Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 06/May/2013 às 14:30
45
Comentários

Garota de programa graduada em letras: 'Faço porque gosto'

‘Faço porque gosto’, revela garota de programa recém graduada em letras. Lola Benvenutti mantém blog em que relata experiências com seus clientes. Formada pela UFSCar em São Carlos, jovem tenta quebrar tabu sobre sexo

Ela tem 21 anos, é recém-formada em letras pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), exibe em tatuagens pelo corpo frases de Guimarães Rosa e Manuel Bandeira, adotou como pseudônimo um nome que faz referência a um personagem do escritor russo Vladimir Nabokov e assume, sem problemas, ser garota de programa. Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, mantém um blog em que escreve contos baseados nas experiências com seus clientes e chama a atenção ao tentar quebrar o tabu do sexo. “Sempre gostei de sexo, então tinha um desejo secreto de trabalhar com isso e não há nada mais justo, faço porque gosto”

foto garota programa graduada brasil

Gabriela Natália da Silva, ou Lola Benvenutti, se formou no curso de letras na UFSCar, em São Carlos, SP, mas optou por fazer carreira como garota de programa (Foto: Reprodução / Lola Benvenutti)

A realidade de Gabriela sempre foi diferente da vida de uma parcela das garotas de programa que são universitárias e optam por se prostituir para manter as despesas com os estudos. “Tem uma categoria nos sites de acompanhantes que são de universitárias e fazem isso porque fazem faculdade particular e precisam pagar, mas eu nunca precisei disso, sou inteligente, fiz faculdade, optei por isso, qual o problema?”, questionou.

Natural de Pirassununga (SP), se mudou para São Carlos para fazer faculdade, mas por temer algum tipo de retaliação resolveu manter sua identidade como prostituta com discrição até concluir o curso. “Fiquei com um pouco de medo de isso reverberar de alguma forma na faculdade, então achei melhor terminar a graduação para colocar o blog no ar”, disse.

O site recebe cerca de duas mil visitas por dia e é nele que Lola posta sua rotina como prostituta. Entretanto, vê diferença entre sua história e o fenômeno Bruna Surfistinha, pseudônimo de Raquel Pacheco, ex-prostituta que fez fama na internet e teve sua história publicada em livro e roteirizada em um filme. “Ela teve uma vida diferente da minha, com outras oportunidades”, comentou.

Leia também

Além de manter seus contos e servir como contato entre seus clientes, que chegam a cinco por dia, o blog serve também para levantar discussão sobre o prazer no sexo. “As pessoas são hipócritas, vivem de sexo, veem vídeo pornográfico, mas não falam porque têm vergonha. Um monte de mulher entra no blog e fala que adoraria fazer o que eu faço, mas não tem coragem; e dos homens escuto as confissões mais loucas e cada vez mais esse tabu do sexo é uma coisa besta”, avaliou.

Barreiras

Apesar da escolha em ser uma profissional do sexo, Gabriela não desistiu de seguir carreira acadêmica ou dar aulas após a conclusão do curso de letras. “Também quero dar aula, mas por hobby, e além disso também tem a questão financeira, porque dando aula hoje você quase não se sustenta”, analisou. “Acho que as duas coisas são difíceis de casar, é muito difícil que uma escola que sabe o que eu faço me permita trabalhar com eles, vou ter que derrubar barreiras”.

Ainda este ano, ela pretende se mudar para São Paulo, onde vai continuar trabalhando como garota de programa e acumulando um mestrado na Universidade de São Paulo (USP). “Cansei um pouco de São Carlos e agora quero outras coisas, tanto que o mestrado para o qual estou estudando é na USP, converso com alguns professores e quero pesquisar na área de prostituição ou fetiche”, considerou.

Esse tipo de assunto, segundo ela, já é seu objeto de estudo desde a adolescência. “Desde os 14 anos estudo o sadomasoquismo, que hoje está ficando mais popularizado com ajuda do livro ‘Cinquenta Tons de Cinza’, que é marginalizado para quem curte, mas abriu um leque para as pessoas que não conheciam”, explicou.

