Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mercado 24/Apr/2013 às 18:49
97
Comentários

Presidente da Nestlé defende privatização da água

Presidente da Nestlé diz que água deve ser privatizada. Na opinião de Peter Brabeck, a água deveria ser tratada como qualquer outro bem alimentício e ter um valor de mercado estabelecido pela lei de oferta e procura

presidente nestlé água

Presidente da Nestlé diz que água deve ser privatizada (Foto: Reprodução)

Peter Brabeck-Letmathe, um empresário austríaco que é presidente do grupo Nestle desde 2005, afirma que é necessário privatizar o fornecimento da água. Isso para que nós, como sociedade, tomemos consciência de sua importância e acabássemos com o subpreço que se produz na atualidade.

Palavras sujas que provocaram estupor, sobretudo quando se tem em conta que a Nestlé é a líder mundial na venda de água engarrafada. Um setor que representa 8% de seu capital, que em 2011 totalizaram aproximadamente 68,5 bilhões de euros.

Peter Brabeck junta essa a outras críticas para destacar que o fato de muitas pessoas terem a percepção de que a água é gratuita faz com que em várias ocasiões não lhes dê valor e a desperdiçam. Assim sustenta que os governos devem garantir que cada pessoa disponha de 5 litros de água diária para beber e outros 25 litros para sua higiene pessoal, mas que o resto do consumo teria que gerido segundo critérios empresariais.

SAIBA MAIS: CRIMES DA NESTLÉ SÃO ACOBERTADOS POR AUTORIDADES E IMPRENSA BRASILEIRA

Apesar das rejeições que sua posição provoca, faz tempo que ele defende, sem cerimônia, com entrevistas como esta que aparece no vídeo abaixo, que qualifica de extremistas as ONGs que sustentam que a água deveria ser um direito fundamental.

Em sua opinião, a água deveria ser tratada como qualquer outro bem alimentício e ter um valor de mercado, estabelecido pela lei de oferta e procura. Só desta maneira, aponta, empreenderíamos ações para limitar o consumo excessivo que se dá nesses momentos.]

José Francisco Neto, Brasil de Fato

Recomendados para você

Comentários

  1. Marcelo Postado em 24/Apr/2013 às 19:23

    Ele tem razão. Os primeiros a pagar deveriam ser as empresas, inclusive a Nestlé, que exploram as fontes de água mineral para comercializar. Quanto eles pagam? Alguém sabe?

    • cesar Postado em 07/Jan/2014 às 09:29

      O consumo de água, assim como a produção de lixo acontece em intensidade muito maior no ambito da produção do que no do consumo. As experiencias de privatização da água na Africa criaram cenários de aberração e calamidade.

    • Fabio Postado em 28/Jun/2014 às 18:31

      No caso da água mineral, além dos impostos de qualquer produto (ICMS, etc...), há o pagamento do CFEM que é 2% do faturamento líquido. O CFEM não é imposto, é uma compensação pela exploração mineral. Existe um instrumento, a outorga do uso da água, que na teoria iria exigir o pagamento de um valor de quem explora economicamente a água, ou gera alguma poluição... mas não funciona...só existe no papel...

    • Paulo Postado em 31/Oct/2014 às 05:34

      Agua gira as turbinas das nossas hidroeletricas, e se tratada, pode ser consumida. A agua que gira as turbinas que geram nossa energia, deve tambem ser privatizada? Toda agua? Eu nao entendo onde ele quer estabelecer a fronteira do privado. Ah, e esqueci: como privatizar algo que cai do ceu?

