Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Religião 13/Mar/2013 às 12:07
11
Comentários

Jesuscracia: PSC e PRB negam responsabilidade por cartaz

Partidos negam responsabilidade por cartaz que pede ‘jesuscracia’ no Brasil. Logotipos de PSC e PRB aparecem no banner que circula pela internet pedindo aos eleitores que votem apenas em candidatos religiosos para que o país possa escrever uma ‘Constituição Cristã’

O Partido Social Cristão (PSC) e o Partido Republicano Brasileiro (PRB) negaram hoje (13), em entrevista à RBA, responsabilidade por um cartaz que está circulando pelas redes sociais em comemoração à eleição do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara – que a peça publicitária considera uma “vitória de Deus”.

jesuscracia banner psc prb

Partidos negam responsabilidade por cartaz que pede ‘jesuscracia’ no Brasil (Foto: Reprodução)

O banner começa com a expressão “Vencemos!” e continua dizendo que, apesar do “êxito” obtido na última semana, a “luta por um Brasil de Deus está longe de acabar”. Por isso, recomenda aos leitores que nas próximas eleições votem apenas em candidatos cristãos. “Com maioria no legislativo, vamos ungir o Brasil em nome do senhor e convocar uma Assembleia Constituinte para dar ao Brasil uma Constituição Cristã”, propõe. “Não esqueça que deus vigia teu voto. Vamos transformar o Brasil em uma jesuscracia.”

Procurada, a chefia de comunicação do PSC já estava a par da situação e afirmou que não se trata de uma peça do partido – pelo menos não oficialmente. “Nem sei o que o logotipo do PSC está fazendo ali.” Por outro lado, a coordenadora de redes sociais do PRB afirmou sequer conhecer o banner.

E espantou-se ao ver a “assinatura” do partido endossando o comunicado. Além de PRB e PSC, a peça traz ainda, como apoiadores, as marcas da Igreja Universal do Reino de Deus, Assembleia de Deus, Ingreja Internacional da Graça de Deus e Igreja Mundial do Poder de Deus.

Leia também

Está marcada para as 14h de hoje a primeira sessão da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, presidida pelo deputado Pastor Marco Feliciano. Por requerimento do parlamentar, o grupo deverá discutir a situação dos moradores de rua, violência e exploração sexual contra crianças e adolescentes, inclusão no mercado de trabalho sem qualquer tipo de preconceito e um pedido à embaixada do Brasil na Bolívia para que interceda em defesa dos torcedores brasileiros detidos no país.

Rede Brasil Atual

Recomendados para você

Comentários

  1. Rodrigo Postado em 13/Mar/2013 às 12:52

    O problema todo começa quando os candidatos buscam a mistura da religião com a política, buscando uma aura messiânica ou ainda buscando demonizar o adversário, buscando confundir o povo. Inicialmente tínhamos a sofrível disseminação em igrejas, claro que com a participação de adversários, de ridícula acusação no sentido de que "o diabo teria a língua presa e um dedo a menos." Abandonados, pois, os argumentos, com o único intuito de demonizar a figura de Lula. Chegando ao poder, o PT, assim como PSDB e demais partidos, viu que o uso da fé é um meio poderoso de angariar votos, conforme vídeos que seguem, com Feliciano pedindo votos pra Dilma ( http://www.youtube.com/watch?v=Go6rD4xGli8), ao que Valdomiro (http://www.youtube.com/watch?v=Gsa2eWP-YvQ) e Malafaia pedem pra Serra (http://www.youtube.com/watch?v=pD_LMvjcEYc). Então os próprios políticos, dos mais diversos partidos, abriram as portas para tal situação, o que foi seguido pelo surgimento de partidos que são quase igrejas, restando a atual situação. Ao fim, sou católico e concordo que o Estado há de ser laico, pois não tenho o direito de impor meus preceitos religiosos a ninguém, assim como não quero que ninguém imponha os seus a mim, respeitando ainda o direito de quem é ateu.

