Luis Soares
Colunista
América Latina 07/Jan/2013 às 19:22
16
Comentários

Vida da blogueira Yoani Sánchez em Cuba é melhor do que se imagina

“La Dolce Vita” de Yoani Sánchez em Cuba é financiada com os dólares e euros pagos pelos conglomerados midiáticos privados, potências imperialistas e serviços secretos

Por Salim Lamrani

Ao ler o blog da dissidente cubana Yoani Sánchez, é inevitável sentir empatia por esta jovem mulher, que expressa abertamente sua oposição ao governo de Havana. Descreve cenas cotidianas de privações e de penúrias de todo tipo. “Uma dessas cenas recorrentes é a de perseguir os alimentos e outros produtos básicos em meio ao desabastecimento crônico de nossos mercados”, escreve em seu blog Generación Y. [1]

blogueira cubana yoani sánchez

Blogueira cubana Yoani Sánchez desfruta de uma “vida de marajá”. (Foto: web)

De fato, a imagem que Yoani Sánchez apresenta dela mesma – uma mulher com aspecto frágil que luta contra o poder estatal e contra as dificuldades de ordem material – está muito longe da realidade. Com efeito, a dissidente cubana dispõe de um padrão de vida que quase nenhum outro cubano da ilha pode se permitir ter.

Mais de seis mil dólares de renda mensal.

A SIP (Sociedade Interamericana de Imprensa), que agrupa os grandes conglomerados midiáticos privados do continente, decidiu nomeá-la vice-presidente regional de sua Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação [2] por Cuba. Sánchez, que como de costume, é tão expressiva em seu blog, manteve um silêncio hermético sobre seu novo cargo. Há uma razão para isso: sua remuneração. A oposicionista cubana dispõe agora de um salário de seis mil dólares mensais, livres de impostos. Trata-se de uma renda bastante alta, habitualmente reservada aos quadros superiores das nações mais ricas. Essa importância é ainda maior considerando que Yoani Sánchez reside em um país de Terceiro Mundo em que o Estado de bem-estar social está presente e onde a maioria dos preços dos produtos de necessidade básica está fortemente subsidiada.

Leia também

Em Cuba, existe uma dupla circulação monetária: o CUC e o CUP. O CUC representa aproximadamente 0,80 dólares ou 25 CUP. Assim, com seu salário da SIP, Yoani Sánchez dispõe de uma renda equivalente a 4.800 CUC ou a 120.000 CUP.

O poder aquisitivo de Yoani Sánchez

Avaliemos agora o poder aquisitivo da dissidente cubana. Assim, com um salário semelhante, Sánchez poderia pagar, a escolher:

– 300.000 passagens de ônibus;
– 6.000 viagens de táxi por toda Havana [3]
– 60.000 entradas para o cinema;
– 24.000 entradas para o teatro;
– 6.000 livros novos;
– 24.000 meses de aluguel de um apartamento de dois quartos em Havana [4];
– 120.000 copos de garapa (suco de cana);
– 12.000 hambúrgueres;
– 12.000 pizzas;
– 9.600 cervejas;
– 17.142 pacotes de cigarro;
– 12.000 quilos de arroz;
– 8.000 pacotes de macarrão;
– 10.000 quilos de açúcar;
– 24.000 sorvetes de cinco bolas;
– 40.000 litros de iogurte;
– 5.000 quilos de feijão;
– 120.000 litros de leite (caso tenha um filho de menos de 7 anos);
– 120.000 cafés;
– 80.000 ovos;
– 60.000 quilos de carne de frango;
– 60.000 quilos de carne de porco;
– 24.000 quilos de bananas;
– 12.000 quilos de laranja;
– 12.000 quilos de cebola;
– 20.000 quilos de tomate;
– 24.000 tubos de pasta de dente;
– 24.000 unidades de sabão em pedra;
– 1.333.333 quilowatts-hora de energia [5];
– 342.857 metros cúbicos de água potável [6];
– 4.800 litros de gasolina;
– um número ilimitado de visitas ao médico, dentista, oftalmologista ou qualquer outro especialista da área de saúde, já que tais serviços são gratuitos;
– um número ilimitado de inscrições a um curso de esporte, teatro, música ou outro (também gratuitos).