Interesse pelo sexo

O interesse precoce por sexo começou com uma vontade íntima de deixar de ser virgem, o que considerava ser um ‘fardo’. “Desde os 11 anos queria me livrar desse fardo, mas perdi a virgindade com 13 anos e a primeira vez foi péssima, com um homem de 30 anos que conheci pela internet”, relembrou.

foto lola garota programa

Lola Benvenutti mantém blog com histórias dos clientes em São Carlos (Foto: Felipe Turioni/G1)

No início, Gabriela ficou em dúvida sobre o prazer causado pelo sexo.“Não fiquei confortável, fiquei um tempo sem fazer pensando em como era possível as pessoas falarem tanto disso, mas aí depois de um tempo eu fui gostando e a percepção mudou”, revelou.

Segundo Gabriela, nunca houve um episódio em sua vida que despertasse um interesse incomum para sexo. “Todo mundo fica me perguntando qual foi o fato que desencadeou isso, eu respondo que nada, meus pais foram ótimos, tive uma ótima educação, entrei na faculdade direto, fiz uma boa universidade e só”, garantiu.

Relação com a família

Como a personagem Tieta, da obra de Jorge Amado, Lola causa alvoroço quando retorna para sua cidade natal, mas a relação com a a família atualmente é estável. “Eu não vou muito pra lá, sinto que toda vez que vou, levanto uma poeira de discórdia e os vizinhos ficam comentando. Minha mãe já desconfiava porque nunca pedia dinheiro para ela e a relação foi muito mais difícil porque ela se importa muito com o que os outros dizem, mas a gente se fala”, disse.

Com o pai, militar da reserva, há uma relação de respeito e separação entre Gabriela e Lola. “Meu pai ficou seis meses sem falar comigo, eu achei que fosse pra vida toda, mas aí teve a minha formatura e ele veio. Na ocasião, disse que a filha dele era a Gabriela, não a outra, deixando bem claro que não compactua com isso. Mas ele ficou do meu lado e acho ele um herói porque não me abandonou”, confessou.

Felipe Turioni, G1 São Carlos

Posts relacionados

Comentários

  1. Elsa Villon Postado em 06/May/2013 às 15:27

    Acho sincero e digno tudo que a Lola/Gabriela defende. Ela faz porque gosta, porque quer e ponto. É tabu? É tabu, mas acho que tem tanta gente hipócrita no mundo que quando surge uma genuína, causa espanto.

  2. Patricia Postado em 06/May/2013 às 15:57

    O problema ñ é ser puta por opção... É achar que merece um trofeu por isso. Ah, vá. ¬¬"

  3. Datto Horaciana Postado em 06/May/2013 às 16:04

    Uma história muito diferente da bruna surfisitinha..tsi tsi. Concordo com a Patricia, opção por gostar, ou querer fama??? Acho q ela quer mesmo um troféu.

  4. adriana Postado em 06/May/2013 às 16:59

    Se essa moda pega...

  5. Patrícia Postado em 06/May/2013 às 17:08

    Patrícia Falou muito bem. Lola não é diferente de nada. Ela para mim nem nada contra a maré. Ela nada a favor mesmo. Lola, Bruna não estou quebrando barreiras. Estou apenas reforçando-as. Estou esperando pela liberdade sexual faz tempo. Cadê ela?

  6. Lopes Postado em 06/May/2013 às 17:24

    Ele é dona do próprio corpo e faz dele o que bem entender. A grande vantagem é que está ganhando uma boa grana com isso. Parabéns Lola.

  7. Conrado Postado em 06/May/2013 às 17:26

    Olha, quem faz algo porque tem vontade e se dispõe a enfrentar todo o preconceito irracional inerente a isso, contribuindo assim pra quebra de tabus e valores arcaicos... merece algum reconhecimento, não?

