Redação Pragmatismo
Compartilhar
Contra o Preconceito 24/Apr/2013 às 20:07
16
Comentários

"Se mamãe ensinou assim (com seus preconceitos), quem sou eu para negar?"

Leonardo Sakamoto

Entrei em uma loja de armarinhos e pedi determinado rolo de linha e agulha para poder pregar alguns botões fujões e arrumar a maldita bainha de uma calça que insistia em se soltar, num desespero de causa para tocar o chão. Um grupo de simpáticas senhoras de cabelos brancos, ouvindo meu pedido, veio me dar os parabéns. Achei engraçada a cena e expliquei que fazer isso era mais barato que apelar sempre para os serviços de um profissional – o que seria vergonhoso, ainda mais para um neto de costureira.

preconceito homem costurar

(Imagem – Ilustração)

Até que uma delas reclamou que a nora era uma “inútil” porque não sabia pregar um botão da camisa do filhinho dela. De forma bastante delicada, para não atrapalhar aquele momento-chá-da-tarde, perguntei se o pimpolho não poderia ele mesmo fazer isso. Rindo de forma doce, ela soltou um “claro que não!”. Afinal, ele era homem. Eu é que estava indo além das minhas tarefas.

Pessoas ficam amuadas comigo quando digo que a família é uma das instituições responsáveis por passar preconceitos adiante, reforçando uma programação machista do indivíduo, por exemplo. Mas por trás do que parecem serem sábias palavras de pai e mãe, das quais nos lembramos com carinho e se tornam leis supremas para o resto da vida, não raro escondem-se grandes bizarrices.

A maior parte das incumbências que se atribuem aos gêneros não é por conta de características físicas que diferenciam homens e mulheres – elas são capazes de fazer tudo o que nós fazemos, nós é que não somos capazes de fazer tudo o que elas podem fazer. Da mesma forma, uma “tradição” não existe desde sempre, ela é construída ao longo tempo, feito camadas de cebola sobrepostas, e não raro embute em sua gênese uma relação dominador/dominado, fantasiada de costume, cujo real significado perde-se na repetição passiva sem reflexão.

Em suma, limpar a casa e cuidar dos filhos não é coisa de mulher. Muito menos fazer bainha de calça.

Daí alguns leitores dizem: “Ah, mas eu sou homem e passo a vassoura na casa, levo os filhos na escola e prego botões. Então, você está errado, japa”. Se você se orgulha de fazer sua obrigação, deve ver essas atividades como favores feitos a alguém – à sua companheira, talvez? O que é ridículo. Isso deveria ser tão corriqueiro – entre nós, homens – como respirar ou comer, atos que fazemos sem questionar ou nos sentir grandiosos por isso.

Mas se mamãe (que junto com papai, doutrinou-me direitinho em preconceitos e visões excludentes de mundo) ensinou assim, quem sou eu para negar?

Enfim, pobres noras.

Recomendados para você

Comentários

  1. Lis Postado em 24/Apr/2013 às 21:04

    Em minha casa, meu noivo arruma a casa e prepara a janta para, quando eu chegar do trabalho, estar tudo ajeitado. Quando falo pra minha família que é ele que cuida da casa, sempre perguntam: e vc nao cozinha? vc nao sabe cozinhar? vc nao ajuda ele? vc nao cuida da casa? O cara passa o dia inteiro de folga do trabalho e eu ainda sou pressionada a chegar cansada do trabalho e fazer a comida? qualé

    • Gustavo S Postado em 24/Apr/2013 às 21:25

      Boa, Lis.

  2. Larissa Postado em 24/Apr/2013 às 22:33

    Lis, no seu caso, estou de acordo. Mas não sou a favor da mulher' moderninha' de hoje. Por exemplo, em relação ao álcool, a mulher não nasceu para beber. Os efeitos do álcool no organismo da mulher são mais severos que no do homem. A mulher tem diferenças tanto anatômicas, fisiológicas quanto psicológicas em relação ao homem. A mulher tem menos massa magra, mais massa gorda, por isso o tecido adiposo serve como esponja para armazenar o álcool da bebida e os efeitos deletérios são mais nocivos. Quanto ao sistema endócrino também. Quanto ao psicológico, a mulher é mais emoção que razão. Não está preparada para muitas situações que os homens. A mulher tem que aceitar sua disparidade em relação ao homem. Somos da mesma espécie, mas possuímos diferenças. Eu não sou casada, ainda, mas cozinho, lavo, passo, faço faxina, o que for preciso, em casa. Acredito que os serviços domésticos são melhores executados por mulheres, e isso é intrínseco da nossa natureza. Somos mais delicadas, atenciosas, cuidadosas e temos maior facilidade para esse tipo de trabalho. Discordo de qualquer ideologia extremista, mas não podemos negar nossa natureza e deturpar com essa conduta que muitas mulheres se propõem a tomar.