Essas cifras ilustram o verdadeiro padrão de vida de Yoani Sánchez em Cuba e dão uma ideia sobre a credibilidade da opositora cubana. Ao salário de seis mil dólares pagos pela SIP, convém agregar a renda que cobra a cada mês do diário espanhol El País, do qual é correspondente em Cuba, assim como as somas coletadas desde 2007.

Com efeito, no período de alguns anos, Sánchez recebeu múltiplas distinções, todas financeiramente remuneradas. No total, a blogueira recebeu uma retribuição de 250.000 euros, ou seja, 312.500 CUC ou 7.812.500 CUP, quer dizer, uma importância equivalente a mais de 20 anos de salário mínimo em um país como a França, quinta potência mundial.

A dissidente, que primeiro emigrou à Suíça depois de optar por voltar a Cuba, é bastante sagaz para compreender que o fato de adotar um discurso a favor de uma mudança de regime agradaria aos poderosos interesses contrários ao governo e ao sistema cubanos. E eles, por sua vez, saberiam se mostrar generosos com ela e permitiriam gozar da dolce vita em Cuba.

(*) Doutor em Estudos Ibéricos e Latinoamericanos pela Universidade Paris Sorbonne-Paris IV, Salim Lamrani é professor titular da Université de la Réunion e jornalista, especialista das relações entre Cuba e Estados Unidos. Seu último livro é intitulado Etat de siège: les sanctions economiques des Etats-Unis contre Cuba, París, Edições Estrella, 2001, com prólogo de Wayne S. Smith e prefácio de Paul Estrade. Contato: [email protected] ; [email protected]  ; Facebook: https://www.facebook.com/SalimLamraniOfficiel 

Referências bibliográficas:
[1] Yoani Sánchez, “Atacado vs varejo”, Generación Y, 5 de junho de 2012. http://www.desdecuba.com/generaciony/ (site consultado em 26 de julho de 2012).
[2] El Nuevo Herald, “Yoani nomeada na Comissão da SIP”, 9 de novembro de 2012.
[3] De Havana Velha até o bairro Playa.
[4] 85% dos cubanos são proprietários de suas casas. Essa tarifa é reservada exclusivamente para os cidadãos cubanos da ilha.
[5] Até 100 quilowatt-hora, o preço é de 0,09 CUP a cada quilowatt-hora.
[6] 0,35 CUP por m³.

Posts relacionados

Comentários

  1. Hoberdan Postado em 07/Jan/2013 às 22:39

    Trabalhei em Havana por 2 semanas ao lado de operadores de máquinas e técnicos de uma indústria e posso afirmar que a vida lá não é fácil realmente. Como já tem mais de um ano que estive lá talvez as coisas tenham mudado, mas até então: -Dobrar ou triplicar o salário de um cubano não resolve muita coisa. Descobri isso quando meu colega me disse ganhar 20 dólares por mês e o valor que pagava pela cota de alimentos de sua família. Ofereci 50 dólares como presente acreditando que estava fazendo algo extraordinário (queria muito ganhar 2,5 salários de uma hora pra outra), e ele então me explicou por que aquele dinheiro não iria render tanto quanto o salário dele. As lojas que aceitam o CUC (que é a moeda estrangeira, convertida) tem preços muito altos. Ppara se ter uma ideia, a lata de Refrigerante custava 2,5 CUC e que na época o CUC era praticamente 1 pra 1 com o euro após conversão em casas de câmbios oficiais. As pessoas têm cotas de alimentos, o que estiver dentro da cota custa centavos, o que quiser além da cota usa a tabela de preços aplicada a estrangeiros. Em resumo é barato comprar o necessário para sobreviver qualquer coisa, além disso, é caríssimo. -Realmente produtos de higiene é artigo de luxo, na empresa onde estava o sabonete vinha do meu quarto no hotel. No fim do mês cada funcionário recebia como beneficio um quilo de sabão em pó da empresa que era entregue em uma sacolinha pesada na entrega. -A maiorias das pessoas guardavam o doce da sobremesa para dividir com a família porque de outra forma eles não teriam acesso a esse tipo de luxo. -As casas e prédios estão caindo aos pedaços, algumas fachadas de prédios foram reformadas, mas o restante da construção normalmente esta em péssimo estado. É normal ver nas ruas pessoas com o carrinho com materiais de construção que para nós é apenas sucata. -Não existe mérito por competência, tanto faz ser o melhor ou o pior funcionário. -Todos tem casa própria, sendo que a familia toda deve viver na mesma casa. Se você deseja sair da casa de seus pais deve ir para a casa do seu sogros, pois não se investe em novas moradias com facilidade. Mas apesar de tudo não vi miséria em Cuba, pessoas morrendo de fome ou sem amparo nas ruas. Todos são muito educados e bem instruídos. Costumo comparar o que vi em Cuba com minha infância. Éramos pobres, não tínhamos roupas bonitas ou os eletrodomésticos da moda (até porque não tinha eletricidade ou água encanada rssss), mas tínhamos o que comer e éramos felizes mesmo assim. Tenho certeza que no Brasil existem pessoas em situação pior que as vividas pela população de Cuba, mas creio que a ideia de igualdade proposta no inicio não era a de serem igualmente pobres... Mas o que guardei de Cuba foi a lembrança de um país que é bonito pelo seu povo! E honestamente creio que merecem mais do que presenciei.