  2. Rodrigo Teixeira Postado em 13/Mar/2013 às 13:01

    E ai de quem criticar ! Porque aparentemente dizer que a bíblia não pode influenciar em nada a constituição brasileira virou intolerância religiosa. Em quanto continuarmos acreditando que temos que tratar os religiosos e suas crenças com luvas de pelica, isso só irá piorar.

  3. Fernando Postado em 13/Mar/2013 às 17:59

    Claro que nosso estado é laico não é? Então po que é permitido que partidos usem palavras religiosas nos nomes dos partidos? Hipocrisia é dose.

  4. luiggi Postado em 14/Mar/2013 às 09:07

    Volto a bater na mesma tecla de novo: essas seitas, aliadas à ultra-direita Opus Dei Católica - que acabou de eleger o novo chefão da "Camorra Vaticana" - estão jogando todas as cartas para não perder seu poder. São fomentados e abastecidos pelo sionismo internacional que financia estes grupos e morre de medo que a América Latina dê uma guinada definitiva em direção à esquerda, rompendo laços colonialistas seculares que existem por estas bandas. Na década de 70, no subúrbio do Rio, Edir Macedo era só mais um lunático pregando sua mensagem. Ele e seu cunhado, hoje dono da Igreja da Graça, pregavam em um depósito alugado para meia dúzia de gatos pingados. Com a guinada de parte do clero da igreja católica a favor dos pobres, inspirada pela Teologia da Libertação do teólogo brasileiro Leonardo Boff e a formação do dossiê sobre perseguidos políticos e sua entrega ao presidente Jimmy Carter pelo então cardeal de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, as coisas começaram a mudar nas terras tupiniquins. O regime militar se encontrava em perigo e precisava se articular para enfraquecer esta nova corrente dentro do catolicismo tupiniquim. A Opus Dei cresceu vertiginosamente, principalmente em São Paulo, cooptando magistrados, políticos e empresários. O governo tratou de "abrir" as portas para as novas seitas neo-pentecostais, TODAS oriundas, em sua origem, dos EUA e que trazem em seu bojo a teologia da prosperidade como forma de atração aos incautos. De repente, Edir Macedo literalmente explodiu no Brasil. Comprou a falida rede Record de Televisão e daí por diante todos conhecem a história. Assembléias de Deus, IURD, igreja da Graça (do cunhado de Edir Macedo) começaraam a crescer de forma espantosa, elegendo deputados, vereadores, prefeitos e impondo seus princípios dentro das casas legislativas do país. Sim, porque vivemos num país tão miserável em termos culturais que os não-religiosos morrem de medo de contrariar estes fanáticos por incorrerem em algum pecado e desagradar a plebe carola e, como bons ignorantes que são não querem arrumar briga com o chefel á de cima. Pura burrice. Incompetência. Falta de leitura. A maioria safada destes nossos políticos não sabe o mínimo que qualquer ser civilizado deveria saber para ocupar um cargo eletivo. É por isso que as casas legislativas deste país mais parecem um mercado de bugigangas onde se negocia de tudo e para quem quiser comprar ou vender. Basta ter dinheiro. E estes safados que querem impor seu ponto-de-vista sobre o que as pessoas devem ou não fazer com seus corpos, com seu sexo, com sua vida afetiva, sob o argumento hipócrita de que são representantes e intérpretes da vontade divina na terra são, EM SUA ABSOLUTA MAIORIA, pessoas de passado suspeito, quando não acusados em alguma instância da justiça. E querem implantar uma teocracia... Tá bom. Lugar de talebans é lá no Afganistão.

