Redação Pragmatismo
Compartilhar
Educação 26/Apr/2013 às 14:08
199
Comentários

"Hoje, o meu dia mais triste: desisti de ser professor do Estado"

“Meus alunos me surpreenderam no dia mais triste de minha vida como professor, eles choraram a minha desistência: ‘professor, não nos abandone!'”

Hoje tive o dia mais triste como professor. Não estou me referindo a nenhuma indisciplina ou necessariamente a baixo rendimento escolar de meus alunos.

SOLICITEI A MINHA DISPENSA NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS e fui surpreendido pelos meus alunos.

Como sou muito exigente, muitas vezes coloco fardos pesados sobre meus alunos. Acreditava que a minha saída na transição dos bimestres seria encarada apenas como mais uma das tantas mudanças corriqueiras que ocorrem na Escola.

Estava enganado. Fui surpreendido pelo choro mais desolador que já vi em toda a minha vida. Minha maior tristeza foi pensar que eu poderia ser responsável por esse choro.

professor minas gerais

Professor abandonou as aulas por não conseguir se sustentar (Foto: Reprodução/Géledes)

Jamais pensei que meus ALUNOS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS fossem chorar por minha saída.

Preocupado com o que eu diria para eles como motivo, preferi a verdade. ESTOU SAINDO PORQUE NÃO CONSIGO ME SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS. Como são crianças, muitas não entenderam o que eu queria dizer e me responderam novamente com o choro mais desolador que já vi ou causei em toda a
minha vida.

“PROFESSOR NÃO NOS ABANDONE”!

A criança não entende a opção que nós professores fazemos quando abandonamos a sala de aula. Uma de minhas alunas gritou: “Vou me mudar para a escola onde o senhor vai continuar como professor”. Nessa hora engasguei o choro e me perguntei como poderia ser isso? Se a maioria de nós no Brasil e na REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS não dispomos de recursos para bancar o ensino privado.

Leia também

Algumas crianças se puseram na porta e tentavam impedir minha saída, sem palavras e assustado com o choro e o pedido de que não as “abandonasse”, restou-me recolher na solidão de meu objetivo racional e deixar a sala com crianças chorosas como nunca vi a se despedirem com o olhar que jamais esquecerei, do professor que NÃO CONSEGUIU SE SUSTENTAR NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS.

Eu poderia recolher-me na vaidade, em pensar que sou um bom professor e que vou conseguir o melhor para mim.

Entretanto, sei que hoje a exemplo do que ocorreu comigo, DEZENAS DE OUTROS PROFESSORES DEIXARAM A REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS POR NÃO CONSEGUIREM SE SUSTENTAR, ASSIM COMO TAMBÉM DEZENAS DE CRIANÇAS CHORARAM AO SE DESPEDIREM DE SEUS PROFESSORES.

Resta-me na revolta implorar a todos os mineiros e brasileiros que lerem essa carta.

PELO AMOR DE DEUS! NÃO ACREDITEM NA EDUCAÇÃO FAZ DE CONTA DO GOVERNO DE MINAS GERAIS. O ESTADO FAZ DE CONTA QUE REMUNERA SEUS PROFESSORES, PROFESSORES INFELIZMENTE FAZEM DE CONTA QUE ENSINAM, ALUNOS FAZEM DE CONTA QUE APRENDEM E ATORES GLOBAIS FAZEM DE CONTA QUE FALAM DA MELHOR EDUCAÇÃO DO PAÍS.

O episódio dessa carta ocorreu NO DIA 18 DE ABRIL DE 2013 NA ESCOLA ESTADUAL BARÃO DO RIO BRANCO EM BELO HORIZONTE. Infelizmente ocorreu também em dezenas de Escolas do Estado de Minas Gerais.

ENQUANTO O GOVERNO DE MINAS PAGA MILHARES DE REAIS A ATORES GLOBAIS PARA MENTIREM SOBRE A EDUCAÇÃO NO HORÁRIO NOBRE, NOSSAS CRIANÇAS CHORAM OS SEUS PROFESSORES QUE ESTÃO SAINDO PORQUE NÃO CONSEGUEM MAIS SE SUSTENTAR NO ESTADO.

Prof. Juvenal Lima Gomes
EX-PROFESSOR DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS

Tags

Recomendados para você

Comentários

  1. Thiago Postado em 26/Apr/2013 às 14:18

    Enquanto BOSTA DE GARÇOM NO CONGRESSO ganha 14 mil reais pra servir água e café, professores esforçados e batalhadores são jogados às traças nesse sistema educacional ridículo que tem no Brasil... Decepção maior não há.

    • Alex Postado em 12/Nov/2013 às 18:43

      Caro Thiago, Achei muito infeliz o seu comentário com relação a GARÇOM chamando-o de "BOSTA". A profissão de professor é essencial, de fato, e todos concordamos que sua valorização, tanto das condições de trabalho quanto salarial é essencial para o país, mas depreciar profissões ditas "menos complexas" para promover a luta por melhorias de outras profissões (seja ela qual for) não me parece um caminho justo, ético e inteligente.

      • Iá Niani Postado em 26/Jun/2015 às 10:25

        Verdade! Esse comentário foi infeliz.

    • Juliana Postado em 18/Dec/2013 às 20:46

      O garcon esta Trabalhando, nao o critique, nao foi ele quem estipulou este salario.

    • Ane Matoos Postado em 19/Dec/2013 às 19:24

      Bosta ????? Como assim????? Agora a culpa é do pobre do garçom? E o que ele em com isso se os professores ganham mais ou menos que ele? Dê a César o que é de César !

    • Valéria Postado em 30/Jan/2014 às 21:01

      Bom é um grande absurdo o que ocorre no nosso Brasil, também sou professora e atuo na Rede pública, às vezes me decepciono com o descaso que o governo trata os profissionais da Educação, que na maioria das vezes não são reconhecidos, como alguém que possui um papel importante de moldar uma nova sociedade, aqui no Brasil à prioridade sempre foi mostrar o que não existe, que um exemplo você acha que o Brasil oferece uma Estrutura para Copa? A resposta gastar dinheiro com tudo, menos com Base do maior crescimento do pais Educação.

    • iago Postado em 05/May/2014 às 19:57

      O problema não é o garçom ganhar 14 mil reais, o problema é o professor ganhar um salário mínimo.

    • eu daqui Postado em 10/Mar/2015 às 09:27

      Tá com inveja da bosta do trabalhador?

    • Daniel Santana Postado em 26/Jun/2015 às 12:01

      Nossa! Enquanto os políticos votam seus próprio aumentos, tem gente criticando trabalhador que não tem nenhuma responsabilidade decisória no sistema. Tsc, tsc, tsc.

  2. René Duarte Postado em 26/Apr/2013 às 14:18

    A malha pública de ensino dos estados, no Brasil, está em processo de efetivo sucateamento, mas a rede particular também caminha nesse sentido, com exceção de meia dúzia de escolas e de algumas máfias de professores que trocam indicações para emprego nessas instituições.

  3. michelle Postado em 26/Apr/2013 às 14:18

    essa foto é do curso positivo, cujo os professores ganham MUUUUUITO bem, merecidamente claro :] mas sobre o ocorrido... isso mostra que ele era um ótimo professor, mas o dinheiro interfere, infelizmente, os professor deveria ser o profissional mais remunerado, mais respeitado.. mas infelizmente mostrar a bunda ganha muito mais, merda de mundo

    • Lorival Postado em 17/Sep/2013 às 15:04

      E com mais assessores para auxilia-lo, na definição, diagnósticos e respostas para as doenças dos principais atores da educação: aluno e tutor educador.

  4. Cassia Postado em 26/Apr/2013 às 14:28

    Lamentável.

  5. Sérgio Postado em 26/Apr/2013 às 14:29

    Muito belo o seu depoimento senhor Professor Juvenal Gomes, não sou professor, mas tenho amigos e familiares que são e sofrem na pele o que é viver com um salário humilhante pago aos professores, não sou do estado de Minas Gerais, sou do Rio Grande do Norte, mas não pense que aqui é diferente, esse mísero salário que é pago pela maioria dos governantes dos estados desse país com dimensões continentais, mas além do professor não conseguir se manter com o irrisório salário, ele tem que suportar a humilhação social na qual vêm passando, o governo não está nem aí com o profissional, a sociedade não dá o devido valor que lhe é merecido. Quero deixar aqui meu sentimentos por ter que deixar a educação pública por causa da necessidade de ir buscar o melhor para seu sustento e de sua família e deixo claro que tenho vergonha desses governantes que dominam o meio político desse país que só sabe valorizar jogadores de futebol, artistas ou outras merdas sem importância e deixam de valorizar o professor que tem a mais bela profissão do mundo, educar um outro ser humano.

    • Alex Postado em 17/Oct/2013 às 13:12

      Sou professor de matemática formado pela UFRJ e jamais penso em dar aulas em escolas públicas, pois não quero passar fome!! Há, se acham exagero, vivam com R$ 1.200,00 pago pelo ilustríssimo Sr. Sérgio Cabral. Quem vive com este salário, infelizmente e jamais desmerecendo, tem que morar em alguma comunidade do RJ e, talvez, comer carne uma vez por semana ter um único filho e, óbvio, jamais poder colocà-lo em uma escola de qualidade... Ainda acham que vale a pena ser professor da rede pública, !!!!

    • Janete B. M .MUniz Postado em 03/Oct/2014 às 12:23

      Caro, colega, também sou professora da rede pública do Estado de Rondônia e aqui não e diferente. eu já estou me aposentando, mas garanto a você que se fosse início de carreira, também já teria desistido. Por aqui também há muitos colegas tomando essa decisão

  6. Ricardo Machado Jorge Postado em 26/Apr/2013 às 14:29

    Eu também fui professor e desisti pelo mesmo motivo que este professor mineiro é uma lástima, mas pena que a sociedade brasileira seja covarde e se acomode no sofá de casa e se deixe dominar pela televisão e as mentiras dos governos a respeito da educação brasileira, que é de péssima qualidade. Nada mais natural para um país que finge e representa muito esse faz de conta, que é a educação, habitação, segurança etc.

    • Israel Postado em 03/Oct/2013 às 22:55

      Eu fui docente nos últimos 10 anos mas infelizmente tive de sair e hoje sou bancário.Algumas vezes sinto saudades de lecionar, dos abraços e bilhetes dos alunos mas infelizmente também ficaram as marcas das noites mal dormidas, da superlotação em sala de aula, dos diversos relatórios que tinha de entregar para a OP pra no final apenas sobrarem estatísticas mentirosas com aprovações automáticas, materiais sucateados e muitas vezes nem entregues mas que entram nas estatísticas, bem como a falta de proteção a saúde do docente e dos discentes que em 80% dos casos eram sinceros mas viviam reféns dos 20% de baderneiros que por falta de regras claras e lei obsoletas fazem as escolas muitas vezes mais se assemelharem a campos de batalha. Vergonha!

  7. Mariana Postado em 26/Apr/2013 às 14:32

    É tão raro crianças terem professores bons, com vontade de ensinar quer isso causa uma dor enorme quando eles vão embora.

  8. Professora Postado em 26/Apr/2013 às 14:54

    Sou professora da rede pública Estadual do Rio de Janeiro e estou quase desistindo também...

  9. Povo Brasileiro Postado em 26/Apr/2013 às 15:00

    realmente triste e muito revoltante esse modo de governo atual.

  10. Michele Postado em 26/Apr/2013 às 15:54

    È por essas e outras que desisti de ser professora...muito triste.

  11. Melissa Postado em 26/Apr/2013 às 18:16

    Acho que os professores devem continuar lutando por condições melhores de trabalho, abandonar a sala de aula só vai piorar ainda mais a educação.

    • Valdete Postado em 21/Feb/2014 às 12:58

      Só quem sabe o que é ser professor é quem está todo dia em sala.Estamos realmente cansados de tanta impunidade, injustiça, baixos salários, desrespeito pela profissão por parte de nossos políticos...É lamentável e desolador....Triste!!!!

  12. Gabriel Postado em 26/Apr/2013 às 18:31

    Acho que desistir não é o caminho, ainda mais sendo professor. Sei que as dificuldades são grandiosas, mas há de se tomar uma decisão. Não é de hoje que o sistema é falido, não só aqui, mas em boa parte do mundo. Então pq insistir nele? Essa carta é mais uma forma de chamar atenção para o assunto, mas não muda em nada. Quem sente de verdade, quem ama ensinar, quem luta por igualdade e ensino, faz de tudo para que isso ocorra. Mesmo não sendo professor. Então, na minha opinião, sua atitude poderia ter sido melhor. Há pessoas pelo Brasil em situações bem piores e não desistem. Até mesmo pq muitas não tem opção, logo, tem de continuar do jeito que esta. Entendo suas reclamações, mas como falei anteriormente, há de se tomar uma decisão. A sua decisão foi reclamar e abandonar o barco. Essa opção, ao meu ver, deveria ter sido tomada antes mesmo de ingressar como professor estadual. Uma vez que é sabido todas as mazelas. Podemos resumir então que abandonou o barco. Antes de embarcar, já sabia que ele afundaria. Sua decisão deveria ter sido entre não entrar nele ou fazer de TUDO para consertá-lo. Sair dele antes de afundar não deveria ser uma opção para professores.

    • Nádia Postado em 10/Sep/2013 às 23:17

      Gabriel, alguém te sustenta p vc ser tão idealista.. O professor não é um Cristo, não fez voto de sacerdócio. Os alunos precisam ver neles um profissional reconhecido, até para respeitá-los. Não se deve esconder a humanidade dos professores. Eles tem necessidades várias. O colega foi transparente com seus alunos. Estou certa que ensinou-lhes, pela última vez.

    • João Postado em 25/Sep/2013 às 13:06

      Você está redondamente enganado. Eu entrei na educação e não fazia ideia de como estava. Muito esforço tem sido feito e o Estado a muito tempo nos vira as costas. Insistir nesta profissão só leva a um resultado, adoecer. Eu estou com medo de que isto aconteça comigo. Já trabalhei em outros setores e nada chega perto do que se passa na educação. Pode acreditar. Estou contando os dias para deixar a educação.

    • Elias Postado em 26/Sep/2013 às 16:35

      Sr. Gabriel, o senhor não entedeu nada!!! Quando se fica em uma Faculdade 4 anos, se imagina mil coisas, obviamente que sabemos das dificuldades também. No entanto, ainda somos jovens quando ingressamos na carreira, vamos por amor, por vontade... Mas o tempo passa, nos casamos, assumimos responsabilidades... Não dá mais para pagar para dar aulas... amor não enche a barriga dos nossos filhos... O Senhor sabia que o líquido não chega nem aos R$1.000,00? O Senhor sabia que não temos direito à vale transporte, nem alimentação? Na minha cidade, eu pago R$ 320,00 para a Van nos levar à escola... Sabia que fico com fome? Se for comprar um lanche fica complicado. não é mesmo? Eles nos nomeiam para distritos que não tem transporte e temos que nos virar, senão corta dia... E nosso trabalho não termina na sala não! Passamos sábado, feriado, domingo corrigindo trabalhos, elaborando avaliações, corrigindo-as, preenchendo diários, elaborando projetos... Isso tudo vem ao longo do tempo... Quem abandonou o Barco foi o governo e a população...

    • Olivo Baldo Postado em 07/Nov/2013 às 10:42

      Gabriel, integra alguma pedagogia escravista? Há um timaço desse tipo, com pregações conformistas. "Se gosta de ensinar, `ama ensinar´, salário não é problema" esse argumento solértico, nefasto, há séculos infesta a discussão da boa justiça social. Vergonhoso apelar para ele.

    • MARADONA Postado em 05/Dec/2013 às 15:21

      Gabriel, o professor citado não nasceu dentro de uma escola e nem foi plantado nela, tem o livre direito de sair ou voltar a hora que bem entender... não é questão de abandonar barco nenhum, e ele tbem não tem bola de cristal pra prever o futuro, no caso de quando ele entrou na carreira em saber se o salario e as condiçoes de trabalho iriam melhorar ou não. E tbem vc acha o professor iria mudar todo o sistema educacional de seu Estado como se concertasse uma cadeira ou um outro objeto qualquer? Claro q não...Ele é um simples funcionário do Governo, a escola não é dele, ele antes de mais nada tem que cumprir as regras de seu patrão. Então concordo com o professor aí citado, se ele tem outra coisa pra fazer e nao quer mais dar aulas tem todo o direito pra isso.