  3. Larissa Postado em 24/Apr/2013 às 22:36

    "elas são capazes de fazer tudo o que nós fazemos" (sic) não irei aqui tratar de anatomia e fisiologia, mas essa frase foi infeliz.

  4. Jaina Postado em 25/Apr/2013 às 01:34

    Eu nunca tive a ilusão de ter um homem (marido, namorado) que fizesse qualquer uma das tarefas ditas masculinas, talvez por meu pai não fazê-lo, a minha mãe sempre fazia tudo. Então com quem eu podia aprendia as coisas, aprendi a arrumar portas de armários, trocar resistência de chuveiros, rachar lenha (sou péssima nisso), só não aprendi a trocar torneira. Gostaria de ter um homem pra fazer essas coisas pra mim, principalmente levar o carro no mecânico, mas acho importante que se trabalhe melhor com essas discissões tarefas de homem e mulher, pois eu não entendo porque mas são coisas que não se discute e ainda gera muito preconceito como relatou nossa colega Lis.

  5. Oscar Postado em 25/Apr/2013 às 02:59

    Achei ótimo ler essa matéria e os comentários, porque sempre tive brigas terríveis com minha mãe por causa destas coisas. Vivi muitos anos fora do Brasil. Quando eu vinha passear (passava, no máximo 3 semanas) em casa de minha família (meu pai havia morrido enquanto eu estava fora), minha mãe ficava ofendida porque eu arrumava minha cama, meu quarto, lavava minha roupa e arrumava toda a cozinha depois das refeições! Um dia, conversando com ela, comentei que achava estranho que uma de minhas irmãs havia se casado com um sujeito insuportável, preguiçoso, burro e horroroso. Sabem qual foi o comentário de minha mãe? "Ela deve dar graças a Deus que ele não bate nela!" Puta que pariu, eu subi pelas paredes! E não adiantava: ela havia sido criada assim e não abria mão de toda essa babaquice!

  6. Cristiane Postado em 25/Apr/2013 às 09:27

    Ótima matéria, ela me fez lembrar do meu pai, que falava muito sobre isso pra minha mãe. Minha mãe queria me comprar bonecas e meu pai me dava carrinhos, meu pai dizia a minha mãe que quando ela me comprava bonecas, panelinhas, maquiagem, ela de forma involuntária estava me ensinando somente a ser dona de casa e isso era a propagação do machismo repassado por uma mulher!

  7. Cacique Postado em 25/Apr/2013 às 15:16

    Ótima matéria. Péssimo comentário da Larissa, recheado de preconceitos. Mas vamos lá, não devemos confundir as coisas. Romper com a dominação machista não significa que homem sempre tenha que fazer tarefa "de mulher" ou que mulher sempre tenha que fazer tarefa "de homem". Significa apenas assumir que ambos são responsáveis por todas as tarefas, mas nada impede que o trabalho seja dividido conforme a preferência do casal. Por exemplo, se a mulher cozinha melhor que o marido, não é machismo que ela faça o almoço sempre ou quase sempre. Machismo é ela ter que fazer o almoço, lavar a louça, arrumar as compras, dar faxina e ainda ter que botar as crianças pra dormir, enquanto o homem não faz nada em casa. Outra coisa, muito bem colocado no texto: o homem que se orgulha de "ajudar em casa", na realidade acha que a obrigação das tarefas domésticas realmente é da mulher. É tarefa dela, mas como ele é um bom marido, ele ajuda. Acho que homem de verdade tem que dizer pra sua mulher: "Querida, eu não estou te ajudando, porque isso não é tarefa sua. A gente está dividindo, porque é tarefa nossa."

  8. Aurélio Postado em 26/Apr/2013 às 08:48

    Queria entender onde estão os preconceitos nos comentários da Larissa, ou se discordar de seu ponto de vista é sempre visto por vc como preconceito.

  9. Anderson Postado em 27/Apr/2013 às 15:20

    Limpar a casa não deveria ser de ninguém, cansa muito. :p

  10. Atila Postado em 27/Apr/2013 às 20:04

    Aurélio, leia mais uma vez o comentário dela, com calma, e talvez você perceba. Existem diferenças entre homens e mulheres sim, ok. Mas generalizar homens e mulheres como se todos os homens fossem iguais e as mulheres idem... é uma visão preconceituosa. Principalmente se hierarquizarmos a questão (H>M ou H<M) Tem mulheres que aguentam muito mais bebida que homem, tem homem mais sentimental que muita mulher, tem homem com muito mais habilidade pra muitas coisas e vice-versa... o ser humano, no geral, é tão plural... não somos feitos com receita igual bolo. "a mulher é mais emoção que razão. Não está preparada para muitas situações que os homens." "A mulher tem que aceitar sua disparidade em relação ao homem." "os serviços domésticos são melhores executados por mulheres" Um grande erro das pessoas hoje ao opinarem sobre as coisas é esquecer que algumas coisas não são caso de "eu acho isso ou aquilo". Afirmações devem ter embasamento, não achismo. Preconceito vem exatamente daí. Caso se faça necessário, favor realizar breve análise semântica das palavras.

