Redação Pragmatismo
Compartilhar
Desigualdade Social 15/Feb/2013 às 19:18
34
Comentários

Os bilionários e a fome mundial: rios de dinheiro e oceano de tristeza

Os bilionários e a fome no mundo: poucas são as mãos levantadas em prol dos famintos do mundo. A preocupação dos "Imperadores do Mundo” é outra

Marcos Eduardo de Oliveira*, Adital

De acordo com o Índice de Bilionários da Bloomberg, o mexicano Carlos Slim, dono de negócios no ramo de telecomunicações em 18 países, com uma fortuna avaliada em US$ 78,4 bilhões, é o maior bilionário do planeta. Depois dele, vem o cofundador da Microsoft, o norte-americano Bill Gates, com fortuna de US$ 65,8 bilhões, seguido pelo espanhol Amancio Ortega, fundador do grupo têxtil Inditex, dono da marca Zara, com US$ 58,6 bilhões. A soma dessas três maiores fortunas atinge US$ 202,8 bilhões.

fome desigualdade

Os bilionários e a fome no mundo: Nunca é demasiado lembrar que habitamos um mundo em que o custo diário para alimentar uma criança com todas as vitaminas e os nutrientes necessários custa apenas 25 centavos de dólar.

Pelo lado dos brasileiros, os quatro maiores bilionários são: Jorge Paulo Lemann, investidor controlador da Anheuser-Busch InBev, maior cervejaria do mundo, com fortuna avaliada em US$ 19,6 bilhões. Em segundo lugar vem o banqueiro Joseph Safra, com patrimônio de US$ 12 bilhões. O terceiro e quarto lugares, respectivamente, ficam com Dirce Camargo, herdeira do grupo Camargo Correa, com fortuna estimada em US$ 14,1 bilhões e, com o empresário Eike Batista, com fortuna avaliada em US$ 11,4 bilhões. A soma das fortunas desses quatro maiores bilionários brasileiros atinge a cifra de US$ 57,1 bilhões. Já a fortuna somada desses sete “imperadores do dinheiro” chega a US$ 259,9 bilhões.

De um lado, rios de dinheiro; do outro, um oceano de tristeza e miséria evidenciada pela fome e subnutrição que atinge, segundo dados da FAO (Fundo para a Agricultura e Alimentação), 1 bilhão de pessoas no mundo. Os que todos os dias tem estômagos vazios e bocas esfaimadas são 14% da população mundial, um entre seis habitantes.

Com US$ 44 bilhões (17% da fortuna dos 7 bilionários citados) resolveria o problema desse 1 bilhão de famintos espalhados pelo mundo. O drama da fome é tão intenso que dizima uma criança com menos de cinco anos de idade a cada minuto. Isso mesmo: uma criança menor de 5 anos morre a cada 60 segundos vítima da falta de alimentos em seus estômagos. Isso porque estamos num mundo em que a produção de grãos (arroz, feijão, soja, milho e trigo) seria suficiente para alimentar mais de 10 bilhões de pessoas.

Leia também

Somente o Brasil, terceiro maior produtor de alimentos do mundo, atrás apenas dos EUA e da China, verá sua safra de grãos aumentar em mais de 20% na próxima década. No entanto, essa ignomínia chamada fome vai derrubando corpos inocentes ao chão também em nosso pedaço de terra. A situação aqui não é muito diferente da mundial. Em meio às controvérsias em torno do real número de famintos (50 milhões para a FGV, 34 milhões para o IBGE e 14 milhões de pessoas para o governo federal) a fome oculta (caracterizada pela falta de vitaminas e minerais que afeta o crescimento físico e cognitivo, bem como todo o sistema imunológico) atinge 40% das crianças brasileiras. No mapa mundial da subnutrição, estamos na 27ª posição, com 9% da população.

Em pleno século XXI, num mundo em que a tecnologia desenvolve técnicas apuradíssimas para clonar tudo o que bem entender, a fome mata atualmente mais pessoas do que a AIDS, a malária e a tuberculose juntas. Numa época em que o dinheiro corre solto pelos cassinos e praças financeiras em busca de lucro e especulação, a Syngenta, multinacional suíça da área agrícola, investe todos os anos a importância de US$ 1 bilhão em pesquisas agrícolas, mas fecha as mãos para a ajuda internacional aos famintos.

eike batista casa carro

Eike Batista, 4º homem mais rico do Brasil guarda carro de luxo na sala de sua casa (Foto: Forbes)

Nunca é demasiado lembrar que habitamos um mundo em que o custo diário para alimentar uma criança com todas as vitaminas e os nutrientes necessários custa apenas 25 centavos de dólar. Contudo, em decorrência da desnutrição crônica, cerca de 500 milhões de crianças correm risco de sequelas permanentes no organismo nos próximos 15 anos. De acordo com a ONG (Salvem as Crianças), a morte de 2 milhões de crianças por ano poderia ser prevenida se a desnutrição fosse combatida.