    • Marcos Postado em 25/Feb/2015 às 01:25

      Como privatizar serviços de infraestrutura por Steve Hanke, terça-feira, 4 de junho de 2013 versão para impressão Bookmark and Share IMG_5889.JPGPara uma economia ser desenvolvida e funcionar bem, ela tem de ter uma infraestrutura de qualidade. É uma infraestrutura de qualidade que irá facilitar o fluxo de bens, de pessoas, de informação e de energia. É uma infraestrutura de qualidade que permitirá o escoamento da produção, fazendo com que oferta e demanda estejam sempre no mesmo compasso. Consequentemente, portos, estradas, pontes, ferrovias, aeroportos, redes de comunicação, linhas de transmissão de energia, sistemas de fornecimento e distribuição de água, gás encanado, metrô e vários outros sistemas de infraestrutura representam insumos essenciais para uma economia. Uma infraestrutura ruim — tanto em termos de quantidade quanto em termos de qualidade — não somente aumenta os custos da produção e da distribuição, mas também pode literalmente deixar uma economia de joelhos. Grandes economias como Índia, Brasil e várias nações da Ásia e da América Latina têm sido severamente afetadas por sua pobre infraestrutura, que é majoritariamente gerida pelo estado. Mesmo a nação mais rica do mundo tem problemas de infraestrutura. Nos EUA, por exemplo, o número de veículos dobrou desde 1980, mas a capacidade viária total do país aumentou apenas 6%. O resultado foi um dramático aumento dos custos gerados pelos congestionamentos (tempo perdido, combustível extra etc.). Em todo o mundo, os gastos com manutenção e com investimentos em infraestrutura são de 2% do PIB. Europa e Ásia gastam mais (quase 7% do PIB) e a América Latina e o Caribe gastam menos (3,02% do PIB). Países ricos podem se dar ao luxo de direcionar mais recursos para infraestrutura do que países pobres, que direcionam seus gastos (ineficientes, como todos os gastos do governo) para outras prioridades. hanke-20080331.gif O que nos leva a uma pergunta crítica: a infraestrutura deve ser ofertada e gerenciada pelo setor público ou pelo setor privado? Adam Smith já havia respondido a esta pergunta em seu livro A Riqueza das Nações (1776). Ele concluiu que: "Não há personagens mais incompatíveis do que o comerciante e o soberano", uma vez que as pessoas são mais esbanjadoras e imprevidentes com a riqueza dos outros do que com a riqueza própria. Ele acreditava que a propriedade e a gerência estatais eram negligentes e dispendiosas porque burocratas e funcionários públicos não possuem um interesse direto no resultado comercial de suas ações. Análises comparativas dos custos do fornecimento privado e do fornecimento público de bens e serviços dão suporte à conclusão de que empresas privadas são mais eficazes — tanto em termos de custos quanto em termos de qualidade — do que empresas estatais. E evidências consideráveis sugerem que o custo estatal incorrido pelo fornecimento de uma determinada quantidade e qualidade de serviço é aproximadamente duas vezes maior do que o fornecimento privado. Este resultado ocorre com tamanha frequência, que acabou dando origem a uma regra empírica: "a regra burocrática do dois". Tudo custa duas vezes mais quando fornecido pelo estado. A privatização da infraestrutura, no entanto, pode levar a um problema: como introduzir e manter a concorrência na área privatizada. Economistas neoclássicos argumentam que projetos de infraestrutura possuem a característica do monopólio natural, de modo que a privatização destes setores traria um problema de falta de concorrência. Já economistas austríacos são desconfiados da própria tese de que existe de fato algo chamado monopólio natural. É claro que todos os economistas liberais defendem que a iniciativa privada possa construir e gerir serviços de infraestrutura; porém, infelizmente, tal realidade nem sempre é exequível. Afinal, dado que a infraestrutura já existe e foi majoritariamente construída pelo estado, seria desarrazoado imaginar que empresas privadas poderiam, em pé de igualdade, construir sua própria infraestrutura para concorrer em condições de igualdade com o estado. Dado que rodovias, portos, aeroportos, metrô, linhas de transmissão e sistemas de fornecimento e distribuição de água já existem, não faz sentido imaginar empresas privadas construindo sistemas paralelos para concorrer com o estado. O custo de se abrir uma nova estrada, um novo aeroporto, um novo porto ou um novo sistema de fornecimento e distribuição de água para concorrer com um já existente seria absolutamente proibitivo. (É claro que tal alternativa não pode jamais ser proibida. Sempre que uma empresa privada quiser construir seu próprio porto, seu próprio aeroporto, sua própria estrada, seu próprio metrô, seu próprio sistema de distribuição de água etc. ela deve ser perfeitamente livre para tal — e, neste caso, também deve ser perfeitamente livre para cobrar os preços que quiser). Sendo assim, seria mais prático e realista concentrarmo-nos em como melhorar a infraestrutura já existente. E isso envolve retirar do estado e entregar ao setor privado a gerência destes serviços. Só que, neste cenário, mesmo que não haja nenhuma barreira artificial à concorrência, é muito provável que a empresa privada para a qual o serviço for entregue não terá concorrência, pois, por uma questão de economias de escala, uma única empresa pode fornecer serviços de infraestrutura de forma mais barata do que várias empresas (múltiplos portos, aeroportos, rodovias, pontes, metrôs e sistema de fornecimento e distribuição de água na "mesma" localidade não são economicamente viáveis). Os oponentes da infraestrutura fornecida pelo setor privado são rápidos em apontar justamente para este fantasma do monopólio natural, utilizando-o para justificar a necessidade de que apenas o estado esteja neste setor. Felizmente, há uma maneira de solucionar este impasse. Há uma maneira de contornar a questão do monopólio natural e introduzir concorrência no fornecimento privado de serviços de infraestrutura. E tal maneira envolve um sistema de licitação competitiva no qual uma empresa privada irá adquirir a concessão de uma determinada infraestrutura. Embora a concorrência prática dentro de um mercado possa ser impossível, os benefícios gerados pela concorrência naquele mercado podem ser alcançáveis. Enquanto houver um vigoroso processo de licitação pela concessão de uma infraestrutura, o melhor dos dois mundos será possível: não haverá desperdício de recursos com a duplicação de estruturas (algo que seria supérfluo e desnecessário) e os preços cobrados serão competitivos. Em teoria, tal sistema pode garantir que os incentivos benéficos normalmente associados à gerência privada de uma empresa (por exemplo, o fato de que proprietários privados terão interesse em controlar custos e aprimorar a eficiência como forma de maximizar seus lucros) estarão presentes. Como funciona? O segredo para um processo de licitação competitiva é o seguinte: a licitação para a concessão de um serviço de infraestrutura não deve ser em termos de uma soma de dinheiro a ser paga pelo direito de explora a concessão, mas sim termos dos preços que o vencedor da concessão irá cobrar e dos serviços que irá ofertar ao público em troca do privilégio de ser o ofertante exclusivo. Se a concessão fosse meramente entregue ao licitante que ofertasse o maior preço por esse direito exclusivo, a própria concorrência entre as empresas iria jogar o valor dos lances no leilão para uma soma igual ao valor presente dos lucros futuros esperados para este mercado. E, vale lembrar, os lucros futuros esperados seriam lucros de monopólio. Tal processo de licitação iria apenas transferir os lucros monopolistas do vencedor da concessão para o governo. E, no final, os consumidores ainda pagariam preços monopolistas pelos serviços. Em vez disso, um leilão deve ser feito de maneira que a concessão seja entregue ao licitante que prometer a melhor combinação entre preço e qualidade para os consumidores. Neste caso, a concorrência iria derrubar os preços cobrados pelos serviços. Para cada nível de qualidade exigido haveria um preço. E este seria sempre o menor possível. No entanto, a teoria nem sempre vira realidade. Com efeito, vários estudiosos do assunto já manifestaram suas ressalvas quanto a este processo de licitação. Uma das preocupações está relacionada ao próprio formato do processo. Selecionar um vencedor (isto é, determinar uma estrutura ótima de preços e de combinação de serviços) pode ser algo extremamente complexo e subjetivo, e não há nenhuma garantia de que o processo de licitação será realmente competitivo. Por exemplo, quando um prazo de concessão estiver próximo do fim, outras empresas podem se mostrar relutantes a participar do novo processo de licitação se a concessionária atual também estiver participando do leilão, pois esta certamente estará mais bem informada do que suas rivais quanto aos verdadeiros custos e à real demanda do mercado. Outra preocupação está relacionada ao comportamento do vencedor da concessão durante a vigência de seu contrato. Se o contrato for para um prazo razoavelmente longo, será necessário que haja alguma fórmula que permita alterações nas tarifas cobradas à medida que o custo, a demanda e a tecnologia mudem ao longo do tempo — em última instância, renegociações de tarifa devem ser permitidas. O arranjo em que há uma fórmula é preferível; porém, se ele for impraticável e optar-se pela renegociação, então sugere-se que uma empresa privada — uma empresa de auditoria e contabilidade, por exemplo — seja escolhida para auditar a concessionária e confirmar se os termos do contrato estão sendo observados. A escolha desta empresa de auditoria também pode ocorrer por meio do mesmo processo de licitação: aquela que ofertar o menor preço pelo serviço de auditoria, ganha. E, desnecessário dizer, tal empresa terá todo o interesse em ser imparcial: afinal, trata-se de uma empresa privada que opera no mercado, e zelar por sua reputação é extremamente importante. Outros problemas podem surgir à medida que o fim do contrato vai se aproximando e a atual concessionária não tiver interesse em participar do novo processo de licitação: sendo assim, ela poderá reduzir suas operações de manutenção e deixar de investir em novos ativos, deixando para a próxima empresa a tarefa de lidar com os problemas resultantes. Todos estes problemas são importantes, mas não são insolúveis. As variáveis realmente cruciais são o grau de complexidade tecnológica e a rapidez em que ocorrem mudanças tecnológicas nos setores concessionados. Selecionar um licitante pode ser difícil em uma área em que a tecnologia criou incontáveis opções de serviços potenciais. Já em uma área em que é possível especificar um limitado número de serviços, bem como seu padrão, selecionar uma concessionária por meio do processo de licitação aqui defendido não traz dificuldade alguma. E naqueles setores em que o ritmo das mudanças tecnológicas não é muito rápido, é fácil concordar com algum tipo de fórmula que governe alterações nas tarifas, de modo que uma renegociação dos termos do contrato durante a vigência do contrato nunca seja necessária. Conclusão Este arranjo que envolve licitação competitiva, especificação antecipada de preços e de tipo de serviço ofertado, e auditoria privada em caso de renegociação de contrato é capaz de gerar o melhor dos dois mundos: a empresa vencedora da licitação poderá explorar todas as possíveis economias de escala na oferta de seus serviços ao mesmo tempo em que os preços cobrados, que foram determinados em um processo concorrencial, serão os menores possíveis. Isso impede que a empresa vencedora da concessão utilize sua posição privilegiada para cobrar preços abusivos e ofertar serviços ruins. Mais ainda: o arranjo faz com que as empresas tenham de controlar seus custos eficientemente caso queiram maximizar seus lucros. Para criar incentivos adicionais para que os detentores das concessões aprimorem continuamente a qualidade dos serviços, os contratos podem estipular que a concessionária faça uma espécie de depósito-caução, o qual seria dado à agência de auditoria caso a concessionária violasse os termos da concessão. Uma vez em prática, a concessionária teria todos os incentivos para agressivamente cortar seus custos e adotar novas tecnologias, pois cada centavo economizado representa um centavo de lucro. Se os proprietários da empresa não atentarem para o controle de custos, os lucros da empresa cairão, o valor de suas ações despencará e a empresa passará a ser o alvo favorito de uma aquisição por outros proprietários mais bem capacitados e ansiosos para auferir os ganhos resultantes de uma troca de gerência. São várias as nações do globo que enfrentam problemas dantescos de infraestrutura. Para solucioná-los, métodos testados e aprovados de oferta privada destes serviços devem ser adotados. Serviços de infraestrutura ofertados por franquias privadas, quando corretamente especificados e auditados, são a chave para a melhoria deste setor. E o que é melhor: a um preço baixo e sem grandes pirotecnias. _________________________________

