Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Índios 19/Mar/2013 às 22:22
26
Comentários

Indígenas são chamados de 'sujos', 'fedidos' e expulsos de sala de aula

Chamados de “sujos” e “fedidos”, indígenas são expulsos de sala de aula. Segundo denúncia, grupo de indígenas foi expulso da sala de aula pelo diretor do colégio, pressionado por professores e estudantes não-indígenas

Cerca de 28 estudantes indígenas Kaiowá e Guarani da aldeia Campestre foram retirados de uma sala de aula de uma escola estadual em Antônio João (MS), sob a alegação de que eram “sujos” e “fedidos”. A denúncia foi realizada pelo conselho do Aty Guasu, grande assembleia Guarani e Kaiowá do Mato Grosso do Sul, no último dia 12, no Ministério Público Federal do estado, em Dourados.

crianças indígenas sujos fedidos

Chamados de “sujos” e “fedidos”, indígenas são expulsos de sala de aula. (Foto: Ruy Sposati/Cimi)

Atualmente, a comunidade de Campestre tem acesso, no próprio tekoha (aldeia), ao ensino básico e fundamental. Para cursar o ensino médio, os estudantes precisam sair da aldeia e estudar em colégios no perímetro urbano do município.

Segundo a denúncia, no dia 27 de fevereiro, o grupo de indígenas foi expulso da sala de aula da turma do primeiro ano do ensino médio matutino da Escola Estadual Pantaleão Coelho Xavier pelo diretor do colégio, pressionado por professores e estudantes não-indígenas.

“Disseram pros nossos estudantes que eles não deveriam estudar ali”, conta a liderança da aldeia, Joel Aquino. “Disseram aos nossos jovens que se eles continuassem estudando o ano todo, iam encher a sala e escola de terra, porque somos sujos e temos ‘pés sujos’. E ‘chulé’, que as indígenas femininas tem aquele cheiro forte de mulher”, conta. O diretor colocou o grupo do lado de fora da sala de aula, enquanto o professor continuou dando aula para os não-indígenas. “Às vezes o professor ia lá fora passar alguma atividade para os indígenas”, diz Joel.

Leia também

Quando voltaram à aldeia, os estudantes relataram à comunidade o que havia acontecido. Joel conta que ele próprio e uma outra liderança da aldeia, em momentos diferentes, foram pessoalmente falar com o diretor da escola, que confirmou ter expulsado os jovens da aula por considerar que eles não eram higiênicos o suficiente.

“Depois disso, nossos estudantes não querem mais frequentar a escola por motivo de vergonha, tamanha a situação humilhante que passaram”. Segundo Joel, apenas três deles resolveram continuar frequentando as aulas na escola estadual. “O resto está perdendo aula, decidiram que não vão [para a escola]. Os três que estão indo disseram que o diretor decidiu que eles podem voltar pra sala de aula, porque são poucos. Mas que se voltar a ir todo mundo, eles não vão poder ficar na sala”, conclui.

Além do MPF, os relatos também foram encaminhados à Fundação Nacional do Índio (Funai) e a representantes da Secretaria de Direitos Humanos.

Por Ruy Sposati, Cimi. Dica de Rafael Silva, via Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Bruno Sette Postado em 19/Mar/2013 às 22:30

    Puts, o assunto foi parar na Direitos Humanos? Coitados dos índiozinhos...

  2. edson gomes Postado em 19/Mar/2013 às 22:36

    o Feliciano vai dar um premio á esse diretor.

  3. Igoe Postado em 19/Mar/2013 às 22:48

    Se não der um emprego

  4. maria lucia Postado em 19/Mar/2013 às 23:13

    É muito vergonhoso ver tudo isso acontecendo. Quem deveria educar cometer atos bárbaros como este.

  5. Rose Couto Postado em 20/Mar/2013 às 00:10

    De fato, os odores do corpo devido a falta de higiene são desagradáveis e incomodam, e sabemos que o direito de um termina onde começa o do outro. Mas tirar os alunos da sala de aula não foi uma boa solução.Talvez uma conversa aberta, com todos os alunos, como uma aula, explicando sobre a necessidade e importância dos hábitos de higiene para a saúde e boa convivência dessem melhor resultado.

  6. marcelo coutinho Postado em 20/Mar/2013 às 04:23

    O feliciano deve estar dando gargalhadas! Sério, muito sério!

  7. Pedro Igor Postado em 20/Mar/2013 às 06:10

    Olha só... acredito que o professor errou em agir da forma como agiu com os garotos, ele deveria tê-los chamado para uma conversa em particular para resolver a situação... afinal, ninguém é obrigado a ficar aguentando cheiros ruins, ainda mais na sala de aula, que é um lugar de atenção!

  8. Felipe Postado em 20/Mar/2013 às 07:16

    Ah, pois não. E presumo também que você ande por aí com uma camiseta onde está estampada a carinha do Feliciano, com a legenda: "Tá na Bíblia".

  9. Leandro Postado em 20/Mar/2013 às 08:42

    Feliciano rules!

  10. Leandro Postado em 20/Mar/2013 às 08:45

    Se Pedro Igor fez esse comentário seriamente, é um calhorda. Se o fez apenas para causar alguma polêmica, é um completo calhorda.

