Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mundo 10/Apr/2013 às 15:05
83
Comentários

O que, finalmente, quer a Coreia do Norte?

Asiáticos e milenares que são os norte-coreanos dão mostras de ter ido além de Maquiavel, aproximando-se de Lênin acrescido de alguma sabedoria confuciana e espírito de rebeldia herdado pelos ensinamentos de Laotsé

Por Elias Jabbour*

Nem sempre imagens têm mais valor do que mil palavras. No caso em questão, as imagens e o retorcimento da retórica explanada pelo governo da Coreia do Norte são parte de um grande jogo de ridicularização de um regime cujo único objetivo é a autodefesa. Também existe uma ponta de luta pela sobrevivência. Sobrevivência que significa a própria sobrevida de uma nação milenar. E para mim isso basta.

Perguntemos a qualquer letrado, ou especialista. Você sabia que enquanto a Europa se ensanguentava em guerras religiosas, a Coreia já era uma nação com todos os traços que poderiam a classificar como um Estado Nacional precoce e anterior ao nascimento de Cristo?

Você sabia que houve uma guerra entre os lados norte e sul da península coreana entre os anos de 1950 e 1953? Você sabia que foi a primeira vez, desde a independência dos EUA (1776) que os norte-americanos assinaram um armistício, ou seja, foram derrotados pela primeira vez em quase 200 anos? Você sabia que desde 1776 os EUA nunca ficaram longe de uma guerra, fora dos seus domínios, por mais de dez anos? Você sabia que na Guerra da Coreia caiu, sobre o lado norte da península, o correspondente a dez bombas nucleares testadas em Hiroshima e Nagasaki? Você sabia que, desde 2001, estão apontadas, à capital da Coreia do Norte (Pionguiangue), cerca de 60 mísseis carregados de ogivas nucleares?

Mais perguntas: Você tem notícia acerca da invasão de um algum país por parte da Coreia do Norte? Você sabia que o país mais bloqueado, cercado e difamado no mundo é a Coreia do Norte? Será que essa difamação tem alguma relação com a derrota dos EUA na já referida guerra? Será que querem condenar a Coreia do Norte ao retorno à Idade da Pedra? Será que a Coreia do Norte há 60 anos não é o espinho na garganta dos EUA? Diante dos fatos e da história, você acha que os EUA fariam com a Coreia do Norte o mesmo que fizeram com o Iraque, o Afeganistão e outros? A Coreia do Norte tem ou não o direito de se defender? Você tem alguma dúvida sobre o destino de Kim Jong Un: seria recebido com festa num exílio na Europa ou teria o mesmo destino, com os mesmos requintes de crueldade, reservado a Muamar Kadafi?

Responder estas questões não é uma tarefa complicada. Um mínimo de honestidade já bastaria para saber o que está em jogo nesta guerra psicológica em curso na península coreana. De imediato sugiro qualquer julgamento moral sobre a natureza do regime norte-coreano, se é socialista ou não, se é democrático ou ditatorial, bonito ou feio, rude ou sofisticado. Tem gosto para tudo. Também não seria muito legal tomar a máxima do chanceler brasileiro (Antonio Patriota), segundo quem esperava uma “atitude mais ocidentalizada do líder norte-coreano”.

coreia do norte

Forças Armadas da Coreia do Norte desfilam na capital Pyongyang (Foto: Divulgação)

Talvez Antonio Patriota esteja levando a sério demais o conselho de Huntington sobre um Choque de Civilizações, quando na verdade tanto Huntington quanto Patriota não passam de vítimas de um verdadeiro “choque de ignorância”. Meu parêntese continua para externar algo mais de fundo. É chocante imaginar que o chefe de nossa chancelaria nunca tenha lido Edward Said (“Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente”), nem tampouco Barrington Moore Jr. (“As Origens Sociais da Ditadura e da Democracia – Senhores e Camponeses na Construção do Mundo Moderno”). De forma explicita em ambos os livros ficam claras as evidências, na Ásia, de práticas democráticas ao nível da aldeia que remontam ao menos 3.000 anos.

O que quer de fato a Coreia do Norte, partindo de um julgamento mais pautado pela história? É evidente que o regime busca sobrevida e para isso nega a lógica da rendição incondicional tão cara a outras experiências, entre elas as da URSS, Leste Europeu e recentemente da Líbia.

Uma nação que historicamente teve seu território sob a cobiça estrangeira, cercada de grandes potências por todos os lados, passando por uma sanguinária ocupação japonesa e que sabe do que são capazes os EUA, não pode se dar ao luxo de esperar o bonde da história passar. O bonde da história derrotou as experiências socialistas da URSS e Europa, levando quase a nocaute por asfixia o governo da Coreia do Norte na década de 1990. Os últimos 25 anos foram marcados por privações de todo tipo, levando inclusive a fome para o outro lado do rio Yalu. O bloqueio, a fome imposta de fora para dentro e as inúmeras ameaças militares e provocações (Coreia do Norte como parte do “Eixo do Mal”, segundo Bush) só fez restar ao governo nortecoreano a opção de se “armar até os dentes” diante do que ocorria em Belgrado sob as hostes das chamadas “intervenções humanitárias”.

Poucos regimes no mundo tem uma noção da política como uma ciência que leva em conta não somente a correlação de forças, mas também o chamado tempo e espaço. Asiáticos e milenares que são os coreanos dão mostras de ter ido além de Maquiavel, aproximando-se de Lênin acrescido de alguma sabedoria confuciana e espírito de rebeldia herdado pelos ensinamentos de Laotsé. Somente gente preparada poderia manter em pé um país cercado, humilhado e ameaçado desde seu nascedouro e com um cenário recrudescido nas últimas duas décadas.

O conceito de ditadura não serve de explicação. Mais pobre ainda é levar à sério certas conversas do tipo “governo que se mantém às custas da fome do povo e do não cumprimento dos direitos humanos”, quando na verdade a soberania nacional está acima de qualquer direito humano. Ou se acredita ser possível algum direito humano sob ameaça ou intervenção estrangeira? O único direito humano universal é o direito à vida. E o direito a vida naquela parte do planeta se confunde e se entrelaça com o direito de ser nação soberana. É simples, sem ser simplista: a Coreia do Norte não está de brincadeira, pois sabem com quem estão lidando e do que são capazes os EUA.

Os norte-coreanos querem ter o direito de ser o que eles decidiram ser desde a explosão das primeiras revoltas camponesas contra a ocupação japonesa, ainda na década de 1910 do século passado. Ao invés de buscarmos dar lições de democracia, civilidade e de governo para uma nação milenar, seria mais interessante entender como um país exposto àquelas condições pode alcançar um nível de desenvolvimento tecnológico capaz de projetar e lançar satélites artificiais, mísseis intercontinentais e mesmo bombas nucleares, algo que nem nossos amigos do Irã e seus imensos recursos petrolíferos conseguiram até hoje.

Acho que se decifrarmos a formação social que forjou um povo capaz de expulsar Gengis Khan de seus domínios, no auge do poderio militar do Império Mongol, chegaremos a explicações mais plausíveis e próximas da realidade.

Elias Jabbour é doutor em Geografia Humana pela FFLCH-USP. Autor de “China Hoje: Projeto Nacional, Desenvolvimento e Socialismo de Mercado” (Anita Garibaldi/ EDUEPB, 2006).

Recomendados para você

Comentários

  1. João Postado em 10/Apr/2013 às 17:48

    E viva a esquerda "democrática".

  2. Luiz Paulo Postado em 10/Apr/2013 às 17:50

    Cala boca ai joão. vc nem deve saber do que vc está falando

  3. Luiz Paulo Postado em 10/Apr/2013 às 17:52

    O capitalismo é um mal para o mundo! enquanto vc esta provavelmente em seu apartamento gigante na zona sul do rio tem muita gente morando na rua e passando fome! vc acha isso justo? acho que se vc fosse essas pessoas que vivem na rua vc nao acharia isso.