  2. André Melo Postado em 08/Jan/2013 às 09:55

    Nada do que li nesta matéria modificou minha maneira de ver Yoani. Muito pelo contrário, me fez acreditar ainda mais que o FIDELISMO (comunismo a moda de Fidel) é terrível, pois, impede as pessoas de aproveitar até presentes. Até a ideia de igualdade deles é diferente: Há os governantes, o povo, o povo que tem moeda estrangeira e os visitantes. Acho que o papel da Yoani é importantissimo. Ela mostra ao mundo, com os olhos de uma nativa, o que acontece eu seu país. O fato dela ter transformado isso em oportunidade, não desmerece seu olhar.

  3. Cético Postado em 09/Jan/2013 às 13:29

    É uma extensa lista de conclusões para quem viveu num país tão diferente por apenas 2 semanas, não?

  4. Viviane Postado em 10/Jan/2013 às 17:41

    Apenas duas semanas não dão bagagem para alguém dizer não ter visto miséria e acreditar nessa loucura fielmente. Visitei Cuba por uma semana e sei que o sistema é muito mais complexo do que sequer podemos imaginar. É verdade que também não vi gente morando nas ruas, mas a indignação do cubano de viver com tão pouco e de maneira tão racionada e sofrida tira todo o crédito que isso possa ter. É um povo sim muito culto e, acima de tudo, crítico. Mas, quando perguntei porque continuam a viver dessa maneira sendo tão instruídos, a reposta foi só uma: "Aqui vivemos numa ditadura, terrorismo mesmo. Se falo algo, amanhã posso amanhecer sem filhos. Vivemos sempre num clima de tensão.". Repito, é muito mais complexo do que nossas mentes de turistas podem imaginar.