      • VALTER Postado em 26/Dec/2015 às 03:33

        Um edificante exemplo para a transcendental teoria privatizante é a Samarco em Minas Gerais!! Mais devagar com o andor!

  2. afaracs Postado em 24/Apr/2013 às 20:29

    vergonhoso

    • Carlos Alberto Monteiro C Postado em 30/Sep/2013 às 09:57

      O povo deve é banir Nestle de seu Cardápio e compras , aproveitem e incluam Coca-Cola pois tem o mesmo pensamento .

      • valter Postado em 26/Dec/2015 às 03:35

        Concordo 100%!

  3. Ananelia Alves Postado em 24/Apr/2013 às 20:35

    A água é propriedade da União!

    • Paulo Postado em 31/Oct/2014 às 05:35

      Nao, a agua nao é propriedade da uniao. Nao é propriedade e ponto final! Eh agua, que enche os oceanos, lagos, rios e cai do ceu. Toda a vida no planeta eh baseada nela.

      • valter Postado em 26/Dec/2015 às 03:38

        Estude mais Paulo! Leia a legislação federal sobre riquezas de nosso subsolo.

  4. Patricia Postado em 24/Apr/2013 às 21:28

    Não seria mais lógico invertir em projetos de dessalinizaçãpo da água?

  5. walter lodi Postado em 24/Apr/2013 às 21:28

    pessoas,animais morrendo de sede e este maldito ainda quer tirar vantagem em cima deste que é o liquido sagrado da vida....

  6. Igor Postado em 24/Apr/2013 às 21:30

    Filho de uma p***

  7. Jesue Fonseca Postado em 24/Apr/2013 às 21:32

    Para Mim Se Tivesse Que Privatizar A Agua Apenas o Governo Deveria Fazer Isso e Não Empresas Afinal Se o Pais Fazer Isso Vai Aumentar O Seu Lucro e Ia Doer No Bouso Das Pessoas Eu Defendo Está Ideia Mas Não Para Empresas

    • Sandro Postado em 07/Jan/2014 às 20:29

      Daí não seria privatização, seria estatização da água, coisa que já é feita.