  8. Flavio Postado em 06/May/2013 às 19:00

    Pois é hipocrisia é pouco né se "dá" porque gosta então porque cobra pra isso?

  9. Thiago Postado em 06/May/2013 às 19:44

    e meus parabéns vão para Patrícia que postou: "O problema ñ é ser puta por opção… É achar que merece um trofeu por isso. Ah, vá. ¬¬”"

  10. Julio Garcez Postado em 06/May/2013 às 21:38

    Essa opção que ela defende, esse querer, também é construído. Não sabemos o que construiu esse querer dela, o que a fez optar por isso. Há algo de diferente na história dela. Ela disse querer perder a virgindade aos 11 anos, mas que perdeu aos 13, com um homem de 30, que conheceu na internet. Onde estava a família dela nesse momento? Ela se colocou em uma situação de altíssimo risco. Como a família agiu? Algumas coisas surgem nessas entrelinhas. Além disso, ela não é a primeira e nem a última que torna-se prostituta por "opção".

  11. Victor Postado em 06/May/2013 às 22:28

    A liberdade de dispor de seu corpo é um direito tão óbvio... A conversa estúpida e retrógada, tentando moralizar um comportamento que é apenas uma escolha chega a dar asco. Gostei principalmente por ela ser fan do Nabokov, q é um dos meus favoritos. "Light of my life, fire of my existence. My soul, my sin. Lolita"... Victor - ultimoguerreiro82@gmail.com

  12. Jo 40 Postado em 07/May/2013 às 00:21

    ela é maior dona do nariz faz porque gosta, qual o problema? pior são os falsos moralistas que dizem uma coisa faz outra completamente diferente do que o que pregam... abraços a todos Jo 40

  13. Suzana Postado em 07/May/2013 às 01:19

    só quer aparecer e aumentar o preço da mercadoria, essa vagabunda!

    • L!nce Postado em 10/Dec/2013 às 20:27

      E viva o feminismo! Querendo derrubar o machismo para que? Ditar como devemos viver!!!

  14. Patrícia Postado em 07/May/2013 às 01:24

    Ser fã de Nabokov... mais um clichê. Liberdade pela prostituição... uma releitura de um velho clichê. Sociedade hipócrita... a sociedade aceita a prostituição. E a prostituição está nos moldes da sociedade. Falso moralismo, bla, bla, bla... dizer que a prostituição é machista.

  15. Christian Postado em 07/May/2013 às 01:33

    Quantas pedras... E como as pessoas gostam de controlar o fiofó alheio. A indústria "honesta" usa o sexo pra vender carros, casas, cerveja e que mais for. Apenas as prostitutas entregam. Quantas pessoas dizem amar, mas entregam (e quando entregam) apenas sexo. As prostitutas não mentem. As grandes agências de publicidade que fazem, muitas vezes, coisas bastante questionáveis para vender os produtos de seus clientes recebem prêmios e são aclamadas. A menina recebe a pecha de só querer aparecer (mesmo enfrentando até cinco programas por dia). Um chama de vagabunda e o outro já procura uma causa para o "desvio" de comportamento e se apressa em culpar os pais. A menina está de parabéns. O corpo é dela e ela se utiliza dele como bem entender. Quanto aos críticos, sugiro uma boa trepada. Talvez alivie a tensão de vocês. Vivam e deixem viver, por favor.

  16. Ismael Wolf Postado em 07/May/2013 às 01:44

    Perdeu a virgindade com 13 anos e com um pedófilo que conheceu na internet. E não teve nenhum fato que desencadeasse no que ela faz hoje.

  17. Cristhian Postado em 07/May/2013 às 01:48

    "Flavio, em 6 de maio de 2013 às 19:00 disse: Pois é hipocrisia é pouco né se “dá” porque gosta então porque cobra pra isso?" Se for assim, ninguém pode ter um trabalho do qual goste, se deveria fazer de graça, não é verdade? Vamos todos trabalhar com o que é uma bosta pra nós mesmos, para poder ganhar um salário.