  11. Dhan Nunez Postado em 20/Mar/2013 às 11:00

    Chama-los pra conversar? esse idiota está afirmando que os indígenas são sujos e fedorentos? provavelmente é o msm tipo de pessoa daqueles que expulsaram os índios da sala de aula.

  12. Karolyne Gilberta Postado em 20/Mar/2013 às 12:31

    Se Pedro Igor fez esse comentário seriamente, é um calhorda. Se o fez apenas para causar alguma polêmica, é um completo calhorda.² Isso não é postura de ser humano nenhum, que dirá alguém que deveria ser um educador. Eu como professora me envergonho profundamente de um absurdo desses. Nossa sociedade está mais doente do que aparenta.

  13. rogério Tigerface7 Postado em 20/Mar/2013 às 15:13

    AINDA ,TRANSFERIDO,ISTO SERVE PARA USO DOS NEFASTOS SE NECESSÁRIO FOR.

  14. Alexandre Postado em 20/Mar/2013 às 19:50

    Temos que acompanhar isso, chega de discriminação, mesmo com leis estamos cansados de ver situações absurdas como essa, nem parece que estamos no século 21, que vergonha alheia.

  15. Cláudio Apurinã Postado em 21/Mar/2013 às 09:44

    Sinceramente isso é um absurdo sem tamanho e este "PROFESSORZINHO" de araque e de meia tijela tem que se retratar em publico e deve voltar a sala de aula para reaprender os bons modos e respeitar os Povos Indígenas em geral. Eu acredito ainda no poder do MPF e da própria FUNAI se não temos que apelar aos representantes dos Direitos Humanos Internacionais, pois isto é inadimissível. Cláudio Apurinã Bacharel em Ciência Política, direto de Manaus Amazonas...

  16. Zenilda Bentes Postado em 22/Mar/2013 às 07:45

    E muituito serio essa questao do preconceito e discriminaçao.Esse diretor deve ser processado para saaber respeitar os direitos humanos.Ele se coloca no mesmo nivel dos alunos que ainda maturidade e nem foram orientados terem respeito pelas pessoas diferentes.No minimo ele podia ter chamado os responsaveis dos indigenas e discutir essa situaçao.Sabemos que a higiene e necessaria.Acho que foi um exagero.Ser indigena, nao significa ser sujo e nem fedido.Chamem os direitos humanos. Abaixo o preconceito.Diretor vá se formar para lidar com as diferenças

  17. Rivelino.Panton Postado em 22/Mar/2013 às 13:43

    Gostaria de compartilhar com meus parentes que: O fato de os indigenas serem sujos e fedidos partiu desde 1500, época do "descobrimento". Os ditos "Brancos " e "Civilizados" começaram se organizar para roubar seus próprio parente e assim uns ganharam mais e outros menos, ou seja, existem também "brancos" sujos e mais fedidos. Os menos fedidos ficaram mais sujos roubando seu próprio irmão. A sujeira continua entre eles. Como pode um "educador" ser tão sujo a ponto de expirar sentimento de exclusão de seus alunos que estão no senso para lhe ajudar a ganhar seu pão. Avante irmãos, sujos ou fedidos, estamos mostrando a eles a capacidade de sermos responsáveis por nós mesmos. Vamos mudar essa história.

  18. Thiago Postado em 22/Mar/2013 às 17:07

    Galera, vamos aos fatos ... um banho de vez em quando é bom né? Seja índio, asiático, sarará, negão, loiro ....

  19. David Alexander Postado em 24/Mar/2013 às 06:41

    Sera que eles fediam mesmo? O preconceito existe de forma absurda, mas não creio que o diretor fez isso só pelo fato deles serem índios, acredito que alguma coisa deve ter incomodado o restante da sala. (Se os índios fediam acho que seria uma boa, liberar um toalete para eles, mas manda embora foi drástico)

  20. Cairo Postado em 19/Apr/2013 às 19:58

    Mesmo que eles estivessem realmente fedidos isso não justifica o ato do diretor. Se fossem brancos e de olhos azuis nunca teriam sido expulsos.

  21. Luiz Carlos Ubaldo Gonçalves Postado em 02/May/2013 às 08:45

    Gente má, idiota que se comporta assim com nossas crianças, quem vai punir esses cretinos?

  22. Rodolfo Postado em 04/Jun/2013 às 19:41

    É muita falta de bom senso, inclusive nos comentários!

  23. Eunice Terra Fomm Postado em 11/Jun/2013 às 14:19

    Pois que está envergonhada sou eu! E em nome de todos que estão se sentindo constrangidos com a atitude deplorável dessa escola em relação aos nossos irmãos da floresta, espero que nos perdoe, porque apesar dos perfumes e adereços industrializados, ainda somos perversos, incessíveis, cruéis e imbecis. No lugar do cérebro temos um saco de lixo e no do coração pedras

  24. Ediraldo cartao de credito bradesco Postado em 06/Jun/2014 às 01:16

    Atraves do caminho envolvendo o nivel de resistencia pode ser a escolhado do tipos a se incorrer para um cada um deles. Deve ser um tremendo avanco, nap obstante. Meu parceiro e eu temos certeza que podemos abandonar a nossa tecnica anterior de lidar com estes fatores, vendo o artigo anterior. Com sorte, a maioria delas serao divididas.