    • Glaydston Felipe Postado em 17/Dec/2013 às 08:55

      utópica e ridícula sua postura. Infelizmente o amor pela profissão não sustenta nossos filhos. Conheça a realidade dentro de uma escola antes de dizer que "o professor deveria pensar antes de decidir por sua profissão". É por causa de pessoas com o pensamento conformista como o seu que nosso país está como está. Também desisti de ser professor de rede estadual de Minas Gerais, e hoje me realizo profissionalmente (e financeiramente) em uma escola particular, trabalhando a metade e ganhando o dobro. Ponto.

    • Alinne Postado em 18/Dec/2013 às 15:37

      Isso, Gabriel, só se estivéssemos em um conto de fadas, onde no final tudo dá certo e todos saem felizes, os governantes entendem que precisam respeitar os professores de dar condições dignas e assim o fazem. Mas não é essa a realidade. Não é interesse do Brasil que a rede pública de ensino funcione de verdade. Um professor é, acima de tudo, um ser humano, que tem o direito de ser feliz, de tomar decisões em prol de sua felicidade. Você não vê nenhum engenheiro fazendo projetos e construções onde retirem do orçamento o valor de seu próprio sustento, para que as pessoas tenham condições de morar. Como você sabe, muitas pessoas não tem condições dignas de morar, mas ninguém acha que o engenheiro e o construtor civil devam trabalhar por amor. Por que o professor tem que se sacrificar por amor à causa? Tenho certeza que muitos dos professores que entraram na rede estadual de ensino, entraram porque acreditaram que as coisas ia melhorar, que haveria uma valorização e que poderiam fazer a diferença mesmo sem as condições necessárias. Mas não é assim que acontece. Eles acabam descobrindo que cada noite sem dormir, fazendo jornada dupla para se sustentar, reflete na sala de aula, sacrifica sua família, sua vida social e sua saúde. Toda pessoa precisa de um trabalho que o sustente, que dê dignidade. O professor é um trabalhador como todos os outros e merece essa dignidade, bem como tem o direito de escolher onde trabalhar.

    • José Ivaldo Postado em 19/Dec/2013 às 09:36

      Ao invés de sair eu buscaria fortalecer o Sindicato dos Professores ou até mesmo mudar sua diretoria, caso seja pelego como muitos outros sindicatos pelo país. Envolver as comunidades com esses temas é importante para formar opinião e não deixar que governadores como esse se elegerem novamente. O professor é acima de tudo um formador de opinião. Não desistiria do barco antes de tornar a minha sala de aula um espaço de aprendizagem, mas também de visão crítica dos sistemas de opressão que precisam ser superados.

    • Victória Postado em 31/Dec/2013 às 22:04

      Como você disse, as pessoas que não desistem não tem a opção de mudar. Ele mudou porque, provavelmente antes de entrar, tinha noção da situação, mas não da dificuldade que é sobreviver com o ridículo salário que nossos governantes pagam aos profissionais da educação. E porque sair do barco antes de afundar não deveria ser opção para os professores, se TODA A SOCIEDADE NÃO AJUDA PARA QUE ELE NÃO AFUNDE? Esses profissionais não são "trabalham por amor", como os governantes falam (nobremente, enquanto ganham 26 mil por mês). A educação não é um sacerdócio, é uma profissão. Se ele é qualificado para arranjar um emprego, deve sair mesmo - e se você acha isso ruim, vire professor, faça seu trabalho bem e ganhe o piso nacional, de pouco mais de mil reais, que não dá de longe para pagar aluguel, transporte, plano de saúde e alimentação para uma família, e continue lá. Até porque, ele ao menos tentou mudar a situação (e mudou, levando-se em conta a reação dos alunos a sua saída), ao contrário do resto de todo o Brasil, que abandonou a educação há muito tempo e não mostra a mínima solidariedade, tanto para professores quanto para alunos, pela situação onde estão. Dizem que mostram, mas onde estão nossas passeatas pela educação? Onde está o desgaste político quando os professores entram em greve, se valorizamos tanto esses profissionais? Se a sociedade valorizasse mesmo os professores, esses ganhariam ao menos a média salarial da população com ensino superior, que é mais de 5 mil reais. E isso ainda é pouco perto do que geram, pois um bom professor gera, por aluno que ensina, 90 mil reais a mais ao longo da vida (http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2012/01/aluno-com-bons-professores-ganha-mais-no-mercado-de-trabalho-no-futuro.html). Em uma sala de aula de trinta alunos, número baixo para os das escolas públicas atuais, isso significa milhões de reais. Para sermos um país desenvolvido em algumas décadas, o professor deveria ser um dos profissionais mais bem pagos da nossa sociedade, como ocorre na Coréia do Sul e Finlândia, melhores exemplos internacionais em educação, mas ao invés disso, é tratado como lixo aqui no Brasil. E ainda reclamam, quando veem que continuamos no subdesenvolvimento. Mas como incluir as pessoas, acabar com a desigualdade social e incentivar a cidadania se 10% da nossa população não sabe ler, e mais da metade não tem nem o ensino fundamental? É claro, existem pessoas que tem sucesso sem receber educação formal. Nosso ex-presidente, Lula, foi uma delas; Mas ele era político talentoso, tinha uma grande aptidão na sua área. E quem não tem nenhum talento específico, tem que se contentar em passar a vida inteira na pobreza, sem mobilidade social, enquanto pessoas que também não são tem, mas que tiveram a sorte de ter pais ricos, vão continuar ricos?

    • Nana Postado em 22/Feb/2014 às 19:11

      Fazer de TUDO para consertar o que? O ensino de faz de conta? Somente temos certeza que o barco afundará depois de embarcarmos. Que TUDO é esse que podemos fazer se professores pensam que podemos viver do amor à profissão? Desde quando idealismo e amor pagam dívidas? O professor teve bom senso e não insistiu nele. Seus argumentos são contraditórios. Você deve ser "bem casado" , deve ter uma família de posses ou então simplesmente deve viver com a cabeça nas nuvens , acumulando 60 aulas semanais e sem tempo nem para sonhar com outra condição de vida. Deve ser um alienado. Desculpe-me, mas não dá para pensar de outra maneira.

    • Fernanda Postado em 23/Apr/2014 às 12:13

      Eu acredito que você nunca tenha entrado numa sala da aula do estado para dizer tamanha baboseira. O dinheiro é só parte do problema, se deparar com uma realidade tão complicada como a de uma escola estadual faz qualquer um desistir pelo simples fato de não HAVER MEIOS de "consertar o barco", como foi dito pelo Sr. A educação do Brasil tem o mesmo problema que o seu comentário: gente idiota sem instrução dando palpite.

  13. Laíne Wagner Postado em 26/Apr/2013 às 18:59

    Sou também uma ex-professora do Estado do Rio Grande do Sul. Pedi exoneração no dia 16 de abril de 2013. Não me arrependo, mas, incrivelmente sinto o mesmo sentimento: de impotência e de revolta, por uma propaganda de uma educação que não é levada a sério. Tarso Genro assina, mas não paga o piso. Lamentável.

    • Valdete Postado em 21/Feb/2014 às 13:02

      Meu Deus, também sou professora, amo o que faço, mas não está sendo nada fácil, ainda mais que tenho 25 horas de contrato,e a exigência de trabalharmos com se tivéssemos 40 horas!!! Minha escola está cheia de professores com a doença do século "depressão, fibromialgia..."Estou tão desolada, triste, desacreditada, que me dá medo!!!

  14. Roberto Postado em 26/Apr/2013 às 20:03

    Enquanto isso o Governo de MG anunciando na rádio em BH que a Educação em Minas é a melhor do Brasil.

    • Luana Postado em 11/Sep/2013 às 13:59

      Mais é, só que com professores que ganham muito pouco, e mesmo assim eles fazem um bom trabalho mostrando resultados.

    • Alinne Postado em 18/Dec/2013 às 15:38

      Mentira? O Governo de GO fala a mesma coisa!

  15. João Aragão Postado em 26/Apr/2013 às 20:05

    MUITO LEGAL.......PESSOAS FALANDO EM UM IDEAL,EM LUTAR PELO ENSINO MESMO GANHANDO POUCO,CRITICANDO PROFESSORES QUE TENTAM FAZER O IMPOSSÍVEL PARA PAGAR SUAS CONTAS,QUESTIONANDO POR QUÊ FOI SER PROFESSOR,MAS NÃO MEXE UMA PALHA PARA DEFENDER ESSE VERDADEIROS GUERREIROS QUE TENTAM INSTRUIR SEUS FILHOS (Os filhos de políticos estão em escolas caríssimas e sofisticadas ),SÓ TENHO UMA COISA A DIZER : QUANDO UM UNIVERSITÁRIO SE FORMA E TEM QUE ENTRAR NO MERCADO DE TRABALHO ELE SE AGARRA EM UM IDEAL QUE SE DESMORONA COM O PASSAR DOS ANOS.PROFESSOR TEM QUE VIVER E NÃO SOBREVIVER.

    • Gabriela Postado em 11/Apr/2014 às 12:58

      Concordo plenamente com vc João Aragão. Sou professora da rede municipal e ganho R$ 900,00. Já fui professora do estado de Minas Gerais e vivia de contrato picado. Que país é esse que os concursados estão desempregados? Não dá para sobreviver desse jeito. Realmente é uma tristeza!

  16. Julio César Lourenço Postado em 26/Apr/2013 às 21:20

    Eu sou professor e não tiro a razão do colega, eu mesmo faço outra graduação e quando terminá-la, muito provavelmente seguei outro rumo para minha vida, infelizmente esta é a realidade da educação no país, salários ridículos, jornada de trabalho absurda, condições de trabalho deplorável, humilhações contantes tanto de alunos quanto das secretarias de educação, em breve não existirá mais professor no Brasil.

  17. André Postado em 26/Apr/2013 às 21:41

    E ainda exigem formação de nível superior, para ser professor dessas sucatas. É revoltante. Mas para o governo ,quanto mais analfabetos funcionais melhor. "Ignorância é poder" já disse George Orwell , no livro 1984.

  18. alessandra Postado em 26/Apr/2013 às 22:52

    A educacao nao vai mudar enquanto o povo nao abrir os olhos para ver que e escravo do sistema professores desmotivados eganhando mal e sendo desrespeitados o resultado cidadaos que nao tem senso critico e aceita tudo que o governo manda quanto mais burros melhor para votar em pessoas que nem ao menos estudaram e so pensam no salario que alias dava pra pagar mais que um professor

  19. Junior Postado em 26/Apr/2013 às 22:55

    Sério, ri todo o texto... AIN MIMIMI NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS MIMI! Como se fosse só no seu querido estado! Imagino que a experiência possa ser replicada, hoje, em todos os 27 entes federativos brasileiros. É fato que nossa profissão é desmerecida e desvalorizada. Infelizmente, é fato que continuará assim por um bom tempo.

    • Rodolfo Postado em 18/Dec/2013 às 11:49

      Tenha ao menos um pouco de respeito pelo rapaz. "Mimimi" é você vir aqui falar mal do cara, por fazer algo que você não teve coragem de fazer. Ninguém o obrigou a ler o texto. Tenha mais respeito, só isso.

      • Victor Postado em 11/Jan/2014 às 00:07

        Falou e disse, deve ser mais um professor que é apenas mais um professor. Este professor mineiro disse a realidade de todos os estados, de todos os professores. Infelizmente, a nossa classe é uma classe desunida. E ainda com pessoas que não sabem respeitar a dor do próximo, torna-se cada vez mais complicado. Ele se refere a Minas, pois é o Estado que ele leciona (inteligente), não sabe ler??? Ele coloca o Estado dele como referência, mas para cada professor que ler isso sabe que pode associar com seu local de trabalho, só falou algo inteligente, pelo menos isso, nossa profissão é desvalorizada mesmo. Enquanto nós professores, não nos unirmos em prol de algo melhor e irmos até o final. Independente se sou professor da rede estadual, da prefeitura, do cursinho, da faculdade, universidade da rede particular. Independente do órgão que trabalhamos. Somos todos PROFESSORES! Não somos?!

    • Mateus Postado em 05/Aug/2014 às 23:52

      Será que você tem peito para assumir uma profissão menosprezada e mal remunerada? Ou então vontade de ir para as ruas tentar melhorar a sua realidade e a de seu país? Você deve ser o típico brasileiro paspalho, de olhar 'bovino', que vê tudo mas de nada entende. É muito mais fácil debochar da situação e fingir que está tudo bem, a maioria faz isso, mas brigar por reformas demanda coragem e comprometimento - qualidades que você provavelmente não tem.

  20. Kátia Postado em 26/Apr/2013 às 23:06

    O mais revoltante é que isso está acontecendo em todos os estados. Aqui no RS, o nosso governador, Tarso Genro (PT, mesmo partido da nossa presidenta), em campanha eleitoral prometeu aumento do piso salarial, elegeu-se assinou, porém não paga o que é de direito desses profissionais q são mola mestre para qualquer outro profissional. Nós, ficamos apenas a contemplar o naufrágio da educação brasileira.

  21. Leandro Peixoto Postado em 26/Apr/2013 às 23:26

    Sou professor da Rede Estadual de pernambuco. Aqui a coisa tá muito ruim. O Governador eduardo Campos, que quer ser presidente do Brasil, é muito bom de mídia e engana a população. Estamos recebendo um dos piores salários do Brasil e a política de premiar escolas que atingem metas está fazendo com que muitos professores aprovem até defuntos. Myuitas escolas estão em situação precária, a merenda está com uma qualidade péssima e até agora não chegaram as bolsas, cadernos, materiais escolares e camisas dos alunos. Ele está investindo na infra-estrutura para a Copa e esquecendo a saúde, educação e também abandonou as rodovias estaduias. Cuidado com esse cara.

    • Olivo Baldo Postado em 07/Nov/2013 às 10:57

      Num conselho de classe final-de-ano, recusei aprovar aluna sumida da escola há três meses. Ela poderia estar morta, e, todos sermos chacoteados. A coordenadora me forçava, me chamava de nazista. A coisa ficou emperrada. Enfim, a secretária foi consultar os papéis.... A dista aluna havia pedido transferência há três meses. COORDENADORAS são uma lástima: abandonam princípios da Educação, conhecimentos milenares, para implantar a política transitória do governante de plantão. Ou então da nova teoria do maluco beleza do momento.

  22. Patricia B. Postado em 26/Apr/2013 às 23:46

    É revoltante ver pessoas falando que a atitude do colega foi errada, que ele já sabia que a vida de professor não é fácil e blá blá blá... É correto abdicarmos de nossa vida e ficarmos sofrendo indefinidamente por um ideal que não vai acontecer? Enquanto batalhamos, tendo os menores salários de nível superior do país e uma das profissões mais difíceis, um deputado ganha em umas horas o que ganhamos em um mês. Cada vez mais estamos sujeitos a piores condições de trabalho e faço minha as palavras do João Aragão (acima). Quando a gente sai da universidade o ideal é lindo, mas ele morre fácil depois que vemos a realidade da educação brasileira pública. Existem municípios aqui no Maranhão em que professor (com curso superior) ganha um salário mínimo. Engraçado, ninguem fala de ideal para o médico que nem olha na cara do paciente, nem para os deputados, senadores, vereadores que nada fazem de válido para a população!

  23. marie Postado em 27/Apr/2013 às 08:26

    Eu também exonerei meu cargo em São Paulo.... estava com tantas aulas pra pode me sustentar que cheguei ao ponto de levar um edredom e dormir no carro posto que eu saia as 23 horas e entrava no dia seguinte as sete da manhã. Por falta de gasolina pra ficar indo até em casa decidi dormir no carro e foi assim que fiz porem percebi que estava me maltratando demais e exonerei o cargo pelo qual lutei tanto pra entrar. Só para fazer o exame médico eu perdi um dia inteiro numa fila na rua embaixo de chuva sem nenhuma assistência ( eu e mais um monte de professores inclusive do interior de são paulo. Bem sinto muito , se o governo quer bons profissionais , que pague por eles.