  18. Alexandre Postado em 07/May/2013 às 02:52

    Não entendo o problema da moça escolher se prostituir. Não está ferindo, atacando nem machucando ninguém.

  19. Maria Postado em 07/May/2013 às 06:14

    Infelizmente muitas garotas que começam na prostituição porque "gostam" , geralmente são egoístas que não se preocupam com o sofrimento dos pais, e nunca dizem que a vida de prostituta não é esse "glamour" todo que desejam passar, como um "trabalho normal". De "normal" isso não tem nada! É, na verdade uma decadência.

    • Alice Postado em 30/Jul/2014 às 14:37

      Quando você faz sexo, você se sente decadente?

  20. Rafael Costa Alves Postado em 07/May/2013 às 07:07

    "Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita” Tim Maia

  21. mariah Postado em 07/May/2013 às 09:22

    Bem feito, tem muita mulher por ai que da como chuchu e de graça, agora ela é bem esperta, faz o que gosta e ainda ganha pra isso... Parabéns garota...

  22. Yzi Postado em 07/May/2013 às 11:40

    Essa garota faz o que gosta e tem todo o direito, ela não quer ganhar nenhum "trofeu" quem a procurou para saber de sua historia foi a midia. Eu acho engraçado,pois a nossa sociedade esta cheia de mulheres casadas ou solteiras que são independentes e mesmo assim se envolvem com homens casados, conseguem ser amantes por muito tempo, destroem relacionamentos e não são rotuladas como prostitutas. E até mesmo adora uma puladinha de cerca e adora ganhar presentinhos. Essa Lola tem que ser diferente por que assumiu? por que gosta? ou por que teve coragem de colocar a cara na mídia? Tenho certeza que muitas de vcs que estao aqui julgando tem muita safadeza para contar, basta é ter coragem. Adorei a entrevista de ontem, e não aguentei a Vivi com o seu extenso curriculo ficar indignada com alguma coisa.

  23. iraneide Postado em 07/May/2013 às 13:32

    Virei fã da Lola, ela pelo menos não é hipocrita e é como a mariah falou: faz o que gosta e ainda ganha pra isso, ou seja uni o útil ao agradável é uma opção dela meu povo não surtem por isso, apenas respeitem a opção da garota sem ofende-la!

