Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Contra o Preconceito 23/May/2013 às 14:43
52
Comentários

Conheça os evangélicos progressistas

Seguidores da Bíblia, eles se opõem à violência contra homossexuais, defendem a igualdade entre homens e mulheres, são favoráveis ao estado laico e enfrentam preconceito dentro e fora da comunidade religiosa

Eles são evangélicos, frequentam os cultos, leem a Bíblia e lutam para defender suas opiniões pessoais – mesmo que elas destoem do que pensa a maioria de seus irmãos em fé. Patrick, Morgana e Elias são considerados evangélicos progressistas, que se declaram contra a violência aos homossexuais, pregam a igualdade de direitos entre homens e mulheres e adotam uma postura mais questionadora sobre temas polêmicos, não sem enfrentar preconceitos dentro e fora do grupo ao qual pertencem. “Infelizmente, a sociedade vê o evangélico como conservador, limitado intelectualmente e manipulável. Mas esta não é uma imagem totalmente verdadeira”, afirma o comentarista esportivo Elias Aredes Junior, evangélico praticante.

evangélicos progressistas contra preconceito

Patrick, da Aliança Bíblica: “Para mim, ser progressista é não ter uma relação de submissão incondicional com a figura do pastor ou do líder religioso” (Foto: Edu Cesar)

A comunidade evangélica no Brasil conta com mais de 42 milhões de pessoas, de acordo com dados do IBGE. O crescimento do número de fiéis é expressivo – eram 15,4% da população no ano 2000 e chegaram a 22,2%, em 2010.

Embora estejam todos “enquadrados” no mesmo grupo, há denominações bastante distintas. Os ensinamentos são diferentes em uma igreja da corrente histórica, como a Batista ou a Metodista, em comparação a uma pentecostal, à qual pertence a Assembleia de Deus, por exemplo, ou a uma neopentecostal, como a Igreja Universal do Reino de Deus.

Com doutrinas tão diferentes, alguns evangélicos buscam comunidades mais abertas a questionamentos e também participam de movimentos progressistas, para defender interpretações e pontos de vista nem sempre aceitos nos cultos. Conheça a história de três jovens cristãos que se incluem neste grupo.

Abaixo a submissão incondicional

Formado em ciências sociais, Patrick Timmer, 27 anos, trabalha como secretário-geral na Aliança Bíblica Universitária do Brasil, em São Paulo. De família evangélica, é membro da igreja Comunidade de Jesus, e se considera um “progressista”. “O termo progressista pode significar muita coisa. Para mim, é não ter uma relação de submissão incondicional com a figura do pastor ou do líder religioso”, define.

Leia também

Para Patrick, tudo o que é ouvido no culto precisa “passar pelo crivo das escrituras e ganhar uma interpretação coerente”. Ele acredita que todo evangélico deve ter uma postura crítica e saber buscar respaldo na própria Bíblia. “É preciso analisar o contexto, procurar literaturas de apoio, conversar com outras pessoas. O diálogo e o debate sempre ajudam na construção de uma democracia saudável”, afirma.

“A submissão para justificar a violência não tem base bíblica”

Ele explica que, em muitos casos, trechos da Bíblia são usados para justificar atos de opressão ou abuso, especialmente contra as mulheres. “Certas leituras podem levar a uma interpretação equivocada de superioridade de gênero. Mas a submissão para justificar a violência não tem base bíblica”, defende Patrick.

Sobre o homossexualismo, comumente alvo de críticas de líderes religiosos e dos políticos da bancada evangélica, Patrick diz que é preciso mudar esta polarização de “evangélicos versus gays”. Para ele, violência e intolerância são inaceitáveis, sejam por racismo, machismo, xenofobia ou homofobia.

A favor de um Estado laico

evangélicos progressistas contra preconceito

Morgana é secretária-executiva da rede Fale, união de grupos evangélicos que promove a justiça social (Reprodução)

A missionária Morgana Boostel, 26 anos, também se considera uma evangélica progressista. Ela é secretária-executiva da Rede Fale, uma organização internacional ligada a várias congregações evangélicas, que atua em campanhas contra injustiças sociais. Em março deste ano, a Rede publicou uma carta aberta, assinada por 173 pastores e líderes evangélicos, se posicionando contra a permanência de Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM). Dezenas de comentários na própria página da rede rechaçaram a opinião dos pastores.

“Todos devem ter os direitos garantidos, independentemente da sua história ou trajetória familiar”, defende.

Evangélica desde criança, ela já frequentou a igreja Batista e hoje é membro da Comunidade Anglicana Neemias, na cidade de Vitória (ES). Morgana defende fervorosamente a liberdade de crença e se mostra contrária à intervenção da Igreja em ações do governo. “Estado laico não é a ausência de elementos de fé, mas a possibilidade de expressá-la da forma que cada um considere importante”.

“Estado laico não é a ausência de elementos de fé, mas a possibilidade de expressá-la da forma que cada um considere importante”

Para ela, assim como a opção religiosa, todas as escolhas devem ser respeitadas. Cada um é responsável por decidir o que achar melhor para a própria vida, até mesmo quando se trata de questões sexuais. “É inadimissível qualquer tipo de violência contra homossexuais. Isso inclui o preconceito, pois [o preconceito] incita a violência”.

Em defesa da diversidade

“A igreja não consegue lidar com este cenário multifacetado. (…) Quem não estiver dentro de um modelo preestabelecido fica de fora”

O comentarista esportivo Elias Aredes Junior, 40 anos, sempre foi de família evangélica. Ainda adolescente, aprendeu com os tios a questionar os valores pregados nas igrejas que sempre frequentou. “Comecei a despertar para temas de justiça social e igualdade, o que me levou a participar ativamente de movimentos estudantis”, conta ele, que hoje também frequenta reuniões e encontros do Movimento Evangélico Progressista.

evangélicos progressistas preconceito

Elias, comentarista esportivo, é ligado a movimentos progressistas desde a adolescência (Reprodução)

Elias, que faz parte de uma igreja na cidade de Campinas (SP), considera boa parte da comunidade evangélica bastante conservadora. “Muitas vezes, a igreja não consegue lidar com este cenário multifacetado. E isso não é bom porque não contempla a diversidade. Quem não estiver dentro de um modelo preestabelecido fica de fora”, diz.