  24. Maria do Carmo Postado em 27/Apr/2013 às 10:16

    Infelizmente, abandonei a Rede Estadual de Educação (dois cargos: PIII e PV) em 2005. Gosto muitíssimo de ser professor, mas...Preciso pelo menos sobreviver...Foi a decisão mais acertada que tomei.

  25. Rafael Araujo Postado em 27/Apr/2013 às 10:27

    Isso é cena de criança que assiste muita televisão e aprende a fazer drama. Uma começa a chorar e logo a sala toda se comove. Daqui uma semana eles não vão nem lembrar o nome do professor!

    • Mauro Postado em 31/Oct/2013 às 09:32

      ETA, SEU TROUXA E BABACA

    • FuturoProfessor Postado em 05/Jul/2014 às 14:00

      Eu tenho 33 anos, estou terminando licenciatura plena e, lembro do nome dos professores que mais gostava. Sim, eu vou ser professor. Agora explique.

  26. Eliana Postado em 27/Apr/2013 às 10:46

    Eu fiz o mesmo no dia 12 de abril de 2013, dia em que saí do Colégio Tiradentes e tbm fui surpreendida com choro e uma despedida como nunca imaginei que teria... saí praticamente pelo mesmo motivo: Não posso aceitar que para ter um salário menos indecente tenha que me submeter a trabalhar em dois ou três turnos... sem condições necessárias para ser uma professora como estou acostumada a ser: que se planeja, se atualiza e tenta fazer sempre o melhor por seus alunos. Continuo como professora da rede municipal de BH.. q também está cada vez mais sucateada... a greve é iminente...

  27. Eu Mesmo Postado em 27/Apr/2013 às 11:24

    Todo mundo quer salário. É justo. Mas aumentar o salário não necessariamente melhora o ensino. Tente negociar com um sindicato de professores e falar sobre meritocracia, avaliação de desempenho, diferenciação, etc... Tente falar sobre retirar coisas arcaicas como licença prêmio, faltas abonadas, etc... A reforma do ensino passa pela reforma do funcionalismo público que é caro por ser ineficiente.

    • Correia Postado em 02/Dec/2013 às 16:13

      Típico argumento de direitista disfarçado...Some daqui com esse papinho de "Estado Minimo"! Meritocracia já temos em SP, e o modo como ela é aplicada é um lixo (só poderia ser)! Se eu falar aqui das "correções" de provas dissertativas meritocráticas...nossa, dá pano pra manga! Licença prêmio é o que ainda nos resta (e se ficar doente pode ter certeza que perde o direito). Já sobre as abonadas, eu nem deveria comentar, mas lá vai: temos direito a elas, pois o governo nos paga por 30 dias trabalhados. Os meses em que temos 31 dias, o último dia não é remunerado, tornando-se em uma abonada. (Acha ruim? Trabalhe de graça pra você ver!). O cara vem comentar aqui e nem conhece as leis que regem nossa profissão. Que carniça!

    • Lisiane Postado em 19/Dec/2013 às 00:15

      Preciso discordar de vc... a valorização salarial de qualquer profissional melhora sim deu desempenho. Engraçado que nesse país só o salário e a ética do professor é questionada. Todos os quesitos citados "avaliação de desempenho, diferenciação, meritocracia" são citados apenas na educação. Para seu conhecimento cada falta do professor precisa ser recuperada pois existe a carga horária do aluno, portanto, professores não "tem" nem o direito a ficarem doentes. Tente entrar numa sala de aula, quente, com cadeiras e classes caindo aos pedaços, livros didáticos defasados, quadro negro e giz, com 30, 40 adolescentes e tentar lecionar e ainda por cima ter seu profissionalismo e sua competência questionada por algum burocrata. A reforma do ensino no Brasil passa por muitas questões sim, mas infelizmente não é através dos valores neoliberais do capitalismo que faremos uma educação de qualidade para todos.

  28. Priscila Postado em 27/Apr/2013 às 12:22

    Revoltante ver comentários de pessoas contra a atitude do professor. Se você trabalha numa empresa que lhe paga mal, não lhe respeita, você fica até o fim de sua vida por lá?

  29. José Eduardo Cagnin Postado em 27/Apr/2013 às 12:30

    Sou professor em Araraquara - SP, infelizmente as pessoas criticam a desistência do professor porque não tem a dimensão e a gravidade da educação atualmente. Eles sabem que a educação vai mal e acha que os professores podem consertar os problemas. Esses críticos não estão nas escolas pra conferir a profundidade do poço que a escola pública se encontra. Os governos por sua vez só maquiam com propagandas os buracos educacionais e o sucateamento escolar. Desistir é algo humano, continuar nesse sistema escolar sofrendo demasiadamente seja por dinheiro ou indisciplina estudantil é masoquista! Quem quiser lecionando mando meus votos de força, garra e serenidade! Quem quiser desisti,r eu apoio também e seja feliz no próximo passo de sua vida!

  30. Marcus Postado em 27/Apr/2013 às 12:35

    Professores são os verdadeiros heróis do Brasil.

    • eu daqui Postado em 10/Mar/2015 às 09:30

      Todo trabalhador com senso de legalidade e moralidade é herói de toda a civilização. Não me venha agora querer criar mais uma casta de martires superiores. Coitadismo só fez aqui nesta m de nação foi aumentar as taxas de criminalidade.

  31. Sybila Postado em 27/Apr/2013 às 12:39

    Gabriel...Sou professora da rede municipal de ensino na minha cidade e estou prestes a sair desta profissão após concluir meu segundo curso superior e minha pós graduação em outra área. Muito bonito seu discurso, realmente há lógica nele mas não me sustento com discursos e muito menos "acreditando no meu empenho para a educação brasileira melhorar", isso não paga as contas e não auxilia a alavancar minha qualidade de vida (deixar de depender de ônibus, ter um trabalho com horário mais flexível, ter duas turmas diferentes em duas escolas diferentes é bem cansativo e estressante devido à quantidade de tarefas a realizar). O que seria fazer de "tudo"? Passar a comer papel? Pagar as contas com lascas de lápis? TEMOS e DEVEMOS procurar o que é melhor para si. Continuar num barco como esse só pode trazer ainda mais stress, cansaço, desânimo e consequentemente aulas com qualidade inferior. Aí, depois perguntam o motivo de tantos professores desanimados, estressados e afastados do seu trabalho. Muito fácil falar quando não se está vivenciando algo na pele...

  32. Claudete Postado em 27/Apr/2013 às 12:44

    Eu já desisti há muito tempo.

  33. Huilquer Postado em 27/Apr/2013 às 13:04

    Em 2010 fui aprovado no doutorado, como sabia antecipadamente que conseguiria bolsa, solicitei gentilmente meu pedido de afastamento junto ao Núcleo de Educação e SEED do Estado do Paraná. Escrevi no processo, que gostaria de licença para aperfeiçoamento que é perfeitamente cabível de acordo com a legislação do Servidor público do Estado do Paraná. Na presente ocasião, solicitei licença sem vencimentos, ou seja, faria o doutorado por dois anos e voltaria para a sala de aula sem custos ao Estado. Por duas situações tive meu pedido negado sem explicações. Por telefone, fui informado que “(...) não é política do Estado conceder este benefício”. Resultado: pedi minha exoneração. Por vezes sinto falta das aulas e das batalhas diárias no ensino, mas tenho certeza, não precisava ser assim.

  34. Paulo Luiz Postado em 27/Apr/2013 às 13:05

    E deitado eternamente em berço esplêndido o povo brasileiro continua! Entre as lágrimas e a loucura que é sobreviver (diferente de viver) um dia de cada vez na realidade brasileira,vou elaborar ainda um trabalho acadêmico sobre a sociedade do "faz de conta". O país que a mídia mostra é diferente do que você vive!

  35. Luiz Costa Postado em 27/Apr/2013 às 13:08

    Sou professor da rede pública do Rio de janeiro e entendo bem os motivos dos que desistem. Parece que os governantes até torcem para que isso ocorra, afinal, um professor da rede, como servidor público não tem indenização para pleitear. É como um ex escravo que tem que re construir sua vida laboral como se não tivesse feito nada pelo país.A longo prazo como vai ser isso? Tempo, experiência vãoi deixar de ser importante em nossa prática de aprender e ensinar?

  36. silvia Postado em 27/Apr/2013 às 13:24

    O governador do Ceara disse q professor tinha q dar aula por amor e nao por salario....quem quisesse ganhar bem q fosse para as escolas particulares (como se elas pagassem bem)...pq os politicos nao governam por amor e desitem de seus salarios????? aumentar o salario nao vai fazer com q a educação seja melhor, mas salario digno fara com q as pessoas nao desistam de ser professores. alem dos baixos salarios temos a violencia dentro das escolas...os grupos gestores ditadores....a falta de apoio dos pais q jogam seus filhos dentro da escola para q o professor "eduque"...nao é facil....só quem vie essa realidade pode falar.

  37. silvana dias coelho Postado em 27/Apr/2013 às 13:26

    No meu caso,mais que a má remuneração,as condições desumanas a que somos submetidos-professores e alunos-cotidianamente,vêm me desanimando.E sabemos todos que essa é uma condição muito comum em todo o país!Também trago na memória a frase de alunos que deixei e me incentivou até agora:é sempre assim.Professores que nos valorizam,nos deixam por falta de condições de trabalho!

  38. Gustavo Marichal Postado em 27/Apr/2013 às 14:20

    Já passei por isso uma vez ao abandonar a rede pública de Sorocaba. Era meu projeto pessoal sair da faculdade e devolver à sociedade em forma de trabalho o custo que a sociedade teve em minha formação. Fiquei anos trabalhando na Fundação Casa imaginando que estava sendo útil e, por alguns anos, eu realmente achei que estava fazendo a diferença, até que percebi que o retorno à sociedade estava sendo feito às custas de meu sacrifício financeiro. Ensinar na rede pública significa: 1- ter propagandas do governo estadual (não importa qual) dizendo que está fazendo "de tudo" para garantir o futuro das crianças, enquanto que a realidade é de total abandono; 2- passar pela humilhação de ter a competência questionada, já que em SP uma determinada categoria tem que, ao final de cada ano, fazer uma prova classificatória de conteúdos. A ideia era que professores reprovados não entrassem em sala de aula no ano seguinte, mas a ideia é tão fracassada que professores que sequer fizeram tal prova conseguem aulas (como ninguém mais quer essas aulas, quem estiver passando em frente a algumas Diretorias de Ensino podem arriscar a sorte); 3- no caso de SP, ver que o aumento salarial da década passada foi transformado magicamente em bônus, e aquilo que é de direito dos professores passou a ser suscetível a cálculos diretamente ligados ao desempenho do aluno. Ocorre que, no fiel da balança, o baixo rendimento dos alunos e a posterior baixa premiação indicam a burocratização da (total) culpa dos professores, já que o bônus é reduzido proporcionalmente. 3.1- Não vou entrar no mérito dos professores que foram dispensados da rede pública no final do ano para que não houvesse a criação de vínculo empregatício, o que sobrecarregaria o orçamento do governo para o ano seguinte; 3.2- Oras, não há caso semelhante em qualquer outro cargo da esfera pública: deputados são remunerados segundo a qualidade de seus projetos? Médicos são remunerados segundo a qualidade de vida de seus pacientes? Nenhuma profissão é obrigada a fazer planejamentos para daqui a 10 ou 12 anos. Economistas, analistas e consultores, quando abordados para elaborarem projetos a médio ou longo prazo, não cobram um baixo valor pelo serviço prestado. Contudo, reside nos ombros dos professores a cobrança "por um Brasil melhor", embora cada professor se sinta uma ilha, pois não tem apoio das Diretorias de Ensino, do poder público, da sociedade em geral. Muita gente opina sobre a educação, embora poucas pessoas tenham base para isso. Pior: a falta de apoio faz com que cada vez mais os professores simplesmente abandonem os alunos à própria sorte. Aprende quem quer, já que com a progressão continuada eles estão aprovados.. A escola é importante demais para estar sujeita às vontades políticas que mudam a cada quatro anos. A escola é importante demais para estar sujeita ao abandono. A escola é importante demais para ser abandonada pelos bons professores e dominada pelos alunos que querem tudo, menos as aulas. A escola é importante demais, mas infelizmente o público atendido já não enxerga a importância dela, pois "a família" (outro conceito cujo debate não cabe aqui) perdeu o controle sobre seus filhos. Sociedade que entende a importância da educação não deveria aceitar que professores formados pela USP, UniCamp, Unesp, Ufscar e demais públicas desistam de lecionar da escola pública. Por favor, leitores, nada contra as particulares, mas o debate "particulares x públicas" não é o foco desta postagem. A questão é que muitos profissionais reconhecidos pelo mercado, em um primeiro momento, pensam em fazer sua carreira junto às escolas estaduais e municipais. Depois, com as contas para pagar, acabam migrando para o setor privado ou abandonando anos de estudos e mudando de carreira. Aumentar os salários não resolve todos os problemas ligados à educação, mas ajuda a diminuir o problema ligado à rotação de professores, além de servir para atrair de volta aqueles professores que se viram obrigados a abandonar o Estado. Prof. Gustavo Marichal Formado pela USP, atualmente (e ainda) professor da rede particular.

    • Israel Postado em 03/Oct/2013 às 23:03

      O mais triste é abrir a revista nova escola e ainda ler que a culpa é dos docentes que não sabem se reposicionar na nova realidade e ainda ler artigos como esses de pessoas que na maioria dos casos só fizeram pesquisas ou foram professores universitários mas nunca lecionaram na escola pública.

  39. Vanessa Postado em 27/Apr/2013 às 14:27

    Esse Gabriel, que comentou dia 26 de abril, é um tonto! Queria ver o que ele faria com um salário desses. Como ele tem coragem de dizer que alguém deve permanecer em um "barco" no qual ele sequer quer entrar?! Tonto, hipócrita... não deveria nem ler essa carta. Brasileiro de m... Uma pessoa dessa pra mim nem é gente.

  40. Roberto Postado em 27/Apr/2013 às 14:34

    Tem gente falando do salário do Garçom no congresso!!! Vocês acham que o Garçom leva 14 mil pra casa (no sentido figurado) todo mês? Isso são notas frias pra tentar encobrir desvio de dinheiro público!!

  41. Lucélia Lima Postado em 27/Apr/2013 às 16:49

    Se todos os professores agissem assim a nossa situação seria diferente! Quero ver as crianças deixarem de chorar se não houver NINGUÉM para substituir o professor (neste caso o Juvenal)? O respeito e o reconhecimento precisa dar lugar ao descaso com que somos tratados!

  42. Marcio Postado em 27/Apr/2013 às 16:50

    Vergonha alheia de quem vem aqui menosprezar a atitude do professor. Mas, no final das contas, é de se esperar. As agências de publicidade governamental, de qualquer estado e coloração partidária, não pagam apenas atores globais. Pagam também assessores para fazer este serviço sujo nas redes sociais.

  43. Ailton Postado em 27/Apr/2013 às 17:08

    Só que alunos são emocionais demais, ou seja, eles só bajulam os professores que dão bombons, chocolates... principalmente se forem do ensino fundamental. Quem está fora da sala de aula não faz ideia do que é suportar pessoas que não querem aprender, pois o aluno de escola pública, em sua maioria, é o único tipo de cliente que não quer ser atendido. Claro que tem que sair pra ganhar melhor, eu mesmo farei isso em breve e não apenas para ganhar mais, mas para ser respeitado, tratado como profissional. Mas está certo que só faz licenciatura no Brasil quem é, no português claro, pobre. Duvido muito que filhos de rico façam faculdade para serem professores de escola pública. Só fiz licenciatura porque na cidade em que eu morava só tinha Letras e Pedagogia, pois o governo sempre achou que podia dizer o que a pessoa deveria ser. Aí vem pessoas com papo furado dizendo que professor é que forma os outros profissionais. Reconhecimento para mim é dinheiro na conta e respeito pelo trabalho. Agora o aluno não pode mais ser reprovado e como fica o controle de sala? Quando entrei em 2006, uma professora veterana me disse que aluno não queria mais nada e que eu era louco de entrar numa dessas. Mas eu achei que poderia consertar o mundo. Estava enganado e agora vejo a burrada que fiz.