    • Absalão Bussamra Postado em 04/Apr/2014 às 15:29

      E por acaso você mora na rua, Luiz Paulo?

  4. Erick Postado em 10/Apr/2013 às 18:02

    Tem muitos norte coreanos passando fome. Alguns em campos de concentração pagando pro crimes que seus pais cometeram. "quando na verdade a soberania nacional está acima de qualquer direito humano." está lá no texto, com todas as letras.

    • Ana Amélia Postado em 10/Apr/2013 às 18:12

      Erick, há muitos brasileiros passando fome, muitos espanhóis, franceses, gregos, norte-americanos. A questão não se resume a quem está ou a quem não está passando fome. No mais, considerei o texto relevante.

      • Antony Postado em 06/Mar/2014 às 18:26

        Não concordo com você Ana em todo, você está certa existem pessoas passando fome em todos os locais do mundo, a diferença é que em todos estes locais que você citou nós podemos buscar uma vida melhor, escolher viver em outro país ou escolher o trabalho que queremos, esses norte coreanos não tem direito a escolha alguma, são condicionados a aceitar o que o governo lhes oferece cegamente enquanto o ditador tem vida comparado a um deus.

      • Absalão Bussamra Postado em 04/Apr/2014 às 15:31

        Dona Ana Amélia, esses espanhóis, franceses, gregos e norte-americanos famélicos também encontram-se internados em "gulags"? Gentileza esclarecer...

  5. Rodrigo Postado em 10/Apr/2013 às 18:29

    Abaixemos os porretes e mísseis nucleares, inicialmente. Há justificativa racional para a explosão nuclear (americana, francesa, brasileira, norte-coreana etc.), com o homicídio de milhares? Vamos seguir, direitistas e esquerdistas, no: "se ele pode, eu também posso"? Não é o caso de fechar os olhos a todos os crimes dos demais países, mas sim o de não defender mais um.

  6. kelebor Postado em 10/Apr/2013 às 18:35

    No caso, devíamos estar aplaudindo a estratégia de defesa do regime político norte-coreano (não confundir o governo com o povo daquele país) que, para continuar subsistindo, vem ameaçando suas as nações vizinhas com armas nucleares? Regime esse que, propósito, tem mantido por 60 anos o povo por ele governado como um dos mais socialmente atrasados e miseráveis de toda a Ásia? A-hã...

  7. Diogo Postado em 10/Apr/2013 às 19:31

    Gostei do texto, com uma ressalva: o parágrafo 10 é uma justificativa para todas as políticas autoritárias, não estou referindo-me diretamente à Coreia do Norte. O ponto que ficou na minha cabeça após ler esse parágrafo é: como podemos criticar políticas autoritárias impostas de um Estado a outro se não é cabível a crítica à políticas autoritárias de um Estado contra seu próprio povo? Na minha visão, se não é possível críticas à políticas que não respeitam os direitos humanos também não é possível criticar medias imperialistas, desse modo, todos os Estado estariam livres para impor suas políticas a outros Estado, a verdadeira lei do mais forte sem a possibilidade de questionamento. Achei o texto muito bom, com uma ressalva à esta posição que eu demostrei por acha-lá muito perigosa.

  8. Thiago Postado em 10/Apr/2013 às 20:02

    Se a soberania de uma nação é um direito humano então está justificado a represssão ao direito humano individual? Isso é recurso para se defender uma nação idólatra e totalitária?

  9. Ricardo Ribeiro Postado em 10/Apr/2013 às 20:08

    Para mim a foto basta. Regime ancorado por lavagem cerebral de seu povo, que só pode assistir a filmes e TVs de propaganda do regime comunista. Um País forjado na ditadura, no totalitarismo, uma população impedida de pensar e que não conhece o mundo além de suas fronteiras. E o que a foto tem de mais? Parece-me uma foto da Alemanha nazista, só que com cores e armas dos tempos modernos... Que venha a guerra, e que paguem um alto preço por ela. Quem procura acha, simples assim.

  10. Aécio Souza Postado em 10/Apr/2013 às 20:13

    Vai estudar Max, faça honrar o nome que tem!!! Típico leitor de veja, doutrinado pelo PIG.

  11. Jorge Bittencourt Postado em 10/Apr/2013 às 20:15

    Li os comentários e percebi que tem gente que ainda não percebeu que o mundo é injusto? O que tem a ver alguém ter seu apartamento e outro não ter? A culpa é de quem tem? O governo tem que dar tudo... pão e circo? Se a metade do povo trabalhar e pagar impostos e a outra metade só receber o país estará FALIDO. Cada nação tem seus problemas. Os Americanos não são santos mas os Coreanos do Norte também não. Cada nação tem que dar oportunidade de educação, saúde e trabalho para seu povo e NADA de bolsa isso, bolsa aquilo. Isso é uma compra de votos por debaixo dos panos. Chega de assistencialismo.

  12. Curingão Postado em 10/Apr/2013 às 20:18

    Ja encomendei a pizza...

  13. Tabaquara Cruz Filho Postado em 10/Apr/2013 às 20:18

    Querem exemplo de como combater o imperialismo do lado de lá do mundo, por favor, com todo o carinho do mundo, olhem para pessoas como o Dalai Lama ou Gandhi! Não me justifiquem o caminho da matança possuindo exemplos de combate ferrenho ao imperialismo e opressão através da convicção que podemos viver em países soberanos que se ditam pelo caráter de quem encabeça a luta pelo povo, coisa que não parece existir na Coréia do Norte.

  14. Rodrigo Antunes Postado em 10/Apr/2013 às 20:30

    Cheio de gente cabeça feita pela globo hein... tão vendo muita novela... é um q quer q a Coréia do norte abaixe cabeça paras as armas norte americanas, o outro q vem criticar a esquerda no site de pensamento a esquerda, dizendo q bajula ditador( enquanto os EUA enfiaram ditador por toda a america latina no sec. XX). O outro chama chama a coréia do norte de idólatra( e qual país não é: yes we can!!!!) chamam o país asiático de atrasado( dado pelo governo norte americano o país de maior proteção na web que faz os satanistas,assassinos e pedófilos da deep web parecerem crianças semi-analfabetas no assunto). e tão miserável q parece até um capitalista subsaariano(quenia,etiópia,nigéria,entre outros...)hahahahahahaha... e ainda falam de campos de concentração?... vem cá cadê os satélites de alta performance desenvolvidos pelo tio sam para capturar imagens destes hã?... globais ta na hora de parar de ver novela hein... vão estudar e começar a pensar no outro lado da moeda. acredito que o ditador norte coreano(sim, ele é um... q [conclusão brilhante a minha hein... kkkk) esteja montando estas ofensivas para aumenter sua popularidade, porém nao foi ele q fez embargo econômico à país nenhum nem invadiu espaço aéreo alheio...

  15. Vera Postado em 10/Apr/2013 às 20:51

    Quanta falácia reunida! Não importa o regime, se é totalitário ou não? Não importa se seu povo morre de fome? Importa a soberanaia nacional acima do direito humano?... E a maior delas: os norte-coreanos tem o direito de ser o que eles querem ser! É mesmo? Eles querem ou há uma ditadura pesada impondo à eles o que devem ser?! Quanta distorção da realidade, só podia mesmo vir da cabeça de um esquerdista relativista que não convence nem o maior dos ingênuos lúcidos. Mas infelizmente convence ingênuos que não conseguem ter uma visão mais aguçada do que é um regime totalitário, nefasto e agora muito perigoso, como é o da Coreia do Norte.