Ele cita um exemplo que ouviu de um pastor em outra denominação religiosa, que frequentava anteriormente. Durante um culto, o líder disse que, ao ver uma passeata gay, teve vontade de jogar o carro contra a multidão. “Achei aquilo horrível. Posso não concordar com a conduta gay, mas o Estado tem a obrigação de assegurar-lhes todos os direitos, inclusive o de manifestação”, opina.

Para Elias, o problema de lidar com a diversidade vai além da questão gay, incluindo também as novas formações familiares. “Vi vários casos de preconceito contra mães solteiras. Então, quando uma mulher é solteira ou separada, ela não pode ser considerada família pela igreja?”, questiona.

Para mudar este cenário e promover a inclusão, Elias acredita que cabe aos próprios evangélicos lutar pelo que acreditam e “adotar” líderes e representantes que estejam mais de acordo com o perfil de cada um. “O pastor da igreja que frenquento é aberto ao diálogo e respeita o que eu penso. Uma nobre e gratíssima exceção neste cinturão ditadorial existente na comunidade evangélica brasileira”, afirma.

Geledés e IG

Recomendados para você

Comentários

  1. Claudião (Ex-Prefeitura) Postado em 23/May/2013 às 15:33

    Ai sim, você acredita no que quiser, mas não precisa usar sua crença para diminuir ou se achar superior a outras religiões, opções e conceitos dos outros

  2. Keli Postado em 23/May/2013 às 15:48

    Se a maioria for assim, a evagelhofobia, causada pelos próprios evangélicos e suas atitudes horrorosas similares a de católicos conservadores e de séculos passados, vai diminuir.