  44. Lara Freitas Postado em 27/Apr/2013 às 18:46

    O problema não é restito a Minas Gerais. Sou professora de artes do Estado do Rio de Janeiro e também não me sustento com o que ganho. Ainda assim compro material para trabalhar em sala de aula com meu dinheiro, pois a escola nunca tem nada, ou a direção se nega a fornecer,acreditem, me negaram folhas de papel sulfite, dizendo que o aluno que tem que levar. Aluno esse que muitas vezes tem na merenda sua principal refeição do dia. Se eu não tivesse outro emprego que paga minhas contas e me proporciona comprar o material que uso em sala, já teria largado a sala de aula a muito tempo. Só não sei até quando vou aguentar!

  45. Germano Postado em 27/Apr/2013 às 19:56

    Quem faz voto de pobreza são algumas e poucas ordens religiosas. A vergonhosa escolha do elenco dos políticos que nos representam, tanto no Executivo como no Legislativo, é o produto nefasto de um povo sem Educação. Estes políticos são os principais interessados na manutenção do status que. Precisam se reeleger. A propósito, tenho acompanhado este fenômeno por dezenas de anos: dificilmente um professor tem se elegido para um cargo público.

  46. Okasan Postado em 27/Apr/2013 às 20:22

    Quem diz que professor que desiste não está trabalhando por amor... que tem que abraçar a causa da educação. Por que você não vai trabalhar para ganhar o que a gente ganha, com a responsabilidade que você tem e correndo para corrigir provas, trabalhos, pagar suas contas e ainda tentar fazer um trabalho decente? Tente você fazer isso ao invés de criticar a posição do professor que preferiu ter como se manter e manter sua casa ao invés de fazer voto de pobreza pela causa da educação.

  47. Alcione Postado em 27/Apr/2013 às 20:56

    “No meio do caminho TEM uma pedra, TEM uma pedra meio do caminho.” Essa enorme e gigantesca lápide que solidifica a consciência, que ampara a desumanidade e fomenta violência . EGOISMO, não se enxerga o que não lhe comove. Provavelmente o Gabriel não necessita utilizar-se dos serviços públicos, especialmente do Estado de Minas Gerais ( que sou supervisora de 14 salas, a única do turno) Absurdo!!! Mas sou professora em outros dois turnos Gabriel, porque tenho que sobreviver. Ou seja , trabalho pela manhã, tarde e a noite. Ah, Sim ...somos náufragos numa tempestade . Professores.. só nós sabemos ...só nós. E por que permanecemos ? Cada um tem sua história, que não vem ao caso partilhar...

  48. joao a. ramos Postado em 27/Apr/2013 às 21:33

    Realmente lastimável... Até quando isso vai ocorrer pelo baixos salários que pagam aos nossos professores. Eu também abandonei o magistério em 11 de abril de 2012, devido ao baixo salário. Hoje trabalho na Justiça do Trabalho ganhando o dobro do que ganhava

  49. Vyctória Postado em 27/Apr/2013 às 21:36

    R.I.P educação

  50. Malena Postado em 27/Apr/2013 às 21:58

    Por favor, amigos professores, não podemos "abandonar" o barco, somos a classe intelectual do país, se abandonarmos o leme, o país naufraga!!!!

  51. rosa rodrigues Postado em 27/Apr/2013 às 22:11

    AMIGA VANESSA.ESTOU CONTIGO. QUANTO***** A ESTE gabriel ridículo que nem deve ser alfabetizado.Para falar do que nem lhe diz respeito pelo menos leia mais sobre o assunto cretino e NÃO continue puxando saco deste seu partidinho de merda . Vais ver o chute no saco que vais levar, panaca!!NÓS EDUCADORES ESTUDAMOS E CONTINUAMOS ESTUDANDO SEMPRE PARA VER SE COLOCAMOS UM POUCO DE INFORMAÇÃO NA CABEÇA DE QUEM PENSA COMO VOCÊ QUE DEVE ESTAR DO AVESSO.QUIETINHO MEU CAMARADA.....SE INFORME MAIS QUANDO FOR ABORDAR UM ASSUNTO SÉRIO COMO A EDUCAÇÃO PÚBLICA MINEIRA.

  52. Grasiela Saraiva Postado em 27/Apr/2013 às 22:17

    è triste ler todos esses comentários, ver tantos professores esquecidos e abandonados pelo poder público. Na grande maioria ama o que faz ou o que fazia... Não sou professora, mas admiro a arte do ensino, passar o que vc aprendeu nao é uma tarefa fácil, mas é prazerosa, infelizmente sem valor para os governantes. Até porque não é e nunca foi de interesse do estado pessoas de raciocínio próprio. Um dia quem sabe vcs terão o valor merecido, respeito e hora o que todo professor merece. Lutem e nunca desistam, porque só os fortes sobrevivem.

  53. James Postado em 27/Apr/2013 às 23:00

    Nao critico a saida de professores de sala de aula! Até sempre damos nosso melhor, só que temos contas a pagar, familias entre outras coisas. No geral quem mais diz que devemos aguentar nao está na posição que estamos de assedio moral, falta de respeito, falta de reconhecimento... Enfim, de repente a melhor saida é mesmo todos terem o tratamento de choque: sem professor, sem educação e assim nao terá mais como o governo mentir!

  54. Mário Postado em 28/Apr/2013 às 01:45

    Os professores tem reclamado incessantemente dos baixos salários e agressões sofridas. Isso, incluindo o desrespeito as autoridades, é uma consequencia direta da doutrina marxista que estes passam aos alunos. A partir do momento em que professores pararem de doutrinar alunos no esquerdismo e oferecer a eles uma visão imparcial dos fatos e se concentrar no que é fundamental para o aprendizado real as coisas irão melhorar tanto para os professores quanto para os alunos. Chega dessa produção em massa de analfabetos funcionais promovida pelo governo

    • Abel Postado em 02/Dec/2013 às 16:50

      Doutrinamos no marxismo? A política educacional atual é tipicamente neoliberal meu caro! Viajou, hein! Está confundindo marxismo com anarquia. Contestar o poder não é errado, quando ele te oprime. Procure enxergar as razões.

  55. César Tavares Postado em 28/Apr/2013 às 06:55

    Tiago e demais, Não, não devemos desvalorizar profissional nenhum, esteja ele trabalhando no Congresso Nacional ou em quaisquer outro lugar! O que devemos é valorizá-los, sejamos , GARÇONS, ou outros profissionais quaisquer. Respeito todo e quaisquer comentário desde o mais alusivos a até o que tem menos mérito! Temos é que nos unir para acabar com essa ditadura civil, que foi implantada no pais que só indicação política partidária é que é valorizada. Falo como professor no Amazonas, estamos na mesma situação. E aqui as escolas municipais estão em situações mais vexatórias.

  56. Eguinard de Carvalho Portela Postado em 28/Apr/2013 às 08:09

    Não sou professor, nunca fui e não gostaria de ser, mas conheço a realidade do fracasso do ensino em todo nosso país, não é de hoje e acredito que até já foi pior. Li todos o depoimentos acima.É lamentável esta realidade, eu sou de Pernambuco, e conheci muitos municipíos que pagavam à professoras do primário, metade do salário mínimo. Aconselho aos bravos professores de todo nosso país fazer correr uma BAIXA ASSINADA, de mais de dez mil assinaturas de professores, citando em que Estado Ensina, e procurar um desses senadores ou Deputados Federais, requerendo o cumprimento do piso salarial e outras vantagens necessárias à categoria. e encaminha ao Congresso Nacional, e cada Estado escolher um dos seus represantes, no Senado preferencialmente, como Cristovão Buarque que sempre estar falando no Senado em defesa do ensino, E pára outros estados, aquele mais inclinado ao problema de ensino. Porque muitos podem desistirem da profissão e abrasarem outra atividade, porem muitos já não podem até por conta da idade ou outras circunstancias.LUTAR SEMPRE, DESISTIR NUNCA. Requererem tambem, repasse de mais verba nos orçamentos sugerindo até um percentual da receita, para repasse a educação, porque que parte desse dinheiro fica pelos corredores dos orgãos públicos. Por exemplo, esse percentual do petróleo do pre-sal que se contava com ele. E assim cada Estado tendo recebido essa baixa assinada, irá se envergonhar de não trazê-la a baila nas assembleias de sua casa politica, e serão vinte e sete representantes sendo um de cada Estado. Isto porque, no próximo ano de 2014 teremos eleições, ai virão eles mostrarem a cara e prometerem o que não fazem, aí se cobram os profissionais desta área do ensimo , saber o que fizera, eles, se nada fizeram, não votaremos neles, e se devulgará o fato para outros tambem não votarem e não cheguem eles ao poder. " Agua mole em pedra dura tanto bate até que fura", é o velho adagio popular. Esta minha contribuição para vocês herois, que lutam nos bastidores da área de ensino, quase no anonimato, para formarem homens e mulheres para um futuro melhor deste nosso país. Gigante pela própria natureza na extensão territorial mas infelizmente também gigante pelo descaso dos governantes.

  57. Eguinard de Carvalho Portela Postado em 28/Apr/2013 às 08:25

    CORRIGINDO: ....esse percentual do petróleo, do pre-sal que NÃO se contava com ele.

  58. Rose Mary Postado em 28/Apr/2013 às 09:49

    Na Bahia não é diferente! Triste realidade, triste Brasil!

  59. Carlos Sampaio Postado em 28/Apr/2013 às 10:19

    Sou professor universitário na área da saúde, fui durante 5 ano professor de nível técnico, cansado de ganhar pouco fiz uma pós-graduação e mestrado, hoje desfruto de um salário melhor. Ninguém desiste de ser professor, desiste de exercer esse dom para seu sustendo, espero que todos os professores desmotivados com seu salário, não desistam dessa nobre missão, busque outra atividade paralela para seu sustento e continue enchendo nossas crianças de sonho, sabedoria e conhecimento, isso sim não tem preço. Prof. Carlos Sampaio currículo eletrônico: http://lattes.cnpq.br/8085326639541972

  60. Kary Postado em 28/Apr/2013 às 10:49

    Também desisti... O que me fez desistir foi o péssimo salário, a falta de estrutura e a falta de comprometimento dos alunos da última escola por onde lecionei. Após concluir o mestrado na cidade de Curitiba (PR), assumi dois concursos e comecei a lecionar na rede pública e municipal de ensino. O salário do estado era péssimo e continua sendo até hoje (vale ressaltar que não recebi nenhum centavo a mais por ser mestre). Na rede municipal era bom, se comparado ao outro. Mas o que me deixava feliz era o bom nível dos alunos da escola estadual (essa escola específica tinha bons alunos, pois eram selecionados pelo histórico escolar, os professores das outras escolas estaduais reclamavam bastante), o comprometimento dos professores dessas duas escolas e o carinho dos alunos da escola municipal. Na época também lecionava em uma faculdade particular, mas acreditem, era muito mais gostoso trabalhar com as crianças e os adolescentes, apesar do salário ser bem melhor na faculdade. Acho que era uma das professoras de matemática mais felizes do mundo! Tudo começou a mudar quando me mudei para o interior do estado. O salário caiu drasticamente. Isso já seria um bom motivo para mudar de profissão... mas o que mais pesou foi o total desinteresse dos alunos das turmas do ensino médio. Enquanto na escola de Curitiba discutia com os alunos a respeito da declaração do imposto de renda, em Maringá tentava ensinar como resolver uma equação do primeiro grau (esse é o principal conteúdo da sexta série). Eu disse que tentava ensinar, mas ninguém queria apreender. E ainda ouvia dos outros professores que o melhor era me conformar, pois esta era a situação e não iria mudar. Para completar fui adoecendo... o médico achou melhor que eu me afastasse por algum tempo. O máximo que consegui foram 10 dias de afastamento. Nem licença sem vencimentos consegui, pois estava terminando o maldito estágio probatório de 3 anos. Só me restou uma única opção: desistir da escola. Hoje tenho certeza que foi a melhor opção. Hoje eu e meu marido estamos trabalhamos juntos e muito felizes. Ainda vou fazer outra faculdade, mas pra sala de aula, enquanto continuarmos com as condições de trabalho e os péssimos salários eu não volto nunca mais. Assim como os estudantes que ainda se tornarão professores, eu também achava que poderia mudar pelo menos a minha escola. Infelizmente não consegui. E decidi mudar de profissão quando comecei a pensar em primeiro lugar em mim e em minha família. Queridos, sejam felizes e que Deus vos abençoe!

  61. alicio Postado em 28/Apr/2013 às 10:53

    "O Maior Inimigo do Governo é um Povo Culto"- Jô Soares.

  62. Pedro Postado em 28/Apr/2013 às 11:36

    o mercado capitalista esta produzindo professores em massa através do EAD , ensino a distância e a edução trabalha com a oferta e procura. Logo muita mão de obra e de péssima qualidade já entrou no campo da educação e entrará , através da M da educação a distância. Como professores valeremos muito menos a cada dia enquanto houver esse sistema de ensino . E os próprios professores das universidades apoiam esse sistema de ensino porque são melhores remunerados no EAD. E ainda dizem nas Universidade que pensam em revolução e mundo melhor , fanfarrões , isso é o que muitos são. Exige o máximo do aluno regular e forma a distância e como não se bastassem dizem que a educação precisa melhorar.Pensem sobre isso

  63. Daniel Postado em 28/Apr/2013 às 12:20

    Em 2004, acometido por um tumor cerebral, fui obrigado a deixar a sala de aula . Procurei o sindicato dos Professores pra ver como ficaria minha situação (estou readaptado, fico na biblioteca) e a resposta que tive foi: "professor o senhor esta com a faca e o queijo na mão! arrume um bom advogado, aposente-se e vá criar galinhas!" A verdade é uma só: os sindicatos não pensam na educação, pensam nas gorjetas do governo.

  64. Marla Postado em 28/Apr/2013 às 12:49

    Na Bahia não é diferente. Nem sequer ganhamos o piso!!!! Uma vergonha. Ouvimos algo bom em assembléia de nosso "querido" governador ou de seus representantes e quando finda a mesma aparece uma nota oficial falando q o estado não tem condição de reajustar nem o percentual da inflação. Isso é um absurdo!! Os colegas persistem mesmo e lutam por uma melhor educação e remuneração....tivemos 115 dias de greve que não adiantou em nada. Eles inventaram um tal curso de aperfeiçoamento durante 3 meses e só quem fizesse este curso receberia 14% de reajuste. Detalhe: está uma confusão danada, pois nem todos receberam este reajuste e pra completar eles excluíram quem está no estágio probatório e os aposentados!! Até onde vamos!! Sinceramente estou do caminho da desistência! É difícil vc não ter dinheiro nem para fazer uma viagem para amenizar os estresses da profissão. É lamentável nossa situação colegas!!!

  65. Fernanda Postado em 28/Apr/2013 às 13:42

    É onde estão os pais destas crianças? Ninguém se mobilizou contra o governo ou os pais só se mobilizam pra reclamar da escola quando lhe reprovam os filhos? A POPULAÇÃO ELEGEU ANTONIO ANASTASIA AGORA ENTÃO QUE EXIJA DELE MELHORES SALÁRIOS PARA OS PROFESSORES DOS SEUS FILHOS! Onde tá a população???? Eu sempre digo... é preciso enxergar nas entrelinhas... QUE SOCIEDADE É ESSA??? NÃO me venham com essa de que o aluno só tem aquela merecnda na escola e blá ... MUITOS REJEITAM A MERENDA PORQUE NÃO SABEM SE ALIMENTAR. Foram acostumados a todas a sporcarias e na escola rejeitam frutas, legumes, verdiras. E nao bastasse isso, jogam no vaso sanitário para entupir tudo! faça-me o favor!!! CONCORDO COM O AILTON que publicou ontem. Na clasee pobre eles colocam coca cola na mamadeira da criança!!! É isso que uma criança se alimenta desde cedo e fica difícil depois para escola educá-los a comer o que é saudável! Muitas mães fazem seus bebês pararem de chorar pondo-lhes um pirulito pra chupar. Não é á toa que muito pobres tem formação dentária comprometida: já aos 3 amos muitos possuem cáries e são dentuços!! Se a escola orienta eles não querem saber de nada fazem o que querm e acabou! A DEMOCRACIA TEM UM PREÇO E JÁ ESTAMOS PAGANDO! Não se pode obrigara uma apessoa a se cuidar mesmo que seja para evitar que lhe comprometa a vida. PERDOEM-ME OS ERROS DE PORTUGUÊS. FUI!

