Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Homofobia 10/Apr/2013 às 12:37
6
Comentários

Vereadora parabeniza Daniela Mercury por assumir homossexualidade

Vereadora Fabíola Mansur parabenizou a cantora Daniela Mercury por assumir publicamente um relacionamento homoafetivo

vereadora daniela mercury homossexualidade

Vereadora Fabíola Mansur parabeniza Daniela Mercury por assumir homossexualidade (Foto: Divulgação)

A vereadora Fabíola Mansur (PSB) parabenizou a decisão da cantora Daniela Mercury de assumir o relacionamento com a jornalista Malu Verçosa, semana passada, tornando-o público através das redes sociais, em um momento político de enfrentamento à homofobia no Brasil.

Defensora dos direitos humanos e das causas LGBT, Fabíola considerou que a postura da artista fortalece a luta pelas liberdades individuais e direitos humanos no país. Ela analisa que a homofobia “se apresenta de uma forma visceral como uma grande ameaça às liberdades individuais em nossa sociedade”.

A socialista registrou que a atitude de Daniela Mercury contribui também para promoção da diversidade “e para que a gente entenda que há outras famílias nos nossos tempos”.

Protesto na Internet

Com os dizeres “Sou Fabíola Mansur. Estou vereadora. Sou mulher. Sou contra qualquer forma de preconceito. E Feliciano não me representa”, a vereadora do PSB divulgou uma imagem semana passada, compartilhada mais de 240 vezes na internet, em protesto aos comentários racistas e homofóbicos do deputado Marco Feliciano (PSC-SP). Ele assumiu, recentemente, à presidência da Comissão de Direitos Humanos na Câmara dos Deputados em Brasília.

Leia também

Fabíola Mansur reforçou que os protestos, que têm tomado conta de todo o Brasil, não é contra os evangélicos. “O protesto é uma forma de registrar nossa manifestação contra suas declarações”, enfatiza a vereadora socialista, ao lembrar que a ministra Chefe da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiza Bairros, também registrou moção de repúdio ao deputado paulista por suas condutas e declarações homofóbicas e racistas.

Dados computados pelo Grupo Gay da Bahia apontam que em 2012 foram registrados 338 assassinatos de gays, lésbicas e travestis no Brasil. A Bahia, que aparece em terceiro lugar no ranking da violência contra comunidade LGBT, registrou 29 mortes no segmento.

Tribuna da Bahia

Recomendados para você

Comentários

  1. Larissa Postado em 10/Apr/2013 às 13:50

    Já convivi nessa vida com religiosos e homossexuais. Uma coisa posso dizer que os homossexuais possuem mais caráter, virtude e qualidades que muitos que frequentam as igrejas e se dizem santos.

  2. Fernanda Postado em 10/Apr/2013 às 13:56

    Esse tal de "Feliciano não me representa" já deu.

  3. José de S.B.Sobrinho Postado em 10/Apr/2013 às 18:25

    Realmente, o Pastor Marco Feliciano, representa os valores que SEMPRE nortearam a vida tradicional brasileira, baseada nos ensinamentos cristãos. Como cristão, ele não pode se posicionar diferente de seu Mestre, Jesus Cristo, que não condenava o pecador, mas o pecado, a prática. Não foi assim que Jesus se posicionou diante da mulher adúltera? "Eu também não te condeno. Vai, e NÃO PEQUES MAIS". Jesus não acobertou e nem colocou panos quentes sobre a prática mas, foi enfático: "VAI E NÃO PEQUES MAIS", deixando claríssimo que Ele não apoia e nem reconhece o pecado. E o que querem esses extremistas irresponsáveis e desrespeituosos, que vão, inclusive, para a frente de templos perturbarem a ordem? São tão defensores de direitos e os negam ao seu semelhante? E querem que os reconheçamos? Eles têm sorte de vivermos num país democrático! Cada um têm direito de fazer o que quiser, desde que, não interfira nos direitos do semelhante. Há direitos, sim, mas deveres também.

  4. Marcio Postado em 11/Apr/2013 às 11:16

    -Na bíblia está escrito: "... Eu (Deus) Sou o mesmo ontem, hoje, e sempre"- HEBREUS cap. 13 versículo 8. Acontece que existem pessoas que querem mudar o mundo; talvez consigam, porém, DEUS, disse: "Passarão os céus e a terra. Minhas palavras não mudará "

  5. Marco Bueno Postado em 12/Apr/2013 às 18:52

    Antes de ser celebridade, figura pública, personagem, detentor de títulos, autoridade... a pessoa é uma pessoa, e como tal deve ser tratada. Antes da situação sexual, de ser ou ter um credo ou etnia... o indivíduo esta sujeito as mesmas necessidades que os seus semelhantes, diferindo apenas o momento, o grau e a intensidade. Independente de articulação política ou midiático, a Daniela Mercury e sua companheira demonstraram coragem e a necessidade ao tomar uma decisão como esta. Não vamos ser hipócritas ao ponto de querer colocar-nos no lugar delas. Porém, temos o pequeno direito de especular, que, essa decisão deve ter sido tomada após uma longa data de insatisfação física, psicológica, espiritual, mental e social. As vezes, fico imaginando os tipos de acontecimentos que podem ocorrer quando um espírito esta pedindo por libertação. Na simplicidade de minha visão, creio que Daniela e sua parceira, inconscientemente, atraíram a si mesmas a solução expressa neste pensamento: “fale a verdade, e ela te libertará”.

  6. Carlos Postado em 14/Apr/2013 às 09:15

    Não deu pra entender o objetivo da matéria. Se mesmo diante dos problemas que afetam a maioria dos munícipes a vereadora parece ter optado por empenhar seu mandato na defesa dos homossexuais, era previsível que apoiasse a ex-rainha do Axé. Choveu no molhado! E quanto ao Feliciano, ele também não me representa, assim como tantos outros parlamentares em que não votei ou que defendem causas diferentes das que considero relevantes. Mas o fato é que muita gente votou nessas pessoas e pensam como eles. Devemos, por isso, mandar todas elas para o paredão ou sermos democráticos e respeitar as bandeiras alheias?