Mas, poucas são as mãos levantadas em prol dos famintos do mundo. A preocupação dos “Imperadores do Mundo” é outra. Refresquemos a memória em relação a isso: em apenas uma semana os líderes das maiores potências do planeta “fizeram” surgir 2,2 trilhões de dólares (US$ 700 bilhões nos Estados Unidos e mais US$ 1,5 trilhão na Europa) para salvar instituições bancárias no auge da crise econômica que se abateu (e ainda vem se abatendo) sobre as mais importantes economias mundiais desde 2008.

Se a preocupação fosse salvar vidas de desnutridos, incluindo a vida de 900 mil crianças no mundo (30% delas residentes em Burundi, Congo, Eritréia, Comores, Suazilândia e Costa do Marfim), esses mesmos “imperadores” tirariam dos bolsos a importância de US$ 25 milhões por ano, que é o custo estimado para salvaguardar com nutrientes esse contingente de crianças até 2015.

*Marcus Eduardo de Oliveira é Economista, professor e especialista em Política Internacional pela Universidad de La Habana – Cuba

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Eduardo Nascimento Gomes Postado em 15/Feb/2013 às 20:46

    Texto maravilhoso. Só uma observação: dizimar não é sinônimo de matar. Quando se diz que os índios foram dizimados, quer se dizer que foram reduzidos a um décimo da população que havia em determinado momento na história. De resto agradeço por compartilhar essas informações magníficas, que nos ajudam a refletir enquanto mostram o abismo econômico tão comum em nosso mundo.

    • Bruno Postado em 18/Sep/2013 às 18:41

      Aulete dizimar • (di.zi.mar) v. 1. Causar a morte de um grande número de pessoas (de) [um conjunto, uma população etc.]); ANIQUILAR; EXTERMINAR [td. : As guerras modernas dizimam cidades e civis.: A peste dizimou a Europa na Idade Média.] 2. Fig. Destruir, devastar (alguma coisa); ASSOLAR [td. : A seca dizimou o Nordeste.] [int. : A fome dizima terrivelmente.] 3. Diminuir muito o número de; tornar raro; DISSIPAR; RAREAR [td. : dizimar uma herança: A falta de leitura dizima o conhecimento.] 4. Ant. Mil. Matar (um soldado) ger. a cada dez, como punição à tropa por sublevação ou outro crime militar [td. : Mandaram dizimar uma parte da tropa.] 5. Ant. Desus. Impor ou cobrar o pagamento de dízima [int. ] [F.: Do lat. ecl. decimare. Hom./Par.: dizima (s) (fl.), dízima (s) (sf.[pl.]); dizimo (fl.), dízimo (sm.).]

  2. Gustavo S Postado em 16/Feb/2013 às 15:32

    Excelente!

  3. Alexandre Postado em 16/Feb/2013 às 17:39

    Primeira coisa que deve-se ter em mente é que pobreza gera capital... No caso onde a matéria cita que os grandes bilhonários não pensam 2 vezes em investir nos bancos para salvar das crises é uma coisa simples: Eles estão mantendo o sistema de escravidão funcionando!!! Ou seja, estão garantindo que o sistema mantenha eles como bilhonários, pois se os bancos falirem, eles serão como eu e você, apenas um cidadão comum... E isso é o maior pesadelo de todos os ricos... Outra coisa que pode ocorrer para a destruição do sistema é todo mundo ir aos bancos e sacar o dinheiro ao mesmo tempo, isso geraria a falência do sistema econômico, obviamente somente as primeiras pessoas conseguiriam pegar dinheiro, depois os bancos fechariam... E assim os novos ricos seriam quem sacou o dinheiro primeiro... Para entender como isso funciona assista o documentário sobre como o dinheiro é criado: https://www.youtube.com/watch?v=svQSnw9Lrr8

  4. Lucas Postado em 17/Feb/2013 às 06:42

    Muito interessante o texto. "rios de dinheiro e oceano de tristeza' bem colocado.