  5. luiggi Postado em 14/Mar/2013 às 09:22

    Volto a bater na mesma tecla de novo: essas seitas, aliadas à ultra-direita Opus Dei Católica - que acabou de eleger o novo chefão da "Camorra Vaticana" - estão jogando todas as cartas para não perder seu poder. São fomentados e abastecidos pelo sionismo internacional que financia estes grupos e morre de medo que a América Latina dê uma guinada definitiva em direção à esquerda, rompendo laços colonialistas seculares que existem por estas bandas. Na década de 70, no subúrbio do Rio, Edir Macedo era só mais um lunático pregando sua mensagem. Ele e seu cunhado, hoje dono da Igreja da Graça, pregavam em um depósito alugado para meia dúzia de gatos pingados. Com a guinada de parte do clero da igreja católica a favor dos pobres, inspirada pela Teologia da Libertação do teólogo brasileiro Leonardo Boff e a formação do dossiê sobre perseguidos políticos e sua entrega ao presidente Jimmy Carter pelo então cardeal de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, as coisas começaram a mudar nas terras tupiniquins. O regime militar se encontrava em perigo e precisava se articular para enfraquecer esta nova corrente dentro do catolicismo tupiniquim. A Opus Dei cresceu vertiginosamente, principalmente em São Paulo, cooptando magistrados, políticos e empresários. O governo tratou de "abrir" as portas para as novas seitas neo-pentecostais, TODAS oriundas, em sua origem, dos EUA e que trazem em seu bojo a teologia da prosperidade como forma de atração aos incautos. De repente, Edir Macedo literalmente explodiu no Brasil. Comprou a falida rede Record de Televisão e daí por diante todos conhecem a história. Assembléias de Deus, IURD, igreja da Graça (do cunhado de Edir Macedo) começaraam a crescer de forma espantosa, elegendo deputados, vereadores, prefeitos e impondo seus princípios dentro das casas legislativas do país. Sim, porque vivemos num país tão miserável em termos culturais que os não-religiosos morrem de medo de contrariar estes fanáticos por incorrerem em algum pecado e desagradar a plebe carola e, como bons ignorantes que são não querem arrumar briga com o chefe lá de cima. Pura burrice. Incompetência. Falta de leitura. A maioria safada destes nossos políticos não sabe o mínimo que qualquer ser civilizado deveria saber para ocupar um cargo eletivo. É por isso que as casas legislativas deste país mais parecem um mercado de bugigangas onde se negocia de tudo e para quem quiser comprar ou vender. Basta ter dinheiro. E estes safados que querem impor seu ponto-de-vista sobre o que as pessoas devem ou não fazer com seus corpos, com seu sexo, com sua vida afetiva, sob o argumento hipócrita de que são representantes e intérpretes da vontade divina na terra são, EM SUA ABSOLUTA MAIORIA, pessoas de passado suspeito, quando não acusados em alguma instância da justiça. E querem implantar uma teocracia no Brasil... Tá bom. Lugar de talebans é lá no Afganistão.

  6. Demo Postado em 22/Mar/2013 às 11:38

    Se é uma vitória de Deus então esse deus é sádico, cruel, ignorante....

  7. Rich Postado em 31/Mar/2013 às 01:08

    - A VITÓRIA DE DEUS, É A VERDADE! E A VERDADE É QUE DEUS NÃO ACEITA SUBORNO, MENTIRA, PERSEGUIÇÃO..., O FATO É QUE QUANDO VOCÊ, QUE NÃO FAZ A VONTADE DE DEUS, QUANDO PRECISA DELE O CHAMA. PORÉM PARA COMBATER O ERRO, SE ESCONDE. OU MELHOR, LUTA SEM PENSAR O QUE JESUS FARIA SE ESTIVESSE NO SEU LUGAR!!!

  8. Marcio Postado em 12/Apr/2013 às 00:58

    -ENTENDI O CARTAZ, QUER DIZER QUE JESUS CRISTO É QUEM MANDA. ISSO EU JÁ SABIA.

  9. Milton Junior Postado em 15/Apr/2013 às 17:29

    Meo, quem não vê que isso é apenas artificio para denegrir essas instituições. Argumentos consistente é totalmente valido para defender o Estado laico, mas isso ai já é imoral. Nunca vi em nenhum vídeo religioso, algum líder falar de tal assunto.

  10. Diogo Postado em 23/Apr/2013 às 18:34

    Estratégia do movimento GLS. Só isso. Um viral na web.