  8. alpha Postado em 24/Apr/2013 às 21:34

    no modelo japonês sou a favor, no mdelo boliviano sou contra

  9. Reginaldo Postado em 24/Apr/2013 às 21:57

    A àgua tem que ser tratada como questão de segurança nacional. Jamais envolver a iniciativa(gulosa) privada no processo.

    • valter Postado em 26/Dec/2015 às 03:39

      Corretíssimo!

  10. Herberth Amaral Postado em 24/Apr/2013 às 22:07

    Aos que são contra: gostaria de ver um caso de privatização de recursos naturais (não-monopólios) que deram mais errado do que certo no mundo. De água a elefantes, todas as situações melhoraram depois de privatizações.

    • Graça Postado em 28/Dec/2013 às 11:40

      São esses malditos psicopatas os caras que mandam no mundo. E eles são tão espertos que conseguem manipular até a opinião pública a favor deles.

    • Daniel Ferreira Postado em 07/Jan/2014 às 10:26

      Respondo com todo o prazer do mundo. Tentaram privatizar a água na Bolívia ou Venezuela, não lembro, e a população começou a passar sede! Quase resultou em guerra civil. Recomendo pesquisar a respeito.

    • fabio Postado em 09/Jan/2014 às 17:59

      30 litros de agua por dia Vc acha suficiente pra viver? Queria ver Vc implorar por mais agua e não ter como à ter talvez nem por falta de grana, más por politicagem!

    • Daniel Postado em 27/Jul/2014 às 05:58

      Tornar privado qualquer recurso natural que seja significa que este passará a atender às demandas do proprietário por lucro e não a satisfação das necessidades das pessoas... Como tornar privado um recurso que é de todos pode ser benéfico? Poderia você citar alguns exemplos do que afirmou?

    • valter Postado em 26/Dec/2015 às 03:41

      Cito o triste exemplo da Samarco em Mariana MG, um exemplo de incompetência e irresponsabilidade! Entregar resolve? Penso que não

  11. vera l m Postado em 24/Apr/2013 às 22:10

    isso já estava previsto a muito tempo,e vi acontecer,valerá mais que ouro....................

  12. carlos Postado em 24/Apr/2013 às 22:20

    kkk Heberth queria ver vc implorando por agua a mais e nao puder ter só pq vc nao tem dinheiro hehehe

  13. Montz Postado em 24/Apr/2013 às 22:36

    A Água não é propriedade da UNIÃO, nem de nenhuma maldita corporação, nem de NINGUÉM ! É um direito de todo e qualquer ser vivo desde planeta ! Assim como o direito a terra ! NINGUÉM deveria ter direito a terra que não ocupa, visando a exploração. O PLANETA NÃO ESTÁ A VENDA !

    • Daniel Postado em 07/Jan/2014 às 10:27

      Exato! Nem à União a água pertence. E não pagamos por ela. Pagamos, sim, para que a água encanada chegue à nossa torneira, mas se você tiver outros meios de extrair água pode fazê-lo sem problema.

    • Lucia Biermannn Postado em 11/Feb/2014 às 13:31

      Sim, se na sua propriedade vc tiver uma nascente de água, ela deveria ser sua. Se vc coleta água da chuva ela é sua. Vc poderia usá-la para consumo próprio, mas e o excedente. Vc doaria? Venderia? No caso de doar o seu interesse seria apenas altruísta e depois de um tempo ficaria de saco cheio em dicar fazendo manutenção em algo que não é para si. Na possibilidade de vc vender o excedente, vc poderia fazer manutenção da sua fonte, até mesmo contratando alguém para isso, e no fim poderia até ter algum lucro. Ou seria melhor a água ser de todos, e agentes do governo entrar na sua propriedade e confiscar a água que vc coletou?

  14. Montz Postado em 24/Apr/2013 às 22:42

    Um cara desse merece ser empalado em praça pública. TRAIDOR da humanidade !

    • Francisco Pereira Monteir Postado em 07/Feb/2014 às 23:30

      Por acaso, quando a Nestlé vende água em copos e garrafinhas, de qual água estamos falando? Ela já não está privatizada?

  15. Marcos Postado em 24/Apr/2013 às 22:58

    Herberth Amaral, O que voce quer dizer com empresas privadas que deram certo e com situações que melhoraram? Deram certo e melhoraram o que? Por que? Como? Foi em benefício do total da população, e foi de forma sustentável?

  16. valdeni Postado em 25/Apr/2013 às 04:48

    ele deveria comprar nosso esgoto

  17. Marcio Postado em 25/Apr/2013 às 09:23

    Herberth Amaral, Utilizando o mesmo tipo de argumento que vc utilizou (vago e irrisórios), você é uma mula.

  18. paulo sergio Postado em 25/Apr/2013 às 09:27

    idiota. .acorda Brasil.....olha a invasão...tomada da agua a força.........

  19. Emerson Postado em 25/Apr/2013 às 13:56

    Se não fosse a população de São Lourenço-MG se mobilizar uma de suas fontes de água mineral já teria secado uma vez que a Nestlé apenas quer extrair o bem sem pensar em sustentabilidade. Que seja apenas o pensamento dele não de nossos governantes.

  20. Edson Souza Postado em 25/Apr/2013 às 17:02

    Eu não acredito que eu vivi o suficiente para ler o que esse cidadão disse. Quanto ao Herberth... você representa aquilo que a humanidade não precisa e não suporta mais!

  21. Alberto Muniz Postado em 26/Apr/2013 às 17:16

    Serio,como alguem pode chegar a esse grau de loucura?

  22. Ricardo Amazonas Postado em 01/May/2013 às 08:33

    Onde o rico cada vez fica mais rico e o pobre cada vez fica mais pobre. E o motivo todo mundo já conhece, E que o de cima sobe e o de baixo desce. ♪

  23. Luiz Miranda Postado em 10/May/2013 às 19:55

    Este é um grande traidor da humanidade, merece o paredão da morte

  24. ricardo Postado em 18/May/2013 às 10:12

    Todos já pagamos pela agua . Existe um relogio em cada residência marcando o consumo .