  3. Getúlio Jorge Cidade Postado em 23/May/2013 às 16:03

    Sobre a "legalização" da união estável entre casais do mesmo sexo, não concordo em ser taxado de hemofóbico, só por ter minha própria opinião sobre o assunto. O fato é que jamais incentivarei a pederastia e o lesbianismo nem á ótica dada por nossos congressistas, em sua maioria, consumados simpatizantes sobre esse tipo de "união", indecente e antissocial, tais como êles, sobre esse assunto. Sendo hétero de carteirinha, não temo dar a opinião, pois talvez eu seja hemofóbico sim. Na “guerra dos sexos” (perdida pelos homens), se ainda não houve a inevitável separação, ao paizão atual é difícil ter de explicar ao filho que “rachadura” serve para designar uma simples lasca na parede e não o que ele imagina quando olha para a mãe. O resultado natural é ter de assistir calado e com desconforto o crescimento do número de crianças sem referencial paterno, buscando fugas em drogas, e realizando inóspitas incursões como “transformistas”, “gays”, “drag-queens” e outras modalidades de “boiolismo crônico”, num permissivismo sexual jamais registrado na história humana, tais como; sadismo, masoquismo, homossexualismo, lesbianismo, bissexualismo e outras perversões sexuais e desvios de personalidade, descaradamente incentivados por muitos dos nossos congressistas e até pela mídia em programas de Rádio e TV, por pessoas seduzidas por tais vícios que se dizem “simpatizantes”, e até defendem legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e à formalização de núcleos familiares advindos das mais abjetas “uniões”). Bem, nem todos tiveram sorte de nascerem no seio de uma família friburguense, que respeita o direito alheio, bem como as instituições e costumes da Nação. E como os costumes de uma nação se transformam em suas Leis, por que perseguem os que usam “pirataria” (exceto contrabandistas) para sobreviver se lhes faltam oportunidades de trabalho? Com tantos problemas nacionais que envolvem fome, seca, menores de rua, violência urbana, prostituição infantil, distribuição de rendas, população carcerária e outras prioridades, nossos políticos perdem seu tempo debatendo no Congresso o direito dos homossexuais, sem sequer lhe conhecer a origem. Ora, não há “terceiro sexo” mas uma opção dentro do Direito e das Leis em vigor, para seu uso. O movimento feminista só foi legítimo enquanto voltado à busca de igualdade de direitos entre os dois sexos, até como solução do próprio relacionamento, sem aqueles arcaicos conceitos contidos num velado código de domínio de um parceiro sobre outro, mas hoje as mulheres “liberais” são tão enjoadas que até afugentam os homens! Esse é um problema importante a ser discutido por toda a sociedade, pois de sua conclusão depende o futuro da humanidade, e como estou expondo opinião pessoal baseada em noção conservadora e formal da família “comum”, composta de um pai e de uma mãe que se unem em suas relações com o mundo para dar continuidade à espécie humana, devido a minha limitada filosofia, apelo a meu anjo para que explique o papel de cada um, segundo um preceito avançado (tratando de baixaria, se é que tal figuração possa haver em um Plano Superior): (Palavras de Anjo {?}) - {? Há sim, Getúlio, pois quando a mente está desperta, quase tudo que há no Thulmin (do plano geral) é percebido no Urim (plano particular) por ser reflexo daquele e tratando-se de princípios paterno e materno nos quais se inserem a própria Criação, o pai material é um veículo natural positivo necessário à cristalização da materialização corpórea, cabendo-lhe zelar pela manutenção de seu fruto, até que amadureça para obter entendimento do grande Pai espiritual que chamais DEUS, origem de onde provêm todas as coisas e também o seu destino, portanto, de onde provém também o espírito que um dia a Ele retorna, enquanto por seu lado a mãe material é um veículo natural negativo, necessário à materialização, cabendo-lhe zelar pelo desenvolvimento desse fruto, até que revele autonomia e entendimento da Mãe material que chamais TERRA, a qual, desde seu ventre, também lhe dá origem e destino, pois além de suprir a vida, um dia se abre para receber a mesma matéria que a esse ventre retorna e, no que chamais de “círculo vital”, tal é ciência de DEUS a ser obedecida por todas Suas criaturas terrenas, não devendo o ciclo ser mutilado interrompendo a vida antes de findar seu tempo natural por aborto, nem ser incompleto, criando vida após o inicio natural que deve ter, pena de contrariar o princípio prescrito para que Suas criaturas se submetam e cumpram suas missões terrenas, e assim, Suas criaturas não devem tentar igualá-Lo, através de ciências terrenas, imaginando que poderão gerar um ser completo, em corpo e espírito, partindo de um único sexo, de forma artificial, por multiplicação assexual das células de uma só herança genética, substituindo no interior de um óvulo o núcleo de uma célula somática por um outro núcleo, eis que assim procedendo, gerarão o que chamais de “clones”, à imagem e semelhança do homem e não à imagem de DEUS, pois sem consentimento divino esses organismos sofrerão alterações fenotípicas em curto espaço de tempo, e sem dispor de características espirituais adequadas os efeitos resultarão em animais de enorme instabilidade interior, diferenciando-os de seus ascendentes}. Meu Anjo foi tão sutil que não deu para entender sua divina definição em toda a extensão: mas se afirma que DEUS é PAI e a Natureza é MÃE, isso abrirá um leque de conceitos até em relação à virgindade de Maria, o que permitirá um significativo mais lindo e abrangente. Já em relação ao meu apelo, aparentemente, ficou “em cima do muro”, revelando o que só deu para entender superficialmente, sobre “clones”, deixando de incluir conceitos sobre homossexualidade, quiçá mostrando grandes conceitos até para atenuar meus pequenos preconceitos, em assunto extenso e polêmico a ser amplamente discutido entre os pais, até com participação dos filhos que hoje só querem “ficar”, eis que foi por uma exigência da crise feminina que a revolução começada trouxe o apagamento da figura do pai e, por que não, do próprio macho que hoje, com suas funções perdidas, nem consegue se envolver afetivamente ao lidar com um novo tipo de mulher. Só que desprotegidas em direitos globais, as mulheres se perdem em indefinições e não logram idealizar uma constituição básica familiar, levando ao erotismo exacerbado ou a refugiarem-se uma religião, pelo vazio que provocaram em si mesmas. - {? Se houve omissões, Getúlio, foi proposital, pois como representantes dos atributos de DEUS, os anjos foram criados com poderes para atuar em variadas regiões do Universo, desde as imensas galáxias ao ínfimo átomo, e assim, são dotados de poderosa força construtiva e destrutiva, mas sempre de forma positiva e suficiente para interferir diretamente e transmudar a Criação dentro de seus respectivos domínios, com fins de permitir a manutenção do esquema do Criador, e sua ordem ao estado de equilíbrio cósmico segundo um projeto original e não para discorrer sobre sensações corpóreas advindas do sexo, eis que, criados como criaturas singulares de diferenciados atributos que espelham a vontade de DEUS, atuamos sob estado de isenção e pureza, sem máculas e sem misturar nossos dons, e assim, não dispomos de características sexuais, pois gerados por DEUS com formas e fins definidos, não passamos pelo mesmo processo humano de nascimento, crescimento e degeneração física, não havendo, necessidade de acasalamentos, pois não possuímos o mesmo dom do ser humano de se multiplicarem entre si no plano terreno criado por DEUS para evolução de seus espíritos, eis que se o homem foi criado “à Sua imagem e semelhança”, compreende apenas pálidamente o poder de “espelhar” por simples “semelhança” alguns atributos divinos, o que é possível apenas “por correspondência”, certo que, no Universo, o menor sempre está contido no maior e, em limitada proporção, o homem tenta “imitar” o Criador em sua “criatividade”, e interfere exteriormente no plano material, refletindo suposta evolução que chama “progresso”, e de igual forma, quer fazê-lo interiormente, mas ao perceber que não consegue fazê-lo sozinho, cria em seu interior um vazio e, para preenchê-lo, busca conjunção com outras almas para que alcancem um estado celestial, o que se completa no acoplamento ou junção harmoniosa entre dois corpos, até em tentativa inconsciente de gerar seus próprios “anjos” e a chamam “casamento”, comunhão entre dois seres dispostos a se doarem mútua, física e espiritualmente (o que pode ocorrer dentro das formalidades de um “matrimônio”), pois embora possuidores de iguais direitos e deveres perante as leis de algumas nações, o que colabora para que se confundam em finalidades segundo as características para os quais foram criados, como o parafuso e a porca, são diametralmente opostos, não só em aparências, como por interesses e papéis que têm de assumir, para atingirem suas finalidades, inclusive na esfera sexual, ora sendo intransigentes, ora cedendo aos reclamos de seus parceiros