  16. José Pires de Carvalho Neto Postado em 10/Apr/2013 às 20:53

    Pois é, o Ted Tampinha e os Orebas que o defendem não percebem que uma Guerra Nuclear vai retroceder essa civilização a uns 4.000 anos. Talvez ninguém sobreviva, o que, seria ótimo para as baratas. Elas, ainda que retem a minha paciência, e a despeito do direito, talvez evoluam e se preocupem mais com a vida deste planeta...

  17. Sérgio Marçal Postado em 10/Apr/2013 às 20:59

    Milenares são todos da Península, a Coreia do Norte invadiu sim, em 1950 a Coreia do Sul. A Rússia, a China vão bem obrigado,com seu sistema atual.

  18. Ynti Alan Postado em 10/Apr/2013 às 21:14

    Toda opnião é bem vinda, mas de quem não sabe nada é extremamente "mal-vinda", se é que me entendem... Parabéns pelo belo texto!!!

  19. Caio Novaes Postado em 10/Apr/2013 às 21:19

    Sim, o texto está claro e explicita muito bem o lado desconhecido (ou negligenciado) desta história toda. E é claro, a Coréia do Norte não está mesmo de brincadeiras, ninguém duvida. Mas alto lá: "a soberania nacional está acima de qualquer direito humano?!?!" Isto é uma citação, ou veio MESMO do sr. professor da USP?? Porque tive de ler duas vezes para ter certeza. Percebi a intenção em justificar-se ao final, alegando que é claro que não se pode viver sob ameaça externa, mas É UMA AFIRMAÇÃO COMPLETAMENTE DESCABIDA E ABSURDA. Muito me admira um professor da USP dizer isso, uma coisa é realmente condenar imperialismos, e as manobras excusas, outra completamente diferente é colocar uma abstração como a idéia de nação à frente do único consenso universal que temos de partilhar, que são os direitos humanos (sim, porque apesar dos muitos estudos sobre etnicidade e nacionalismo, ainda carecemos de teorias que fundamentem MESMO este fenômeno, como um Marx para falar das classes, por exemplo.) E mesmo fica em contradição, pois no final ainda admite que o único direito universal é a vida (que após taaaantas deliberações, conseguimos esmiuçar o que afinal é uma vida humana DIGNA). Enfim, esvaziou o conceito para justificar um absurdo. Enfim, é lamentável.

  20. Giovanna Postado em 10/Apr/2013 às 21:20

    Sem duvidas eh um texto relevante e bem escrito. Agora, ficar com peninha do Kadafi e retratar Kim Jong Un como grande estadista foi exagero. Outro trecho que me deu vontade de nem terminar de ler foi: "quando na verdade a soberania nacional está acima de qualquer direito humano." De um PhD em Geografia Humana, eu não esperava um posicionamento desse.

    • Roberlan Postado em 14/Mar/2014 às 10:38

      Retrate-se, pois sem soberania não há execício de nenhum direito.

  21. Ezequiel Postado em 10/Apr/2013 às 21:37

    Chupa Brasil. País de teleguiados. Machões de cozinha escorregando das encostas dos barrancos todo mês de março. Orgulhosos de seu futebol e das bundas de suas mulheres. Vamos crentes! Rezar e pagar o dízimo na Igreja! País de merda, onde cabem 200 Coréias do Norte mas com povo frouxo e burro que chora quando ouve o hino americano no cinema. Bando de lixos, empinam o peito para dizer que os norte-coreanos estão morrendo de fome, enquanto no "Brazil" comemos o resto que cai da mesa dos nossos patrões "The Americans". Todos juntos vamos, pra frente "Brazil"!!! Melhor morrer ajoelhados que tentar levantar e lutar!!! Nos vemos na Copa!

  22. Ceboliha Postado em 10/Apr/2013 às 21:45

    Tinha que ficar cada um na sua, e pronto. EUA no seu canto, Coreia do Norte no outro. E pro diabo com os defensores da pseudodemocracia neoliberal

  23. Carlos Postado em 10/Apr/2013 às 22:08

    Apenas uma frase que resume meu pensamento sobre preferencias politicas e sociais: Comunista até ficar rico, feminista até se casar e ateu até o avião começar a cair

  24. Vovo Sacudo Postado em 10/Apr/2013 às 22:22

    Norte-coreanos, aqueles que vão para a prisão porque não conseguiram uma medalha de ouro nas olimpíadas...

  25. Fred Postado em 10/Apr/2013 às 22:41

    Realmente a Coreia do Norte nunca invadiu nenhum pais, nao da para confiar nos noticiarios como fonte de informacao verdadeira, a demonizacao de outros paises (os nao ''alinhados''...) 'e tatica conhecida dos paises da Otan, sabe-se la que pressoes a Corei sofre pelos bastidores, e falar de fome na Coreia chega a ser ridiculo, pois como se sabe os paises capitalistas geram muita miseria, fome e violencia. Por exemplo o Brasil, sera que morrem 40000 pessoas assassinadas por ano na Coreia em tempo de paz como morre no Brasil? Deixem a Coreia em paz!

  26. Camille Postado em 10/Apr/2013 às 23:44

    Não acredito que eles estejam falando sério, como diz o texto, eles sabem da força dos EUA e do que eles são capazes, a Coreia do Norte pode ter sim muitas armas nucleares, mas se ela começar com a guerra a ONU não vai mais ajudá-la nos seus problemas sociais. Acredito que a questão seja dinheiro, ela vai blefar até aonde puder para conseguir dinheiro dos outros países, porque é assim que ela ainda está de pé. Se ela ousar jogar qualquer bomba, seja nos EUA, ou nas ilhas de concentração, os aliados e o próprio EUA detonam com eles. O pai do cara só blefava, por que ele faria diferente?

  27. Camille Postado em 11/Apr/2013 às 00:01

    E concordo com o Rodrigo, o cara quer é popularidade

  28. Gabriel Postado em 11/Apr/2013 às 00:19

    O que mais se vê nos comentários daqui é gente que acha que qualquer pessoa que tenha opinião diferente é ou burra ou controlada pela globo... Galera, diversidade de opinião não é estupidez! Agressão verbal ensaida, do tipo "global", "controlado pela mídia", "reacionário" (que até não vi aqui, o que é muito estranho, já que parece a ofensa favorita de todo esquerdista que não tem dicionário), sim. Estupidez e desrespeito. Mas é assim mesmo que funciona na web, não? Todo mundo agride todo mundo, esquecendo-se de um fato simples: atrás da tela tem um ser humano lendo o texto, não um "robozinho midiático". O fato de uma pessoa não pensar exatamente como você não significa que ela não pense. É só outra pessoa, com outra formação e outra visão de mundo. E se ser esquerdista é defender ditaduras cegamente sob a desculpa de serem comunistas, então a esquerda brasileira anda tão mal das pernas quanto a direita... A observação de mundo deve vir de dentro de cada um, não baseada em teorias formuladas por outras pessoas em outros contextos culturais e históricos. Citar grandes pensadores e filósofos mostra que você tem boa memória, não que tem pensamentos próprios. E quem quiser me ofender e humilhar via web fique à vontade, só não vale chamar de reacionário. Invente alguma ofensa nova, porque essa já está até perdendo o sentido.