  25. Dinio Postado em 20/May/2013 às 12:36

    Privatizar a água ? Por favor assistam este documentário: BLUE GOLD - WORLD WATER WARS, tenho certeza que irão pensar duas vezes antes de comprar os produtos desta empresa. É na hora da compra que temos o poder, percebem?

  26. Helio Postado em 05/Jun/2013 às 19:08

    Este senhor austriaco nao sera a encarnaçao de hitler para continuar a historia que fracassou, pq ele poderia privatizar a sua mulher que seria um bom produto de consumo vindo com a marca da nestle... quanto ao sr herbet vai procurar algo de util para se ocupar seu inutil...

  27. Helio Postado em 05/Jun/2013 às 19:13

    Este senhor austriaco nao sera a encarnaçao de hitler para continuar a historia que fracassou,... quanto ao sr herbet vai procurar algo de util para se ocupar seu inutil...

  28. João Francisco Postado em 05/Jun/2013 às 20:19

    Será que não dá pra esse povo irracional parar de ser besta e unir-se, e BOICOTAR GERAL a Nestle?? Aí para quem este idiota vai vender???

  29. Gustavo Postado em 06/Jun/2013 às 14:19

    Herberth Amaral miguxo, procure saber a tragédia que foram as privatizações da água pelo mundo, seja em país desenvolvido ou em desenvolvimento. Miguxos são definitivamente uma PRAGA!!!!

  30. Daniel Coimbra Postado em 08/Jun/2013 às 14:41

    Eu fico estonteado com o extremismo ideológico do PragmatismoPolítico e seus comentadores. É fato que, em muitos casos, a privatização acarretou em novas tecnologias, mais acessibilidade, e preços mais baratos. O problema em questão é caso isso aconteceria com a privatização da água. Ao invés de ficar gritando frases feitas como "A água é da União!!1" ou falácias como "Daqui a pouco vamos privatizar o ar!!111", façam um debate mais racional. Descubram qual seriam os efeitos da privatização, ao invés de ficar com esse partidarismo ideológico idiota.

    • Ivan Postado em 04/Jan/2014 às 05:03

      Senhor estonteado e clarividente , por gentileza nos esclareça qual é a racionalidade da privatização da água, que já se tornou objeto de planejamento estratégico de muitos países e possivelmente será motivo de futuras incursões militares para sua posse? Nos esclareça também, do alto de vossa sapiência, onde e quando a privatição ensejou em novas tecnologias, acessibilidade e preços mais baratos?

    • Rodrigo Postado em 04/Jan/2014 às 13:13

      Caro molóide, embora muitos comentários sejam acalorados e sem fundamentação técnica sobre o assunto ninguém aqui até este post defendeu partido algum! Primeiro aprenda o que é idiota, depois o que é partidarismo e por último o que é ideologia.

    • Andre Postado em 18/Apr/2014 às 22:24

      Não entendi? O que água tem a ver com partido ou ideologia? Acho que ela só... cai do céu!

  31. Beto de Freitas Postado em 13/Jun/2013 às 13:45

    Leia sobre a guerra da água em Cochabamba e fim de papo.

  32. Liam Clark Postado em 14/Jun/2013 às 12:31

    Vamos estatizar a Nestle!!

  33. Eduardo Postado em 26/Jun/2013 às 14:52

    esse cara tá maluco, privatizar um bem vital...é coisa impensável, até eu que não fui às ruas, por este motivo vou...ÁGUA É VIDA NÃO UM PRODUTO DE ALGUNS....ESTE SENHOR É BEM CAPAZ DE DEIXAR MORRER DE SEDE UM SER HUMANO. LIAM CLARK você disse tudo, uma empresa sim é um produto e pode ser estatizada, e seria uma boa ideia....afinal de contas ela já mandou muito "PAU BRASIL" para sua terra natal...

  34. Eduardo Postado em 26/Jun/2013 às 14:59

    ...PRIVATIZAÇÃO NÃO É BOM NEM MELHORA NADA PARA O POVO, QUE COM SEUS IMPOSTOS CONSTROI EMPRESAS GIGANTESCAS QUE ALGUNS AS BOICOTAM COM ADMINISTRAÇÃO RUIM, PARA VENDE-LAS A PREÇO DE BANANA, LEVANDO VANTAGENS LÓGICO.... OU TODOS ACREDITAM QUE A VALE SÓ CUSTOU OS 3.6BI AOS QUE A COMPRARAM?????

  35. Ricardo Costa Postado em 28/Jun/2013 às 10:42

    Água é o bem da humanidade. Água tratada, limpa, potável não. Qualquer ser humano pode ter água, seja bebendo de uma cachoeira, um lago, ou cavando um poço. Quer na garrafinha, limpa, etc? Bom, aí é outro papo... Não adianta a gente ficar praguejando insanidades sem fundamento: tanto como as desse senhor quanto as muitas que se vê aqui nos comentários.

  36. Tiana Postado em 12/Jul/2013 às 16:25

    Gente, vamos boicotar todos os produtos da NESTLÉ. Simples assim. Eu já faco isso ha muito tempo!