e ajudadores}. Me vi surpreendido com a inesperada réplica, mas confesso não ter sido a minha primeira “mancada” em relação aos atributos dos anjos, levando-me a “cair em si” e concluí, envergonhado, que tentei usar a inocência angélica para homologar minha opinião, a bem da verdade, esperando que o assunto fosse definido dentro do que gostaria de ouvir. De fato, minha busca é por “equilíbrio”, mas só um demente alimentaria discussões sobre “sexo dos anjos”, desprezando conceitos eternos e insofismáveis, e para discutir o assunto, me acha até melhor aparelhado, já que anjos não têm pênis nem vaginas, não estando sujeitos aos efeitos dos fluídos necessários aos respectivos funcionamentos, o que pode dificultar as expressões de um anjo, tentando explicar os efeitos desses fluídos sobre quem os possuem. Por outro lado, por mais que seja sincero, não expressaria conceitos de forma elevada como um anjo, mesmo que se trate de tema mundano envolvendo a sexualidade. Assim, desculpando-me por ter sugerido o que me pareceu omissão, valho-me do exemplo do Anjo sobre “diferenças” entre os dois sexos, essenciais como complemento do que uma pessoa oferta à outra, pois como um parafuso não se encaixa em outro parafuso, uma porca também não se encaixa em outra porca, tal como acontece entre espadas e bainhas: criadas para a luta, se a espada desembainhada tocar outra, uma delas pode levar à vitória, com a derrota da outra. Por sua vez, quando duas bainhas se juntam, tudo o que uma acrescenta à outra é apenas sua parte vazia, tornando-as dobradas, mas isso não é definido como conjunção ou acoplamento. O único sentido da bainha é ter uma espada que possa guardar e, reciprocamente, a proteja. O ponto de equilíbrio é que cada espada tenha sua bainha e vice-versa e respeitando idiossincrasias que produz gostos e opiniões diferenciadas, que ninguém alegue cegueira por recusar-se a enxergar o óbvio. A liberdade de sexo, amparada pela Constituição, não sugere que o País possa se transformar numa imensa “Zona”, pois se como diz o anjo “o menor está contido no maior”, as leis humanas nada valem se não se subordinarem às Leis Divinas. Por isso, que ninguém veja em ponto de vista pessoal intenção de ofender a quem pensa de outra forma, eis que os defensores da homossexualidade ou com tendência para aderir, poderão tomar minha palavras como fruto de “preconceito”, aquele sentimento negativo e enraizado até a alma, mormente em pessoas que não confiam no seu próprio “taco” (situação que não me enquadro, pois não desconfio de meu “taco”, o que não confio é jogar minhas “bolas” como um doido dentro de qualquer “caçapa”). Aliás, o vocábulo “preconceito” trás ínsito a idéia de elemento nocivo, mas nunca tão danoso como quando alguém o utiliza contra quem lhe é adverso, usando o preconceito alheio como escudo para manter falta de caráter, já que num pré “conceito” pode residir o mais acertado. Como os anjos, a alma não tem sexo, mas o corpo tem e embora isso não seja problema de quem não está envolvido – pois o verdadeiro amor é incondicional - cada um é dono de seu corpo, mas ao cedê-lo a alguém do mesmo sexo ambos contrariam sua finalidade, pois se nutrirem um amor recíproco, nada há de mal, já que seguem o mesmo paradigma que resulta em conjugação de ideais, o que não se confunde com conjunção carnal, cedendo a baixos instintos animais, por atração física, sem uso da censura psíquica, a menos que o Deus-Criador tenha sido injusto e cometido enorme barbaridade na divina e sobrenatural intervenção para destruir cabalmente Sodoma e Gomorra, mostrando definitivamente “Quem dá as cartas” e fazendo que o termo “sodomia” passasse a lembrar à posteridade esse tipo de desvio moral. Desde criança senti na própria pele os terríveis efeitos nascidos da ignorância e discriminação e, hétero “de carteirinha”, sou suspeito para definir o assunto, mas não vejo em “Paradas de Macho” a solução ideal para se igualar em direitos às “Paradas de Orgulho Gay”, e dentro da condição dada pelo anjo para autocorreção e “emenda alheia”, não me omitiria ao revelar a quem se encontra em trevas “onde e como começou a errar”. Um pai arrependido que se auto-acusa e questiona: “Meu Deus, onde foi que errei?”, só revela que permanece errado, pois a pergunta leva a concluir que não dispõe da consciência de “quando foi que errou”, ou seja, o momento apropriado que deixou de interferir na formação do filho (a) que ainda não tinha sua personalidade definida (a “máscara” escolhida para atuar no mundo), cultivada nos veros do falso no interior infantil, apenas pelos pais não terem dado importância aos “sinais” evidenciados por pequenos tiques e manias que, se forem ignorados, avolumam até “explodirem” na idade adulta e, a partir daí, só o próprio “mascarado” tem o condão de alterar, e ainda assim, se tal alteração for de sua conveniência pessoal e exclusiva (eis que se já estiver “formado” e “assumido”, não existe nenhum tratamento psicoterápico que dê jeito). Quando os filhos estão se formando, os pais devem ter sensibilidade e ver se os seus “sinais” são positivos ou negativos, eis que nada é tão atraente a quem se apaixona do que os inofensivos “tiques” e “manias”, marca de individualidade que expressa a personalidade de quem se ama. Mesmo com amigos “excessivamente alegres” e entusiastas do próprio corpo, não tenho experiência, mas por mais que defendam como algo “normal”, ninguém nega que “homossexualidade” não é o mesmo que “boiolismo crônico”, revelado por misóginos de forma ridícula e escandalosa. Enfim, respeitando o livre arbítrio, nenhum pai deve sentir desconforto pela escolha sexual dos filhos e, se for o caso, que não sinta constrangimentos se verem os seus desprotegidos e “descaracterizados” filhos travestidos na televisão, justificando o desafeiçoamento pelo sexo oposto sob argumento de “apoio familiar”, se não expressar a verdade. Na vida tudo tem sua razão de ser e não seria em vão que o mesmo Deus que legou os Dez Mandamentos, através de Moisés, já proclamara que “A mulher não se vestirá de homem nem o homem se vestirá de mulher, porque aquele que faz tal é abominável diante de Deus”. (Deuteronômio 22, 5) e ainda que alguém imagine aparentar mudança de sexo, alterando o final do respectivo nome (MáriO como MariA, e vice versa ou JoanA como JoãO, e vice versa), ou simular nome do sexo oposto (MariA se apresentando como JoãO e vice-versa ou MáriO se apresentando como JoanA, e vice versa), a identificação permanece na “origem” (contida no princípio para o qual veio ao mundo e gravada em meros cromossomos XX ou XY, que traduzem a sua finalidade). Independentemente de qual máscara sexual utilize, ninguém consegue falsificar o carimbo real e oculto que há na alma feminina ou masculina, pois mesmo que adote as posturas respectivas, são dois opostos que se complementam entre si. Se na língua portuguesa, “elas” se identificam com a letra A (figura deitada e receptiva que sugere algo pronto para ser penetrado, lembrando uma “estrada” delimitada, mas ansiosa para ser percorrida, desde que seja transposta a barreira inicial, cujo término não dá para divisar, situado num ponto qualquer de um misterioso final), “eles” se identificam com a letra O (que não é uma figura verticalmente ereta, penetradora, mas um “buraco” que só as mulheres inteligentes fazem conotação com um “caminho” circular o qual, independente do ponto onde começam a percorrer, aparenta ser “eterno”, mas é bastante controlável e limitado, já que termina em si mesmo). Particularmente, não me colocaria como um “lobo devorador”, mas “carimbado” pelo sexo masculino (único que “imagino” ter autoridade para definir), prefiro ver homens “bichos pensantes”, e não “bichas loucas” a serem destroçadas violentamente por “lobos”, pois o termo “veadagem” tanto pode ter origem num tipo de mandioca de talo vermelho de raiz curta e grossa, como nascido no castigo de Démeter, eterna solteirona, ao ser flagrada nua, tomando banho, pelo caçador Àcteon, transformando-o num veado, que foi devorado por lobos. Em minha penosa caminhada evolutiva, não sou um “iluminado”, acima de meus semelhantes, sejam “garanhões” ou “veados”, mas também anseio por iluminação espiritual no que vejo como obscuro, até esperando reciprocidade de tratamento, pois mesmo que alguém caminhe em Luz, não evolui desprezando as trevas pela qual caminha o seu próximo, e consciente de só ser possível trazer alguma coisa “à luz”, isto é, à Verdade, quando está “em trevas” e oculta pela Mentira, tudo o que aqui exponho não tem o propósito de julgar, mas o dever cristão de alertar, já que ninguém tem direito de condenar os outros, mormente se referindo a pessoas autênticas que revelam claramente como são, demonstrando o que lhes passa no interior, e até nas palavras do santo Apóstolo Paulo, pode estar uma luz, quiçá até como um guia mais seguro nesse sentido: “... Porque eu queria que todos vós fôsseis como eu; porém, cada um tem de Deus o seu próprio dom: um de um modo e outro doutro”. (Primeira Carta aos Coríntios, Capítulo 7, versículo 7). É só isso (tudo)...

