo.... Mas, nem todos são da máfia. Meus amigos e parentes médicos/as.São favoráveis a vinda dos seus colegas cubanos.

  40. Humberto Ribeiro Postado em 23/Jun/2013 às 13:55

    Trabalho numa Biblioteca da Faculdade de Medicina de uma grande Universidade aqui no RJ, e na biblioteca o que vejo de estudantes de medicina que ao invés de estudarem ficam de namoricos e pensam em choppadas é fora de série. Esses serão os profissionais de amanhã que esquecerão bisturis na barriga de um paciente ou que quando forem dar consultas , nem olha para o paciente, nem faz uma anamnese e algumas vezes dão diagnósticos errados. Existe muitos que não querem se dedicar aos estudos e agora acham ruim a importação de médicos cubanos. Nossos hospitais públicos estão cheios de profissionais assim, dão falsos diagnósticos, esquecem bisturis na barriga de pacientes... Claro que não quero aqui generalizar mas existe uma enxurrada de profissionais da saúde que deixam a desejar. Os planos de saúde são verdadeiras Instituições e fontes de gananciosos, os hospitais públicos são verdadeiras Instituições onde ocorre genocídios e se não tomarmos cuidado isso ultrapassará os judeus mortos da época nazista.

  41. shingo yabuki Postado em 24/Jun/2013 às 13:45

    isso deixa bem claro sua posição política, eu que já não levava em consideração suas análises exatamente porque imaginava o lado que você defendia, conseguir ver claramente e agora tenho certeza, boa sorte pra quem considera suas analises imparciais e lúcidas

  42. Bob Siner Postado em 26/Jun/2013 às 23:53

    Roger, ou você é profissional de saúde, ou é médico ou é um lesado que vai na onda dessa elite corporativista. Em momento algum foi afirmado por qualquer membro do governo. Pelo contrário, o próprio ministro da saúde, Alexandre Padilha, já disse que concorda que a contratação de médicos estrangeiros deve seguir critérios de qualidade e responsabilidade profissional. Aquestão é que como o CFM já disse ser totalmente contra a vinda desses médicos (porque eles preferem vê a população periferica morrendo nos hospitais do que deixar eles serem tratados por medicos cubanos) eles irão cobrar muito mais alem do que as atribuições dos médicos para tentar barrar esses medicos de vir para o Brasil!