  37. Lucas Postado em 16/Jul/2013 às 09:55

    Vejamos A Lei das Águas (Nº 9.433/97) determina que: • a água é um bem de domínio público; • a água é um recurso natural limitado, dotado de valor econômico; • a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades. Entre outras coisas Para a água mineral, as regras são diferentes: Os bens minerais são de domínio da União, como a água mineral, e não são tratados pelas leis de recursos hídricos. O Departamento Nacional de Produção Mineral (DPNM) realiza a concessão de lavra – uma espécie de outorga – e se compromete a adotar os princípios da Política Nacional de Recursos Hídricos. O que existe no Brasil e caminha com passos lentos é a outorga de uso de água para poder usar teria-se que pagar mas o sistema possui muitas falhas e o MMA não parece investir em melhorar a gestão do processo. Colocar a água na mão de empresas privadas é loucura, mas não possuir um sistema de gerenciamento adequado é burrice

  38. saito Postado em 29/Jul/2013 às 20:39

    O que a nestlé propõe é a privatização DA ÁGUA e não dos recursos hídricos. A diferença: O termo água traduz pelo estoque natural na biosfera, ou seja, toda água existente no ciclo hidrológico. Recurso hídrico é essa mesma água dotada de valor econômico proveniente (dentre outras) da captação e tratamento para ficar de acordo com os parâmetros da OMS ou ministério da saúde. E como podemos ver pelas definições técnicas é um descalabro e cretinice de uma corporação interessada somente no dinheiro e em nenhum momento faz menção a evolução do bem-estar das populações que não possuem acesso democratizado a água potável. Ser um extremista ideológico nada mais é do se contrapor a um modelo econômico predatório. Nada tem a ver com ser pró-comunismo ou contra-capitalismo. Simples assim. Em tempo, fui membro de comitê de bacia hidrográfica do rio Guandu. Sei o escrevo e muito mais o que defendo.

  39. Dinio Postado em 29/Jul/2013 às 23:18

    Porque voces acham que os USA deram um golpe de estado no Paraguai...e porque o Mercosul se reuniu a poucos dias no Uruguai e convidaram o Paraguai para voltar para o "bloco" e eles não aceitaram, usaram como desculpa o ingresso da Venezuela. Porque o Paraguai é oficialmente colônia Americana. Quem mais peitou os USA aqui na Améria ? Eles querem roubar nossa água. Eles já têm projetos com aquaduto calculados pra levar agua da Amazônia. E no Paraguai os planos são para o Aquífero Guarani...Busch (pai) Jorge Busch e filha, compraram milhares de terras no Paraguai, em frente à Itaipú. E claro eles estão juntos com estes "bandidos" da Nestlé! Precisamos urgente ter nossas armas nucleares -infelizmente- ou estaremos vulneráveis, Snoudem já avisou né!

  40. Gilnei Rigotto. Postado em 30/Jul/2013 às 09:15

    Já temos relógios que marcam o consumo, bem colocado. Quanto a privatizações, a água é um bem universal jamais deve ser privatizado, pois a estatal através do voto ainda temos a chance de trocar os políticos que são gestores da estatal, ao contrário da iniciativa privada embora aleguem defenda que existam agências reguladoras, essas não regulam m. nenhuma.Os americanos já estão querendo botar seu exército na tríplice fronteira aqui no sul do Brasil de olho no aquífero Guarani. A guerra da água vai começar.

  41. Salomão Postado em 30/Jul/2013 às 09:20

    Vamos deixar as posições ideológicas de lado só um instante e nos ater aos fatos: 1) A quase duas décadas a Nestlé venceu a "licitação" para assumir a gestão do Parque das Águas de São Lourenço/MG, um dos principais pontos turísticos dessa cidade integrante do Circuito das Águas. A primeira providência que a Nestlé tomou foi FECHAR O ACESSO PÚBLICO ao parque. Sua atividade se concentrou em explorar as fontes de água mineral, engarrafar e vender. 2) A empresa possuía autorização para extrair 120m3/dia de água mineral e extraía 918m3/dia - quase OITO VEZES MAIS que o permitido! Um dos raros veículos que vi noticiar isso na época (2003, 2004) foi o jornal Estado de Minas. Não sei qual a situação atual do parque ou se a ação no MP foi pra frente. A pergunta que fica é: que moral essa empresa tem para defender que o preço da água seja regulado exclusivamente pelo mercado, se a própria Nestlé não paga NADA para extrair toda essa água? E que compensação o município de São Lourenço recebeu nesses quase 20 anos?

  42. WILLE COSTA Postado em 30/Jul/2013 às 14:04

    Minha proposta em contrapartida seria: "Governo vamos estatizar a Nestlé do Brasil, pq como a maior parte da água doce está no Brasil, a gente aproveita e fica com a empresa e o lucro da empresa a gente reverte aos mais desfavorecidos".

  43. Victor Senna Postado em 30/Jul/2013 às 21:06

    Mas eu só vi bons argumentos, qual o problema?!

    • Felipe Lobato Postado em 08/Jan/2014 às 02:16

      A água não é alimento, não tem valor nutricional, parou por ai.

      • Parvana Postado em 10/Feb/2014 às 21:17

        Realmente não tem valor nutricional, mas sem ela você não vive com qualidade!

  44. heavie67 Postado em 31/Jul/2013 às 18:26

    Esse filho da puta merece morrer!

  45. Rosilene Baggio Postado em 14/Aug/2013 às 22:57

    Alguém 6inha alguma dúvida que eles viriam com essa conversa? O que acham que faziam, e fazem por aqui, pesquisando nossos mananciais? Aguardem, os próximos países a ser saqueados serão aqueles com grandes reservas de água...Faz tempo que estão organizando o golpe. Lembro que um dia achei impossivel que todos os agricultores no mundo tivessem que comprar sementes ao invés de produzi-las...e vejam a Monsanto.

  46. joao Postado em 22/Aug/2013 às 21:10

    Tem um filme sobre isso. Começam até a fazer trafico de água, acredita?????? Esses lixos de illuminatis!!!!!!!!!!!!!

  47. Rodolfo Postado em 18/Oct/2013 às 08:27

    Consoante a lógica do Sr. Peter, deveriam privatizar também seu bom senso, uma vez que ele não sabe utilizá-lo.

  48. Adoniram Postado em 18/Oct/2013 às 08:29

    Herbert Amaral deveriam privatizar você, assim quem sabe administram melhor seus comentários infelizes.

  49. Alessandro Postado em 22/Nov/2013 às 13:57

    Essa Nestle está privatizando a água da cidade de São Lourenço-MG! Procurem saber quanto ela tem permissão para retirar e engarrafar a água e quanto ela realmente engarrafa! Ela retira toda a água possível da mina d'água... Inclusive isso está fazendo a água da mina secar! Há um tempo atrás fizeram abaixo assinado, não sei o que isso deu! Dinheiro, isso sim interessa a Nestle!

