Luis Soares
Colunista
Compartilhar
São Paulo 08/Jan/2013 às 15:05
16
Comentários

Alckmin e o assassinato de Dj Lah: quem reagiu está morto

DJ Lah foi assassinado em um bar na rua Reverando Peixoto da Silva, número 75. Absolutamente de frente para o bar, na mesma rua, mas no número 92, fica a casa onde o servente de pedreiro Paulo Batista do Nascimento foi executado por cinco policiais militares

Por Renato Rovai, em seu sítio

Segue um relato-reportagem, a meu pedido, feito pelo repórter Igor Carvalho sobre o caso do massacre de Campo Limpo e seu contexto. Igor esteve ontem no local da chacina e conversou com uma série de pessoas que pediram anonimato. O clima em Campo Limpo e em outros bairros da periferia é terrível. Misto de revolta e medo. Perfeito para produzir reações extremadas.

dj lah conexão morro rap

Capa do disco Conexão do Morro, do rapper Dj Lah. (Foto: divulgação)

Quem acha que a situação atual é ruim, vai ter saudades do hoje. São Paulo pode virar um inferno. Eu, acima assinante, responsabilizo Alckmin por isso. Foi ele quem disse que quem não reagiu está vivo. E que de certa forma autorizou a bárbarie.

DJ Lah, Alckmin e quem reagiu está morto

“De uniforme cinza assassinos são os homens
Pilantras como eles por aqui existem um monte

…Ratos e mais ratos circulando as favelas
Muito bem, saiam da mira dos tiras
São eles é quem forçam,
são eles quem atiram
Reze pra sobreviver”

A letra é da música “Click Clack Bang”, do grupo Conexão do Morro, que tinha como integrante o DJ Lah, assassinado na recente chacinha, no Campo Limpo, zona Sul de São Paulo, que vitimou sete jovens.

Na música do Conexão do Morro, é narrada a atuação da Polícia Militar nas favelas, segundo a visão dos que vivem lá. Essa PM, questionada na canção, foi responsável por 15,2% dos assassinatos cometidos na capital paulista no ano de 2010. Em 2011, por 14,7%. Em 2012, no terceiro trimestre foram 389 assassinatos, 95 deles cometidos por PMs, alcançando a incrível marca de 19,6%.

Leia também

A Anistia Internacional considera “admissível” 3%. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP) de São Paulo, compilados pelo Instituto Sou da Paz.

Na última sexta-feira (04), DJ Lah foi assassinado em um bar na rua Reverando Peixoto da Silva, número 75. Absolutamente de frente para o bar, na mesma rua, mas no número 92, fica a casa onde o servente de pedreiro Paulo Batista do Nascimento foi executado por cinco policiais militares. A cidade de São Paulo possui mais de 65 mil logradouros, segundo o Arquivo Histórico, da Secretaria de Cultura da Prefeitura, mas, “quis o destino” que justamente na mesma rua e no bar de frente para a casa onde morreu o servente Nascimento, ocorresse a primeira chacina do ano de 2013. Coincidência? Destino..

É possível, indo até a rua, vislumbrar de onde foi feita a gravação que assombrou o país, e que foi divulgada no dia 12 de novembro pela TV Globo, no Fantástico. No vídeo amador, de pouco mais de quatro minutos, cinco policiais aparecem conduzindo Nascimento para fora de casa, o servente resiste, mas é executado em frente à sua residência.

Com medo, pouco falam. Os que resolvem se manifestar o fazem anonimamente. Eles querem afastar da rua, do bairro, da cidade, do país, a possibilidade de novas retaliações. É quase unânime, para os moradores, que o fato foi um revide de policiais militares que ficaram insatisfeitos com a denúncia, com o vídeo e com a prisão dos cinco colegas, acusados pela execução de Nascimento, são eles:

– Soldado Francisco Anderson Henrique, 32 anos, há nove anos na Polícia Militar.
– Soldado Marcelo de Oliveira Silva, 32 anos, há sete anos na corporação.
– Soldado Jailson Pimentel de Almeida, 39 anos, com nove anos de polícia.
– Soldado Diógenes Marcelino de Melo, 37 anos, há 17 anos na Polícia Militar.
– Tenente Halstons Kai Tin Chen, conhecido como tenente Chen, de 24 anos. Com quatro anos de corporação.