    • Fernando Postado em 08/Oct/2013 às 11:14

      Como todo bom hipócrita, vc faz um patchwork de versículos bílbicos previamente decorados e saturados ao máximo no "templo"(?) que freqüenta. Mas vou alertá-lo de uma coisinha: vc é um hipócrita muito, mas muito burro porque se refere à HOMOfobia como hEmofobia, que seria a fobia do sangue. Hemo é sangue, meu caro ignóbil. Vc até que tentou. Falou, falou, se enrolou todo e foi tudo em vão porque no primeiro chute na bola já marcou gol contra. É por isto que crentelhos como vc não merecem respeito nem consideração nem nada de sério e justo de uma sociedade laica. Porque não pensam e só sabem regurgitar seu discursinho calhorda falso-moralista de chauvinismo tupiniquim. (Ah! Sim, utilize o Google para entender alguns dos termos empregados)

  4. Junior Postado em 23/May/2013 às 16:06

    Sou cristão, ou "evangélico", como queiram, e, ao ler o texto, fiquei muito surpreso, pois são tão óbvias as atitudes que esses "progressistas" têm que não vejo nada de progressista. Sempre achei que isso fosse o básico dos básicos para poder ser chamado cristão; além do novo nascimento, é claro. Todas essas atitudes, inclusive, tem respaldo bíblico, portanto não têm nada de progressistas, pois são fundamentos do ensinamento cristão (examinai tudo, retende o bem - I Tessalon. 5:21). Sempre fui ensinado a assim proceder. Ser contra violência contra homossexuais? Puxa...nada mais óbvio.(ame ao próximo como a ti mesmo). Enfim, fico surpreso que possam existir "igrejas" e "evangélicos" com outro tipo de atitude.

    • Sabrina Postado em 28/May/2014 às 11:55

      Os evangélicos fundamentalistas são a maioria, infelizmente, que não entendem nada de história, sociologia, antropologia e filosofia e ficam repetindo com reverência bovina tudo o que os pastores falam. Muitos desses pastores são pedófilos ou homossexuais reprimidos com graves transtornos psicológicos. Sinto muito em ver tanta miséria intelectual, tanta falta de educação pautada em valores éticos ao invés de religiosos, tanta falta de bom sendo dando lugar ao senso comum, ao preconceito e à ignorância. Esses progressistas evidentemente são os que interpretam com mais discernimento o evangelho que seguem e devem ter tido melhores condições de acesso ao conhecimento que a grande maioria. Mas é essa maioria que está na bancada evangélica, lamentavelmente.

  5. Suane Postado em 23/May/2013 às 16:22

    Sou uma católica progressista. Não vivo totalmente os inciamentos da minha igreja... Mas procuro entender os seus lideres. Amo de mais a minha religião e lá me sinto bem... Fique muito feliz em saber que existem muitos evangélicos progressistas. Aqueles que são favoráveis a mudanças e que propõe mudanças sócio-econômicas, para o desenvolvimento e o progresso do país. Acima de tudo respeitando a diversidade humana.

  6. Weslei Santana Postado em 23/May/2013 às 16:32

    Getúlio Jorge, tu é muito doido véi!! Escreveu um livro pra não falar nada com nada. Parabéns pela loucura e falta de lógica. hauahauha "Bem, nem todos tiveram sorte de nascerem no seio de uma família friburguense, 'que respeita o direito alheio', bem como as instituições e costumes da Nação" o.O

  7. Gabriela Postado em 23/May/2013 às 16:52

    kkkkkkkkkkkkkkkkk Ai o Getúlio é engraçado... Pelo menos eu ri!