  50. João Q. Cavalheiro Postado em 03/Jan/2014 às 14:47

    Até aonde chegará este capitalismo sem escrúpulos que tende a gerir o mundo?

  51. ssoaresmartins Postado em 05/Jan/2014 às 20:33

    Mais um vagabundo tentando subornar o povo. Agua é do povo nem governo nem ninguém deveria intervir, esse negocio de privatizar já é de conhecimento publico. Vai pras mãos do governo, depois vendem para terceiros lucrarem. Nem nas mãos de governantes pode ficar ex disso é que hoje, até quem não pode comprar uma garrafinha de agua, ainda assim tem de pagar pela agua que bebe, através das operadoras, já existe projetos para cobrarem impostos de poços ou qualquer consumo. Pior que se tivesse o mínimo de honestidade, mas, basta olhar a Petrobras, onde pregam que somos ricos em petrolio e mesmo assim, pagamos um dos preço mais alto de combustível do mundo. Mande este cara ir procurar um serviço e deixe o povo em paz, quem pode acabar com a água são eles.

  52. Julio Alvarenga Postado em 06/Jan/2014 às 11:23

    A privatização da água passa pela alteração na Constituição Federal (artigo 26, se não me engano) e a revogação da lei 9.433/97. Portanto, quando o Congresso começar a se movimentar para esta PEC, devemos imediatamente ir às ruas. O resto é especulação.

  53. Borges Postado em 06/Jan/2014 às 18:58

    Não da nada, voltaremos ao tempo de nossos avôs, faremos poços em nossos terreiros chupa essa nestlé kkkkk....

  54. Diego Postado em 07/Jan/2014 às 17:56

    Os argumentos do mercado, como desse senhor, são hipócritas. Agricultura e indústria juntas consomem cerca de 92% de toda água gasta no planeta, restando apenas 8% para o consumo doméstico. Sendo a agricultura responsável por 70%, mas em países desenvolvidos, como na Europa, a industria é a responsável pela maior parte do consumo de água, 54%. E este senhor quer fazer a sociedade acreditar que é ela e não a industria e agricultura a responsáveis pela escassez de água no planeta? Como pode uma parte que consome apenas 8% do total de um bem ser responsável pela escassez desse bem? A hipocrisia do mercado, vai tão longe quando ele mesmo, que sempre teve ojeriza a qualquer forma de regulação, pede agora o controle do cidadão no consumo de água.

  55. Diego Postado em 07/Jan/2014 às 18:10

    O forte lobby privatista feito pelas multinacionais para a privatização é carregado de diversas falácias. A primeira delas diz respeito a natureza do mercado. a finalidade maior do mercado é gerar lucro, e não cuidar de forma equitativa de um bem, garantindo a distribuição equitativa deste bem, porque não haverá investimentos do mercado em setores e locais que não geram retornos financeiros, não importando a necessidade da população destes locais. Segundo, a água não pode ser gerida pela lei da oferta e procura, porque é um bem diferenciado dos bens de consumo em geral, porque é um bem vital para a raça humana, tendo de ser considerado um bem social e não econômico. e terceira falácia, é que a escassez de água doce no planeta é um mito. A água em disposição no ambiente é farta, mas como todo recurso natural há escassez local dela, que está piorando, portanto, o problema está no acesso a água e no transporte: mover água doce de onde existe para os locais escassos. Este é o grande desafio que os governos deverão se ocupar e não a indústria, porque como já dito, a água é um bem social, e os governos, mantidos pelo cidadão, é que deverão arcar com os custos da política de acesso a um bem de interesse social.

  56. Joao Postado em 08/Jan/2014 às 11:30

    Sou totalmente a favor,assim desperdício seria bem menor.

  57. Luiz Alberto Kuka. Postado em 12/Jan/2014 às 22:16

    Que tal se a gente também privatizasse a casa do presidente da Nestle? É fácil querer cantar de galo no quintal dos outros. Os caras nem são brasileiros, exploram o que não é deles e ainda se sentem no direito de dar palpites naquilo que não é deles. É o fim da picada! Luiz Alberto.

  58. MSantos Postado em 18/Jan/2014 às 11:38

    Também sou contra. Mas que dizer da população que usa (mal) e abusa do direito de desperdiçar a água? Que dizer das donas de casa que "varrem" suas calçadas com água de toeneira, tratado e boa de beber? E os carros (carros precisam de ´´agua)? E o desperdício na distribuição da água (quase 40% se perde nos furos e gatos da rede)? E os pressurizadores de água (apenas para que alguns tenham um banho com "água em abundância"). Isso tudo pode? Deveremos deixar que tudo isso continue acontecendo até que a água fique tão cara que só alguns terão acesso? Vamos pensar um pouco: Sejamos racionais em criticar e em se auto-criticar.

  59. Fernando Bello Postado em 29/Jan/2014 às 16:46

    Temos é que "estatízar " a Nestlé e colocar este cara no olho da rua. E tratar a água como assunto de Estado no Brasil.

  60. alderijo bonache Postado em 04/Feb/2014 às 23:43

    Em se tratando de um gringo explorador, não me causa nenhuma estupefação, o pior é que são muitos milhões de mentes doentias que pensam e agem desta forma!

  61. eliana batista Postado em 07/Feb/2014 às 19:21

    Por que ele não vai privatizar a agua da Suica? Há muito tempo que estão fazendo pressão para a privatizada das aguas no Brasil. Ja imaginaram como a população vai ficar nas maos desses senhores? Essa campanha deve ser abortada por todos nós, os maiores interessados que as aguas permaneçam como um bem publico! Ao invés de fazerem campanha contra a realização da copa no Brasil, os cozinhas poderiam abraçar esta causa junto com o resto da população!