  24. Sidinei Lander da Silva Pereira Postado em 07/May/2013 às 13:36

    De todos os comentários que li aqui o mais esclarecido foi o de Christian. De resto, a maioria dos comentaristas dispara apenas frases ofensivas, difamatórias ou tentam justificar o "comportamento errado" da moça em questão, trazendo a baila um assunto aventado por ela própria, deixado bem claro que desde o início foi uma opção, uma escolha dela. Cada um de nós tem livre-arbítrio para decidir o que fazer da própria vida e do próprio corpo. Ninguém deveria interferir em nosso poder de decisão acerca daquilo que diz respeito a cada um de nós. Todavia, vemos claramente aqui como cada pessoa se acha no direito de julgar seus semelhantes apenas por realizar escolhas que diferem das suas. É prostituta? É professora? Que diferença faz? Ambas realizam um trabalho necessário a sociedade. "Ah, professora é mais digno..." dirão alguns. Pergunto: quem nos dá autoridade de definir o que é digno ou não? É mais digno receber um salário de fome? É mais digno ver os filhos famintos? É mais digno passar a vida trabalhando em algo que odeia? É mais digno ser explorado, vilipendiado? Mendigar ou viver da caridade alheia é mais digno? Talvez enganar, roubar, traficar? Quem sabe, matar? Tudo são escolhas. Cada um de nós faz as suas conforme as próprias necessidades, convicções, crenças, conveniências, desejos, inclinações, educação, criação, idiossincrasias, enfim, com base em tudo aquilo que nos condicionaram a acreditar que seria o "certo e o errado". Ela fez a escolha dela, baseada em seus desejos e não em suas necessidades. Foi boa? Foi ruim? Só quem pode dizer é ela mesma, pois a pessoa primeira e mais afetada por sua escolha é ela mesma. Eventualmente nossas decisões afetam também outras pessoas, nesse caso o corpo docente da faculdade, seu círculo social mais íntimo (amigos e amigas) e a família. Entretanto, o que todos os comentaristas daqui esqueceram de mencionar é que os relacionamentos sociais são intrinsecamente dialéticos. Não há sociedade sem relação dialética: assim como as decisões dela afetam os outros, as decisões dos outros a afetam também. Ex: foi a mãe dela que escolheu (decidiu) se deixar influenciar "pelo que os outros pensam", se importar com a "opinião alheia". O pai dela é um aposentado da reserva, carrega em si todo o peso dos condicionamentos impostos pelo modo de vida militar. Porém escolheu não renegar a filha. Foi uma escolha. Certa? Errada? Quem somos nós para julgar? Culturas diferentes, épocas distintas, países diversos, outros povos: cada um poderia "julgar" sua atitude conforme sua própria visão de "certo e errado". "As coisas não são como você as vê. Elas são como elas são." - Talmude No que concerne ao preconceito, ao machismo e outros "-ismos" medíocres, encerro parafraseando o imortal Dom Quixote de La Mancha: "Deixai que os cães ladrem, significa que estamos avançando."

  25. Márcia Postado em 07/May/2013 às 14:47

    Quanto falso moralismo, mulheres indignadas enquanto traem os maridos, homens indignados enquanto saem com prostitutas, e ela sendo apedrejada por assumir que gosta do que faz. Deveriam ter vergonha de ser tão falsos e enfadonhos ...

  26. Marcos Postado em 07/May/2013 às 15:14

    Um monte de mulheres frustradas e invejosas, e um monte de caras que adoram uma vagaba e ficam enrustidos posando de moralistas, mas odeiam ficar ao lado de suas namoradas e esposas sonsas, pensando em um dia realizar um sonho incrivel com alguem como a lolita ...

  27. Suzana Postado em 07/May/2013 às 16:07

    Christian, já saquei que vc é freguês desse tipo de trepada, fazer o que, nem todo mundo é amado nessa vida... vá você dar uma com amor pra sentir a diferença!

  28. Suzana Postado em 07/May/2013 às 16:09

    Ah, só mais uma coisa... "Lolita" do Nabokov, aquela apologia à pedofilia, é nojento!

    • Alice Postado em 30/Jul/2014 às 14:32

      É um clássico. Quanto moralismo barato.

  29. Julio Garcez Postado em 08/May/2013 às 20:24

    O querer é construído. Não fazemos escolhas ao acaso. Somos levados, muitas vezes sem perceber, a fazer escolhas que encontram justificativas na nossa história. Isso acontece com todo mundo e ela não é diferente. É de causar estranheza que uma menina de 11 anos tivesse o desejo de perder a virgindade e consumar o ato aos 13, com um homem de 30 que conheceu na internet. A família tem responsabilidades sobre isso sim, pois ela era menor de idade e portanto eles eram responsáveis por ela. Não podemos naturalizar essa situação. Um homem de 30 que conhece uma menina na internet, e transa com ela é algo muito sério.

  30. Ana Postado em 09/May/2013 às 12:36

    Seus recalcados! Vão fazer mais sexo pra poder falar de sexo com propriedade. Inúteis!

  31. Sarah Ferreira Postado em 10/May/2013 às 10:56

    Quanta hipocrisia se lê em comentários de matérias como essa, não?! Pais de família que gostam de sair com travestis, mulheres casadas que saem com vários homens por aí, acham que tem todo o direito de chegar aqui e julgar essa mulher por se prostituir por opção! ha ha ha Escondem suas sujeiras debaixo do tapete para apontar atitude dos outros... O mundo ta assim porque as pessoas se preocupam com quem dorme com quem e porquê, quando deveriam se preocupar com quem mata quem, quem estupra, quem machuca! Vão cuidar de suas próprias vidas, seus falsos moralistas de M E R D A!