  66. Fernanda Postado em 28/Apr/2013 às 13:45

    QUERO VER SE UMA BRAÇO NA ACSUA VAI GARANTIR SUSTENTO! PROFESSOR É MAIS RESPONSÁVEL DO QUE OS PAIS DOS SEUS ALUNOS ELE PRECISA DE UM EMPREGO DECENTE POIS TAB QUER FILHOS E CRIÁ-LOS COM DIGNIDADE DIFERENTES DAS FAMÍLIAS QUE SURGEM POR UM "ACIENTE NUM BAILE FUNK E QUE DEPOIS O PROFESSOR TERÁ QUE TER TODO O RES´PEITO POR AQUELA CRIANÇA! ELE TEM MAIS É QIU SAIR MESMO! PROCURAR ALGO MASI RENTÁVEL E RESPEITOSO!!!!

  67. Bruna Postado em 28/Apr/2013 às 13:54

    POR QUE NÃO FAZEMOS UMA CORRENTE VIA INTERNET PARA MOBILIZARMOS A POPULAÇÃO INTEIRA PARA MELHORAR OS SALÁRIOS DOS PROFESSORES? PORQUE NÃO BOICOTAMNOS AS ELEIÇÕES??? DEIXEMOS DE COMPARECER àS URNAS E JUSTIFIQUEMOS OS VOTOS ! É NOSSO DIREITO E ISSO NÃO É ILEGAL!! DEVEMOS ESTAS RESPOSTAS AOS PROFESSORES POIS ELES NOS FORMARAM E FORMA AINDA NOSSOS FILHOS! SÃO ELES QUE GARANTEM DIARIAMENTE A FORMAÇÃO NECESSÁRIA, O LETRAMENTO DE NOSSOS FILHOS, O DESENVOLVIMENTPO DAS HABILIDADES INTELECTUAIS TÃO NECESSÁRIA EM SOCIEDADE! SE É QUE ALGUÉM AQUI FALOU SÉRIO!!! VOCÊS TEM FILHOS???????? QUEREM OS MELHOR PRA ELES ENTÃO FAÇAMOS ALGUMA COISA!!! FICAR NO BLA BLÁ BLÁ NÃO VAIA DIANTAR NADA!!! SER SOLIDÁRIO NO LAMENTO POUCO ADIANTE TEM QUE SER SOLIDÁRIO NAS AÇÕES!!!!!!!!!!!!

  68. Bruna Postado em 28/Apr/2013 às 13:57

    Tá perguntando até aundo isso vai acontecer? ATÉ O MOMENTO QUE DEIXARMOS DE SER SOLIDÁRIOS NA LAMENTAÇÃO E PASSARMOS A SER SOLIDÁRIOS NAS AÇÕES. MOBILIZEMO-NOS!!! CHEGAR DE LAMURIAR VAMOS SABOTARS AS ELEIÇÕES!! APENAS JUSTIFIQUEMOS OS VOTOS, OU VOCêS ETÃO PENSANDO NAS BENÉFICIES QUE OS CANDIDATOS LHES PROMETERAM??? VENDERAM SEUS VOTOS???? FALEM SÉRIO E AJAM!!! MEXAM-SE!!!

  69. Bruna Postado em 28/Apr/2013 às 14:08

    PORQUE A AFINLÂNDIA DESTACA-SE NA EDUCAÇÃO????? O que faz o sucesso do sistema educativo finlandês - 1º em Ciências e 2º em Matemática no PISA - é o contexto cultural da sociedade finlandesa, finlandeses luteranos fazem a diferença. A cultura e a ética protestante assentam na responsabilidade individual e no cumprimento das obrigações e deveres. Diferente do que ocorre no Brasil. Estudar é um dever e uma obrigação na Finlândia. E os alunos finlandeses não desperdiçam o tempo na vadiagem como acontece com demasiada frequência no Brasil Os pais finlandeses respeitam os professores e não se colocam contra eles como acontece no Brasil!

  70. fabiano santos Postado em 28/Apr/2013 às 14:35

    Aqui em são paulo na baixada santista está um caos, aluno não respeita professor, os pais não respeita professor,direção também não respeita professor, a máquina está fusionando conforme o combinado, destruir o ensino público do país, favorecendo as redes privadas e os nossos ilustres governantes, consequentemente aumenta a violência.o estado se ausenta das responsabilidades o crime oferece segurança nas escolas, em troca pode vender suas drogas na porta da escola sem ser incomodado a policia é associada ao trafico, já fui roubado duas vezes com uma pistola no rosto em frente a escola no horário de saída dos alunos colocando minha vida em risco e a de meus alunos, essa é a minha realidade como professor isso é uma vergonha ate onde essa palhaçada vai.tenho vergonha deste país onde o certo é ser errado.

  71. meire pereira Postado em 28/Apr/2013 às 14:37

    É decepcionante pensar que temos que mendigar por um salário digno fazendo dois turnos ou mais .E ainda quando fazemos greves somos olhados com repúdio e muitos de tanta opressão tem medo e preferem sofrer calado. Temos que nos unir .Pena que nem todos pensem assim. E quanto ao professor Juvenal isso foi um ato heroíco ! O BRASIL PRECISA OLHAR PARA OS PROFESSORES DIGNAMENTE!

  72. josy Postado em 28/Apr/2013 às 14:47

    lamentável porém a culpa não é do professor e sim desse governo para poucos

  73. Rosimeire Postado em 28/Apr/2013 às 15:22

    Estou trste em pensar que futuro está por vir na educação...sendo professora ,tendo filhos na escola pública ,diante da atual realidade,vem a pergunta:e agora???

  74. flavio damasceno Postado em 28/Apr/2013 às 16:02

    a verde e que tem que muitos passarem fome para poucos andar de carro importado. benfeito povo brasileiro isso todo e cupa sua . voces votarão ta reclamando de que

  75. josh Postado em 28/Apr/2013 às 17:20

    é uma certeza que eu já tinha: alunos ENTENDEM E RECONHECEM o esforço de um professor que é exigente...o que eles NÃO ENTENDEM é pq esse professor exige enquanto a secretaria e os outros 90% do corpo discente os aprova mesmo tirando zero na prova e MALHAM o professor q é correto e se importa... TODAS AS VEZES q me indispus com alunos minha autoridade foi 'diminuída' por um discurso cínico (vc é o professor, " mas o aluno disse isso mesmo"?, pegue mais leve, precisamos atingir o índice 'x' de aprovação e etc) o inimigo é o ESTADO leniente, mas a classe é podre, desunida, invejosa do sucesso dos outros e desfocada de seu principal Norte: formar cidadãos! a prova? COMO explicar que haja MILHARES de professores nesse país e a classe não consegue expressividade POLÍTICA, JURÍDICA, REINVINDICATIVA? resposta: são desunidos...

  76. Nair Postado em 28/Apr/2013 às 17:51

    Professor Juvenal.. Compadeço-me e compartilho de sua tristeza, lamento muito que a educação esteje caminhando para o fim. Dura realidade. Meu coração tem estado tão aflito tanto quanto o seu, mas se eu tiver e puder escolher um dia, creia que também deixarei a educação.

  77. Eduardo Almeida Postado em 28/Apr/2013 às 19:17

    Era professor de matemática em Indaiatuba-SP e desisti em Novembro de 2011 pelo mesmo motivo. Acorda povo brasileiro e acorda Brasil.

  78. Mabell Postado em 28/Apr/2013 às 20:31

    E esse professor não será o único a desistir, se continuar assim "o andar da carruagem"...Então sabemos que quanto mais alunos analfabetos funcionais, melhor para os políticos. Para quê valorizar o professor, não é? Acho que uma sugestão boa é a que um professor de geografia faz aqui: tenta conscientizar TODOS os ALUNOS do por quê das greves (salários baixos, piso salarial não pago, descaso dos políticos para com as reivindicações dos professores etc). Quando os alunos e seus familiares estiverem do NOSSO LADO, TALVEZ A COISA MELHORE PARA TODOS NÓS, GUERREIROS-LUTADORES DE UMA BOA EDUCAÇÃO!Para isso é preciso trabalhar em escolas onde haja respeito (pelo menos por parte dos alunos) pelo professor. É preciso trazer a família para dentro das escolas. É preciso TAMBÉM "meter a boca no trombone" nas redes sociais. É preciso fazer abaixo-assinados, boicotes... Somos profissionais da educação, temos que nos mobilizar para reverter essa triste realidade. Eu, particulamente, tenho esperança de que um dia a sociedade ACORDE PARA ESSA REALIDADE: que estão sucateando o ensino, desvalorizando os profissionais porque é bem melhor ter "pessoas limitadas, no caso, os alunos" do que pessoas (alunos) que ENXERGUEM, QUE ENTENDAM, DE FATO o que acontece no nosso país, ONDE \, como foi citado acima "o certo é o errado"!

  79. Teresinha Postado em 28/Apr/2013 às 21:01

    Sou professora aposentada, trabalhei 27 anos na Escola Pública aqui no RS. O salário que recebo hoje não dá nem pra custear as despesas com medicamentos! É lastimável, me sinto triste e parece que as pespectiva de melhorar são quase nulas! Nosso estado não nos paga oque é lei,O PISO NACIONAL DO MAGISTÉRIO. Quero dizer a esse professor que não se sinta aflito, embora seus alunos tenham pedido para que ficasse, porque nós precisamos sanar nossas necessidades básicas! Qualquer outra profissão em que o cidadão venha trabalhar, passou pela mão de quem? Do educador! E muitas vezes quando encontro ex-alunos formadores de opiniões exercendo suas profissões, esta sim, é a recompenso que tenho pois sei que ali plantei uma semente!

  80. Inez Barros Postado em 28/Apr/2013 às 21:17

    O BASIL DO PLENO EMPREGO os espera...Parabéns, professores. Educação é coisa séria. Solidária, como ex profesora que sou.

  81. analine b. Postado em 28/Apr/2013 às 21:20

    Pra que educacao? O governo da uma bolsa no Ensino Superior nao importa se vc 'e bom ou mal aluno. Pra que Professor num estado falido?

  82. Bene Postado em 28/Apr/2013 às 22:06

    Para quem acha que o professor não deve desistir no meio do caminho, e que precisa tomar uma atitude e etc.., Agora me diz uma coisa: Por que é que quando os professores entram em greve, a sociedade não pára pra nos apoiar? Por quê todos ficam acomodados como no sofá com indiferença? Quando vamos na atribuição de aula, parece que somos nós quem precisamos do Estado, e não ele de nós. Sofremos muitas humilhações. Que a sociedade acorde em quanto tempo! Falta pouco para professor no Brasil, ser uma espécie em extinção!!! Acorda Brasil!!

  83. Ana Gomes Postado em 28/Apr/2013 às 22:59

    Lamentável mesmo! Estou concluindo minha graduação, sou monitora do estado de Alagoas e vejo que não vale a pena lecionar se não somos reconhecidos de forma justa. Falo isso em todos os sentidos, não somente na remuneração! Amo lecionar! Sinto-me importante! Porém, estou buscando outras alternativas de sustentação.

  84. Ana Mosé Postado em 28/Apr/2013 às 23:08

    Eu fui professora de escolas públicas e privadas. Agora com esse sistema de aprovação "automática" ficou impraticável... todo mundo passa. Só o desrespeito do aluno com o palhaço (ops) professor que não passa... permanece. O pobre em frente ao quadro negro que esforça-se em ensinar algo para esse bando de alienados totalmente sem noção de limites e respeito. Ah sim, na última tentativa, trabalhei em uma escola técnica em que, juntando os períodos, recebia cerca de 600 a 700 reais/mês dando aula 3 x por semana (mas trabalhando em casa sempre, claro!). Como muitos, desisti. Não dá pra viver de sonho... com 30 anos fiz novo vestibular e iniciei uma nova graduação (Administração), além de estar estudando para concursos públicos (não na educação). Boa sorte aos que suportam (admiro-os). E igualmente boa sorte aos que tb saem e procuram por um caminhos melhor valorizado (e que não abale seu emocional).

  85. Letícia Postado em 29/Apr/2013 às 00:16

    Só sabe o que é a educação pública neste país quem está dentro da sala de aula, enfrentando uma guerra diária. Então aos que "acham" ou "julgam", coloquem-se no lugar dos professores, enfrentem a falta de estrutura, a falta de respeito, a falta de valores, baixos salários entre tantos outros problemas e depois venham dar as suas opiniões.

  86. Anderson Postado em 29/Apr/2013 às 01:46

    EU TO AKI PENSANDO NO Q DIZER. SOU DO ESTADO DE MATO GROSSO E DIZEM Q É UM ESTADO Q TA PAGANDO BEM ETC, A LADAINHA DE SEMPRE. AKI O ENSINO É CICLADO.. O CICLO HOJE É UM CANCER Q VAI MATAR A EDUCAÇÃO, SEM FALAR DA INCOMPETENCIA DOS ORGAOS GESTORES COMO A SEDUC Q ACEITAM TUDO E IMPLANTAM, TUDO QUANTO É LIXO E PORTARIAS QUE NOS MENOSPREZAM E NOS DESVALORIZAM SAO FEITOS ALI. É LAMENTAVEL Q NAS MANIFESTAÇOES O ASSUNTO PRINCIPAL É DINHEIRO, EU ACHO MUITO JUSTO PORQUE OS PROFESSORES AINDA NAO RECEBEM A SUA ALTURA,,,,A QUALIDADE NA EDUCAÇAO E AS POLITICAS EDUCACIONAIS DEVIAM SER DADAS MAIS ATENÇAO TAMBEM...ESTAMOS CRIANDO CIDADAOS BOSSAIS COM A POLITICA Q MATO GROSSO IMPLANTOU E INFELIZMENTE MUITOS ESTADOS ESTAO INDO PRO MESMO CAMINHO. A EDUCAÇAO DAKI CAMINHA PARA O FRACASSO E ESSES BANDIDOS Q NOS REPRESENTAM NADA FAZEM....A EDUCAÇAO É ALGO FUNDAMENTAL NA VIDA DE UM CIDADAO, COMO A SEGURANÇA PUBLICA, A SAUDE , O SANEAMENTO, ETC... O SUCESSO DOS GRANDES PAISES DESENVOLVIDOS DE PRIMEIRO MUNDO FOI O INVESTIMENTO NA EDUCAÇÃO,, AKI O INVESTIMENTO NAO TEM BARREIRAS QUANDO SE TRATA DE NOVELA E FUTEBOL E SHOWS.... PORQUE EU NAO NASCI NA EUROPA? BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁA

  87. Miria Fuchs Postado em 29/Apr/2013 às 08:38

    Eu também estou pensando em pedir licença, para arrumar outro emprego em que eu não precise escolher entre comer ou pagar as contas. O meu salário este mês foi de r$ 400,67. Não preciso desta esmola. Que o governo pegue este restante para pagar as despesas do governador e dos 50 empresários que estão viajando para o Oriente médio com ele. Ou alguém pensa que eles estão pagando esta viagem com o dinheiro deles? Ha, com certeza ele não vai querer, pois certamente este valor não dá para uma janta, mas para o professor, tem que dar para sobreviver. É muita cara de pau deste govenro. Tarso nunca mais.