  5. Manoel Inácio de Jesus Lubini Postado em 17/Feb/2013 às 08:52

    Jogar a culpa nos bilionários é muito simplório, quero ver é cada um de nós, inclusive o autor do texto provar o que faz pra mudar esse cenário. Eu procuro ajudar pessoas carentes lhes dando dinheiro e comida quando necessário, mas isso longe de resolver a situação dessas pessoas cria uma dependência séria. O que faço é lhes mostrar como elas podem sair da situação por conta própria e não ficar dependendo de esmolas.

    • tiago carneiro Postado em 31/Dec/2013 às 17:24

      coxinha detected.

      • Dodô Postado em 03/Feb/2014 às 16:08

        hehe, detected de fato Tiago

    • Ismael Postado em 31/Dec/2013 às 21:04

      Mais um coxinha detectado! Discurso chato ouvido desde a Revolução Industrial e os pobres só conseguiram algumas melhoras de lá para cá graças às pressões dos movimentos dos trabalhadores. É preciso taxar a fortuna dos mais ricos e repassar recursos para saciar a fome, primeiro porque quem tem fome não vai esperar, e depois produzir meios de trabalho.

    • Flavio Hernandez Postado em 03/Jan/2014 às 03:38

      Coxinhaonline... rs. Então, vamos deixar os bilionários de lado e vamos nós fazer alguma coisa... Vamos ajudar muuuuito mais gente do que eles... Babação de ovo é dose. Seria legal nos mostrar como explica o que fazer para poderem sair da situação por conta própria... Ah, colocando também exemplos que tiveram êxito. Sei que você não quis falar, mas deu pra sentir uma pontinha de crítica ao Bolsa-Família nesse discursinho.

  6. Mirella Thalita Postado em 17/Feb/2013 às 13:58

    É como a teoria Marxista, é necessário que se estabeleça as reformas sociais (educação, emprego e renda).

  7. Alexandre Postado em 18/Feb/2013 às 18:05

    Com US$ 44 bilhões (17% da fortuna dos 7 bilionários citados) resolveria o problema desse 1 bilhão de famintos... Resolveria por quanto tempo? Acho um absurdo poucos terem tanto, enquantos muitos não tem um copo de água limpa para beber, porém culpar esses bilionários é muito simplório mesmo, os países que foram citados nessa matéria, o nível de corrupção e saqueamento dos cofres públicos faz o Brasil parecer país de primeiro mundo, veja quanto ganha um político nesses países e que não dá a miníma para o próprio povo, culpar Europeus e Americanos pela incompetência e pilantragem da elite desses países é injusto, estou pra conheçer um político nesses países miseráveis que seja pobre, pelo contrário é comum ve-los gastando o dinheiro roubado de seus países em lojas e própiedades carissímas em Londres, Paris ou Nova York.

    • Carlos Prado Postado em 31/Dec/2013 às 16:59

      Não sei, se for tudo em notas de um dólar deve durar mais. Porém quão nutritivo é este dinheiro? ahsuhashua Isto que você é bem relevante, dos saques aos cofres públicos. Os poderosos não tem que se preocupar em buscar mercado na África e em criar empregos lá. Eles nem ao menos precisam atender nossas necessidades. Num capitalismo alguém encontraria uma necessidade, buscaria poupanças e investimentos e sanaria a necessidade das pessoas, reduzindo a pobreza destas nessa necessidade específica. Mas nesse corporativismo, máfia entre estado e poderosas dinastias, é só preciso extorquir o cidadão comum para bancar o luxo dos poderosos burocratas. E com esse dinheiro público eles podem especular e inflacionar, o cidadão comum querendo alguma coisa ele terá que trabalhar mais e mais. E trabalhando mais e mais, se produz mais para ser extorquido pelos grandes burocratas. Os pobres precisam de água, o ser humano é criativo: pode fazer um poço, trazer de geleiras, fazer dutos e hidrovias. A decisão seria pelo melhor custo-beneficio, como sanar a necessidade com o menor esforço. Mas como fazer isto se a cada passo que se der o governo vai cobrar para entregar o dinheiro a especuladores? Vai exigir licenças e dizer que não se pode fornecer água sem autorização do monopólio estatal de fornecimento de água. Ah, claro! A água já foi paga para o governo, todos são obrigados a pagar. Mas com o dinheiro vindo tão fácil para que ter pressa em descobrir como se fornecer, né?

  8. Luan Oliveira Postado em 22/Feb/2013 às 09:04

    O nome disso é "CAPITALISMO"!!!