  29. Victor J. Postado em 11/Apr/2013 às 00:22

    Me lembro como se fosse hoje quando a Coréia lançou seu primeiro satélite artificial. Desde esse tempo coletaram informações importantes, como os EUA, URSS etc já coletavam a muito tempo, e esse, e outros "problemas" citados acima pelo autor, fazem os EUA ficar com medo, e é muito mais fácil desequilibrar o Oriente Emergente com guerras do que se dar ao luxo de admitir, não temos mais forças para controlar o Oriente, ele tem que ser mais pobre que nós! Enfim escrevemos lemos e nada muda de fato... Uma observação que deixo: Não quero mudar o que já foi decidido, mas se for olhar para trás: até o Mapa-múndi tem controvérsias, "Projeção de Mercator", o lado esquerdo é o eixo do bem, o lado de cima deve ser mais rico que o lado debaixo, o que coloca os EUA numa posição muito favorável. Mas como o autor cita: (...e que sabe do que são capazes os EUA, não pode se dar ao luxo de esperar o bonde da história passar. O bonde da história derrotou as experiências socialistas da URSS e Europa, levando quase a nocaute por asfixia o governo da Coreia do Norte na década de 1990. Os últimos 25 anos foram marcados por privações de todo tipo, levando inclusive a fome para o outro lado do rio Yalu. O bloqueio, a fome imposta de fora para dentro e as inúmeras ameaças militares e provocações (Coreia do Norte como parte do “Eixo do Mal”, segundo Bush) só fez restar ao governo nortecoreano a opção de se “armar até os dentes” diante do que ocorria em Belgrado sob as hostes das chamadas “intervenções humanitárias”.) O bonde da globalização, você deve estar aí como eu, de frente para uma tela lcd/tubo/plasma/oled, no seu computador, laptop, netbook, tablet, celular, smart tv. Você termina de ler isso vai até a geladeira tem algo pra comer, beber, seja boa alimentação ou um fast food/coca-cola. Você conhece Android, Linux, Windows, Mac OSX e raramente mais algum sistema. VOCÊ COME/CONSOME CULTURA GLOBALIZADA, que daqui a uns anos TODO O MUNDO vai consumir igual, produtos em cerca de quase 70% serão iguais em todo o mundo. Boa parte desses produtos serão fabricados no oriente por ser mais barato a mão de obra, porque a população em alguns países lá cresce exorbitantemente. E tudo isso que citei os torna pior que nós??? Muito pelo contrário, em questão de CULTURA E RESPEITO o que normalmente deveríamos trazer de casa, temos vergonha. Somos frutos do capitalismo, eu sou um fruto do capitalismo. Respiro dinheiro, como dinheiro, cago dinheiro...sim tudo teve um preço. Não sou socialista ou de algum movimento pró socialista, mas me envergonho, e cada vez que leio um artigo desse seja de qual autor for, penso que nesse Brasil tem pessoas com linha de pensamento parecidas com a minha. E que estamos numa posição muito desfavorável em relação a muitos que nos governam, não, não fique triste, lembre-se de quanta luz você gastou lendo esse comentário, desligue seu computador após ler, apague as luzes da sua casa, deite-se em sua cama confortável, não se preocupe você terá um ótimo sono, você não mora no Oriente, você não vai ouvir nenhum barulho de misseis e bombas perto de sua casa. E não se esqueça amanha é mais um dia de ser a engrenagem que move o capitalismo, o tijolo no muro.

  30. Thiago Santos Postado em 11/Apr/2013 às 00:59

    Eu acho difícil acontecer uma guerra. Ainda mais, sendo nuclear. 1.China. A Coreia do Norte é o quintal da China, assim, dificilmente a China permitiria que a Coreia do Norte e do Sul, E.U.A. e Japão entrassem em guerra. Numa guerra dessas, ou a China se mete e termina entrando numa guerra com Japão e E.U.A., ou a Coreia do Sul anexaria a do Norte. Ambas a hipóteses são terríveis para a China. O crescimento chinês está muito relacionado ao comércio no Pacífico, incluindo Japão, Coreia do Sul, Indonésia, E.U.A. etc.. Uma guerra interromperia esse crescimento e causaria um descontentamento nas grandes cidades chinesas e abalaria o próprio regime de Pequim. No segundo caso, a China teria mais um aliado dos E.U.A. às portas. Pior, teria fronteiras terrestres com a, eventualmente, reunificada Coreia. 2.Coreia do Norte. É um país altamente militarizado, possui uma dinastia comunista. Kim Il-sung era popular e era treinado para governar, ele treinou o filho Kim Jong-il para assumir o governo; mas este não preparou o sucessor: Kim Jong-un. O novo chefe supremo da Coreia do Norte não tem experiência, e tem tentado ganhar apoio para se estabelecer. Ele corre o risco de um golpe do tio, que tem algum apoio nas forças armadas. Eles não têm condições de vencer ninguém em uma guerra; e poderiam ser varridos do mapa pelos E.U.A. facilmente; só já não foram por causa da antiga URSS e da China. Como a Rússia se comportaria no escalada não sei; mas ali tem fronteiras dela. 3.Coreia do Sul. A Coreia do Sul, a despeito do regime econômico e político que imagino que você desconsidera, você tem de admitir que o exemplo que eles deram nos últimos cinquenta anos de desenvolvimento através da Educação é muito mais útil do que o que a Coreia do Norte dá, ao volta e meia ameaçar os vizinhos com um holocausto nuclear. E ao contrário do que o texto diz a soberania não é mãe de todos os direitos do homem. É a vida, a dignidade e a Liberdade -> essa que tem desdobramentos que a complementam = igualdade, solidariedade... O governo existe para facilitar a vida do povo e não para dispor livremente de quem quer que seja para defender sua própria existência.

  31. Yuri Postado em 11/Apr/2013 às 01:40

    Todas as referências que temos deram errado! Mas os últimos românticos ainda vão estar por aí, por bom tempo... No mais torço para que a korea seja reunificada e que seja o menos catastrófico possível para o povo do norte, por que a guerra é uma realidade, infelizmente!

  32. Yuri Gama Postado em 11/Apr/2013 às 04:25

    Vocês esquerdistas como sempre com essa mania de perseguição, de exploração. Eu sei que é isso que alimenta a ideologia de vocês, mas acordem: o socialismo não existe. O capitalismo é a realidade. Pode ter vários aspectos ruins, mas proporciona algo desconhecido na Coreia do Norte: liberdade. Os Estados Unidos são imperialistas? São. Isso justifica ficar com o orgulho de uma civilização "milenar" e colocar a sabedoria asiática à frente do bem-estar de uma nação inteira? O Japão e a Coreia do Sul hoje crescem absurdamente por aderirem ao capitalismo e ao modelo americano "demoníaco". Maquiavel tratou da soberania de províncias. A disputa entre os EUA e a Coreia do Norte é desproporcional. Uma situação provável em caso de guerra é a aniquilação em massa do povo norte-coreano. Será que nesse momento eles pensariam em "direitos humanos" ou em sua sabedoria milenar? Vão ser todos enterrados em nome da soberania nacional. Algumas frases de Confúcio para reflexão dos socialistas: "Não há coisa mais fria do que o conselho cuja aplicação seja impossível." Confúcio "O homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum aos outros." Confúcio

  33. sergio de ferreira Postado em 11/Apr/2013 às 07:35

    Concordo que sem uma análise histórica do problema não podemos ter uma avaliação correta e honesta. Mas, não podemos deixar de refletir sobre o comportamento deslumbrado do ditador coreano, que chegou prematuramente ao poder e não dispõe de nenhum senso crítico comportamental, já que cercado de áulicos.

  34. Eliozéas Postado em 11/Apr/2013 às 08:09

    Não é fácil entender a situação de um povo, mesmo que milenar, nos dias atuais. Tudo muda, os tempos de meus pais não igualam aos meus dias atuais. Neste contexto, a coreia está muito atrasada em relação aos dias atuais. Jamais concordo que um país se desenvolva tecnologicamente e seu povo - que não pode usar a tecnologia, tipo net, radinho de pilhas, etc - viva passadno fome. Os USA podem ter bloqueado o diabo para eles, mas pelo menos alimentos deveriam produzir. Por outro lado, estão cutucando o cão com varas curtas, pois se iniciarem um ataque contra os "USA", como estão alardeando, tenho pena daquele povo milenar que só sabe dizer sim a tudo. Alguém duvida que os USA responderão com força total? Se isso é justo ou injusto eu não sei, mas o líder coreano deveria falar menos.