  5. Gabriel Novak Lyonel Guevara Postado em 10/Jan/2013 às 18:18

    Fiquei lá por duas semanas (final de 2012, dezembro), não fiquei em HOTÉIS, fiquei em quatro "casas particulares" diferentes, em Habana Vieja... Cuba é uma lição de vida para TODOS os outros países... Não é perfeita e tem muito que se melhorar, mas convive com um bloqueio nefasto e a covardia dos países bajuladores do tio san... De um país que adora guerra, adora explorar tudo dos outros países e são os "presidentes do mundo"... É sempre bom lembrar antes de listar os defeitos de Cuba, que lá a Educação é excelente; a pupulação tem nível superior, é o melhor IDH da Amériaca latina e central e até se compara com os países do "1º mundo", a saúde é excelente, o analfabetismo é zero, desnutrição é zero, criminalidade quase zero e ninguém tem arma (só ocorrem pequenos furtos), drogas quase zero, a "segurança" é incrivel, etc... A principal carencia é o salário mesmo que não aumenta há 20 anos, que realmente é pouco se compararmos com os outros países, mas o que eles ganham lá é como se fosse a conta pra conseguirem viver, sem luxo. Outro aspecto a melhorar é com relação a tecnologia, por exemplo, internet... Agora comparem com o Brazil, zil, zil, coloquem na balança, será quem tem mais problemas???... É uma questão de escolha, priorizar as pessoas (Cuba) ou o mercado (Brazil)????? O engraçado que esse cara de cima, que foi à Havana há bem mais tempo que eu (mais de um ano), encontrou uma lata de refrigerante (internacional, tipo coka) 2 x mais cara que eu encontrei (o refri nacional ainda é bem mais barato, cinco vezes mais. E é bom)... Olhem o tipo de preocupação de algumas pessoas, é o que "fizeram" com a gente... se fosse realmente caro, seria um problemão né? Refrigerante deve ser ótimo pra saúde e essencial pra poder viver e respirar... e outra, em qualquer lugar no mundo uma pessoa ficaria feliz de ganhar 50 dólares, trocariam fácilmente por CUC e depois por moeda nacional. Cuba é uma experiência incrível... as pessoas, a cultura, a natureza, o estilo de vida... recomendo demais!!! Viva Cuba!

  6. Gabriel Novak Lyonel Guevara Postado em 14/Jan/2013 às 04:14

    Moro na periféria de BH, aqui sim convivemos com um terrorismo e com uma ditadura, a ditadura mercatilista, a ditadura da opreessão, a ditadura da falta de informação e educação, a ditadura da indústria das eleições, a ditadura da corrupção, a ditadura do capital virtual, a ditadura do papel moeda, a ditadura da falsa democracia que é muito pior, entre outras ditaduras veladas e explícitas... não defendo nenhum govenrno, "não tenho, partido, odeio político", mas se existe uma política escravagista, exploradora, ditadora, tirana e injusta é a nossa - BRAZIL - Nesses quesitos somos campeões. Somos um dos países mais desiguais do mundo. Então, quando olho pra CUBA vejo um país, no mínimo ousado e corajoso, que tentou algo diferente e que é desafiador. Afinal, quantos encararam de frente o capitalismo e os EUA (donos do mundo)... "Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados". (Mahatma Gandhi)... O capitalismo não foi, não é e nunca será justo, está na sua essência (desigualdade). Por isso toda tentativa deve ser apoiada. "Não podemos esquecer, por um segundo, que fazemos parte de um dos inúmeros povos sequelados pelo egoísmo abominável do homem branco europeu do passado. Temos de resistir aos raios hipnóticos da alienação lançados pela escola e veículos de comunicação e tentar recuperar o que parece irrecuperável." (Taddeo, 2012) ¡Hasta la Victoria Siempre!

  7. Luiz Roberto Postado em 18/Feb/2013 às 19:39

    Luiz Roberto Gabriel, se você estivesse em Cuba não teria siquer o direito de reclamar. Não sou rico aqui no Brasil, mas posso xingar Lula ou Dilma, posso escrever aqui na net, posso viajar etc. Eu trabalhava numa empresa até 2010, hoje tenho um comercio modesto mas me sinto feliz. Em Cuba jamais poderia. Aqui sou livre, tenho minha casa, 2 terrenos que comprei. Tenho meu Golf 2010. Tenho um pc pra falar com vc. Não teria isto em Cuba. Esta ideia de que as riquezas são foram tomadas a força pelas potências é balela meu caro. Riquezas são produzidas. Vide Japão, Alemnaha, e agora Korea do Sul. Estes se aliaram ao "império do mal" e hoje ja está num nível de riqueza espetacular. É tolice achar que com ideologia as riquezas virão. Temos que trabalhar meus caros, E U A não estão lá atôa. Vocês falam como se nós fossemos os tôlos, os bôbos, coitadinhos. Não, ninguém é tão idiota de dar o que tem para os "yanques". Ao invès de admirar e tentar seguilos, agente os demoniza. Não é U S A sozinho o mais rico. Países como Noruega, Irlanda, Finlandia, Austria, Suécia, Suíça, Japão constríram riquezas.