  32. leandro Postado em 11/May/2013 às 10:03

    o mundo ve a mulher como prostituta de um homem só pqo homem começa a namorar a mulher pq quer transar depois enjoa pega outra mas continua pegando a mesma mulher é muito usado desculpem jeito de falar... Pow sexo é bom é gostoso mas tratar as mulheres com mais respeito é bom... E se as mulheres gostam de se prostituir deixa ela é um ser humano tambem não devemos excluir uma pessoa pelo oq ela faz mas pelz pessoa ruim q ela é não está fazendo mal a ninguem está otimo... Mas é claro mulheres dá muito bem pra vcs trabalhar em outro ramo vcs são mais q isso esse trabalho tem altos riscos....

  33. Róvson Postado em 14/May/2013 às 10:01

    Porque as pessoas de coragem q fazem diferente, incomodam tanto, vivemos num pais livre, democrático, cada um faz o q quizer de sua vida, deixem a moça em paz ela é livre de maior e tem o direito de fazer o q quizer desde q não prejudique ninguem, mas está incomodando meia duzias de idiotas q acham q tem o direito de direcionar e conduzir a vida das pessoas ( falso moralismo). parabens garota vá em frente faça o q vc acha q tem e deve fazer no final todos querem sentir prazer.

  34. Julio Garcez Postado em 14/May/2013 às 14:52

    Sinceramente, não vi nada de diferente. É o mesmo caso da Bruna Surfistinha e de tantas outras. Parece que ela quer fama, talvez para aumentar o valor dos programas. O que me causa curiosidade (e a única coisa na história dela que merece atenção, ao meu ver), é saber o que construiu esse querer dela de ser prostituta, e a omissão dos pais quando ela era menor. Uma menina de 13 anos, marcar pela internet um encontro com um homem de 30, e perder a virgindade com ele, é algo a se observar. Ela se colocou em uma situação de risco. E essa vontade de perder a virgindade aos 11, talvez faça parte de um meio de chamar atenção dos pais (apenas uma suposição). Me pergunto onde estavam os pais dela que não a orientavam para não marcar encontro com qualquer um pela internet, principalmente porque ela tinha apenas 13 anos. Pode muito bem ter caído na mão de um pedófilo. Enfim, logo as luzes sobre ela se apagarão.

  35. Loot Postado em 08/Jun/2013 às 11:06

    Ela é puta porque gosta de dar? Pelo dinheiro? Por querer fama? Não importa! É dinheiro honesto partindo do princípio que ela vende algo e entrega como foi combinado. Esse tipo de julgamento deve ser feito com políticos ANTES das eleições. Isso pode mudar a vida de muitas pessoas que se prostituem pois não têm opção.

  36. Anderson Postado em 10/Jun/2013 às 02:12

    olha só tbm não acho nada errado o que ela faz, e cada um tem suas razões, mas vi cada critica sem noção que meu deus, deixa a mulher, ela faz oque bem entende, a vida é dela e n de vocês, isso só pode ser inveja.

  37. Barillo Postado em 10/Jun/2013 às 06:26

    Bom,se ela gosta do que faz,beleza.... Oque não se pode é querer impor isso como certo à outras mulheres...Eu mesmo se tivesse uma filha que optasse por isso,não iria aceitar essa escolha não,ou não tão facilmente...Bom,mas se ela acha isso o certo para ela,que construa seus caminhos.

  38. Mina Postado em 12/Jul/2013 às 21:06

    Não dá pra negar que ela tem coragem...mas e qd ela se apaixonar, como vai ser? Acho que nem o cara mais liberal do mundo vai achar de boa casar com uma prostituta...e os filhos dela então, vixi...vão ser zoados demais...machismo ou não, a realidade assim...quem achar que não, me diz se acharia tranquila saber que tua mãe era puta.