  35. Ricardo Postado em 11/Apr/2013 às 08:39

    Oque estará acontecendo no Brasil, neste exato momento?

  36. Sofócles Postado em 11/Apr/2013 às 09:11

    Leio aqui. Depois leio a veja. No meio do caminho há lucidez.

  37. SóFalei Postado em 11/Apr/2013 às 09:57

    Vão resolver uma integral, em vez de ficarem debatendo um assunto que autoridade nenhuma vai ler, ou sequer levar em consideração o que vcs pensam, infelizmente é assim que é,...

  38. alexandre Postado em 11/Apr/2013 às 11:11

    Tiago Santos, você postou o comentário mais sensato dentre todos! Parabéns! Além do mais, tem muitos países que aproveitariam o cenário de guerra para resgatar antigas linhas. A Rússia sempre quis ser primeira potência. A guerra fria acabou, mas em uma eventual escalada da guerra pelas bandas de lá, não me admiraria ver odin enfrentar os EUA. Existi um anti-americanismo ferrenho na Rússia. Enquanto por aqui, procuramos uma cadeira no conselho de segurança da ONU, e que no caso de uma guerra, nos colocaria em campo de batalha com armas avançadas como F-5 tiger, tanques de última geração como leopards de segunda mão, apenas entrando no conflito para ter o gostinho de entrar para a história ( ahhh... os pracinhas ...) países como Rússia e Coreia do Norte sabem bem o que querem. Não acredito que os EUA tenham condições de varrer a Coreia do Norte do mapa, isso porquê a OTAN não iria enfrentar só a Coreia, haveria uma polarização de forças anti-americanas, tanto no que diz respeito aos estados, quanto a grupos extremistas que aproveitariam o momento. A quem interessaria ver os EUA em decadência econômica ter domínio sobre a região da Coreia do Norte? Certa vez li que " Os EUA são uma experiência que não iremos repetir". Entrar numa guerra de proporções que podem vir a ser mundiais, retrocederia é o tio San, a guerra psicológica vem é das Américas.

  39. Demian Cunha Postado em 11/Apr/2013 às 11:12

    Texto lúcido e muito bem estruturado. Deu condições de se pensar o que tem sido esse recente episódio. Só podia ser um geógrafo. Obrigado Jabbour!

  40. DR_GUILHERME Postado em 11/Apr/2013 às 11:29

    PRIMEIRO EUA UMA PAIS DESENVOLVIDO MILITARMENTE COM SOBERANIA AUTORIATARIA INFLUENTE EM TODO MUNDO,CORREIA DO NORTE VEM AMEAÇANDO A PAZ MUNDIAL O FATO DE ELES SEREM EXCLUIDOS DAS RELAÇOES EXTERNAS NAO JUSTIFICA,ISSO NAO E UM MODO DE SOBREVIVENCIA.EUA DEVE INTERVI CONTRA QUALQUER ATAQUE DOS NORTES CORREANOS REGIME SOCIALISTA QUE E IMPOSTO NA CORREIA DO NORTE E UM DOS MAIS CRUEIS DO MUNDO,SE VOCE ACHA DESUMANO AS DIFERENÇAS SOCIAIS DO CAPITALISMO,IMAGINE UM GOVERNO IMPERIALISTA O PROPIO POVO DELES NAO MERECEM ISSO,

  41. Bruno Postado em 11/Apr/2013 às 11:51

    Eu acho que todos os líderes mundiais tinham que resolver todas as tretas com uma conversa amigável numa roda de baseado (considerando já a legalização da planta, que nada tem a ver com esse assunto). Quem ta certo e quem ta errado? Quem pode dizer isso? Não existe verdade absoluta, Einstein já provou que a relatividade impede qualquer engessamento de uma determinada realidade. A única verdade desse universo é o amor, e enquanto persistirmos nas relações dualísticas (eu Vs. mundo), inclusive defendendo posições políticas dessa natureza, só estaremos reforçando a vibração bélica por todo o mundo. Já ta na hora de parar de discutir guerras e também parar de lutar pela paz. Ta na hora de viver a paz, pois quando cada indivíduo decidir gastar sua energia vivendo a paz, o mundo passa a fazer o mesmo. E essa discussão perderá todo e qualquer sentido.

  42. J.J. Postado em 11/Apr/2013 às 12:55

    O que mais me chama a atenção nos discursos de esquerda é a "Síndrome de Coitado" -- "ninguém me deixa viver do meu jeito", "ninguém me aceita", "todo mundo está contra mim". Sério, porque os países comunistas simplesmente não se unem e deixam o resto do mundo em paz? Vocês não precisam dos países capitalistas, não é mesmo? Então, vivem dentro de suas fronteiras, com suas próprias ideias e sejam felizes. Os países não-comunistas não precisam dos países comunistas. E, de acordo com várias leituras socialistas e comunistas, os países comunistas também não deveriam precisar dos países não-socialistas e não-comunistas para nada. Claro que agora entra um esquerdista qualquer com argumentos do tipo "Se isso é verdade, por que você não cita bibliografias?" -- então fica a resposta: "Se eu preciso citar essas bibliografias, você é só mais um esquerdista mequetrefe e de meia-tigela, como todos os outros no Brasil"...

  43. Carlos Postado em 11/Apr/2013 às 13:01

    Carlos, em 10 de abril de 2013 às 22:08 disse: "Apenas uma frase que resume meu pensamento sobre preferencias politicas e sociais: Comunista até ficar rico, feminista até se casar e ateu até o avião começar a cair" E Capitalista até falir, não é? Quando o falso conforto da classe média( nós) é abalado, surgem brados sobre a injustiça do mundo, repulsa aos ricos, ódio à impunidade dos poderosos. Nós somos uma piada, um substrato social sem problemas e sem soluções, nós somos apenas gado.

    • Carlos Prado Postado em 23/Dec/2013 às 13:13

      Então é dai que advêm os socialistas? Eles não foram competentes o suficiente e querem se socializar com as conquistas de outros?

  44. Cristiano Postado em 11/Apr/2013 às 13:07

    Coréia? Eu moro no Brasil. Eu cuido minha casa e eles cuidem da deles. E pra vc EZEQUIEL que escreveu: Ezequiel, em 10 de abril de 2013 às 21:37 disse: Chupa Brasil. País de teleguiados. Machões de cozinha escorregando das encostas dos barrancos todo mês de março. Orgulhosos de seu futebol e das bundas de suas mulheres. Vamos crentes! Rezar e pagar o dízimo na Igreja! País de merda, onde cabem 200 Coréias do Norte mas com povo frouxo e burro que chora quando ouve o hino americano no cinema. Bando de lixos, empinam o peito para dizer que os norte-coreanos estão morrendo de fome, enquanto no “Brazil” comemos o resto que cai da mesa dos nossos patrões “The Americans”. Todos juntos vamos, pra frente “Brazil”!!! Melhor morrer ajoelhados que tentar levantar e lutar!!! Nos vemos na Copa NAO TA BOM TE MUDA, VAI PRO ÉDEN DUMA VEZ E FICA LÁ. NINGUEM TE OBRIGA A FICAR AQUI.

  45. Cesar Monteiro Postado em 11/Apr/2013 às 14:06

    Quem fomenta guerra a acha. No mais o discurso coreano não é dos mais pacíficos ou d denúncia.

  46. Rodrigo Postado em 11/Apr/2013 às 14:07

    Não concordo com o texto. A Coréia do Norte foi quem quis que fosse assim. Ela teve oportunidade, sim, de se tornar um país assim como Alemanha, Coréia do Sul, Japão cujos territórios foram devastados durante o século XX. Porém, diferente dos países citados, ela preferiu não se adaptar ao novo mundo, ao sistema sócio-econômico capitalista dominante pós-guerra e, pior, instaurou um regime socialista em pleno fim da Guerra Fria. Ora, quando o mundo estava conseguindo manter uma ordem global. A Coréia do Norte QUIS ser a ovelha negra mundial, sob escolha, e está sendo.