  8. Vinicius Postado em 23/May/2013 às 16:59

    @Getúlio Jorge: comecei a ler, imaginando que haveriam fundamentos consistentes, além da falácia que costumo ler por aí. Aí percebi que, além de serem as mesmas razões inescrupulosas de serem, eram também de cunho, no mínimo, imbecil. Além do mais, escreveu tanto apenas para atestar o quão retrógrado. A partir da quinta linha, "nemlinemlerei". @Quanto ao artigo: muito bom. Já frequentei igrejas evangélicas e sempre tive a mesma postura. Sempre pontuei as minhas crenças e convicções muito além do bancos do templo e dos dizeres dos pastores. Um certo dia comecei a pensar comigo mesmo e me perguntei: qual o maior legado de Cristo, além da salvação? Não é a religião, pois a religião é algo construído por homens, mera expressão de culturas locais, encabeçada por jogo de interesses políticos, econômicos e sociais (quando não, espúrios). A maior expressão do legado de Cristo (além da salvação) é o modo de vida do próprio Cristo, espelhar-se nele a fim de observarmos o quão mesquinhos somos no nosso dia-a-dia, a fim de evoluirmos como ser individual e social. Nunca gostei de generalizações. Inclusive, sempre encarei toda generalização como burra (mesmo generalizando com esta informação). Fato é, nem todos os evangélicos são tapados, conservadores, extremistas e preconceituosos. Há os que raciocinam para além de dogmas boçais e modelos preestabelecidos, e isso é muito legal! Aos que pensam assim, agem dessa forma, tenho por certo que Deus se alegra.

  9. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 23/May/2013 às 17:01

    Getúlio, qual sua opinião sobre quem NASCE hermafrodita, ou seja, uma pessoa com anomalia genética que apresenta órgão genital masculino e feminino?

  10. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 23/May/2013 às 17:07

    Pragmatismo, que ótimo vocês mostrarem sobre pessoas que não excluem. Nem chamo estes de "evangélicos", porque esta palavra hoje em dia virou sinônimo de intolerância. Chamo-os Cristãos.

  11. Camila Postado em 23/May/2013 às 17:10

    Parei no "indecente e antissocial"...

  12. Carlos A Gomes da Fonseca Postado em 23/May/2013 às 17:11

    Cara, as pérolas do Getúlio foram hilárias....Não tem outro termo para definir tal prolixidade no assunto liberdades.....A da "mandioca vermelha" e do Urim e "Thulmin" (sic), foram para matar qualquer mente, minimamente, lúcida......

  13. Pablo Nunes Postado em 23/May/2013 às 17:21

    Nossa esse tal de Getulio escreveu um testamento cheio de cocó que nem a pessoa mais atoa do planeta ia ter tempo de ler kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Nossa como tem gente otaria kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  14. Patricia Postado em 23/May/2013 às 19:00

    Ou seja, galera que coloca o representante religioso em seu devido lugar, que é o de orientador, e não de Deus, como se colocam os "pastores" estupradores por aí.

  15. Bruno .R (@bruno_rms) Postado em 23/May/2013 às 20:13

    Getúlio Jorge Cidade, Primeiramente, acho desnecessário tamanho texto de cópia e cola de trechos da bíblia, até porque ninguém se importará de ler. Segundo, eu discordo de sua posição, agora eu defendo meu argumento; Hoje a globalização + acesso rápido a informações e novas descobertas + capitalismo na sua pura forma + formas antigas de estudo (entendemos que nosso método de ensino vem desde a rev. industrial e já não é mais apto para lidar com o novo cenário atual - Mas é um outro tema a ser debatido) e outros diversos fatores influenciam tanto no comportamento da nova sociedade, como da antiga. Reafirmo essa teoria até mesmo pelo tópico deste poste, que entrelinhas demonstra a "evolução" da religião no seu puro progresso e aceitação as diversidades. Voltando a seu texto supracitado, acho equívoco de sua parte começar uma escrita desta forma: "sobre a legalização da união estável entre casais do mesmo sexo, não concordo em ser taxado de hemofóbico, só por ter minha própria opinião sobre o assunto" - sem precisar ao menos ler todo esse livro escrito acima, pude notar claramente como você destacou a palavra Deus e a quantidade de vezes, e novamente ressalto, você está sim, tomando uma atitude completamente baseada em paradigmas próprios que devem ser reavaliados, até porque como leitor de um site de grande conteúdo como este, acho que você deveria estar com a cabeça mais aberta as novas mudanças e as diferentes posições as quais respeitamos e temos de respeitar. Abraços, Bruno

  16. Roberta Postado em 24/May/2013 às 00:19

    Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos. 2 Timóteo 4:3

  17. Roberta Postado em 24/May/2013 às 00:24

    OU SEJA GALERA QUE DISTORCE A BÍBLIA, VAMOS OLHAR O CONTEXTO BÍBLICO E ME DIGAM SE ALGUMA VEZ JESUS FICOU DE PARCERIA COM OS PROFANOS E DEVASSOS, PELO CONTRÁRIO ELE FOI BEM CLARO DOIS CAMINHOS " VIDA E MORTE" CÉU E "INFERNO"

  18. Bethe Postado em 24/May/2013 às 06:32

    Concordo com o Junior é preciso estar em Cristo e menos na igreja!Assim sendo não vejo nada de progressista...Se o for, Cristo já o era......

  19. Renato Postado em 24/May/2013 às 09:06

    @Junior Pensei a mesma coisa, cara. O que estão fazendo é simplesmente a essência do cristianismo! É o cristianismo do jeito certo, baseado no amor e no respeito. Infelizmente isso é tão distorcido (não é só de hoje, aliás), as pessoas se tornam tão intolerantes e cegas que, quando um cristão age do jeito que realmente deveria, acaba chamando atenção...

  20. Gustavo Postado em 24/May/2013 às 09:07

    Acho um tanto desnecessária essa rotulação "progressista/comunista" x "reacionário/neoliberal/conservador" no seio da Igreja. Para os cristãos, Cristo deve vir em primeiro lugar. A ideologia é que tem que se adequar à Cristo, e não o contrário. Os ensinamentos de Jesus é que devem ser o norte de toda orientação ético-moral e, consequentemente, política. Como cada pessoa carrega experiências e visões de mundo distintas, é difícil julgar o que é certo ou errado. IMHO, esse grupo descrito no artigo parece seguir uma linha mais sensata - aquela guiada pelas Escrituras e pelo coração e mente regenerados em Cristo Jesus.

  21. Talitha Postado em 24/May/2013 às 09:54

    Roberta, ele andou com leprosos, defendeu prostitutas e destruiu vendedores no templo. Isso sim que está bem claro.