  62. Lucia Biermann Postado em 11/Feb/2014 às 13:17

    Pensemos um pouco. Qual é o pavor que o ser humano tem em que a exploração de água seja um investimento privado? Que ocorra um monopólio, que o dono da Nestlé seja dono de grande parte da água doce do mundo. Mas espera um pouco, quem, no Brasil, detém o monopólio de exploração e fornecimento de água? Hããããa, a União, que concede licença para as empresas públicas de água e esgoto. Que cobram o quanto querem, fornecem quando dá, não se preocupam com o investimento em ampliação e manutenção das redes. Ficam te pedindo para economizar quando há períodos de seca, mas fazem redes de abastecimento com material de segunda que vive dando vazamento e esburacando as ruas. A água é gratuíta, mas quem vai lá na fonte buscar? Ou vc pensa que privatizar a água seria dizer que o que cai da nuvem pertence a alguma empresa?

  63. Ciro Silva Postado em 04/Mar/2014 às 20:57

    Esse cara é um bandido dos maiores. A Nestlé produz e embala química e vende como produto nutritivo e saudável as crianças e adultos. Explora a natureza de forma vergonhosa e quer falar de inabilidade do ser humano em tratar algo fundamental à vida como a àgua. Pau nesse sem vergonha.

  64. Diego Postado em 25/Mar/2014 às 11:43

    o cara defende que o estado ofereça 30 litros diários por pessoa. Creio que seja o suficiente pra um banho, escovar os dentes 3 vezes ao dia e preparar 3 refeições. O gasto além desses 30 litros seria "cobrado à parte". Interessante a ideia, considerando-se a gravidade de uma possível escassez do recurso. Mas não acho que a solução seja a privatização (muito malandrinho o cara esse que sugeriu), mas sim um aumento realmente considerável no valor d'água oferecida pelo Estado. A água é cara? Não parece, tendo em vista a quantidade de piscinas que vendo ser esvaziadas e cheias novamente quase todos os dias no verão, os carros lavados com mangueira com água correndo o tempo inteiro, os banhos de meia hora. Pensemos nisso!

  65. Allyson Postado em 20/May/2014 às 15:55

    Se privatizar, iremos gerar gigantescos lucros à pessoas que não estão nem aí para o povo.Tem que se tornar de controle do Estado, com políticas de racionalização, conscientização e multas.

  66. Felipe P Postado em 03/Jun/2014 às 10:42

    Sim, e, quando não tivermos mais nada a privatizar, privatizaremos as pessoas, e retornamos à escravidão, uma prática tão bonita. Afinal, a vida é um ciclo, né?

  67. Fernando Rodrigues Postado em 27/Jul/2014 às 14:22

    é impressionante como pessoas desse tipo pensam em lucro e não na saúde pública..........quero ver se isso chegar a acontecer no nosso pais........o que será de nós brasileiros que temos um consumo muito além dessa média..............isso custará preço de ouro para empresas que visam lucros............isso será petróleo insípido, incolor e inodoro,.......mas essencial para nossa sobrevivência....EU VOTO PELA ÁGUA PÚBLICA..........SINDIÁGUA-RS

  68. Ilha Postado em 14/Sep/2014 às 10:31

    Sinceramente deveriamos boicotar estas transnacionais. Eu já estou fazendo o possível para minimizar minhas compras de produtos oriundos de empresas sem vergonha como a Nestlé.

  69. ROGERIO Postado em 02/Feb/2015 às 14:37

    SÓ É CEGO QUEM NÃO QUER VER! PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA? A NESTLE É UMA MULTINACIONAL , E ESTE LEVANTE É PARA AS GRANDES EMPRESAS DO MUNDO TEREM PODER SOBRE A ÁGUA. DEIXEM DE SER ALIENADOS POVO BRASILEIRO! OS DONOS DO CAPITAL QUEREM SE APODERAR DA ENERGIA E DA ÁGUA E F.... OS MENOS FAVORECIDOS! NÃO ACREDITEM NESTES DISCURSOS, POR TRÁS DISTO TEM ARTICULAÇÃO BRAVA , PENSADA E ARTICULADA!

  70. Canrobert Mac Cormick Postado em 04/Jan/2014 às 22:19

    A natureza não dá direito fundamental a nada. Faz tempo que a agua já se tornou uma Commodity. Na "mãe natureba"a agua é um recurso escasso.

  71. Gilberto Silva Postado em 06/Jan/2014 às 08:39

    a) no país de origem da nestlé, Suiça? a água é privatizada??? b) conversa fiada deste cidadão é crime. c) Trata-se de assunto para o Ministério da Defesa, Brasil.

  72. Sonia Bamert Postado em 08/Jan/2014 às 18:14

    Na Suíça a àgua è gratuita e a da torneira è melhor que a nossa filtrada. Isso pq vem direto das fontes naturais, abundante em todo este paìs. E là podemos beber àgua nas ruas onde por todos os lados tem, fontes antigas de pedra com bicas, não sò para os humanos como para cachorros ou gatos se servirem à vontade! E este motivo nunca foi pensado, para a Suiça tornar-se mais capitalista ou rica! A Nestlè obteve o direito de explorar as fontes naturais de Poços de Caldas. Podem acreditar que, isso è mais uma das formas absurdas de exploração estrangeira no Brasil. Isso è um grave crime e um grande golpe internacional das multinacionais! Os brasileiros deveriam repudiar e expressar este ato de desrespeito! Ao menos a àgua deveria ser servida ao povo sem qq ônus. Um dia eles vão cobrar o ar que respiramos! Isso chama-se apropriar e comercializar um bem imprescindìvel a todas as criaturas viventes! Isso è vergonhoso!!!!

  73. Humberto W. Rondeico Postado em 23/May/2014 às 17:29

    É visivelmente uma nova tentativa de extorquir ainda mais o bolso dos já massacrados brasileiros. A preocupação desse cara não é nada mais senão aumentar sua própria riqueza. Com certeza ele não está nem um pouco comprometido ou preocupado com a saúde dos cidadãos brasileiros. É de considerar, sim, que por conta dos altíssimos impostos que pagamos para os 3 GOVERNOS (Federal, Estadual e Municipal), seria o caso de termos uma água de qualidade tão elevada que não seria encontrada em nenhuma parte do planeta.