  47. Rodrigo Teixeira Postado em 11/Apr/2013 às 14:19

    O décimo parágrafo mostra o perigo de se confundir política com jornalismo . O mal da maioria do políticos que já tive a chance de conhecer, é que eles estão sempre dispostos a abraçar idéias perniciosas em busca de algo que ele acredita ser um bem maior. "a soberania nacional está acima de qualquer direito humano" Já esbarrei com o argumento " É muito fácil defender o capitalismo, no conforto do seu apartamento de classe média" mais vezes que consigo lembrar. Igualmente posso dizer, é muito fácil defender um regime totalitarista e de culto a personalidade do líder, vivendo numa regime democrático. Nessa afirmação extraída do décimo parágrafo mora o conceito de " Os MEUS fins justificam os meios". Sou sim um defensor do liberalismo econômico e do progresso social ( Ao contrário do que muitos esquerdolóides gostam de pregar, não necessariamente liberalismo e conservadorismo andam juntos). Não tenho o menor constrangimento em dizer no que acredito. É claro que ao contrário de muitos ( não importa o espectro político) jamais abraçaria idéias perniciosas para proteger a agenda política daqueles que concordam comigo e outras questões. Ao mesmo tempo que sou liberal afirmo sem nenhum constrangimento, que nenhum grupo no nosso contexto político atual vence a política externa dos EUA em termos de terrorismo. O próprio conceito de terrorismo é propaganda pois nunca ouvi falar de guerra, onde os direitos humanos foram amplamente respeitados. Mas aqui é que começa o cinismo de alguns da esquerda. A ideia de que o mal e a injustiça são frutos do capitalismo, e que a cura para esse mal é o comunismo. A mundo é desigual e injusto desde que temos registro. E não ser capaz de admitir que o período em que vivemos hoje é o período menos desigual da história é de uma tremenda desonestidade intelectual. Nem o Comunismo que subjuga os interesses do individuo em prol do estado conseguiu mudar isso (ou alguém aqui é inocente o suficiente para acreditar que não existe um enorme abismo social entre os altos escalões de um regime comunista e seu povo ? ). Também não houve até esse momento da história, nenhum grupo ou regime, dominante ou dominado independente de ideologia ou visão política de mundo, que não tenha cometido atrocidades em defesa dos seus interesses. Acreditar que os EUA são os vilões e existe um mocinho, é muita inocência. Eles tem a mesma postura que todas as instituições dominantes em seu contexto tem( e isso inclui a União Soviética). Existem pessoas ardilosas e aquelas que querem genuinamente tornar o mundo um lugar melhor em todo o espectro político. Pessoalmente coloco no grupo das pessoas ardilosas, aquelas que tentam vender a ideia de que todos os que acreditam no capitalismo como um modelo com defeitos, mas até agora a mais viável como pessoas insensíveis a injustiça social. Sinceramente, penso que abraçar a ideia de que "o inimigo dos meus inimigos é meu amigo" é de longe muito mais insensível as injustiças sociais do que defender o direito a propriedade privada.

  48. Frank Postado em 11/Apr/2013 às 14:49

    maravilhoso texto como exemplar do surrealismo politico, da intectualidade procrastinada, do catequisado ideologico, do antifilosofo, do estilo superior proprio às antologias de falacias. Amei o esforço do constipado tentando evacuar, mas so conseguindo vomitar. Adoravel. Bravo mils vezes. Os proximos Prêmios Nobel sairão, sem duvida, das hostes doutorais vanguardistas da USP !! O mundo ja era...

  49. Julio Postado em 11/Apr/2013 às 15:28

    Interessante a questão do bloqueio. Se não querem viver numa economia de mercado, não precisam negociar com outros países. Se já eram tão evoluídos antes de Cristo, não é agora que vão precisar de outros países.

  50. Ana C.Oliveira Postado em 11/Apr/2013 às 16:56

    Entre escolher viver na Coréia do Norte e na Coréia do Sul, a maioria aqui JAMAIS escolheria viver numa nação em que não se poderia por exemplo desembarcar com celular, ou com camera digital. Teriaamos que esquecer todas os brinquedinhos capitalistas que TODOS nós adoramos! E ainda, passar fome! Os lideres da Coréia do Norte tem mais amor ao poder do que amor ao seu próprio povo, igualzinho aos Castro, a Chávez, enfim toda a turminha do Fórum de São Paulo. Os comunistas de boutique que compram Laboutin na França enquanto distribuem pão e circo para as massas. Educação, saúde, reformas politica, juridica e tributária sérias que é bom mesmo....jamais!

  51. andre Postado em 11/Apr/2013 às 18:31

    Texto simplista na identificação do inimigo: EUA e Coréia do Norte representam duas vertentes do Facismo: de um lado, o Império autoritário e autocrata, travestido de democracia Liberal; do outro, o pequeno e moribundo Estado totalitário, sempre disposto a bravatas, extensão da reprovável doutrina chinesa. Não há inocentes. Todavia, é óbvia a existência de uma guerra de propagandas. Os EUA seguem firmes em sua sanha de eliminar seus rivais ideológicos. Por sua vez, os não alinhados, dispostos a criar um contexto de rivalidade: o que existe, na realidade, é a luta pela inversão da polaridade global, da alteração dos pactos de hegemonia, entre grupos extremamente beligerantes e ambiciosos. Não acho legítimo o contexto acerca de soberania e direitos humanos: a manutenção da soberania nacional não pode justificar o rompimento das premissas de existência humana, se o projeto nacional justifica a injustiça, o terror estatal, as guerras e as mazelas em geral, sob o argumento do " ruim com ele, pior sem ele", estaríamos acomodando a retórica de Maquiavel, onde "o fim justifica os meios", aliás, o que o autor esmiúça com competência, e, posteriormente, por analogia, autorizando o raciocínio de Jean M Le Pen, baseado na mesma proposição, sendo tudo isso, inclusive, uma afronta à exegese socialista e à ética cristã - Assim, estaríamos a justificar toda sorte de aberrações partidárias mundo afora. Não, a supremacia estatal e a soberania não podem opor-se às convenções de bem-estar social (talvez, uma breve falácia..). Muito menos justificar o malgrado das ações governamentais! Tais afirmações não me remetem diretamente ao contexto internacional, mas, às nossas questões internas. Parece ser cada vez mais evidente essa polarização entre o Bem e o Mal. Desaparecem o meio termo e o bom senso. O preocupante é a racionalização e defesa intelectualizada desses movimentos, abstraindo-se daí, os reflexos em larga escala: autoritarismo tecnocrata, culto partidário, sectarismo, teocracia, misoginia e sexismo, alienação, intolerância, injustiças de toda a sorte, segregação e preconceito. Tudo em nome da manutenção do Estado e dos povos. Nem Comunismo, muito menos Socialismo; nem Capitalismo, Liberalismo ... Os intelectuais isentos precisam abraçar novas causas, novos experimentos. As ideologias falharam, os movimentos sociais idem. A partição dos Poderes já não atende às causas sociais. Então, o debate é muito mais profundo. É o momento para enterrar as ideologias e o Estado organizado como é, reordena-lo, criar novos parâmetros.

  52. Rubens Postado em 11/Apr/2013 às 21:39

    O texto tem um fundamento verdadeiro, mas achei que distorceu algumas coisas. Não concordo plenamente.

