Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Barbárie 22/Feb/2013 às 13:58
20
Comentários

Mulher tem dedos decepados durante abordagem policial: "irei tratá-la como homem"

Além de xingadas pelos policiais por causa da orientação sexual, uma das vítimas foi brutalmente espancada e teve dois dedos mutilados

O abuso de poder ocorreu no último domingo, no Parque São Bernardo, em Valparaíso. Kyvia Torres Rego, 34 anos, discutia com a companheira Renata Agrale, 24 anos, dentro de casa. A briga tomou grandes proporções e foi parar no meio da rua. Vizinhos que presenciaram o fato acionaram uma viatura da polícia que circulava próximo à residência do casal.

Segundo Heyrovsky Torres – irmão de Kyvia, dois policiais militares chegaram ao local e abordaram as duas. Um deles pegou as chaves e os documentos do carro de Renata que estavam jogados no chão e pediu para que a mulher fosse embora. Kyvia, na tentativa de impedir a saída da namorada, entrou no banco de trás do carro.

Kyvia dedos polícia goiás

Kyvia foi algemada com os dedos decepados e teve que aguardar atendimento com escolta policial (Foto: Divulgação)

Ainda segundo Heyrovsky, um dos policiais tirou a moça do carro e a jogou no chão. “O policial perguntou quem era o homem da relação e em seguida começou a espancar minha irmã, falando que, a partir daquele momento iria tratá-la como homem” explicou Torres.

De acordo com Kyvia, os policiais tentaram retirá-la do carro com socos e tapas no rosto. As marcas ficaram por todo o corpo. Ela afirmou que pediu aos policiais que parassem com a agressão. Mas não teria sido atendida. Os policiais então puxaram a jovem de dentro do carro que teve os dedos presos na porta do veículo.

O delegado de Valparaíso Alexandre Moreira, informou que vai convocar todos envolvidos para prestar depoimento e providenciar o laudo de corpo de delito para provar a suposta agressão policial. Todas as provas serão encaminhadas para a corregedoria da Polícia Militar de Goiás para procedimentos internos.

Leia também

As famílias das vítimas comunicaram que irão entrar com ação indenizatória contra o estado e contra os policiais militares.

Mulher que teve dedos decepados denunciará ação policial a órgão de defesa de Direitos Humanos. Médicos tentaram reconstruir os dedos mutilados, mas não foi possível

O advogado da gerente comercial Kyvia Torres que perdeu parte de dois dedos da mão esquerda durante uma abordagem policial na última quarta-feira (20), informou que vai denunciar o caso aos principais órgãos de defesa dos Diretos Humanos no País. Heyrovsky Torres disse que enviará um ofício relatando os fatos e pedirá providências a Secretária de Direitos Humanos da Presidência, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Goiás, a Câmara Federal, a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, a Secretaria de Segurança Pública e ao gabinete do governador de Goiás.

Agências e Portal R7

Recomendados para você

Comentários

  1. Gustavo Postado em 22/Feb/2013 às 15:23

    Bandidos fardados.

  2. sayuri Postado em 23/Feb/2013 às 01:03

    Tratada como um homem? Alguem normal dispensa tal tratamento a um ser vivo? Isso nao pode ser esquecido, esses monstros perigosos tem que ser enjaulados.

  3. MARCOS MOCHI Postado em 23/Feb/2013 às 12:55

    FRACASSADOS FDP, FAZ ISSO COM UM DA SUA FAMILIA SEUS DESGRAÇADOS, ESSE TIPO DE COMPORTAMENTO É O CANCER DA POLICIA. CAMBADA DE RETARDADOS

  4. Ozenir Ferreira da Silva Postado em 23/Feb/2013 às 13:17

    Por isso que falo sempre: Não sei se fico mais feliz quando morre um bandido ou um policial, afinal não sei que tipo de policial seria esse... Talvez dessse tipo aí...

  5. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 23/Feb/2013 às 14:38

    Existe POLÍCIA e PULÍÇA.

  6. Bruno Postado em 23/Feb/2013 às 20:16

    Considero que um homem armado no Brasil só pode ser um bandido, um policial ou os dois, quase sempre a última opção, infelizmente!