  8. Carlos Amorim Postado em 18/Feb/2013 às 20:15

    Sei, ela ficou de 2002 até 2007 publicando contra o governo cubano, sem receber nada e correndo o risco de ser presa, etc... porque estava esperando o reconhecimento internacional e depois ganhar dinheiro com isso. Só quem é muito parcial acredita nesse tipo de análise. Posso concluir, pela mesma linha de análise, que os nossos presos políticos só estavam interessados nas indenizações que sabiam que receberiam com o fim da ditadura (além é claro dos cargos públicos que conseguiriam no governo democrático)?

  9. Claudio Vigas Postado em 20/Feb/2013 às 09:31

    Salve camarada Guevara! A minha experiência foi muita parecida com a sua... Agora, quantos aos "céticos" daqui, amantes promíscuos da "liberdade e da democracia" (para quem tem dinheiro...); não são capazes de entender os depoimentos de muitos viajantes... Mas, também não são capazes, de ver, a tamanha miséria do nosso próprio país, como (suponho) sendo moradores (daqui) perenes!... Mas, creio, veêm e pensam como turistas... pois vivem "bem" nas suas ilhas de conforto e segurança!

  10. Claudio Vigas Postado em 20/Feb/2013 às 12:14

    Luiz Roberto, em Cuba tanto aqui no Brasil vc pode fazer, dizer tudo... agora, tem as sua consequencias! Relembre a propria história de Fidel Castro!... Leia a "A história me Absolverá"... o que vcs querem, vcs podem conseguir! Tentem o que já foi feito! Foi o que disse para o grupo de "Balseiros" em plena praça Copélia, em Havana! Querem, derrubar "Fidel e o Regime"... se organizem e lutem! Trabalhem e mostrem ao povo o "paraiso" que o sistema de livre mercado e "liberdade individuais e outras "burguedisses" podem lhes proporcionar!... Se for, puro, novo e verdadeiro a sua 'revolução' irá triunfar!

  11. Claudio Vigas Postado em 20/Feb/2013 às 13:06

    ...e, justo!

  12. paulo Postado em 22/Feb/2013 às 09:38

    postar opiniões é fácil,eu quero ver qualquer um de vocês ,comprar um pacote de viagem a cuba ,junto com sua família,e chegando la se despojar de todos os seus pertences,menos os passaportes e documentos de identificação,passe os seus cartões de créditos e senhas e determine o gasto relativo ao que iria gastar,troque de lugar com o morador ele vai p/ o hotel viver seu luxo e você recebe os cuc relativo ao mês,pronto fácil assim viva cuba em sua plenitude ,viva a experiencia de ser feliz com pouco ,vai te sobrar bastante tempo sua mente ficara zen ,pois não terá que atender celular,se preocupar com segurança, shoppings,transito,fila em hospitais,fila em banco e outras coisa mais que a gente só lembra quando falta. boa sorte.

  13. michael Postado em 23/Mar/2013 às 10:19

    8.000 pacotes de macarrão. Se alguém, em Cuba, pudesse comprar tudo isso de uma única vez, deixaria todos os outros cubanos com fome por um ano ou mais.

  14. Christall Postado em 11/Apr/2013 às 16:36

    Luiz Roberto, sério que o seu modelo de felicidade é poder ter dois terrenos (sendo que "um corpo não pode ocupar dois espaços"), um carro pra ficar preso no trânsito todo dia (geralmente sozinho, quando vai ao trabalho), um pc pra falar com o Gabril (rs), um comércio, dinheiro, luxo, etc? Você já parou para pensar que se pode ser feliz sem ter todas essas coisas? Que o ser humano não precisa de nada disso para viver? Não precisamos de dinheiro excedente (por segurança rs), não precisamos de refrigerante, não precisamos nem de internet, nem de tanta tecnologia. Ou você acha que as pessoas eram infelizes antes de isso tudo ser inventado? Infelizmente nós somos dependentes das nossas próprias invenções, do nosso próprio desenvolvimento tecnológico. Somos escravos da nossa natureza ambiciosa, predadora, territorialista e egocêntricamente humana.

O e-mail não será publicado.