  22. Marcos Postado em 24/May/2013 às 10:31

    Roberta, vá ler a sua Bíblia, vá. Comece por Mateus 9:11. E "juntar mestres para si mesmos" é o que todos fazemos, o tempo todo! Veja, o seu pastor mesmo, é um mestre que VOCÊ escolheu, alguém que dá validade a todo o conservadorismo que você já trazia (sabe lá de onde). Já tive um pastor e um livro, a Bíblia. Hoje tenho muitos livros, nenhum pastor e vivo muito melhor.

  23. Capuski Postado em 24/May/2013 às 11:00

    Progressistas? Porque se opõem à violência contra homossexuais? Só podem estar de brincadeira. RESPEITAR o próximo é um dever! Evangélico progressista é só uma forma branda dessa alienação tóxica que contamina o país. Basta dar uma olhada na bancada evangélica e no tanto de merda que vêm fazendo no Brasil.

  24. Müller Postado em 24/May/2013 às 11:13

    Nooooosssaaaa, quanto "progreeeessso"! Quer dizer que agora alguns gatos pingados chegaram a conclusão que um SER HUMANO homossexual não merece ser agredido...Que não há lógica na submissão da mulher ao homem...etc. Patético, lamentável e deprimente saber que existem 42 milhões de indivíduos nesse país com um espírito tão mesquinho e um caráter tão falho e questionável. AGORA PENSE COMIGO, SE SÓ POUQUÍSSIMOS PROTESTANTES AGORA QUE CHEGARAM A MUDAR UM POUQUINHO SUAS IDEIAS DE ÓDIO, OPRESSÃO E INJUSTIÇA, IMAGINA AS IDEIAS DO RESTO ( MAIORIA DELES), A QUANTIDADE DE IDEIAS DOENTIAS DELES DEVE SER ALGO QUE NEM QUERO IMAGINAR O TEOR PORQUE CHEGA A FAZER MAL PARA A SAÚDE!

  25. Tibby Postado em 24/May/2013 às 12:50

    Incrível. ESSES são Cristãos, com 'C' maiúsculo, de verdade.

  26. EmanuelHP Postado em 24/May/2013 às 13:39

    Müller, sou evangélico e gostaria de fazer uma proposta que faço não só a você, mas a todos que defendem da mesma forma que você tanto um lado quanto o outro da questão. O problema apresentado é a discriminação, segundo o dicionário: Tratamento desigual ou injusto dado a uma pessoa ou grupo, com base em preconceitos de alguma ordem. O que leva a outra questão mais profunda, o preconceito, que se define por "Ideia ou conceito formado antecipadamente e sem fundamento sério ou imparcial". O seu comentário é tão encharcado de preconceito quanto o mais inflamado discurso homofóbico, julgar um membro pela atitude de um grupo não é ser imparcial, já que o membro pode ou não concordar com o grupo. O que tenho visto no meio evangélico é muita gente caminhando contra o preconceito e esbarrando exatamente nesse outro preconceito e sendo no fim das contas desencorajadas ao invés de incentivadas, se uns poucos (segundo você, já que não há estudo estatístico suficiente para afirmar isso) estão com idéias que segundo a sua opinião são melhores, qual o sentido de agredir os outros em vez de ajudar estes? O maior mandamento que Jesus deixou é o amor, incondicional, puro e verdadeiro, o que não significa complacência, mas exige respeito. Não sou a favor do homossexualismo, não sou obrigado a concordar, mas tanto respeito e defendo os direitos dos homossexuais quanto tenho o direito de não ser a favor. No fim das contas acho que muito se fala de liberdade e direitos e esquece-se dos direitos que lhes são alheios, em ambos os lados...

  27. Pedro Augusto Postado em 24/May/2013 às 14:47

    Getúlio Vargas e a ditadura em peso apoiam esse Getúlio que escreveu aqui um monte de marmeladas. Pessoas contrárias á liberdade, como esses Getúlios que eu comentei, são a definição do que é ignorância.

  28. Nina Postado em 24/May/2013 às 16:00

    kkkkkkkkk.... esse Getúlio Jorge escreveu essas baboseiras em estado de nóia, só pode. Se achando o próprio Jack Kerouac. Meu palpite é que ele não passa de um gay enrustido, gastando tanto verbo só para dizer que odeia a própria homossexualidade. Isto me lembra uma matéria na revista Superinteressante de maio, intitulada "Homofobia é coisa de veado", ou seja, coisa de GetúlioJorge, deputado Jair Bolsonaro, pastor Marco Feliciano e "psicólogo" Silas Malafaia.

  29. Luiz Ferraz Moulin Postado em 25/May/2013 às 16:43

    Sou um livre pensador, vejo lado positivo e bons em todas as religiões, cristãs, islamitas, budistas, espiritas, etc, todas tem a finalidade de ligar o homem a Deus. Nenhuma religião é superior a outra.Tenho uma formação cristã muito forte e acredito, muito mais que ir a cultos religiosos, está a sua prática de vida, como você se relaciona com seu irmão, como vê e pratica a fraternidade e o respeito que você possui por toda as manifestações de vidas presentes no planeta.O Estado debve ser laico mesmo, o Próprio Mestre Jesus, o Cristo disse " Dê a Deus o que é de Deus e a César o que é de César, e sabemos que o César moderno é o estado com todas as suas instituições. Existir bancadas religiosas para controlar os passos de César é criar a Teocracia, que tantos males trouxeram e trazem a humanidade. O respeito a cidadania implica em reconhecermo-nos como irmãos com todas as diferenças existentes.Deus seja sempre louvado.

  30. Conrado Postado em 25/May/2013 às 20:22

    Legal o texto, mas o autor comete uma gafe ao escrever "homossexualismo". Parei ali!

  31. SILVA Postado em 27/May/2013 às 13:28

    P/ o Getúlio Jorge, com amor: "De quem é esse jegue ...ele quer me morder ...tirem ele daqui (De quem é esse jegue - Genival Lacerda)

  32. adelson correia Postado em 28/May/2013 às 16:36

    Fico feliz em participar em salvador bahia de uma igreja Progressista que dar apoio aos seus membros onde todos podem ser ouvidos e respeitados em suas opiniões e triste ver ainda no brasil igrejas conservadoras e intolerantes e cheias de prenconceitos a culpa e de quem? dos proprios pastores quem fazem lavagem celebral nos seus membros.Sou membros da Igreja Batista Nazareth em Salvador,faço parte da aliança de batista do Brasil .Um orgão que luta pelos direitos e igualdades de todos.