  7. Jean Postado em 25/Feb/2013 às 12:12

    Constituição Federal - Conselho Nacional de Justiça (CNJ) - Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I - a soberania; II - a cidadania; III - a dignidade da pessoa humana; IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V - o pluralismo político. Parágrafo único. Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Art. 2º São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário. Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil: I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; II - garantir o desenvolvimento nacional; III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais; IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação. Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios: I - independência nacional; II - prevalência dos direitos humanos; III - autodeterminação dos povos; IV - não-intervenção; V - igualdade entre os Estados; VI - defesa da paz; VII - solução pacífica dos conflitos; VIII - repúdio ao terrorismo e ao racismo; IX - cooperação entre os povos para o progresso da humanidade; X - concessão de asilo político. Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: I - homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição; II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei; III - ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou degradante; IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem; VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias; VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva; VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei; IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação; XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por determinação judicial; XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal; (Vide Lei nº 9.296, de 1996)

  8. David Alexander Postado em 25/Feb/2013 às 12:36

    Os Policiais agiram de acordo com a lei, usaram da força moderada para garantir do Direito de ir e vir da moça que estava sendo impedida pela companheira, se ela machucou a mão foi por causa da insistência em continuar causando transtornos, se a mesma parasse a confusão e fosse embora ninguém usaria a força para coagi-la. (Atitude altamente legal)

  9. Bea Postado em 25/Feb/2013 às 21:45

    Dar tapas na menina e falar merdas que denotam homofobia é necessário para fazer respeitar o direito de ir e vir? Que argumento patético. Não há desculpas para esse abuso de poder. Agiram como quiseram, sem profissionalismo, sem ética e sem humanidade.

  10. Gleilson Postado em 28/Feb/2013 às 19:47

    Acho engraçado que o camarada põe artigo da constituição, mas não põe por exemplo o artigo que fala que todos deverão ser tratados como inocente até que se prove ao contrário (isso tb serve para os policiais). Outro chama o policial de fracassado, mas vê nas suas falas e seus ódios que é pura inveja, vontade de exercer algum tipo de autoridade e não exerce, então é mais fracassado que o fracassado. A grande verdade é que esses jornalecos de esquerda burra não passa de mera futilidades, picuinhas, a grande verdade que pobre exercendo o poder incomoda, é pobre trabalhando de forma honesta como a grande maioria dos policiais especialmente no estado de são paulo, causa inveja em um país onde a malandragem reina, onde o jeitinho brasileiro predomina. Nenhum direito é absoluto, nem o de ir e vir , ficar e permanecer. Nem o direito a vida é absoluta. Acho q apolicia eh uma instituiçao q tem muitos erros , esta longe de ser perfeita, mas tem q se dar exemplos mais consistentes e deixar de picuinhas.

  11. Ana Postado em 04/Mar/2013 às 16:51

    Dar tapas na menina e falar merdas que denotam homofobia é necessário para fazer respeitar o direito de ir e vir? Que argumento patético. Não há desculpas para esse abuso de poder. Agiram como quiseram, sem profissionalismo, sem ética e sem humanidade. [2]

  12. Carlos Francisco Postado em 08/Mar/2013 às 07:57

    Absurdo maior do que isso é o atual presidente da Comissão de Direitos Humanos do Congresso Nacional ser homofóbico...

  13. Feliciano Postado em 11/Mar/2013 às 19:37

    Quando não houver mais circo, o que faremos então?

  14. Renan Postado em 12/Mar/2013 às 12:46

    Há quem diga que o discurso do Pr. Marco Feliciano é a pura manifestação da sua liberdade de pensamento e que está no pleno gozo de seu direito. Porém, tenho todos os motivos pra acreditar que esse tipo de atitude (extremamente intolerante dos policiais) ocorre, sim, em função dessa apologia à homofobia, ao racismo, e a todas as demais formas de discriminação e intolerância que existem. É impossível conceber um sistema político que permita que um indivíduo nestas condições assuma uma função de tamanha importância. São anos de retrocesso histórico. Isso é o que nos preocupa!

  15. Tricia Postado em 19/May/2013 às 20:33

    Polícia burro o negocio é não fazer nada. deixe a sociedade se ferrar, chamem a globo, ou os idiotas que criticam para resolver suas doenças como criminalidade, e desordens sociais, policial bom é aquele que não faz nada, só enrola, não precisa ir no forum encarar advogadinhos de porta de cadeia e nem vagabundos taxados de santinhos, sociedade lixo...