  53. Leo Postado em 12/Apr/2013 às 16:16

    O autor está louco. O comunismo acabou, a URSS acabou, Cuba acabou, e a Venezuela vai acabar na primeira crise do petróleo ou quando outros meios de energia forem mais baratos. Você acha mesmo que os EUA está se lixando para o que representa um país 20 milhões de pessoas sem a menor influência mundo afora e com a economia arruinada? Fora o perigo de um novo Nero incendiário, aquilo lá não vale nada. Isso aí já era, gente. Vai pensar em ter educação, ser competitivo, aprender sobre outras culturas. A briga hoje é por sustentabilidade, tornar o planeta viável ecologicamente. Esse país aí já f*** tudo de tinha de solo, de floresta e de educação e agora quer mostrar que o problema é dos outros. Prestem atenção ou vamos pelo mesmo caminho. Temos sorte de estar num país grande e diversificado. Quero ver até quando dura esta sorte.

  54. Marcelo Luis Postado em 12/Apr/2013 às 17:21

    Não me interessa quem está certo ou errado. O que não pode é ameaçar, nem por brincadeira. e o governo norte-coreano brinca com coisa séria. Os Cubanos não tem tecnologia nenhuma, mas sabem usar de diplomacia ou de astúcia para continuar soberanos e independentes dos Americanos. O ditador norte-coreano ameaça, mas não tem culhão para apertar o botão. na hora H. ele não vai fazer nada. na verdade o ditador so quer se manter na 'TETA" mamando e ter boa vida.

  55. Anon Postado em 12/Apr/2013 às 19:30

    tudo isso se resume a PEC das domésticas! a luta das "madames" que não suportam lavar suas "calcinhas"

  56. Vinicius Postado em 13/Apr/2013 às 02:35

    Nossa, adorei esse texto! É o melhor sobre a questão da coreia do norte, e expõe os fatos históricos muito bem, explicando perfeitamente o presente. Elias Jabbour, você é muito sábio em questão de história, parabéns.

  57. Marco Antonio Postado em 13/Apr/2013 às 11:39

    Está na hora mesmo de alguém bater de frente com os EUA, esses americanos se acham o dono mundo, em qual quer área do mundo onde haja um conflito, eles querem intervir, impor sua forca, querendo impor medo a estes. Isso tem que acabar, o mundo inteiro criticou Hitler por querer fazer do mundo uma nação só, uma nação ''pura'', mas vocês não pararam para pensar e analisar que os Estados Unidos pode estar fazendo o mesmo, só que de uma outra maneira? É como nosso amigo acabou de citar, eles querem sempre acabar com os rivais que não tenham a mesma ideologia ou algo do gênero..

  58. Thiago Postado em 14/Apr/2013 às 18:28

    Esse foi o pior texto que já li nesse blog desde....sempre! Uma coisa é ser de esquerda, outra é ser um stalinista melindroso, querendo defender o indefensável, tão absurda e cinicamente, a ponto de explicitar uma pérola desta: "na verdade a soberania nacional está acima de qualquer direito humano (...) O único direito humano universal é o direito à vida." e usando clichés para combater clichés. Puro lobby.

    • Absalão Bussamra Postado em 04/Apr/2014 às 15:23

      PERFEITO!!!!

  59. DIEGO Postado em 14/Apr/2013 às 21:43

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Divis%C3%A3o_da_Coreia Divisão da Coreia Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação, pesquisa .A península coreana, em primeiro lugar dividida ao longo do paralelo 38, que mais tarde ao longo da linha de demarcação A divisão da Coreia em Coreia do Norte e Coreia do Sul resulta da vitória dos Aliados na II Guerra Mundial de 1945, terminando o domínio colonial de 35 anos do Japão na Coreia. Em uma proposta que obteve a oposição de quase todos os coreanos, os Estados Unidos e a União Soviética concordaram em ocupar temporariamente o país com uma tutela com a zona demarcada de controle ao longo do paralelo 38. O objetivo desta tutela foi o de estabelecer um governo coreano provisório, que viria a ser "livre e independente no devido tempo." Embora as eleições fossem agendadas, as duas superpotências apoiaram líderes diferentes e dois estados foram estabelecidos de forma eficaz, cada qual reclama a soberania sobre toda a península coreana.A Guerra da Coreia (1950-1953) deixou as duas Coreias, separadas pela Zona Desmilitarizada Coreana, mantendo-se tecnicamente em guerra durante a Guerra Fria até os dias atuais. A Coreia do Norte é um Estado comunista, muitas vezes descrito como stalinista e isolacionista. Sua economia inicialmente teve um crescimento substancial, mas entrou em colapso na década de 1990, ao contrário do seu vizinho comunista a China. A Coreia do Sul surgiu, após décadas de regime autoritário, como uma democracia liberal capitalista, com uma das maiores economias do mundo.Desde a década de 1990, os sul-coreanos com administrações progressivamente liberais, assim como a morte do fundador norte-coreano Kim Il-sung, os dois lados deram pequenos passos no sentido simbólico de uma possível reunificação coreana.

  60. DIEGO Postado em 14/Apr/2013 às 21:47

    Pq a China não ajuda a coreia do norte a se desenvolver? http://pt.wikipedia.org/wiki/Rela%C3%A7%C3%B5es_entre_China_e_Estados_Unidos As relações entre China e Estados Unidos são as relações estabelecidas entre a República Popular da China e os Estados Unidos da América. A maioria dos analistas caracterizam as atuais relações sino-americanas como sendo complexas e multifacetadas. Os Estados Unidos e a República Popular da China normalmente não são nem aliados e nem inimigos; o governo dos Estados Unidos e suas instituições militares não consideram a China como um adversário, mas como um concorrente em algumas áreas e um parceiro em outras. Até a década de 1970, os Estados Unidos reconheceram a República da China em Taiwan como o governo legítimo da China continental e não mantiveram relações diplomáticas com o regime comunista da República Popular da China. Em meio à Guerra Fria, a cisão sino-soviética forneceu uma abertura para os Estados Unidos estabelecerem laços com a China continental como um meio de conter a União Soviética.[1] Desde 2011, os Estados Unidos possuem a maior economia do mundo e a China a segunda maior, embora muitos norte-americanos acreditem que a China "é a potência econômica líder no mundo". A China possui a maior população mundial e os Estados Unidos a terceira maior, atrás apenas da Índia. Os dois países são os maiores consumidores de automóveis e petróleo, além de serem os maiores emissores de gases do efeito estufa. As relações entre a República Popular da China e os Estados Unidos têm sido geralmente estáveis, com alguns períodos de tensão, principalmente após a dissolução da União Soviética, que removeu um inimigo em comum e deu início a um mundo caracterizado pelo domínio norte-americano. Também há preocupações relativas aos direitos humanos na República Popular da China e ao estatuto político de Taiwan. Embora existam algumas tensões nas relações sino-americanas, também há muitos fatores de estabilização. A República Popular da China e os Estados Unidos são parceiros comerciais importantes e têm interesses comuns na prevenção e repressão ao terrorismo e a proliferação nuclear. A China e os Estados Unidos são os maiores parceiros comerciais mútuos, excluindo a União Européia. A China é também o maior credor externo dos Estados Unidos. Os desafios e as dificuldades da China são principalmente internas, e há um desejo de manter relações estáveis ​​com os Estados Unidos. O relacionamento sino-americano foi descrito por líderes e acadêmicos como a relação bilateral mais importante do mundo no Século XXI.[2]

  61. João Postado em 14/Apr/2013 às 23:31

    Só mesmo um esquerdista pra ser cara-de-pau a ponto de defender um regime assassino destes, e ainda fingir que entende ALGO de confucionismo ou de taoísmo para tentar argumentar. E os imbecis ainda vem falar que "SUA OPINIÃO É MANIPULADA PELO PIG! PELA VEJA! MÍDIA GOLPISTA!" Vão estudar um pouquinho e parem de repetir chavões.