  88. Rodrigo Teixeira Postado em 29/Apr/2013 às 10:27

    Ele demorou mas demonstrou inteligência. Essa visão romântica do professor só tem lugar dentro da escola. A sociedade civil tem que responder com inteligência as condições do mercado. Se o governo continua pagando uma piada de salário para professores, é sinal de que está sobrando professor nos concursos públicos. Apesar da importância de uma classe forte e um piso salarial condizente com a importância do cargo, cada indivíduo tem que correr atrás de suas demandas. Lei da oferta e procura, ensinar é um serviço e os professores deveriam reconhecer o próprio valor.

  89. GUTO Postado em 29/Apr/2013 às 13:06

    ACHO ENGRAÇADO UMA COISA... QUANDO VC VAI ESCOLHER UM FACULDADE VC JA SABE EXATAMENTE QUANTO CADA PROFISSÃO RECEBE POR MÊS! ENTÃO SE VC SABE QUE PROFESSOR GANHA POUCO, POR QUE FAZ ESSA JOÇA???

  90. Fernando Postado em 29/Apr/2013 às 14:05

    Sou professor e prefiro ser vendedor de shopping, ambulante ou qqler outra tarefa do que dar aula para o estado ou município. E o motivo principal é o financeiro.

  91. Luiz Postado em 29/Apr/2013 às 15:14

    Sou professor, não discordo de nenhum dos argumentos sobre baixo salário e planos de carreira totalmente desestimulantes, mas creio também que o brasileiro de modo geral reclama muito e age pouco. Todo mundo reclama da bagunça que é a educação hoje mas se mexer mesmo ninguém mexe. O maior problema da qualidade da educação hoje são os alunos! sim, os alunos. Estamos lidando com jovens extremamente indisciplinados e preguiçosos. Vejo em maioria esmagadora alunos que reclamam da qualidade da escola que estudam mas perdem seus livros e passam um mês até descobrir que foram perdidos e simplesmente pq não abrem seus próprios livros, não fazem suas tarefas, não aproveitam o minimo de estrutura que a escola lhes oferece. O governo não investe em escola pq não precisa, ninguém cobra. Reclamar da escola tem sido uma muleta excelente pra justificar a própria preguiça. Ser professor não é difícil não gente, é inútil!

  92. Alex Moraes Postado em 29/Apr/2013 às 15:25

    Nossa.....que medo!!!!! Sou professor recém formado e prestes a tomar posse do cargo de professor do estado!!!! Será mesmo que estou começando mau minha carreira profissional?????

  93. Deby Postado em 29/Apr/2013 às 18:12

    Caro GABRIEL e outros tantos que possuem a" síndrome do medo de recomeçar"... ACASO JÁ PARTICIPOU DE UMA GREVE DE PROFESSOR??? ACASO JÁ DISTRIBUIU PANFLETO PELAS RUAS, TENTANDO CONSEGUIR ADEPTOS POR UMA CAUSA JUSTA? ACASO JÁ FOI CHAMADO DE MAL CASADO??? ACASO JÁ ENFRENTOU UMA SALA DE AULA COM FILHOS DE "SEM PAIS", SOFRIDOS, VIOLENTADOS E PORTANTO VIOLENTOS??? ACASO JÁ TEVE UM IDEAL E POR ELE TRABALHOU ANOS À FIO??? ACASO ACREDITA EM NOSSOS POLÍTICOS E DIRIGENTES? AH! Com certeza ainda acredita em PAPAI NOEL, aquele velhinho que aparece em tempo de neve... É muito fácil criticar, não? O DIFÍCIL É SE COLOCAR NO LUGAR DO OUTRO! MAIS DIFÍCIL AINDA É APOIAR ALGUÉM QUE CANSADO DE LUTAR POR UMA CAUSA, LUTA PELA SOBREVIVÊNCIA, PORQUE JESUS CRISTO SÓ TEVE UM, SOMENTE ELE MORREU POR NÓS, NÃO PRECISAMOS FAZER A MESMA COISA, POIS NÃO SOMOS DEUS, SOMOS SIMPLES HOMENS E MULHERES QUE PRECISAM ALIMENTAR SEUS FILHOS. PARABÉNS PROFESSOR, PELA CORAGEM DE DESISTIR, JÁ QUE NÃO VÊ PERSPECTIVA... O PAPA TAMBÉM DESISTIU! OS MOTIVOS???? NINGUÉM TEM NADA COM ISSO, A NÃO SER VOCÊ!

  94. Geova Silvestre de Araújo Postado em 29/Apr/2013 às 18:17

    Sou apenas um amigo do tempo do colégio agrícola , mais é gratificante quando agente olha o passado e lembra de alguém que sabe fazer amizades e o que a amizade. Professor, amigo nota 100.

  95. janilson Postado em 29/Apr/2013 às 20:31

    Agora sim creio na educação! quando alunos chorar pela saida de 1 professor. Agora acredito no valor do professor. Valor que os governantes e politicos em sua gde maioria não dão. Enquanto esse professor não consegue se sustentar na rede pública de MG, é desse Estado o jogador Tostão (Campeão pelo Brasil na Copa de 70) o único jogador que não aceitou receber 100 mil da Presidenta Dilma aos exs-jogaores das seleções campeãs. Valeu Professor! Viva o Professor do Brasil. O PROFESSOR NO BRASIL É HERÓI COM UM SALÁRIO TÃO PEQUENO...

  96. Juliana Arcelino da Silva Postado em 29/Apr/2013 às 20:33

    Sou professora da rede pública de ensino do estado de Mato Grosso. Aqui a realidade não é diferente, somos desvalorizados, desrespeitados como profissionais, mal remunerados, e o governo declara, em horário nobre, a valorização do ensino no estado, tentando ludibriar a população, formando, assim, seus eleitores para o próximo mandato. Também estou cansada, mas em tempo de mudar, no próximo ano pretendo abandonar a carreira e iniciar outra para a qual venho me preparando há 5 anos. Não vejo, sinceramente, perspectivas de melhora, não sei mais o que esperar da educação deste país.

  97. Maria Desie Postado em 29/Apr/2013 às 20:55

    É triste. Eu desisti em 2009 da rede estadual de São Paulo. Fui p/ rede municipal que é um pouco melhor.

  98. Pablo Postado em 29/Apr/2013 às 21:03

    Nossa profissão é terrivelmente ruim. Do meu ponto de vista, o sistema educacional se apoia em três carências violentas: baixos salários, más condições de trabalho, inexistente reconhecimento social (tanto pela sociedade quanto pelos próprios professores). Professor não é mártir, não é profeta, não é herói... o papel que nós estamos fazendo é o de escravos mesmo. É uma precarização generalizada e eu duvido muito que melhore em 10 anos. Eu também tô caindo fora do sistema educacional municipal, e por menos do que tu. qualquer outro emprego estatal é melhor do que o stress que o cara passa sendo professor público de ensino fundamental e médio. Também lamento muito a perda da relação afetiva com o alunos e o trabalho desafiante que é ser professor, mas acho que é a decisão certa partir para outra profissão que seja mais valorizada.

  99. José Roberto galuzio Postado em 29/Apr/2013 às 21:29

    Conheço um professor de escola estadual aqui em São Paulo que disse: "Quando eu estou de costas para os alunos, escrevendo na lousa, atiram laranja na lousa". Ele se vira e a classe inteira dá risada. Já riscaram o carro dele, o carro tá pobre, mas mesmo assim ainda ainda. Enfim, tenho a impressão que o Estado perdeu o controle da situação. Todos os comentários acima são excelentes. E adianta...?

  100. Christovão Postado em 29/Apr/2013 às 21:55

    Sou solidário à dor do prezado colega Juvenal. Se existe ação da lei de oferta e procura no ensino público é porque estamos vivendo uma inversão absurda de valores em nossa sociedade. Um país sem bons professores não tem futuro e não é contratando "quem sobra", ou quem se submete a receber salários de fome, que vamos chegar a algum lugar. O que está acontecendo é o deliberado sucateamento das carreiras de magistério no sistema público, desde o ensino fundamental até a universidade. Sou professor de uma universidade federal. Fiz 5 anos de graduação em engenharia, 3 anos de mestrado, 5 anos de doutorado e 1 ano de pós-doutorado. Claro que não existem muitos profissionais com meu perfil e meu salário, portanto, não deveria ser rebaixado por "excesso de oferta". Isso quer dizer que há um acordo tácito entre todos os níveis do governo: VAMOS ACABAR COM A EDUCAÇÃO DE VEZ! ASSIM, ESSES IMBECIS CONTINUAM VOTANDO EM NÓS! Gente, isso não é mania de perseguição, não é teoria conspiratória barata! Quem de vocês acredita de verdade que um dia escapamos do poder das oligarquias nesse país? Os ricos continuam ricos ou ainda mais ricos, os pobres ganham bolsas miseráveis e quem perdeu foi a classe média! EU SÓ QUERO SER CLASSE MÉDIA! Eu só quero ter um carro seguro, uma casa e poder educar meus filhos. Moro de aluguel, pago uma escorchante prestação de um carrinho 1.4 e não tenho R$ 200,00 no bolso pra levar meu filho ao médico! Ser professor sempre foi minha vocação, minha paixão. Mas, sinceramente, ando consultando meus ex-alunos sobre vagas nas empresas em que eles trabalham e ganham mais do que eu!

  101. Costa Postado em 30/Apr/2013 às 11:22

    Estou fazendo o curso de licenciatura, e vou termina-lo mas não pretendo de maneira alguma atuar nessa área. Todo dia, me deparo com a desmotivação dos professores, e dou a eles toda razão. A carreira de professor, é uma das mais belas que conheço, pois é com ela que cresci e vivo todos os dias, o professor é o único profissional que eu conheço que vive intesamente com a maiorias das pessoas, e infelizmente, alguns que passaram nas mãos deles, se esqueceram de como eles foram importantantes em suas vidas.

  102. Alex Postado em 30/Apr/2013 às 17:45

    Professores da Rede Estadual de São Paulo parados pela quinquagésima vez.... Os governos nao estao nem ai com o alunado.... analfabeto funcional é mao de obra barata! Os professores de escola publica do Brasil nao aguentam mais...! Chega

  103. Diego Postado em 30/Apr/2013 às 17:48

    Observem que esse país é rico por natureza que não é necessário investir em Educação para sermos ricos, só bastam a extração do petróleo do Pré-sal e as reservas de nióbio. Nosso dinheiro não é culto, é um dinheiro ignorante, burro, cego. Esse país tende à barbárie mesmo, não temos outra alternativa. Sou universitário também e me formo em Letras no Primeiro semestre de 2014. Atualmente trabalho em uma escola particular e vejo o quanto que é investido nos professores. Fui aluno de escola pública durante toda a minha vida, minha família é pobre e tenho a certeza que na rede pública não conseguirei me manter e nem ajudar meus familiares futuramente. Não haverá mais educação nesse país, esqueçam. Agora o interessante é formar mão-de-obra qualificada e só. Temos dinheiro, Educação pra quê?

  104. Aline Postado em 30/Apr/2013 às 21:36

    Infelizmente não é só em Minas. Eu com 21 anos sinto tanta vontade de chorar quanto seus alunos, pensar na situação em que estamos e no que está por vir é entristecedor.

  105. marcelo a f da silva Postado em 30/Apr/2013 às 23:54

    Tem futuro um país que trata a educação de seu povo assim ?

  106. WGavioli Postado em 01/May/2013 às 01:32

    Prezados, recentemente estive com um dos elaboradores da proposta curricular do estado em que sou professor a 11 anos, e adivinhem a resposta quando lhe perguntei onde sua filha estudava? Em escola pública ou particular? Durante sua palestra o tempo todo apareceu a palavra risco, correr o risco de mudar sempre para melhor e tudo mais, porém o mesmo co-autor da proposta não acreditou no que escreveu e muito menos quis correr o risco da própria filha seguir os seus escritos na rede pública. Sim é humilhante um professor ter que se privar de um tempo com sua família porque tem que trabalhar três períodos de segunda a sexta e ainda privar de seu fim de semana preparando aulas, corrigindo provas, indo em reuniões de pais, sem contar com todas as atribuições, atrocidades e seja lá qualquer problema que eventualmente aparece na sua vida por conta de serviços escolares, a falta de condições físicas e humanas que muitos atravessam. Mas sabe de uma coisa, a classe de professores parece ser a mais desunida que existe, digo isso porque nesse pouco tempo na profissão e mais os meus anos escolares como aluno, nunca vi e creio que nunca verei uma mobilização como os PMs e Bombeiros fizeram recentemente, os metroviários em SP, os funcionários dos correios a tempos atrás, e sabem por que? Porque o governo pouco está ai com a educação desse país, que continuemos escravos de um sistema falido e de uma educação pré histórica que a mais de 1500 anos permanece da mesma forma, que a massa continue ignorante e consumista, confesso que de início não sabia o que fazia, mas fazer parte do sucesso de um aluno não tem preço, mas sobreviver é preciso.

  107. Breno Postado em 01/May/2013 às 12:33

    Lecionei biologia em 2007 para o ensino médio em escola da rede estadual no interior de Minas. Precisava trabalhar pois na época fazia mestrado e não tinha bolsa. Minha vida era o maior dos infernos. Além de trabalhar na escola, perdia horas e horas preparando aulas em casa, corrigindo centenas de provas/trabalhos e preenchendo diários. E as aulas do mestrado? Como fazia quando o estudante era eu, e tinha que estudar para provas, fazer inúmeros trabalhos, resolver burocracias, ir a campo desenvolver minha pesquisa?! Era tão desgastante, tão insuportável, que por inúmeras vezes vomitava durante o dia, ou acordava à noite com o estômago se contorcendo e tinha que correr para o banheiro para vomitar... meu nível de stress era incalculável, cheguei a pesar pouco menos de 50 quilos (tenho 1.76 de altura), fiquei doente, mas não podia parar um segundo sequer para tomar ar. Não podia ao menos me dar ao luxo de parar para pensar sobre o salário miserabilíssimo que recebia, pois isso significaria perder minhas últimas energias, vital para eu andar, conversar e interagir de uma forma geral... Terminado o mestrado, saí da escola e fui trabalhar como autônomo, até ser contratado por uma empresa privada na qual trabalhei por dois anos. Fui demitido em fevereiro desse ano, 2013, e agora, estou novamente desempregado. Sem muitas perspectivas a vista, andei pensando novamente em procurar o Estado para lecionar. Porém, quando me lembro do meu périplo de 2007 e de todas essas coisas medonhas que a maioria de vocês descreveu aqui, penso que se trata de uma ideia absurda, que deveria ser colocada em prática apenas quando estivesse à beira da inanição. Por outro lado, não tenho dúvidas de que a prática do magistério possa ser extremamente prazerosa. Quando saí da escola em que lecionava (precisava dar lugar a uma professora efetiva) fui surpreendido por uma manifestação mágica de uma das turmas, que preparou uma festa e se comoveu bastante com a minha saída. Posso viver milhares de anos que jamais me esqueceria daquelas carinhas chorando, jamais me esqueceria, por um segundo sequer, daqueles olhos carregados de lágrimas me olhando desoladamente... nesse momento, professor Juvenal, posso dizer que entendo perfeitamente tudo o que o senhor narrou aqui, pois compartilho de história muito semelhante, e sei bem o que significa engolir em seco diante de uma manifestação tão comovente de carinho... mas, muito infelizmente, ser professor da rede pública do ensino básico atualmente no Brasil é fazer história muda, é ser herói flagelado e desconhecido... Vamos nos unir, conseguir representatividade em Brasília, construir uma "bancada da Educação", assim como já ocorre com as nefastas bancadas ruralistas e religiosas... Só venceremos essa guerra com união, força, organização e muita determinação... à luta, companheiros!

  108. Shirlei Postado em 01/May/2013 às 16:52

    Também sou professora, do curso normal (magistério) , quando fui designada para 9 aulas não sabiam me informar o salario, mesmo assim aceitei. Que arrependimento , pois estou pagando para trabalhar.............talvez desista também.