Todos os agentes permanecem presos.

Voltando para o dia 04: O músico que ousou reagir, denunciou em sua música uma polícia assassina, agora está morto, com a chancela de um governador que pede a submissão quando diz: “Quem não reagiu, está vivo.”

dj lah assassinato enterro rap

Enterro do rapper Dj Lah, em São Paulo. (Foto: divulgação)

No final da tarde de sábado (05), o delegado geral da Polícia Civil, Luíz Maurício Blazeck, disse que o DJ era o possível alvo da chacina, pois se colocava como um dos autores do vídeo. “Ele era uma pessoa que tinha notoriedade local e poderia alegar que ele seria um dos responsáveis por aquilo”. Em seguida, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) soltou uma nota desmentindo o delegado geral e imputando aos moradores do bairro a culpa pelo boato. “a Polícia Cívil de São Paulo esclarece que não há indícios de que uma das vítimas da chacina, ocorrida sexta-feira à noite, em Campo Limpo, zona Sul da capital, tenha participado de uma gravação de vídeo que mostra PMs atirando contra um servente de pedreiro. A hipótese havia sido aventada por moradores do bairro, as investigações prosseguem com intensidade, com vistas ao esclarecimento do crime”, afirmou a SSP. A promessa, do governador Geraldo Alckmin e da SSP, é a mesma de sempre: “Investigação”. Porém, segundo levantamento da Folha de São Paulo dessa segunda-feira (7), das 24 chacinas ocorridas na capital e na Grande SP, registradas em 2012, apenas uma foi esclarecida. No total, 80 pessoas morreram.Testemunhas disseram, informalmente, à Polícia Civil, que após a chacina, antes que a Polícia Militar chegasse ao local, um Corsa preto estacionou e e seus ocupantes recolheram rapidamente as cápsulas dos disparos que ficaram próximas ao bar.

Outro fato estranho, que poderia ligar a ação à policiais militares é que o grito disparado, por um ou uns dos 14 homens encapuzados que invadiram o bar atirando, foi: “Polícia”.

Recomendados para você

Comentários

  1. Leandro Coelho Postado em 08/Jan/2013 às 20:11

    Sinto pelo rapaz, mas os jovens de hoje querem se vestir como bandidos, falar como bandidos, andar com amigos bandidos, frequentar locais de bandidos e cantar músicas de bandidos. O que eles esperam? Serem tratados pela polícia como cidadãos? Não sou a favor da brutalidade policial, mas hoje em dia a polícia e o crime organizado estão em guerra, e ambos os lados usam a violência desenfreada. O que as pessoas de bem podem fazer para não serem atingidas? Ficar longe dos dois lados, é claro. É óbvio que essa não é a solução, que está na diminuição das desigualdades sociais através da educação e ações do Estado, mas enquanto isso não acontece, só nos resta ficar longe dessa sujeirada toda. Agora, se o jovem vive enfurnado no meio da bandidagem , o que eles esperam que vai acontecer? Acaba sobrando para ele...

  2. Gisele Silva Postado em 09/Jan/2013 às 11:20

    Ainda existe liberdade de expressão e a voz da periferia é o rap e afins. O que acontece é que a polícia e governo não querem ouvir, já que tem muita culpa no cartório. Terrível!

  3. thiago Postado em 09/Jan/2013 às 11:34

    Caro Lenadro Coelho, quem lutou contra a ditadura tbm foi chamado de bandido....a roupa não faz o homem e não justifica o homicidio...

  4. Rodrigo Postado em 09/Jan/2013 às 11:45

    LAMENTÁVEL SEU MODO DE PENSAR LEANDRO COELHO, NINGUÉM DEVE JULGAR A PESSOA PELO MODO DE VESTIR OU FALAR, SINTO PENA DO TIPO DE PESSOA QUE NEM VOCÊ!

  5. Bruno Postado em 09/Jan/2013 às 12:03

    Nunca li tanto preconceito em um comentário, Leandro está alegando então que o jeito de se vestir deve determinar se essa pessoa é um bandido ou não? quer dizer que as letras de protesto e liberdade de expressão da opressão que essas pessoas sofrem na favela é consequência de bandidagem? Se ou seu filho usar uma roupa larga e ouvir rap for enquadrado pela PM e encherem ele de porrada você gostaria? se sua filha sai de saia pela rua e fosse estuprada vc gostaria? já que a roupa define caráter para você, julga-se o livro pela capa, não enxerga um ser humano morta, enxerga uma pilha de roupa no chão, um pensamento mesquinho e extremamente raso

  6. Marco Postado em 09/Jan/2013 às 12:41

    O post preconceituoso da pessoa que não é a favor da brutalidade policial ilustra bem a fala do Mano Brown, matam por parecer ser, não é necessário ser bandido, basta parecer, segundo um estereotipo preconcebido pelas autoridades e classe média para que se esteja liberada a execução. Gostaria de saber se um jovem RAPER oriundo da Classe média for assassinado por parecer ser se isto seria visto como normalidade? Obviamente os PMs passariam de sofredores a algozes com a mesma velocidade, o nojento é que não assumem seu real preconceito racial e social, enquanto forem negros e mestiços da periferia, tudo bem. É exatamente por isso que SP está este caos social. Pensem se essa população de verdade passarem a apoiar a bandidagem como tentam o tempo todo fazer crer e essa bandidagem se armar como já aconteceu em outras cidades desse país, imaginem o que isso pode se tornar, vejam o tamanho deste Estado e se isso virar uma guerra de verdade, se os bandidos deixarem de fazer de alvo apenas os PMs e passarem a alvejar qualquer cidadão que pareça ser um Policial, como a Policia vem fazendo com o povo da periferia. Isso vai virar um inferno.

  7. Raoni Japiassu Postado em 09/Jan/2013 às 12:48

    Caro Bruno, o que ocorre é que o Leandro no preconceito de identificar a estética da periferia com a estética da bandidagem. Se assumir da periferia, por essa lógica, é parecer bandido e portanto correr o risco de virar alvo da polícia. O engraçado é que essa linha de raciocínio parece querer isentar a polícia dos seus excessos. Como se fosse normal a corporação responsável pela segurança das pessoas ser diretamente responsável por quase 20% dos assassinatos. Preconceito é preconceito. Diante dele, fatos e números não significam nada. Nem vidas.

  8. Cláudio Postado em 09/Jan/2013 às 20:55

    Leandro, muito infeliz seu comentário, crime não tem cara, PC Farias, Juiz LALAU, entre tantos outros mensaleiros nunca foram vistos usando "roupa de bandido" que você diz: " Que todas as pessoas sejam julgadas pelos seus atos e não pela cor da sua pele, condição social ou muito menos pelo música que escuta".

  9. Leandro Coelho Postado em 09/Jan/2013 às 21:19

    A todas as pessoas que reagiram a meu comentário: Primeiramente, não sou preconceituoso. Só apontei que existe uma guerra nos dias de hoje, e que existe brutalidade policial (que frisei ser contra). Logo, se existe uma guerra, as pessoas devem: evitar os campos de combate (locais frequentados por traficantes), vestidos de combatentes (usando o mesmo "uniforme"), e falando como combatentes(usando as mesmas gírias). Se lerem meu comentário, verão que há a conjunção dos três fatores . Não me referi às pessoas que usam as roupas da fashion da periferia ou que usam as gírias Se eu tivesse dito: quem usa roupa de bandido, é bandido, ou, quem usa gíria é bandido, aí eu seria preconceituoso. Não foi isso que eu disse. Só disse que os jovens se colocam na mira das armas assassinas da polícia agindo dessa forma (se vestindo como bandido, e ao mesmo tempo falando como bandido, frequentando locais de bandidos, ao lado de bandidos). Só disse que os jovens colocam suas vidas em risco ao fazerem isso. Só apontei a lógica da coisa. Eu não sou policial, e se fosse, não agiriam como eles agem , MAS TODOS AQUI SABEM QUE OS POLICIAIS SÃO ASSASSINOS SANGUINÁRIOS E PRECONCEITUOSOS, QUE NÃO RESPEITAM QUALQUER MANIFESTAÇÃO CULTURAL, E QUE ATIRAM ANTES DE PERGUNTAR. PARA OS POLICIAIS ACÉFALOS, AS ROUPAS DIZEM SOBRE O CARÁTER. Eu não penso dessa forma. Logo, quis dizer que, ao agirem da forma que agem, os jovens inocentes, trabalhadores, honestos e com um futuro brilhante acabam colocando suas vidas em risco. Só isso. Se alguém se ofendeu com meu comentário, peço minhas humildes desculpas, e friso que, além de ser altamente falível (por ser um humano) posso mudar de opinião, mas não será sendo rotulado que isso ocorrerá. Um forte abraço a todos!

  10. Guilherme M Postado em 10/Jan/2013 às 10:39

    Leandro Coelho, acho que o preconceito está em dizer que os jovens de periferia se vestem e falam como bandidos. O desejo de consumo de um jovem traficante é o mesmo de um jovem trabalhador, e não é pq idolatram bandidos, só é gosto em comum na região. Na periferia cidadão de bem desejar bom dia ou até conversar com criminoso é comum, não porque os criminosos são ameaçadores, mas pq preferimos não julgar a vida que levam. Sabemos os motivos que levam uma pessoa partir para o crime e as vezes temos, mesmo que distante, um familiar envolvido. É questão de humildade, não desprezamos uma pessoa por ser criminosa.

  11. Danilo Postado em 10/Jan/2013 às 14:09

    Estou sentindo cheiro de hipocrisia, o post do Leandro pode soar preconceituoso, mas dúvido que alguém dessa lista dos comentários não pense igual fora da internet, levanta a mão quem aqui nunca mudou de lado na calçada para evitar de passar na frente de um mendigo, desligou o celular e escondeu no bolso porque viu um cara mal encarado na rua, fecha a janela do carro por medo de um pedinte no farol ou desistiu de parar em uma vaga na rua porque viu um bando estranho conversando perto. Como diria um amigo se os posts da internet fosse real o mundo nao seria tao violento como eh, tudo mundo reclama do preconceito do Leandro, mas quando sai da internet vejo se comportar do mesmo jeito..., começa pela própria notícia. Só porque as pessoas armadas gritou polícia, não significa que eles sejam policiais, é como dizer que só porque é rapper é ladrão, se o Dj ajudava tanto a comunidade há uma chance de algum traficante ter o apagado para evitar que a comunidade melhora-se.

  12. Ana Angélica Postado em 10/Jan/2013 às 19:28

    Não entendi o comentário do Leandro como preconceituoso, e concordo com o Danilo. Minha avó já dizia: quem se mistura com porcos, farelo come. Quanto a aparência, não. Mas quanto aos escolhidos para conviver, é intuitivo que seremos confundidos. Não é normal ter afinidade com bandido! Morei em comunidade, mas nunca me vi conversando ou me divertindo ao lado de nenhum. Imaginem que, sendo marginais a polícia não é o único inimigo. Outros traficantes também têm interesse em dominar o território alheio.