  62. Joel Postado em 16/Apr/2013 às 20:45

    O que, finalmente, quer a Coreia do Norte? Com essa indagação o autor pretende argumentar em defesa de um sistema falido. O interesse não é o da Coreia do Norte, mas dos dirigentes (que se pretendem) perpétuos dessa Corea, que vivem às custas de uma nação presa entre cercas de arame farpado e passando fome. Dirigentes esses que quando querem se disfarçam e vão conhecer outros regimes, inclusive se divertir em boates e parques de diversão, o que é inimaginável para qualquer outra pessoa daquele País. Só o fato de a Coreia ter suas fronteiras cercadas com arame farpado e fios com corrente elétrica já mostra que nada que se diga a seu favor é aceitável. O resto é apenas bla-bla-bla ideológico. "Somente gente preparada poderia manter em pé um país cercado, humilhado e ameaçado desde seu nascedouro e com um cenário recrudescido nas últimas duas décadas"... Eu sou muito burro ou o sujeito acredita mesmo na autodeterminação desse povo? Não seria o medo até de pensar que provoca essa situação? Abram as fronteiras e vejam quantos desses coreanos vão ficar por lá...

  63. manoel Postado em 18/Apr/2013 às 08:09

    A orientação ideologica é oposta, mas tirando isto este texto é tipo assim uma "Veja".

  64. manoel Postado em 18/Apr/2013 às 08:16

    Não é só o PIG, a Veja e o Reinaldo Azevedo que dizem bobagem. Carta Capital, Emir Sader e outros (tipo o autor desse texto) dão o troco no mesmo quilate. Triste de quem acredita em qualquer um desses.

  65. Fábio M G Postado em 23/Apr/2013 às 01:27

    "Vc tem notícia da invasão da Coréia de Norte contra algum país?" Sim, contra a Coréia do sul em 1950. E outra, os EUA não perderam a guerra. Se tivessem perdido, hoje existiria apenas uma Coréia, e seria comunista. Os EUA interviram na Coréia quando 90% do país estava nas mãos comunistas, ou seja, o objetivo inicial era repelir as forças do norte, o que obviamente conseguiu. Claro que depois EUA e Coréia do Sul tentaram tomar o norte, o que não conseguiram graças a intervenção direta da China e apoio da URSS. O armistício só foi assinado devido a um IMPASSE (veja e não derrota de nenhum dos lados) de mais de dois anos, onde os domínios de ambos os lados se deteve durante todo esse período no paralelo 38, apesar dos intensos combates, os quais não levaram a nenhum ganho estratégico. Outra forçação de barra é creditar a sobrevivência do regime do norte a uma sabedoria milenar! rsrsrs Sem ao menos mencionar o apoio e proteção da aliada China, única aliada diga-se de passagem, sendo esse o fator determinante da existência desse regime. Por fim, se a Coréia do Norte cumprir com suas ameças o destino dela vai ser muito pior que o do Iraque, Afeganistão e a Líbia de Kadafi juntos!!

  66. Joaquim Postado em 23/Apr/2013 às 20:42

    Esse texto tenta justificar os erros do regime norte-coreano baseado nos erros cometidos pelos norte-americanos. Dois errados não fazem um certo. Outro ponto é que a postura bélica de Pyongyang é fruto da própria ideologia do Juche, visto que a autossuficiencia pregada por ele não acontece de fato por lá e quando começam a faltar recursos básicos, o jeito é apelar para as ameaças. OBS: Os EUA perderam uma guerra antes de 1953 sim. Foi em 1812 e a Inglaterra chegou a incendiar Washington. Além disso, a Coréia do Norte já invadiu outro país sim. Foi a Coréia do Sul.

  67. Assis Frello Postado em 27/Apr/2013 às 17:13

    Ótimo texto, parabéns... Acho que entendi o que você quis dizer quando fez referência a minimização dos direitos humanos... Como ocorre em uma desapropriação, utilizando por analogia, tiram o direito à moradia de alguém, tendo em vista o interesse público, ou seja, o benefício à coletividade.

  68. JOÃO ARAÚJO Postado em 22/Jul/2013 às 11:43

    O que é mais engraçado, aqui no Brasil: A grande mídia conservadora dos interesses dos EUA alimenta, quando se pronuncia a respeito da Coreira do Norte, que morrem nortes-coreanos todos os anos de fome. Aqui no Brasil, temos 16 milhões de pessoas passando fome, vivendo na miséria e não se tem noticias do destinos dessas pessoas. Ninguém fala do modo de vida do norte-coreano que possuem todos os direitos fundamentais estabelecidos na Constituição daquele país respeitados ao pé da letra. Antes de falar de qualquer país, é melhor conhecer pessoalmente e, assim, tirar as próprias conclusões.

  69. Leonardo Postado em 15/Oct/2013 às 18:33

    O texto está ótimo, bastante lógico e explanativo. É incrível como os norte coreanos conseguem resistir à pressão internacional e até mesmo do seu vizinho sulista.

  70. NoMeansNo Postado em 11/Mar/2014 às 17:43

    Santo Cristo... quem é esse sujeito para ter escrito essa quantidade incrível de asneira?!?!? Meu Deus...

  71. Reges Postado em 12/Mar/2014 às 13:18

    Ninguém jogou WAR aqui não heim? Affff... povo mais sem infância rsrsrsrsrs

  72. leandro Postado em 22/Mar/2014 às 22:14

    pessoal... esqueçam a coréia do norte, não dá pra saber nada deles, então como vamos julgar?

  73. André Postado em 08/Apr/2014 às 05:10

    Nunca li tanta besteira! Pior eh quem apóia isso. Já q lá eh tão bom, pq vcs não vão morar lá???

  74. Ocimar Postado em 16/Apr/2014 às 22:17

    Enfim alguém escreveu sobre o lado da Coréia do Norte. E tem argumentos persuasivos. Só não entendo pq a Coréia do Norte simplesmente não abre suas fronteiras e junta suas forças com a Coréia do Sul, como fizeram Alemanha oriental e ocidental e o povo da Coreia do Norte poderá desfrutar do padrão de vida, da Coréia do Sul, mais elevado e serem felizes. É até dá para entender com base no filme "A Onda", ou seja, quando os 'fardinhas' tem um líder e um inimigo terrível e poderoso a 'cambada' fica n'uma felicidade só ( v.filme ' A vila'). E o inimigo nem existe. ops. existe nos argumentos do professor Elias,

  75. Danilo Henrique Postado em 09/Jun/2014 às 13:59

    A história, sem a filosofia, é apenas um punhado de informações que qualquer um manipula da forma que bem entender. Esta é, com certeza, a miséria do historicismo, como já diria o sapientíssimo Karl Popper. A Coréia do Norte quer sim é defender seu "direito" de oprimir seu povo da forma que bem quiser. Não me parece muito justo esse tal "direito" E se quer falar de história não venha confundir a Coréia milenar com a atual. A Coréia milenar foi devastada nas guerras Sino-Japonesas. Aliás, já é dessa guerra que a Coréia se dividiu ideologicamente em duas, uma que se aproximava mais da China e outra que queria abertura para o Ocidente e se aproximava do Japão. Não se pode atribuir para a Coréia do Norte toda a tradição coreana. Quanto ao "mistério" dos "avanços" bélicos norte-coreanos, a presença de campos de trabalhos forçados consegue resolver muito bem essa "equação". Historia sem filosofia é ideologia!

  76. Marcel Postado em 27/Jul/2014 às 14:08

    Tudo culpa do Capitalismo, transmissão hereditária do poder, arsenal obsoleto, se comparado com o do sul, milhares de soldados armados, retórica belicista, dependência de arroz e petróleo de fora. Assim não é fácil viver, maldito capitalismo. Mas o Grande Líder vai salvar o povo. Cada um.