  109. Linéia Postado em 01/May/2013 às 19:39

    Para um professor desistir de sua profissão é muito triste, mesmo, mas o que aconteceu com o professor de Minas Gerais, acontece em muitos outros lugares, porque os governos estaduais nãos se preocupam com a qualidade de ensino e muito menos com a qualidade de vida dos profissionais da educação, que na maioria das vezes precisam trabalhar 60 horas semanais para poder sustentar sua família e quem não tem essa possibilidade acaba desistindo da profissão que escolheu. Falo isso como professorado estado do RS, e amo o que faço, mas que diversas vezes já pensei em desistir da carreira no magistério pelo precário salário que recebo.

  110. evanize Postado em 01/May/2013 às 20:53

    ASSUSTADOR !!! Ninguém conhece sua profissão antes de efetivamente exercê-la. Não há possibilidade de escolha anterior. É lamentável que se façam críticas à posição do professor de abandonar sua profissão em razão de buscar garantir uma sobrevivência digna. Os que criticam provavelmente não enfrentaram as mazelas do ensino público. As políticas públicas são lindas no papel. A escola democrática é valorizada nos documentos oficiais e prevista na legislação,, mas todo o sistema está corrompido. É impossível a "prática pensada" se não houver vontade política que garanta as condições mínimas para uma educação democrática com qualidade. Sou professora universitária, formadora de professores, e por vezes me vejo lidando com idéias utópicas diante da realidade político-administrativa brasileira. A manifestação e a discussão são caminhos para se modificar a presente situação.

  111. Guilherme Postado em 02/May/2013 às 10:45

    Desculpe falar assim, mas partilho da mesma situação a sua, porém eu cai em lágrimas, não resisti, quando minha última turma, 8 - 03, num apelo também de lágrimas e cara fechada comigo por causa de minha saída. Sei bem a sua situação, mas não é só em MG, em SC também!!!!! Partilho da sua condição e dos demais camaradas de trabalho! Rede pública de ensino nos condiciona a pior situação de todas. E digo mais, para aqueles que dizem que teremos de lecionar com o coração, quer maior exemplo que esse???? Sem mais! Força camarada! E vamos à luta camaradas!

  112. Maria Etelvina Santos de Almeida Pinheiro Postado em 02/May/2013 às 19:35

    Vc fez uma escolha certa! Acredito, piamente , no nosso potencial de educador, no entanto não dá p/ ficar tentando nos enganar que trabalhando três horários vai nos dar um renda capaz de nos sustentar e, que, próximo ano vai melhorar o salário. É evidente a falta de interesse do governo federal em fazer um orçamento p/ a educação coerente com o papel do educador. Eu tenho q trabalhar três horários ( três turnos ) p/ ter q me sustentar e, confesso que n dá p/ trabalhar em sala como eu gostaria, como eu já trabalhei ante. Sinto falta de tempo p/ planejar e pesquisar p/meus alunos. Além do mais, nos disponibilizamos p/ bairros distantes o gera um custo p/ nós professores, como por exemplo, despesas com gasolina. Enfim, ninguém considera isso na hora de nos mandarem p/ escolas em bairro longes.No entanto, se analisarmos as ajudas de custos p/ vereadores, prefeitos e deputados, ficamos extremamente indignados. NÃO SE ARREPENDA. VC FEZ A ESCOLHA CERTA!

  113. prof. Adilson Rodrigues Postado em 04/May/2013 às 12:02

    Sou professor da rede pública da BAHIA, que é a 2ª pior do Brasil, segundo último IDEB. Entretanto, como professores, precisamos assimilar e propagar a ideia de que os políticos que devem nos representar devem governar para o bem comum, e não para o bem próprio. E isso suscita o verdadeiro poder da democracia de que o poder emana do povo. Portanto, se a educação é libertação para um povo, usemos nosso poder de povo por uma educação libertadora em nosso país. Façamos com que a vontade política seja nossa vontade. Mostremos que eles são nossos meros representantes dos nossos interesses, e que o poder, numa democracia, deve emanar do povo. Esta é a saída, pois dinheiro e riqueza para isso, a corrupção política em nosso país tem mostrado que temos.

  114. blumenal Postado em 04/May/2013 às 15:16

    Também sou professor, sou concursado em dois municípilos, recebeo R$ uns mil e duzentos e pouco em um município, e 1450 em outro, mas como no municípi que paga o piso nacional e pego ina algumas aulas adicionais, recebou pertinho de dois mil reais, resumindo recebo uns três mil e poukinho nos dois municipios, é pouco? é, pq os otros profissionais que tem o mesmo nível de estudo que eu , que é nível superior,pós-graduação, estão recebendo mais de dez mil reais,...

  115. blumenal Postado em 04/May/2013 às 15:21

    Meu povo,as falhas acima,os erros de português, foram de propostas...visto que um professor vive tão stressado quem tem o poder de escrever mais direito kkkk

  116. Rosana Postado em 10/May/2013 às 21:33

    Tenho verdadeira paixão pela licenciatura, sou graduanda em Geografia e também amo a disciplina, mas infelizmente me vi em uma situação difícil, o salário de um professor, o mesmo é responssável pela formação de todos e até hoje o governo não reconhece seu valor...por isso infelizmente desisti da profissão, não por que sou covarde, mas porque sou realista

  117. KLEBER Postado em 22/May/2013 às 09:49

    O PROBLEMA É SIM, SER DA REDE ESTADUAL DE MINAS GERAIS. OUTROS LUGARES BEM MAIS POBRES PAGAM MELHOR QUE AQUI E DÃO MENOS AULAS POR SEMANA, ALÉM DE NÃO EXISTIR ESSA RIDICULARIDADE DE MÓDULO 2, QUE ALGUNS DIRETORES FICAM MUITO FELIZES EM FAZER CUMPRIR.

  118. martina wagner Postado em 28/May/2013 às 01:53

    Infelizmente quem é empregado, seja professor ou noutra profissão, necessita passar por humilhações. Ainda existe escravidão neste país sim! Quem está no poder manda, corrompe, rouba, faz coisas que nem podemos imaginar. Para nós professores que tanto estudamos, além de dar aulas, precisamos varar noites e madrugadas planejando, corrigindo provas e trabalhos sem receber por isto. Não existe outra profissão que exija isso de algum ser humano. Também não somos reconhecidos e remunerados como tal. Também deixei a educação após 30 anos de muito trabalho, estudo e especializações. Estou numa idade ótima (50 anos), muita saúde, porém não suporto mais ver e ouvir falar sobre a educação, especialmente tantas mentiras por parte dos governos. Nem quero pensar como será a educação daqui há aguns anos quando terei netos. Não gosto nem de passar perto de uma escola, imaginando o quanto os professores sofrem e vivem ameaçados até de demissão caso não façam como o governo quer. Boa sorte à todos e não desistam, lutem com as armas que têm, que são o conhecimento e a inteligência, que jamais lhes será roubada!

  119. Angelica Lino Postado em 28/May/2013 às 20:44

    Triste, lamentável. Infelizmente eu não me surpreendo mais com esse tipo de notícia...

  120. Liberato Postado em 04/Jun/2013 às 20:30

    Em 1999 eu também abandonei a escola pública em SP para ficar apenas na rede particular...eu também chorei, mas chorei sozinho. Foi uma decisão muito difícil, mas o PSDB não me merece como empregado....sucatearam a escola pública e tudo que é público nesse país.

  121. Wilson lana Postado em 10/Jun/2013 às 15:46

    Bom dia Juvenal, por acaso lí a sua história, entendi perfeitamente o fato pelo qual passou. Eu também vivi a mesma situação que você viveu, eu trabalhei por 11 anos no estado de Minas, primeiramente como estudante de Biologia, pela UFMG, eu consegui cargo como designado desde o segundo período da faculdade, apesar de estudante, fui tratado como um profissional formado, foi um privilégio, fui nomeado assim que me formeu, em 2002 em dois cargos, um de ciências e outro de Biologia.Insisti 12 anos numa carreira que financeiramente é inviável para um pai de família. Quando me despedi dos meus alunos também teve muito choro, eu graças a Deus, consegui o respeito e o amor, da maioria dos meu alunos. Tive muito prazer na minha carreira como professor, mas deposi de trabalhar em 4 empregos, dois no Estado e Dois em escolas particulares, desiste da licenciatura. Trabalho em área totalmente diversa, quando me aposentar pretendo voltar a licenciatura. Minha conciência está tranquila, enquanto tive energia fiz o melhor trabalho possível, depois que me cansei mudei de área, apesar de tudo, os alunos merecem professores motivados e compromentidos. Acredito que para garantir a qualidade de vida de um professor deveria ser possível trabalhar em uma escola apenas, um turno em sala e outro com planejamento, com salário digno de um pai de família. Somente assim seria viável um bom professor se manter na carreira

  122. Josue Silva Postado em 03/Jul/2013 às 01:23

    Para o professor, ingressante, o sonho de encontrar uma rede de ensino compatível com seu mérito deve ser descartado. Alunos sem formação domestica, escolas que não ensina, gastos com equipamentos para alunos, professores e gestores despreparados e com baixo apoio das sec/regionais tendo como única finalidade gastar o que é repassado pelo governo Federal, baixo salário e sem isonomia com profissionais das Escolas Técnicas Federais são fatores que levam a desilusão e ao descontentamento para ensinar ou mesmo, implicar na baixa formação do Professor. Josué, 02 de julho de 2013. E situação, ainda permite a categoria eleger representantes Deputados e Vereadores para defender os interesses dos Governadores e Prefeitos. Chupa essa.

  123. Raimundo Santos Mendes Postado em 04/Jul/2013 às 10:44

    Ser professor nesse país não é fácil,um dos grandes problemas é a falta de comprometimento dos nossos políticos,que não investem o necessário em educação pública, temos um povo que não cobra dos governantes o que prometem nas campanhas,emissoras de tv que elegem abertamente seus candidatos favoritos tudo isso leva o professor a abandonar a sala de aula por que nela, ele não encontra condições de estrutura para realizar um bom trabalho e quem é mais prejudicado por esse sistema são as pessoas de baixa rende que dependem exclusivamente das escolas públicas esse é o momento de cobrarmos o devido respeito aos profissionais das redes públicas de ensino.

  124. Osni Valfredo Wagner Postado em 28/Jul/2013 às 23:23

    Prof. Juvenal Lima Gomes EX-PROFESSOR DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS Homens e mulheres de coragem, a escolha que se faz na vida de continuar na situação de exploração e tentando lecionar algo, nesta estrutura de escola que temos no país na rede pública, é proposital para que se queira lecionar em escola pública, que se utilize o SUS etc pois querem mesmo os nossos governantes que não são estadistas e muito menos comprometidos com o povo.

  125. Osni Valfredo Wagner Postado em 28/Jul/2013 às 23:29

    Prof. Juvenal Lima Gomes EX-PROFESSOR DA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE MINAS GERAIS Homens e mulheres de coragem, a escolha que se faz na vida de continuar na situação de exploração e tentando lecionar algo, nesta estrutura de escola que temos no país na rede pública, é proposital para que não se queira lecionar em escola pública, que não se queira utilizar o SUS etc. Os governantes querem privatizarem tudo, pois querem mesmo os nossos governantes que esteja cada vez pior o sistema público. Nossos governantes que não são estadistas e muito menos comprometidos com o povo.

  126. roberta Postado em 11/Aug/2013 às 16:20

    É mesmo, Liberato. O PSDB acabou com a Educação em SP. Fez muito bem de ir embora aquele professor e tomara que todos se exonerem. Chega de professor que trabalha por amor. Isso é palhaçada!!! Professor tem que comer e se vestir como qualquer outro profissional.

  127. Eduardo Postado em 13/Aug/2013 às 13:02

    Ja passei por isso na troca da rede municipal de Ponta Grossa-PR pela estadual de MT. E ja estou prestes a passar por isso novamente. É uma realidade de todo o País.

  128. Célia Postado em 01/Sep/2013 às 12:50

    Sobre a retirada dos Professores de Ed. Fisica do Ens. Fundamental das Escolas Estaduais de MG O Governador Anastasia é um pão duro, fica fazendo economia porca ás custas da Educação de nossos filhos. Com a desculpa de estar dentro da lei ,leva a educação mineira a andar para trás. Os Professores regentes não tem nenhuma formação sobre o desenvolvimento físico, certamente a hora da aula de Ed. física se transformará em recreação. Além do mais em plena época de copa , o governo mineiro demonstra total falta de compromisso com o esporte e com a preparação dos futuros esportista. Professores irão fingir ministrar aulas de Ed. Física e nós Pais, vamos fingir que acreditamos? Será que os pais ficarão calados diante deste retrocesso na educação de nossos filhos? Eu certamente não me calarei pois não fiquei feliz com esta decisão infeliz e truculenta do nosso governador e Secretaria Estadual da Educação.

  129. Cecillia Postado em 13/Sep/2013 às 10:16

    Eu abandonei já faz 2 anos, quem realmente da aula abandona os que estão ficando são aqueles que fingem dar aula. Agora esta foto ai foi muito mal escolhida desde quando o estado tem salas dessas, a sala que eu dava aula quando chovia ficávamos em um canto da sala de tanta goteira.

  130. Andreza Silva Postado em 14/Sep/2013 às 20:57

    Eu já chorei, junto com uma sala de 35 alunos, pela saída de um professor. Ele chorou também. E chorou primeiro.

  131. D.a.m. Postado em 16/Sep/2013 às 21:12

    Infelizmente, também sou mais um professor que abandonou a rede pública de ensino. Lecionei por dois anos na rede municipal do Rio e acabei pedindo exoneração. Mudei de profissão, pois cheguei a conclusão que seria mais sofrimento do que prazer e realização. Tive que largar tudo e começar de novo em outro ramo. E por mais contraditório que pareça, acho que o que fiz foi melhor pra minha vida profissional e pessoal. A desvalorização moral e financeira do professor é lamentável. A sociedade precisa se mobilizar pra mudar esse quadro.

  132. [email protected] Postado em 28/Sep/2013 às 20:42

    É revoltante a atual situação que o Brasil esta vivendo na educação, não tiro a razão do professor que desistiu de ser professor pois estudamos com um propósito e quando esse propósito não esta tendo retorno o ideal que procuraremos outras soluções, no caso dele o salário pois acredito que o professor era para ser a profissão mas valorizada e concorrida pois pra tudo na vida necessitamos de um professor, vamos ser sábio ao escolhermos nosso representantes no planalto só assim mudaremos a atual situação do nosso pais. ass: isaac am

  133. Eli Barros Bitencourt Postado em 30/Sep/2013 às 09:23

    Também exonerei meu cargo de supervisora pedagógica a na rede estadual de Minas Gerais..Acredita? Meu salário era de R$1330,00, com 15 anos de experiência na rede. O que nos entristece é saber que os bons profissionais não suportarão tanta desvalorização e abandonarão a rede pública de ensino, portanto os alunos que mais necessitam de uma boa educação, ficarão à mercê de profissionais menos preparados e pode ter certeza, o dia que estes adquirirem maior autonomia e qualificação, abandonarão também a rede pública estadual de Minas Gerais.Dizem que vivemos numa democracia,igualdade de direitos. Os alunos oriundos da classe menos favorecida estão tendo os mesmos direitos à uma educação de qualidade que os da classe média, alta? Só oferecendo tanta quota para tentar se redimir de tanta injustiça social, não é mesmo senhores políticos inconsequentes e desumanos... Tenho a esperança de que haja uma revolução no ensino deste Estado e que eu possa um dia voltar para a rede estadual e dar minha contribuição social enquanto educadora, sendo valorizada pela função social que meu exercício profissional desempenha... Enquanto isso, o jogador de futebol, o político... As exonerações chegaram a quase 2.000, representando quase 6 diariamente em Minas Gerais. QUE VERGONHA!!!

  134. marcia c c silva Postado em 09/Oct/2013 às 19:21

    Eu também fui professora, porém de língua portuguesa. Surtei devido ao excesso de trabalho (tinha que me desdobrar em 3 escolas para cobrir o orçamento), além do fato de trabalhar em área de risco (Grotão, Cidade Alta e Complexo da Maré), ser tratada com indiferença pelos meus diretores e patrões (prefeito Eduardo Paes, do município do RJ). Atualmente estou inválida para o trabalho, recebendo um insulto de 946,00 de aposentadoria. Graças a meus pais estou conseguindo sobreviver com esse valor que considero uma medalha da vergonha pelos 16 anos dedicados ao Magistério do Município do RJ.