  33. Johann Postado em 31/May/2013 às 04:25

    O melhor foi comentário do Getúlio, que é maior que a própria reportagem ....hauhauhauhau Duvido que alguém tenha lido.

  34. Kleber Konstandt Postado em 04/Jun/2013 às 14:07

    A religião um dia vai acabar. É a evolução natural do ser humano. Basta perceber países e sociedades mais justas e igualitárias, e menos violentas que a nossa: eles estão deixando a religião para trás, e aprendendo que a ética não pode depender de crenças infundadas, que não se atém aos fatos, e sim a dogmas. A ética deve vir da ideia de que praticar o bem ao próximo e à vida, independente de sua forma, é praticar o bem a si mesmo.

  35. Eli Postado em 05/Jun/2013 às 17:10

    Faço minhas as palavras do Junior! Não há nada de "progressista" nisso que foi tratado no texto! Para ser um simples Cristão, precisa-se disso e de MUITO mais! É Ridículo esse cara falar num pastor que gostaria de lançar o carro sobre um grupo de homossexuais, como se o comportamento desse, que se diz pastor, representasse o desejo dos Cristãos! Nesses termos, não dá nem pra começar a discutir ... Se existisse Cristão progressista, nosso amigo (Elias) precisaria evoluir bastante para receber tal denominação! Isso chega a ser desrespeitoso com os Cristãos e até prova que quem escreveu a matéria não está bem informado ou é, no mínimo, maldoso! Ps.: Não tenho nada contra esse site (até gosto dele), mas confesso que Já li matéria MUITO MELHOR por aqui!

  36. nelson muniz Postado em 06/Jun/2013 às 17:34

    Repetindo Marcos "Já tive um pastor e um livro, a Bíblia. Hoje tenho muitos livros, nenhum pastor e vivo muito melhor." Resumiu bem minha posição hoje, viu Marcos??

  37. Francisco Pereira Postado em 08/Jun/2013 às 21:34

    Sou cristão,e tenho as minhas próprias convicções,sou considerado rebelde pela ala ortodoxa,pois sou contra a evangelização de indios,afinal que pecado essas pessoas podem cometer,uma vez que desconhecem o cristianismo?,o que fazemos é destruir as suas culturas e impor a eles a nossa,isto deveria ser um crime,porque Deus imporia pecado a um inocente?...não aceito ordens de pastores,se querem algo de mim,me peçam,não condeno Homossexuais,pois vivemos em uma democracia,cada um decide o que quer para a sua vida,a palavra é pregada.segue quem quiser,nada pode ser imposto,detesto a selvageria financeira que as igrejas impõem aos seus membros,e a quem as visita,sou averso aos doguimas sem sentido que pregam nos templos,e forçam muitos a seguilos,sou contra o dizimo,afinal porque as pesssoas dizimam e continuam miseraveis,so os dirigentes prosperam? sou totalmente racional,não creio em firulas religiosas,mas no uso da razão,creio em Jesus cristo como o nosso redentor,mas acima de tudo como um sábio,que soube usar a razão como ninguem,se pensar desta forma é ser progressista,então...............

  38. Rod Postado em 09/Jun/2013 às 22:58

    Evangélico progressista? Isso não existe. Este artigo é uma grande perda de tempo.

  39. Leandro Postado em 14/Jun/2013 às 15:13

    O pior desta matéria é que ela trata o normal como algo anormal, dando a entender que a grande maioria dos cristãos agem de forma discriminatória. Estes progressistas são a regra, mas infelizmente só a exceção tem aparecido na mídia, pois, quem de fato segue a Cristo entende que o reino de Deus é espiritual e não político e que o amor ao próximo é um dos mais importantes fundamentos do evangelho, e próximo é quem está perto não importando sua cor, religião ou opção sexual!

  40. Rich Postado em 03/Jul/2013 às 19:59

    - Pra mim, proferir a palavra homossexualismo refere-se á quem pratica a homossexualidade. Mas para outros é crime.

  41. Larisse Postado em 27/Jul/2013 às 20:52

    Surpresa com o enunciado desta matéria dizendo que os evangélicos progressistas são contra a violência contra homossexuais , isso não é questão de ser progressista moderno, ou qualquer coisa semelhante , isto está claro na Bíblia Sagrada, portanto pobres daqueles que são dominados por seus preconceitos( machismo,racismo , homofobia, preconceito de classes, etc) por que de fato não conhecem verdadeiramente Jesus Cristo e menos ainda o que é ser cristão.Coisas como analisar se os ensinamentos dos lideres religiosos estão de acordo com as escrituras, amar o próximo, promover justiça social estão super claros na Bíblia. Que Deus possa ter misericórdia desse pastor, que o companheiro citou na entrevista , o qual sentiu a vontade de avançar com o carro na parada Gay e ainda falou isso diante da Igreja. Meu Deus a Bíblia é clara que estamos passíveis de sentimentos ruins , porém devemos orar ao Senhor para retira-los de nós e não os repassarmos. Por fim acredito que os Cristão , em especial os evangélicos , não devem se deixar iludir por esse rotulo que essa mídia iluminai e preconceituosa coloca que os evangélicos são sinônimo de intolerância, por que se de fato forem eles não sendo Cristãos e sim brincando de religião ou coisa do tipo , Abraços e fiquem com Deus

  42. Amanda Postado em 07/Oct/2013 às 17:17

    "... O resultado natural é ter de assistir calado e com desconforto o crescimento do número de crianças sem referencial paterno, buscando fugas em drogas, e realizando inóspitas incursões como “transformistas”, “gays”, “drag-queens” e outras modalidades de “boiolismo crônico”, num permissivismo sexual(...) " kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk