Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Desigualdade Social 11/May/2013 às 15:58
12
Comentários

Milhões de beneficiários abandonam o Bolsa-Família voluntariamente

1,69 milhão de famílias abrem mão do Bolsa Família. Famílias beneficiadas declararam voluntariamente que ultrapassaram a renda limite de R$ 140 por pessoa

bolsa família

Milhões de famílias abrem mão do benefício de forma espontânea (Foto: Reprodução)

Dados fornecidos pelo ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome mostram que 1,69 milhão de famílias beneficiadas pelo Bolsa Família deixaram espontaneamente o programa, declarando que sua renda já ultrapassava o limite de R$ 140 por pessoa. Estas famílias representam 12% de um total de 13,8 milhões de famílias atendidas. Os dados abrangem todo o período de existência do Bolsa Família, entre outubro de 2003 e fevereiro de 2013.

Os dados do ministério vão de encontro com a alegação dos críticos do Bolsa Família que o programa de transferência de renda estimula os beneficiados a não procurar emprego e melhores condições de vida.

De acordo com o secretário de Renda e Cidadania, Luís Henrique Paiva, estas famílias declararam ultrapassar a renda limite na atualização cadastral, realizada pelas prefeituras a cada dois anos. Por sua vez, a fiscalização excluiu 483 mil beneficiários flagrados com renda superior a permitida pelo programa.

Leia também

Mãe de cinco filhos, a diarista Selma Patrícia da Silva, de 42 anos, é uma das beneficiadas que deixaram espontaneamente o Bolsa Família após melhorar sua condição de vida. Na época em que fazia bicos como doméstica, e o marido com pedreiro, Selma era beneficiária do Auxílio Gás, Bolsa Escola e Bolsa Família. Depois de construir a sua casa, a diarista decidiu devolver o cartão que garantia o benefício.

“Pensei assim: da mesma forma que serviu para os meus filhos, vai ajudar outras pessoas. Acho muita covardia a pessoa não necessitar e ficar recebendo. Entreguei o cartão na mão da primeira-dama (do município), que começou a chorar”, disse Selma em entrevista ao jornal O Globo.

Hoje, Selma, de Formosa (GO), trabalha como faxineira, fez cursos de artesanato e manicure nos últimos anos e costura bonecas e adereços de pano, vendidos em feiras na vizinhança.

Revista Fórum

Recomendados para você

Comentários

  1. João Gonçalves Postado em 11/May/2013 às 21:19

    Gostei da parte que diz que ela entregou a primeira dama o cartão e ainda mais que da parte que a primeira dama chora ao receber o cartão. Muito bonito e verdadeiro!

  2. Valter Augusto Postado em 12/May/2013 às 10:55

    Ué,cadê os críticos?

  3. Thiago Teixeira Postado em 12/May/2013 às 17:40

    Engraçado ... no (BOM ?) DIA BRASIL o Alexandre Garcia não fez nenhum comentário.

  4. Izaque Moraes Postado em 13/May/2013 às 21:23

    Essa humilde mulher ainda mostra que o Brasil ainda pode mudar, com pequenas atitudes que fazem a diferença.

  5. Mario Zuzarte Carvalho Postado em 14/May/2013 às 13:26

    Quem se aproveita da Bolsa família de maneira egoísta, está tirando a comidinha dos pobres Mario Zuzarte

  6. Cacique Postado em 14/May/2013 às 17:58

    Creio que o Gabriel deve achar que os outros 88% são vagabundos porque não conseguiram aumentar o rendimento.

    • Sertão Postado em 24/Nov/2014 às 18:36

      Tenho um tio que não gosta muito de trabalho, vive às custas da minha mãe (e reclama se o bife não estiver macio), e ainda chama quem recebe bolsa família de vagabundo ... Fazer o que?

  7. olly Postado em 15/May/2013 às 01:04

    esperança...

  8. Bruno Postado em 22/May/2013 às 11:15

    Patricia, 1,3 milhões de famílias correspondem a, pelo menos, 2,6 milhões de beneficiários. Não vi a dificuldade em entender isso.

  9. Aline Postado em 28/Jun/2013 às 21:59

    Eu acredito sim que as pessoas abandonam a bolsa, afinal são obrigadas a manterem os filhos na escola para tal. Quando na verdade, sabem que podem tirá-los e colocá-los para trabalhar e ganhar muito mais na informalidade. Soma-se a isto a pressão dos gestores escolares sobre essas famílias que não enviam regularmente seus filhos às escolas. Acho que essa seja UMA das hipóteses do abandono do benefício.

  10. Vítor Rezende Postado em 05/Jul/2013 às 14:23

    É bom ouvir isso pra que se perca o estigma do "brasileiro corrupto", do Brasil do "jeitinho". O Brasil é tão honesto quanto o são seus cidadãos, quanto o formos nós.

  11. Samara Postado em 16/Oct/2013 às 00:48

    Eu acredito, ainda tem muita gente honesta, no interior do Piauí, onde foi feito um concurso, muitos que assumiram cargos diversos, como de zelador, foram se deligar do programa voluntariamente, tem muita gente desonesta como mostrado nesses dados, mas tem muita gente honesta também, que bom conhecer os fatos de perto e ver que não exite somente corrupção no Brasil.