  39. Letícia Postado em 24/Jul/2013 às 02:21

    Quantas suposições, As propagandas de cerveja vendem os nossos corpos todos os dias, nossos não, porque corpos contra hegemônicos não são negociáveis, os outros são vendidos aos montes aos estupradores e pedófilos e me incomoda ver que muitas mulheres compactuam com isso, preferem martirizar a mulher que, por direito, faz do corpo o que bem entende a enxergar a violência que elas mesmas são submetidas no dia a dia. A conheci muito rapidamente numa visita a Universidade na qual se graduou, admiro a coragem dessa mulher, respeito acima de tudo, ela, sua profissão e todas as outras que a exercem, não só como opção.

  40. Pietra Postado em 24/Jul/2013 às 10:43

    Quantas pseudo-explicações para o que julgam "desvio" da moral e dos bons costumes... 1 - Desejo sexual aos 11 com relações sexuais aos 13 é Anormal? Será? Olhem as Barbies, observem as bonecas e as representações da infância em telenovelas e programas infantis... Não sejamos hipócritas a ponto que jogarmos tudo no senso-comum da "pedofilia". Vejo meninas já mulheres aos 10, 12, 15 anos com o corpo desenvolvido e a cabeça em ebulição. Crianças-jovens-meninas que provocam e conhecem o tesão. Aliás, porque não falamos dos meninOs que são, frequentemente, incentivados a iniciar sua vida sexual exatamente nesta faixa etária seja por familiares ou pelo círculo de amigos... Pq o tratamente ao sexo feminino é diferente? Qual o papel da família? Castrar, domesticar, silenciar o desejo e a curiosidade sobre os corpos? 2 - Vagabunda? Por falar publicamente sobre o tema e expor que homens e mulheres a procuram para contar seus desejos? Hm.. Sei não. 3 - Aproveitadora? Talvez. Na verdade, eu a chamaria de EMPREENDEDORA. Afinal, vender o próprio corpo e viver dele é fruto de um investimento constante em cuidados estéticos, segurança, publicidade e instrução. SIM, instrução! Pois que o perfil de clientes dela não deve ser o das classes sócio-econômicas mais baixas nem de adeptos de práticas sexuais típicas como o "mamãe-papai", né? BDSM exige estudo, acreditem. 4 - Achar que "merece um troféu por isso"? É, tbm acho um descuido quando ela afirma coisas do tipo "Sou inteligente, faço porque gosto...". Mas, olha só: participei de uma conversa com ela realizada na UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS, o evento "O prazer é todo nosso..." (organizado pelos estudantes de Letras), em 29 de maio e, PASMEM, mais do que puta a Gabriela é um ser humano em formação. Diante do público de +100 pessoas afirmou que se reconhece enquanto branca, de classe média alta e dentro dos padrões de beleza... Também afirmou que recebe telefonemas e mensagens de adolescentes que querem ser como ela, e a estas esclarece as dificuldades da profissão e a necessidade de se investir nos estudos (o que mais ela poderia fazer?). Na ocasião, ela não demonstrou domínio sobre as questões políticas e jurídicas da profissão de PROSTITUTA no Brasil, assim como não se intitulou feminista ou engajada porliticmaente... Não por falta de vontade senão por ausência de tempo para dedicar-se a estudos sobre tais temas... Reconheceu, igualmente, a situação lamentável de muitos profissionais de sua categoria. Mas fez, sobretudo, questão de DIFERENCIAR o que é a PROSTITUIÇÃO do que vem a ser a EXPLORAÇÃO SEXUAL. 5 - Omissão da família? O que a família deveria fazer? Hostilizá-la? Trancá-la no quarto ou enviá-la a um convento? Em um mundo cheio de pudores, cheio de mistérios e lendas sobre os corpos alheios, cheio de "fórmulas" para se obter prazer a família não deveria abrir-se para tratar do tema? Abrir-se para falar sobre desejo por qualquer sexo e gênero? 6 - Aumentar o preço do programa? UÉ! PORQUE NÃO?! :) Diante da ampla publicidade e do aumento no número de clientes algum critério tem que ajudá-la a selecioná-los, né? Aquela tal "lei da oferta e da procura"... Quando conversei com ela em maio, afirmou que o programa estava entre $300 e $500 por algumas horas de deleite e que não previa aumentar mais o valor em função dos clientes que já possui e que são "fiéis". ------------------ O que, particularmente, eu acho que a Gabriela ainda não pensou com muita atenção é justamente essa afirmação do "faço porque gosto, optei por isso e sou inteligente". Para mim é uma afirmação paradoxal. Isso desqualifica uma porção gigantesca de homens e mulheres que se prostituem muitas vezes por obrigação e mediante coerção, ou seja, que são EXPLORADOS SEXUALMENTE e, de certa maneira, são silenciados ou escanteados com uma afirmação dessa. Desqualifica igualmente profissionais do sexo advindos de classes populares que não são NECESSARIAMENTE "menos inteligentes", assim como todo profissional do sexo com maior poder aquisitivo nem sempre é "mais inteligente". A questão da "inteligência" também associada à obtenção de um diploma de curso superior em universidade pública contribui mais para reafirmar estereótipos do que para auxiliar na emancipação do corpo feminino. Quero dizer, ela faz uso de discursos opressores e hegemônicos para tentar afirmar-se enquanto emancipada. Um equívoco que pode ser temporário diante de um maior esforço reflexivo e que é, concordemos, um reflexo da classe e da realidade social a qual a Gabriela pertence. De qualquer maneira, a Gabriela está aberta a sugestões de bibliografias e referências (ela realmente é leitora voraz de tudo) e demonstrou preocupação com muitos temas mas, sobretudo, preocupação com a sua formação intelectual. Não que isso seja o mais relevante, mas demonstra que ela reconhece o papel temporário de "protagonista" que a grande mídia lhe concede e tenta entendê-lo e aproveitá-lo da melhor maneira possível para si, mas também para toda uma categoria de trabalhdoras e trabalhadores. ------------------- Abaixo segue o link da relatoria do evento que citei. https://docs.google.com/file/d/0BxVOaboquY1SMDllWmt5T3BhWDQ/edit?usp=sharing "O objetivo desta relatoria é registrar todos os assuntos tratados com vistas a permitir a organização de eventos futuros que possam se debruçar mais detalhadamente sobre alguns dos temas levantados, além de ser uma maneira de divulgarmos tudo o que conversamos às pessoas interessadas que não puderam estar presentes. Caso verifiquem a necessidade de correção de algum conteúdo, pedimos que nos notifiquem via e-mail pararevisão. O mesmo vale para informações e reflexões que queiram incluir ^^ Ah! Durante o evento, realizamos uma exposição paralela de fotos de nus artísticos ou nem tanto enviadas pelos participantes. Como muitas pessoas não conseguiram visualizar as imagens, assim que finalizarmos a catalogação e organização, publicaremos tudo aqui junto ao nome dos curta-metragens que assistimos nas sessões de exibição do mesmo. Agradecemos novamente a importante contribuição de todas e todos vocês ^^ e colocamos o Centro Acadêmico de Letras à disposição no que precisarem." ------------------- Aqui o e-mail do tal Centro Acadêmico: cale.ufscar@gmail.com Aqui o link do evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/522932927744276/ E aqui o blog da Lola: http://www.lolabenvenutti.blogspot.com.br/

  41. Rafaela Postado em 24/Jul/2013 às 11:38

    Respeito a decisão dela , pois se ela se senti Feliz e bem com o que faz .. o resto e o resto .. só acho..

O e-mail não será publicado.