  135. DAIANE CORREIA . Postado em 15/Oct/2013 às 18:06

    Eu tbm desisti de ser professora no Estado de São Paulo por este mesmo motivo.... muitos julgam esse professor por ter abandonado a carreira, mas infelizmente nessas condições de trabalho e de remuneração é impossível sobreviver... não nascemos para ser mártires enquanto políticos corruptos mamam nas tetas do governo... Espero que possamos mudar essa realidade votando em candidatos que invistam melhor na educação! lamentável ler isso neste 15 de outubro dia do professor.... uma profissão tão linda mas tão injustiçada pela rede pública de educação!

  136. Luciana Messias Ferreira Postado em 25/Oct/2013 às 23:28

    Também sou professora em São Paulo,triste situação ,amo o que faço,mas é um desafio diário,o professor realmente é um herói,além de aguentar vários desafios em sala de aula,tem que fazer milagre com seus rendimentos mensais.

  137. Fábio Postado em 30/Oct/2013 às 16:58

    Penso que o o senhor fez o melhor que pôde durante sua jornada e, se saiu, ninguém pode julgá-lo, pois cada um sabe de suas dificuldades. Lamento que um profissional dedicado tenha de chegar a esse ponto, devido à hipocrisia instaurada em diversos setores da sociedade que fingem que tudo está bem com a Educação. Mas tenho certeza de que levará essa experiência e que ganhará em qualidade de vida. Só critica quem é alienado ou quem não passa pela experiência.

  138. Lucio Postado em 01/Nov/2013 às 21:11

    Demorou a sair meu caro, as escolas publicas vendem uma ideologia em uma sociedade literalmente capitalista e canibalista, somente reforçam o sistema de exclusão e pior enganam os jovens que na sua maioria levam uma vida inteira mergulhados na ilusão sem possuir ganhos economicos satisfatórios. E não se trata de gostar disso ou daquilo é uma questão de sobrevivencia digna coisa que as ditas profissões essenciais não oferecem as condições adequadas.

  139. Gilson Postado em 14/Nov/2013 às 00:31

    Infelizmente sou mais um desistente, ao final desse ano encerrarei minha jornada como professor da rede publica estadual de MG, 2 anos nesse sistema educacional de faz de conta foram o suficiente para me desmotivar. Nossos alunos são apenas números para o governo, eles são empurrados até se formarem.

  140. Geraldo Postado em 14/Nov/2013 às 00:42

    Hoje está muito difícil ser professor, principalmente na rede publica estadual de Minas. Os alunos não nos respeitam, nos agride verbalmente e fisicamente, falta estrutura nas escolas, mas isso da para superar, tentar encontrar alternativas, etc. O que realmente me tirou a vontade de continuar ensinando são ordens e mais ordens para maquiar essa educação fajuta. A Educação em Minas é uma vergonha, não tem nada disso que aparece nas propagandas que passam na TV. São apenas números frios que nao correspondem com a realidade.

  141. GILMAR ALVES - SP Postado em 19/Nov/2013 às 21:10

    FORMEI HA QUASE 10 ANOS E ATÉ HOJE ESTOU PROCURANDO CORAGEM PRA COMEÇAR A LECIONAR, MAS SEMPRE DESISTO AO PENSAR NO MATERIAL HUMANO QUE TRABALHAMOS, QUE NADA QUEREM POIS AS ESCOLAS PÚBLICAS VIRARAM FÁBRICAS DE DIPLOMAS E SER APROVADOS NÃO É MAIS QUESTÃO DE GARANTIA DE CONHECIMENTO E SABER. ALÉM DISSO,NÃO SOMOS VISTOS PELOS GOVERNANTES COMO PEÇA FUNDAMENTAL DESTA ENGRENAGEM QUE ALAVANCA O BRASIL... É LAMENTÁVEL, POIS A PROFISSÃO PROFESSOR É CADA DIA MAIS COMPLEXA E EXIGE MUITO UM PROFISSIONAL ATUALIZADO E CONSCIENTE DO SEU PAPEL NA SOCIEDADE...VALEU AMIGO, SEI QUE VOCÊ ACORDOU E PERCEBEU QUE O SONHO DE CONSTRUIR UM PAÍS DE CIDADÃOS CONSCIENTE E CRÍTICO NÃO ERA SONHO, ERA UM GRANDE PESADELO....

  142. Felipe Postado em 27/Nov/2013 às 09:16

    Acho justo a atitude do professor, amar a profissão é uma coisa sofrer outra. Agora fico me perguntando como os posts podem influenciar nos comentários dos internautas, imagino que se o pragmatismo tivesse falado que ele saiu porque é consumista, capitalista, burguês e etc..., as pessoas perceberiam as manipulação e teriam criticado o site.

  143. Jorge Luiz Paiva Pedreira Postado em 04/Dec/2013 às 08:17

    Retrato do ensino público no Brasil, seja ele municipal, estadual ou federal. Se entendermos "profissão" como labor do qual se tira o sustento da vida, teremos que, lamentavelmente, reconhecer se trata de uma profissão em decadência, ou melhor, já decaída. Extinta. O professor, salvo raríssimas exceções, sobrevive. Tenho dito.

  144. Ana Paula Postado em 18/Dec/2013 às 11:24

    Caraca... tem ator global utilizando a mesma frase, no horário nobre, sobre a educação no Estado do Paraná... Podiam pelo menos mudar o texto né? Aqui os professores estão prestes a entrar de greve.. o Governo deve R$ 80 milhões. Mas a publicidade e propaganda continuam a mil maravilhas..

  145. Maura Postado em 18/Dec/2013 às 13:08

    Sou do Paraná e também vou deixar esta profissão, me graduei pela UFPR, vejo muitos outros colegas investido em pós e mestrado, não digo nada, mas todos sabemos que não vale a pena. Penso que ao invés de investir em aprimoramento que consome tempo e dinheiro o melhor é estudar para concursos federais de nível médio nos quais o salário e muito melhor sem ter dez por cento do aborrecimento que um professor tem. Um conselho a quem estiver lendo: não escolha essa carreira e não deixe seus filhos escolherem, pois a única coisa que ela tem a oferecer é frustração e sofrimento.

  146. Adailton Postado em 18/Dec/2013 às 14:08

    Triste realidade ao ouvir isso. Era nesses casos que os tais direitos humanos devia intervir, brigar por direitos na saúde e na educação, e não por aqueles que infelizmente se aproveitam para continuar fazendo suas maldades e de suas próprias vontades. Se os tais direitos humanos procurassem lutar por direitos e deveres de quem realmente precisa, não perderiam tanto tempo em lutar por direitos de bandidos e outros delinquentes. Deviam dar o melhor de si em proveito de uma boa educação e uma boa saúde. Se lutassem pelos direitos de um professor, acredito que eles ganhariam mais e perderiam menos tempo em defender esses trapos de imundícies que se tornam por não terem educação de qualidade. OBSERVAÇÃO: DIGO ISSO NÃO REFERENTE À EDUCAÇÃO QUE VEM DE BERÇO, MAS NA EDUCAÇÃO QUE PRODUZ SERES HUMANOS QUE BUSCAM CONHECIMENTOS E CRIAM RECURSOS PARA UMA SOCIEDADE MELHOR. NA verdade, triste ler uma matéria dessas, muito triste mesmo. Professor em todo o mundo deveria ser mais valorizado. Sem mais palavras....

  147. victor hugo ançay Postado em 18/Dec/2013 às 17:24

    Aqui no estado do Paraná nosso tucanalha Mór Beto Richa também usa a falácia de dizer que temos a melhor educação do pais. Os professores mais bem remunerados, a melhor qualidade de ensino. E para encobrir a fragilidade e deficiências na educação no estado também usa globais e campanhas mentirosas para enganar a população e fingir que vivemos em um mundo de sonhos. E o pior, a maioria acredita.

  148. Jorge Postado em 19/Dec/2013 às 08:01

    Professores, falo por experiência própria: classe muito despolitizada. Fico horrorizado com a atitude de parcela considerável de seus membros, alheias a atitudes que gerariam mais resultados, mesmo porque sendo despolitizada, não conseguem passar isso também para seus alunos. Esperam um salvador, quando a na verdade é o povo que salva o povo, e os professores tem acesso a esse poder. Paciência: no caso de Minas Gerais, são os professores mesmo que votam no Tio Aécio......

    • João Postado em 19/Dec/2013 às 14:48

      Trabalhar num setor,onde o funcionario nao tem apoio de nada,nao vale à pena.Vc,por amor à profissao,dá seu jeito,prá manter uma mera estabilidade.O salário nao ajuda e,vc confia,achando que tudo vai mudar.Sempre alimentando uma esperança de melhora,que é sempre empurrada com a barriga!

  149. Sandro Postado em 27/Dec/2013 às 17:48

    Aqui no Paraná está triste... professores sem salários e sem 13º, O problema é geral.... Vergonha nacional.... 2014 tem eleições e copa do mundo.... brincadeira

  150. Fabrícia Postado em 03/Jan/2014 às 22:30

    Analisei os comentários, para concluir o meu, sou PROFESSORA, gosto muito de lecionar, mas vejo tanto as reclamações dos professores que é desanimador, tenho outra profissão, mas gosto de lecionar, gosto de pelo menos tentar, e mexer um pouco naquilo que posso implantar nos alunos, se eles vão absover ou não, já não está no meu poder, pelo menos eu tento. Quanto ao salário, penso que ninguém nunca vai ganhar o tanto que acha que deveria ganhar, trabalhei 3 anos num banco, insatisfeita, deprimida, trabalhando 8 horas por dia, e não era feliz, se você quer ganhar exorbitantemente bem, acho que deveria ter pensado antes de escolher lecionar, ninguém foi obrigado a entrar. Tenho que me sustentar também, tenho sonhos e ambições, mas tapo meus ouvidos para as reclamações de tantos que não mexem nem uma palha para tentar mudar a sua vida. Procurar uma nova profissão é livre pra todos. Agora como disse um cometário acima, largar o barco antes mesmo de entrar nele... não vai mudar em nada, um sistema que é fechado. Se a classe fosse tão unida como tantas outras muitas coisas seriam conseguidas, mas a desunião começa dentro da propria classe. Espero que continuemos a lutar pela educação sim, porque se continuar dessa forma, nós é que não teremos um futuro feliz e com a consciência tranquila. Um abraço meus colegas de profissão e vamos continuar tentando e tentando, é melhor morrer lutando do que morrer arrependido por nao ter feito nada.

  151. Ebenezer F. Oliveira Postado em 11/Feb/2014 às 22:07

    Incrivel e chocante o caso deste professor que desistiu de sua nobre função de educador....ainda mais na rede pública....eu, de minha parte já estou pensando em fazer o mesmo aqui no estado de São Paulo onde dou aulas como contratado devido a baixa remuneração e precárias formas de contratação e condições de trabalho.....o que assusta é que este é o estado mais rico da Federação....pra quem acha que o pais não tem dinheiro....bem, o Brasil está entre as dez maiores economias do mundo....e apresenta indices de educação, medido pelo PISA, exame internacional, entre as últimas colocações ...ficando atrás até mesmo de estudantes de paises africanos....é irracional a situação da educação pública brasileira. Resta nos dizer aquela triste frase: O último que sair apague a luz!

  152. Matias de Alencar Ribeiro Postado em 29/Mar/2014 às 11:20

    Estou querendo sair disso também ... muita humilhação estudar tanto e ser desprezado nas escolas pelos alunos que não querem saber de nada e pelo governo e as instituições de ensino que somente querem explorar o professor.

  153. Walkiria Cordeiro Gerk Postado em 07/Apr/2014 às 18:50

    Interessante, todos falam como se os agovernadores fossem os únicos culpados. Para que servem os deputados estaduais, o Congresso Nacional ? Para que servem os Vereadores ? Acredito que só com muita pressão junto ao Congresso Nacional alguma coisa poderia ser feita. É um absurdo a imobilidade do povo desconhecendo a força que tem. NÓS TEMOS A FORÇA !

  154. suelen silva Postado em 06/May/2014 às 22:56

    Boa noite, quero aqui parabenizá-lo pela coragem de mudar sua vida para melhor. Desejo sucesso,pois lembre-se todos os dias aprendemos e ensinamos algo a alguém.

  155. kiria Postado em 15/May/2014 às 19:26

    Estou aqui lendo todos os depoimentos e também estou prestes a desistir do ensino público. Fui efetivada recentemente, mas o desgosto pela falta de reconhecimento e o salário precário dificulta o trabalho do professor. É triste ter que chegar a este ponto, mas é preciso. Tenho que pensar em mim e no sustento da minha família. Enfim, estou deixando e admiro que tem essa coragem.

  156. Amanda Postado em 05/Jul/2014 às 11:30

    Triste realidade! Na minha cidade um professor ganha a fortuna de R$8,79 a hora. Calculando isso por 8 horas trabalhadas em 24 dias ao mês, temos em média R$1.687,68 ao mês. Vamos calcular o IPVA em Janeiro, O IPTU nos 6 meses do ano e a comida que o professor precisa para ir trabalhar todos os dias. Será que dá certo? Fora que o professor pode ficar doente, precisa de roupas e, talvez, ainda pague o aluguel. Desistir não é a solução, mas talvez a melhor escolha para ter uma vida melhor. O desabafo faz parte da necessidade humana. Entender já não é para qualquer um, por isso há os que riem... Sucesso, professor! Saiba que o senhor foi, é e sempre será o futuro do nosso País. Aliás, é a ferramente ESSENCIAL para que tenhamos um futuro melhor.

  157. Regis Postado em 31/Jul/2014 às 18:20

    Está faltando pouco p eu tb abandonar. N aguento mais gritar todos os dias em sala de aula (c mais de 40 alunos e a diretoria n quer dividir as turmas pq a escola n tem professor suficiente), trabalhar 32 horas DENTRO DE SALA DE AULA - sim, a prefeitura de Salvador esta fzd isso c seus professores ! Estamos trabalhando mais q a carga horaria exigida na lei do piso (deveriam ser 2/3 em sala de aula), jah brigamos, nosso sindicato eh uma piada e a classe eh mt desunida. Os proprios diretores (q tb saum professores) n pensam nos colegas, so cumprem os desmandos loucos dessa prefeitura sem noção. alem disso, trabalho com alunos traficantes, violentos, q fazem altas ameaças e n posso fz nda, pq o estatuto da criança e adolescente protege os marginais menores, mas se um professor for agredido, problema dele!! O salário eh so a ponta do Iceberg...Claro q eh péssimo, tds jah sabem disso - ateh alguns alunos ganham mais q eu como vendedores de cachorro-quente autonomos - mas o pior msm sao as condições horriveis de trabalho. 32 horas em sala, gritando, sem materiais, sem piloto p escrever no quadro, cotizando td dia 5 reais p comprar agua p bebermos, c alunos terriveis (alguns realmente bandidos), sala superlotada, mais as horas na escola em reuniao (ac) e as hs em casa corrigindo provas e elaborando aulas!! Td isso por um salario precario. Eu estou qs desistindo...confesso q esta faltando mt pouco mesmo p eu abandonar a escola

  158. Bruna Postado em 22/Jun/2015 às 00:47

    Que estranho pragmatismo. Eu posso jurar que esta foto foi tirada num colégio particular. Mas precisamente colégio Positivo, da rua Vicente Machado em Curitiba PR. E Os créditos, estão certos ?

  159. antonio Postado em 22/Jun/2015 às 17:14

    Lecionei dezenas de anos, em escolas particulares e publicas, como uma segunda atividade.Minha esposa era professora (alfabetizadora) também. Concordo inteiramente com o pleito dos professores de escola publica dos diversos estados brasileiros; dos vários niveis de ensino.Mas tenho a convicção de que para termos uma educação de qualidade,o problema não se resume apenas nisso. Educação deveria ser considerada um "objetivo nacional permanente", e como tal, ficar bem longe do alcance dos politicos. Além disso, deveria ser rediscutida, desde o conceito: o que é educação, em que consiste, para que serve, como ministrá-la.