  9. Paulo Postado em 26/Feb/2013 às 18:47

    Fictício ou não os filmes antigos mostram q desde os primórdios as coisas são muito parecidas e nunca irão mudar(O q foi, isso é o q há de ser, e o q se fez, isso se tornará a fazer; de modo q nada há novo debaixo do sol.) (Há alguma coisa de q se possa dizer:Vê, isso é novo? já foi nos séculos passados, q foram antes de nós.) Sempre houve ganancia e corrupção e hj ñ é nada diferente e nunca será.

    • Duda Silva Postado em 23/Nov/2013 às 17:41

      Verdade Paulo, a Bíblia é clara quanto a isso.

    • Carlos Prado Postado em 31/Dec/2013 às 17:06

      Mas o povo poderia controlar isto. Porém há um monopólio da força, um governo exige que entreguemos parte do nosso trabalho e ele pode usar da violência quando achar que não estamos "colaborando". Se não deixarmos que outros nos subjuguem e exijam uma pilhagem sobre nossos bens a corrupção será diminuída. Deve-se exigir o respeito pela propriedade de cada ser. Não se deve tolerar que um roube ou escravize o outro.

  10. Marco Postado em 27/Feb/2013 às 14:06

    Ficar culpando os governantes dos países pobres para apagar a responsabilidade das nações imperialistas e do capital finaceiro internacional é discurso manjado. Governantes e ditasdores de tais países não passam de títeres do imperialismo.

  11. Cristiane Postado em 01/Mar/2013 às 13:01

    Porque Dirce Camargo que tem US$ 14,1 bilhões fica em terceiro , e o banqueiro Joseph Safra que tem US$ 12 bilhões fica em segundo, as posições não estão invertidas?

  12. Daniel Postado em 31/Mar/2013 às 11:17

    O Bill Gates já doou mais de 36 bilhões USD. Acho importante adicionar isso.

  13. kaska Postado em 04/Apr/2013 às 00:45

    lembre-se que a maioria dos graos do Brasil sao para exportaçao, ou alimentaçao de animais

  14. Ricardo Postado em 16/Apr/2013 às 17:44

    O Alexandre disse tudo.... nem precisa de mais comentarios

  15. Andrade Postado em 17/Apr/2013 às 08:16

    Deus fez o homem sua imagem e semelhança. Deua ama a todos igualmente. Bom agora me explica quem mora em Dubai por exemplo é filho de deus ou do diabo que se deus ama a todos igualmente existe ai uma discrepancia de amor muito grande entre quem nasce em Dubai e quem nasce na Etiopia.

  16. Lee Postado em 24/Apr/2013 às 22:45

    Tentar dissociar a pobreza de muitos da riqueza de uns poucos é tentar distorcer a realidade. Não dá para fazer esta divisão. Você pode fazer de tudo para que a pessoa deixe suas condições de miséria, mas se não forem alterados os paradigmas que permitem a exploração de um enorme contingente por uma seleta elite, a fome continuará galopante. Reformas sociais severas se fazem mui necessárias. O tempo para medidas tópicas e para ações de instituições de caridade, que na prática são maneiras de tocar o problema da fome com luvas de pelica, já passou!

  17. Julia Postado em 16/May/2013 às 05:49

    Maldito capitalismo.

    • Carlos Prado Postado em 31/Dec/2013 às 17:15

      Mas foi este capitalismo que tantos menosprezas que deu acesso aos pobres a muitos bens. Antes tinha que se lutar para ter o que comer até o inverno, agora muitos tem acesso a alimentos de estoques ou vindos de outras partes, tem acesso a panos e roupas novas, tem acesso a sapatos, bens manufaturados, brinquedos e muito mais. O problema é o uso da força para saquear as forças do trabalhador. Todos os bens que sanam a pobreza devem ser produzidos, não são coletados na natureza. Se desse para todos coletarem suas necessidades da natureza não haveria um passando fome. Ainda mais hoje isto é impossível. Precisamos produzir. E o que não conseguimos precisamos trocar com os outros. Se não for feito isto nada teremos e seremos todos pobres. E também precisamos da certeza de que o que produzimos não nos será tomado a força. Por exemplo na Ucrânia se exigiu que muito se produzisse, a fim de atingir uma determinada meta. E para isto confiscaram a produção dos camponeses, que nem o que eles próprio plantaram pôde ser comido. No Brasil confiscam a produção de todo mundo para emprestar a juros negativos para poucos fazendeiros e empresários, que desta forma não precisam se preocupar com o lucro de seus negócios.