  43. Johann Postado em 04/Jul/2013 às 17:13

    Fico triste em ler alguma opiniões rudes que os usuários estão postanto. Opiniões são pensamentos individuais, motivadas/influenciadas pela história de vida de cada um. Não cabe a nós julgar os motivos pelos quais os profissionais agem da maneira que agem. Notem que utilizei a palavra "profissionais". Existem engenheiros, professores, médicos, advogados, padeiros, taxistas de mal carater porém também existem os que ajudam sim a sociedade. Não acho justo generalizar negativamente nenhuma profissão. Bom, gostaria de expressar minhas opiniões, após ler todos este comentários. - Médicos estrangeiros deveriam entrar sim no Brasil, desde que para trabalhar nos locais em que estiver comprovada a falta de médicos brasileiros. Não acho justo que algum brasileiro seja forçado a trabalhar em um local que não queira. Se esta vontade é motivada por dinheiro, pelo círculo de amizades, família ou qualquer q seja o motivo, a constituição Brasileira defende nosso livre arbítrio, nossa liberdade de escolha e expressão. - Validação do diploma estrangeiro: Como algum colega muito bem citou nos comentários acima, cada país possui uma série de características que podem ser singulares ou não. Que podem existir no país de origem do profissional ou não. Acho prudente que uma validação do diploma seja feita, desde que ela garanta que os profissionais estrangeiros sejam capazes de tratar o povo brasileiro, com todas as nossa peculiaridades de saúde. (Um exemplo, caso não tenha ficado claro. Existem diversas verminoses que estão presentes no Brasil. Lombriga, por exemplo. Um médico da Noruega muito provavelmente nunca estudou sobre esta verminose, pois ela é mínima/inexistente em países de clima frio. Isto significa que ele não seria o profissional mais indicado a suprir as necessidades de saúde dos brasileiros). - Forçar estudantes de faculdades públicas a trabalharem no interior do país ou em cidades carentes/pequenas: Voltamos à questão do live arbítrio. Quer seja dinheiro, amigos, família ou qualquer outro motivo, não cabe a nós julgar a escolha de trabalho de nenhum profissional. Sou engenheiro de produção e escolhi trabalhar em São Paulo (capital) pois a oferta de trabalho foi maior, com cargos e salários mais atraentes. Por que eu me sujeitaria trabalhar longe da minha família, dos meus amigos e ganhando pouco? Vamos pensar em algumas possibilidades no quesito educação, abrangendo Escola e Universidade. Escola Particular + Universidade Pública = Seria obrigado a trabalhar para a sociedade, pagando o que recebi na universidade. Escola Particular + Universidade Particular = Posso trabalhar onde eu quiser. Escola Pública + Universidade Pública = Seria obrigado a trabalhar para a sociedade, pagando o que recebi gratuitamente na escola e na universidade. Escola Pública + Universidade Particular = Seria obrigado a trabalhar para a sociedade, pagando o que recebi gratuitamente na escola. Estudar em universidade pública implica ter uma dívida para com a sociedade. E estudar em escola pública? Eu não deveria ser obrigado a trabalhar pela sociedade também? E quem consegue uma vaga por cotas na universidade pública? E quem recebe bolsa família? Todos estes exemplos são de pessoas que foram ajudados pelo governo. Elas também têm uma dívida para com a sociedade? Um amigo médico me contou um dos motivos para não trabalhar mais em cidades pequenas. "Em cidades pequenas, muitas vezes não existem condições mínimas para se atender dignamente um paciente. Chegou um paciente com apendicite e não existia uma ambulância disponível para transferí-lo para um hospital. No posto não existia uma sala aparelhada para atender um caso deste. Eu sei fazer este tipo de cirurgia, então eu poderia realizá-la tranquilamente. O paciente morreu na minha frente sendo que eu tinha plena certeza de que eu conseguiria salvá-lo. Não quero ter que conviver com este tipo de morte todos os dias da minha vida. Não quero essa responsabilidade. Não quero gente me desrespeitando pela demora na fila do posto de saúde. Sou só uma pessoa, para atender centenas de pacientes. Não é culpa minha esta demora. Ou vc quer uma consulta de 5 minutos, sem que eu sequer olhe na sua cara? Será que ninguém percebe q a demora é pela falta de médicos? Que grande parte das mortes são por falta de infra estrutura, falta de medicamentos? Existe sim médico mal caráter, mas é dever do governo fiscalizar e punir esse tigo de gente. Chega no fim do mês e meu salário não cai no dia combinado. Porque eu vou me sujeitar a todo esse desrespeito com a minha profissão se eu posso trabalhar em cidade grande, ganhando bem, tratando de gente bonita e educada?" Precisamos sim de mais médicos, de médicos honestos, tanto quanto precisamos de engenheiros honestos, advogados honestos, taxistas honestos, padeiros honestos, professores honestos, políticos honestos, lixeiros honestos, empregadas honestas, motoristas honestos. Enquanto existir gente que fura fila, que usa do jeitinho brasileiro pra se dar bem, que não devolve coisas que os outros perderam, que dirige embriagado, que usa drogas (fomentando o tráfico), que prefere viver às custas do governo ao invés de trabalhar, que não respeita idosos, que não conhecem as palavras por favor/obrigado/me desculpe, o Brasil não vai mudar. Não precisa de pena de morte para políticos. Precisa de um povo educado, escolado, trabalhador e honesto. Precisa de um povo de valor. Quando todos forem assim, não existá mais espaço para os desonestos no governo. Uma frase muito interessante, que acho que cabe muito bem pra fechar minha opinião, é a seguinte: "Não tente ser um homem de sucesso, tente se tornar um homem de valor". Abraços,

  44. Reinaldo Soares de Souza Postado em 05/Jul/2013 às 19:45

    Muito bom conhecer pragmatismopolitico e esse debate,parabéns a todos.

  45. Gabriel Postado em 15/Jul/2013 às 21:47

    Acho que tem que ser feita a revalidação, mas gostaria que os médicos brasileiros se submetessem ao mesmo exame para poderem atuar no país, já que a prova serve para garantir o bom atendimento médico à população!

  46. Gabriel Postado em 15/Jul/2013 às 21:48

    E que a prova seja específica, voltada para o tipo de medicina necessária nesses grotões do país onde irão atuar.

  47. Miguel MAtos Postado em 20/Jul/2013 às 20:17

    Se os médicos brasileiros estão tão preocupados com a capacidade profissional dos médicos que atendem a nossa população, por que o CFM não reivindica a obrigatoriedade do Revalida para TODOS os médicos, formados em outros países E NO BRASIL TAMBÉM? Resposta: Porque teme que o resultado seja semelhante ao do exame da OAB, no qual a maioria esmagadora dos candidatos não passa.

  48. Rodrigo Rodrigues Postado em 10/Aug/2013 às 23:41

    http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/medicos-estrangeiros-escolhem-areas-menos-carentes

    • Gobette Postado em 11/Sep/2013 às 21:37

      São vários médicos estrangeiros, inclusive da Europa. Mas os cubanos não têm escolha. Eles vão pras partes mais carentes.

  49. José Postado em 11/Aug/2013 às 12:36

    Bom dia. Acreditar em dados vindos da "maravilhosa" (ironia) ilha cubana é acreditar em um Pinóquio com o nariz bem grande. Abram os olhos, a medicina de Cuba é muito ruim. Sou médico e desde criança sempre escutei histórias de Cuba, as mesmas que vocês conhecem sobre a educação e saúde. Após 6 anos de curso somados a anos de trabalho e anos de vida, posso concluir que essa estória (com "e" mesmo) é tão fantasiosa quanto "O pequeno príncipe", "Branca de neve", etc. É muito duro escutar críticas sobre corporativismo. Vou lhes expilcar em poucas palavras: trabalhei no SUS muitos anos e minha carteira de trabalho continua em branco assim como a da maioria pesada de meus colegas de trabalho. A visão de quem está de fora é que sobra emprego em medicina e que ganhamos muito bem. A minha visão de médico é: NUNCA me deram um emprego, eu NUNCA recebi um salário se quer, sempre foram por prestação de serviços via notas fiscais. As prefeituras me empurram contratos por empresa ou quase verbais e dessa forma eu NUNCA tive férias, décimo terceiro, seguro desemprego, carteira de trabalho, FGTS, estabilidade, segurança igualzinho você que não é médico sempre quis pra sua vida. Pois é, eu também quero para minha vida. Esse programa "Mais médicos" é mais uma das "bolsas" do governo Dilma. Não se iludam meus queridos cidadãos. Somente concurso público federal consiguirá levar um médico para as cidades pequenas, mesmo que a sua esposa vá sem emprego e seu filho vá sem colégio. Nós queremos salário de verdade igual na CLT - Código de Leis trabalhistas. Senão meus amigos, vocês ficarão com os cubanos mesmo. Um detalhe para vocês sobre o contrato eles: Cuba é uma empresa fornecedora de mão de obra, ou seja, o Brasil vai pagar à EMPRESA Cuba. Essa empresa trata seus empregados como semi-escravos, e retira deles a maior parte do salário, as liberdades individuais de trânsito, assim como o direito de namorar e ter filhos no país.

    • Romilson Almeida Postado em 03/Sep/2013 às 08:37

      E agorá, José? Veja o vídeo neste endereço: http://www.youtube.com/watch?v=8Qjgouol2aA. A ONU deve estar INFILTRADA de barbudos terroristas cubanos...

  50. rachel Postado em 25/Aug/2013 às 11:47

    a melhor forma de não trazer médicos estrangeiros para o Brasil seria os médicos brasileiros terem se inscrito para ir para as cidades mais distantes, eles precisariam preencher todas as vagas para lugares onde mais precisam de médicos, mas não o fizeram, querem q estes lugares continuem desprovidos de médicos, quanta ignorância!!!!!, é preciso fazer o trabalho de prevenção, mas os médicos brasileiros querem se concentrar em grandes centros.

  51. isa Postado em 27/Aug/2013 às 08:04

    pois eo soy española y em españa tenemos muitos medicos cubanos y son francamente muito profesionales y con muita experiencia profesional, som buenos medicos.

  52. GENILSON VIEIRA Postado em 27/Aug/2013 às 12:52

    EM UM PAIS EXTREMAMENTE CAPITALISTA E MERCENÁRIO, JAMAIS ACEITARIA RECEBER PROFISSIONAIS COMPROMETIDOS COM AS PESSOAS E NÃO COM O DINHEIRO. ATE HOJE SOMENTE CLASSE MEDIA ALTA PRA CIMA FAZIAM CURSO DE MEDICINA. MAS ESTE QUADRO VAI MUDAR O GOVERNO DEVE FAZER UMA PRE SELEÇÃO DE ALUNOS, EM ESCOLAS PUBLICAS E POPULARIZAR MEDICINA, SÓ ASSIM CONSEGUIREMOS QUEBRAR ESTA DESIGUALDADE DE ATENDIMENTO QUE HÁ NO BRASIL HOJE. CORPORATIVISTA , MERCENÁRIO, CORRUPTO, DESONESTO E ETC..............

  53. Luisa Postado em 28/Aug/2013 às 03:02

    José, fico em dúvida sobre alguns comentários seus: me parecem aquela estória de que comunistas comem criancinhas...mas enfim, o Brasil é um país que, infelizmente, ainda não encontrou a maneira de seguir em frente com propriedade, igualando os direitos e deveres. Mas isso não significa que ele - o Brasil - não possa aprender e respeitar outras culturas e aprendizados e com isso, crescer. O que se ensina em uma faculdade de medicina? acredito que o mesmo que em qualquer país: os métodos e técnicas necessárias para se salvar uma vida, em princípio, ou então, e também, os meios para uma vida saudável, prevenções, etc. Também não me agrada pessoas vindas de outro país se colocando no nosso meio de trabalho e, em alguns casos, como no turismo, nos desrespeitando. Mas é claro que estamos com problemas e não seria justo desqualificar nem os nossos e nem os outros profissionais - no caso os cubanos. O que precisamos é de uma real efetivação de socorro a quem não pode - seja por meios geográficos ou financeiros - ter acesso a um atendimento no mínimo eficaz! isso é um direito constitucional, de cada cidadão brasileiro e, no caso, em se tratando de saúde, não importa quem vai prover isso. O corporativismo, a corrupção ou seja lá o quê se coloque é fato... em qualquer área que seja, infelizmente. O que precisamos é solução, efetiva e eficaz e espero que, com ou sem cubanos, possamos chegar a isso.

  54. jac.mattos Postado em 28/Aug/2013 às 08:54

    Desde que estejam devidamente habilitados,e adequados à nossa legisla,ao em vigor, Sou plenamente à favor. O que não PODE acontecer,é que seja permitido ingressar na prática médica, sem que SEJAM VALIDADOS, Como é EXIGIDO COM OS MÉDICOS FORMADOS E ESPECIALIZADOS NO BRASIL., O que muita gente não sabe,é q pra se chegar ao TÍTULO DE ESPECIALISTA mais básico,gasta-se em média, 9 a 10anos,com no mínimo uma carga horária semanal de 100horas!

  55. Jaime Postado em 28/Aug/2013 às 09:32

    Vi uma reportagem do presidente do hospital do câncer de Barretos que diz ter quase 100 vagas para médicos para ganhar entre 20 a 30 mil reais e não consegue preenche-las e que o CFM criou no passado mecanismos de proteção corporativistas para que tenha sempre demanda da profissão para proteger seus altos salários, sou contra o PT mas parabéns a ação foi boa e bem vindos médicos estrangeiros.

  56. Ila Postado em 28/Aug/2013 às 11:37

    Ufffffffffffffffffffffffffff, quantos comentários. A culpa de tudo isso é nossa. Um país tao grande e tao rico não é capaz de ter seus próprios médicos.

  57. João Coimbra Postado em 28/Aug/2013 às 17:28

    Os cubanos arrebentam. Mas enquanto isso os servidores públicos, vanguarda na luta de direitos sociais no Brasil, inclusive os da saúde, assistem junto com população a privatização e a terceirização do serviço público. O governo está usando os cubanos contra o servidor público, contra a última fronteira de atendimento universal de saúde. Na ditadura costumávamos ter uma aliança entre a resistência democrática e Cuba.

  58. Dinalva Andrade Postado em 30/Aug/2013 às 13:07

    Sou do interior baiano, trabalhadora,filha de trabalhadores rurais do cacau. A industria dos coronéis, onde só os filhos deles tinham direitos: principalmente de seres doutores (médicos, advogados e etc.). A nós restava a enxada para os homens e prostituição para as mulheres, era tanto assim que Jorge Amado(filho de Coronel) apareceu contando o que via e se deliciava, afinal era filho deles.Então a minha cidade Itabuna é a sede regional do cartel dos médicos, aqui você sente uma dor no braço, eles te mandam para to dos os especialistas em: cotovelo, punho, mão e o raio que os partam para ganharem dinheiro com uma simples dor.Agora, seus filhos terão que serem médicos, criaram um monte de clínicas chamadas" populares", cobraram de 50 a 100 reais por consulta, o agravante são os mesmos funcionários públicos dos postos de saúde. O horário de atendimento destes postos 7 horas da manhã, chegam 11 hora e saem as 12 horas. A vinda realmente dos médicos coloca em debate a indústria da doença pela classe médica e o fim do endeusamento da profissão pelos pobres. O DEBATE está poisto.