  11. Tatiana Postado em 14/May/2013 às 14:47

    Larissa, todos estão cientes de diferenças.Pedir por algumas redefinições de perspectivas não significa negar diferenças.E essas reivindicações não são "moderninhas" nem essas mulheres e homens são "moderninhos" porque isso independe de época!!Isso depende de percepções e valores em relação aos papéis de gênero gradualmente elaborados por uma cultura!Muitas mulheres e homens de outras épocas , não "moderninhos" foram excluídos da sociedade , humilhados e até assassinados por simplesmente questionarem e discordarem desses papéis culturais que você entende como pertencendo à natureza feminina.Com todo respeito,a natureza só tem ação nos limites do corpo!O resto é absolutamente cultural e valorativo!E é muito injusto submeter pessoas a esses papéis culturais como se eles fossem uma espécie de prisão genética da consciência!!

  12. Maris Postado em 25/May/2013 às 16:51

    Átila, concordo totalmente com seu comentário. Aqui em casa,trabalho 10 horas por dia e tem dias que tenho que ficar 12 horas no trabalho. Meu marido trabalha 6 horas por dia. Portanto ele se encarrega de preparar as refeições, faz todas as compras da casa, cuida da organização da casa no geral. Chego muito cansada, e ele me recebe com maior conforto na boa. Ganho um pouco a mais que ele. No fim, desfrutamos igualmente de uma vida confortável sem esse blá blá blá. Só basta que as pessoas tenham o famoso bom senso.

  13. Eson Postado em 06/Jul/2013 às 09:53

    Existe muita conversa fiada sobre esse assunto, muito achismo. A família brasileira é responsável por muita situação existente no cotidiano do povo. Ex.: Ao chegarmos em qualquer ambiente, dificilmente cumprimentamos os serviçais, na organização do lar, principalmente na periferia, os pais e as mães, não orientam, não educam os filhos para a vida, não importando se são homens ou mulheres, minha mãe, desde cedo colocou os filhos para trabalharem e estudarem, aprendi cuidar de uma casa melhor de que muitas mulheres, vendendo coisas na rua, ganhava dinheiro, mas este era controlo por Ela, aos 13 e 14 anos o dinheiro que ganhava, parte dele era para pagar minha irmã, para que ela lavasse minha roupa, as tarefas de casa era dividida. Nenhuma dos filhos jogam apostado, sem vícios, todos concluíram os estudos, nenhum deu para ladrão. A mãe, em particular, é responsável por homens que maltratam mulheres, pelo contrário,era para as respeitarem muito. Quando a genitora separam condições, aos filhos homens tudo pode, enquanto às mulheres têm limites ou por vezes as deixam à revelia, sem acompanhamento devido, a maneira de vestir, as crianças vestem roupas eróticas, de adultos, a dança, na alimentação, muito alimento industrializado, por comodidade, não as acompanham até a escola, o desempenho escolar, enfim, nossa sociedade está como está é, em grande parte, culpa da família. no uso da internet,

  14. Eson Postado em 06/Jul/2013 às 10:06

    Existe muita conversa fiada sobre esse assunto, muito achismo. A família brasileira é responsável por muita situação existente no cotidiano do povo. Ex.: Ao chegarmos em qualquer ambiente, dificilmente cumprimentamos os serviçais, na organização do lar, principalmente na periferia, os pais e as mães, não orientam, não educam os filhos para a vida, não importando se são homens ou mulheres. Minha mãe, desde cedo colocou os filhos para trabalharem e estudarem, aprendi cuidar de uma casa melhor de que muitas mulheres, vendendo coisas na rua, ganhava dinheiro, mas este era controlado por Ela, aos 13 e 14 anos o dinheiro que ganhava, parte dele era para pagar minha irmã, para que ela lavasse minha roupa, as tarefas de casa eram divididas. Nenhuma dos filhos jogam apostado, sem vícios, todos concluíram os estudos, nenhum deu para ladrão. A mãe, em particular, é responsável por homens que maltratam as mulheres, pelo contrário,era para as respeitarem muito. Quando a genitora separam condições, aos filhos homens tudo pode, enquanto que às mulheres têm limites ou por vezes as deixam à revelia, sem acompanhamento devido, a maneira de vestir, as crianças vestem roupas eróticas, de adultos, o tipo de dança também erotiza, na alimentação, muito alimento industrializado, por comodidade; não as acompanham até a escola, o desempenho escolar, enfim, nossa sociedade está como está é, em grande parte, culpa da família. Também no uso da internet, deve ter um acompanhamento e controle.

  15. Luciano Postado em 26/Oct/2013 às 02:36

    Ainda bem que aprendi a conzinhar,lavar roupas,arrumar a casa ainda na adolescencia, nos dias de hoje o homem que não souber essas coisas tá lascado.