  18. reginaldo Postado em 04/Jun/2013 às 20:54

    olha , primeiro eu parabenizo o autor da matéria, ele tentou nos mostrar diferença social existente no mundo , mas eu voltei mais aos comentários, como os citados até hoje neste site, alexandre foi feliz no primeiro comentário mas foi ingênuo no segundo comentário, temos que perceber que estamos sendo manipulados, por um conjunto de "indivíduos", que tem outros planos para o "futuro " nosso em comum, existe um pensamento de futuro incomum para muitos, PENSEM apenas 0,5 % da população mundial possuem 70 % da economia mundial, enquanto os outros 99,5 % da população mundial briga com 30% da economia mundial, bom, o armamento dos EUA ESTÁ estimado em 3 TRILHÕES DE DÓLARES, fora os gastos fixos como pessoal e manutenção, no Brasil chega apenas míseros aproximadamente há 6,8% deste valor da super potencia, portanto amigo se agora está ruim a tendência é piorar , não vou aprofundar muito no assunto não, mas pensem , se os EUA está cortando na própria carne , imagine nóis os primos pobres deles.....

  19. lucia moreira Postado em 14/Sep/2013 às 12:17

    So acho uma coisa ,estamos aqui para cada um fazer sua parte,aquele k pode mais ajuda +, , pois ñ sei como mas tudo isto vai custar bem caro pra nos k abanamos o rabo e dizemos K DÓ,,,estamos aqui pra por a mão na massa,e ñ ficar so olhando, coisa muito séria ,ñ é brincadeira passar fome

  20. Renan Postado em 06/Oct/2013 às 14:36

    Esse pensamento demonstra algumas inocências do autor. Tenho dois comentários a fazer. Primeiro, medir riquezas em unidades monetárias não quer dizer que ela é composta por dinheiro. A fortuna de alguém não é medida apenas pelo dinheiro (liquidez total), mas também pelo patrimônio, material ou não. Uma casa ou um carro não podem matar a fome de alguém. Se forem vendidos, o dinheiro para comprá-los veio de alguém, que poderia usá-lo para matar esta fome. Ou seja, o comércio desse patrimônio não muda nada a realidade. E segundo, dar continuamente não resolve o problema. É preciso aplicar os recursos e esforços disponíveis para ensinar as pessoas a construírem seus próprios meios de vida. Alimentar os pobres só faz sentido, no longo prazo, se a alimentação for seguida de altos investimentos na capacidade humana.

  21. Danielle Postado em 11/Dec/2013 às 10:47

    Não tem nada a ver com DEUS, que por sinal não existe essa mania das pessoas colocarem a culpa no "TÃO" do livre arbítrio para justificar as falhas humanas, que por egoismo não ajudam o próximo, se realmente existisse um DEUS, respeitaríamos em primeiro lugar o tão dos 10 mandamento que inclusive um deles é " amar ao próximo, como a ti mesmo.Alimentar as pessoas pobres é uma obrigação de todos nós mas estamos tão ocupados com os lixos eletrônicos que nós dão , que não ligamos, não nos importamos.

  22. Claudia Postado em 17/Dec/2013 às 22:36

    E a corrupção dos políticos de todos estes países onde isto acontece? Estes são os principais culpados na minha opinião

    • Carlos Prado Postado em 31/Dec/2013 às 17:19

      São os culpados. Os marxistas acham que a solução é criar mais políticos, como se algum não fosse se aproveitar da máquina estatal. Acham que podem produzir aleatoriamente sem olhar para as necessidades de cada um e para as necessidades das máquinas produtoras. Pensam em acabar com os produtores, os que criam os bens que os pobres poderão consumir, mas não falam nada dos grandes bancos e dos empecilhos estatais, que confiscam os pobres e parte dos ricos que discordarem para beneficiar uma elite seleta.

  23. Jean Postado em 27/Dec/2013 às 14:48

    http://www.folhadoes.com/noticia/2013/11/04/10-coorporacoes-dominam-o-consumo-no-mundo.html isso sim é IMPÉRIO!!!!

  24. Thales Postado em 15/Oct/2015 às 12:52

    Vale ressaltar que boa parte da fome mundial é devido o consumo de produtos de origem animal, muito fomentado por estas famílias que regem o mundo. Em poucas palavras, para se ter um kg de carne no seu prato, é necessário diversos acres de terra destinados a criação e manutenção do gado, bem como alimentos para eles. Hj temos produção suficiente para alimentar toda a população mundial e com sobra, caso estes grãos fossem utilizados para os humanos.