  13. Leandro Coelho Postado em 10/Jan/2013 às 20:12

    Danilo e Angélica: parabéns por terem bom senso! Vocês compreenderam o que eu disse! Vocês entenderam que não fui preconceituoso, que só disse que muitos jovens não se contentam apenas em usar roupas de rapers e suas gírias. Eles querem a emoção da amizade com os traficantes. Canso de ver isso aqui no Rio. Meninos de bem, trabalhadores, que vivem perto do tráfico, mas que, ao invés de simplesmente cumprimentá-los, em uma política de boa vizinhança e respeito, os jovens sentam com eles, bebem com eles, e vão a bailes funks com eles. Esses traficantes são alvejados constantemente por inimigos e policiais. No momento de uma operação policial, ou incursão de inimigos, os assassinos não terão a consideração de perguntar quem é honesto e quem é bandido, e atiram em todos. Foi isso que quis dizer. Se um jovem honesto se veste com a moda que os bandidos usam, e (conjuntivamente) andam com os bandidos, ele certamente tem uma chance maior de sofrer uma violência. Logo, se você é da periferia, não há problemas em usar a moda dos rapers, e nem falar como eles, mas se vc, além disso, anda com bandidos (que se vestem como os rapers e falam como os rapers) você será assassinado. Foi só isso que eu disse. Só apontei a mecânica da violência, e continuo achando que os jovens honestos não podem se misturar com os traficantes e bandidos (especialmente com a mesma aparência), pois como o amigo bem apontou, terminará por comer farelo. Mas, se apesar do que eu disse, o jovem achar que sou preconceituoso, e que ele tem todo o direito de andar com bandidos, que eles também são da comunidade e merecem sua amizade, vá em frente, mas depois não reclame se sua mãe terminar velando seu corpo porque um policial ou outro traficante inimigo o confundiu com um bandido. Ai, o jovem verá que meu "preconceito" é pinto comparado com as balas de fuzil 7,62. Mas já será tarde demais....tarde demais....entenderam?

  14. Raquel Postado em 31/Jan/2013 às 09:47

    Leandro coelho. a muito tempo o que mata aqui em são paulo não é a droga. é a polícia, justamente por esse tipo de desculpa esfarrapada que nem a sua. A maioria desses mal vestidop como você diz nasceu na vila sem chance de vida. Sem ajuda do governo. daí não tem estudo, não tem chance de trabalho. e trafica, mas eles traficam porque tem gente que compra. Fato é que o brasileiro gosta de droga. Isso não vai mudar, aceite você. Policiais estão morrendo e sendo presos, e do modo como vai, a população vai se revoltar contra a polícia, não contra os traficantes.

  15. Daniel Postado em 13/Mar/2013 às 00:11

    Caros, eu acredito que o tema desta matéria tenha sido desvirtuado pelo comentário mal pensado do Leandro Coelho, não o defendo e nem o culpo, mesmo porquê em parte alguma da matéria falou-se como as vítimas estavam vestidas, exceto pela capa do CD do Dj Lah, nem com quem andavam, só que estavam num bar. Mas este não creio que seja o foco pois, numa breve retrospectiva de 1 ano que fiz, apenas neste site, encontrei muito mais que mera "confusão" por parte dos policiais em distinguir quem é ou não bandido pela indumentária, mas um vasto conjunto de abusos, assassinatos e barbáries cometidos por PMs (sempre acobertados pelo governo do estado) que neutralizam qualquer comentário acima e torna a questão sem sentido. Nota-se que o jogo de poder e interesses particulares são os dedos que apertam os gatilhos, une-se a uma força policial corrupta e pessimamente treinada e que foi selecionada sem quaisquer critérios de avaliação psicológica, minto sem qualquer critério não, o bom soldado é o que obedece sem questionar. http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/08/policias-flagrados-atirando-em-garoto-sao-absolvidos-pela-justica.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/04/policiais-que-espancam-estudantes-na-usp-sao-pagos-pelo-trafico-de-drogas.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/03/policiais-torturam-jovem-negro-com-choques-nos-genitais-e-na-lingua-oab-denuncia-barbarie.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/02/estudante-gravida-e-arrastada-pela-tropa-de-choque-da-pm-na-usp-e-desmaia.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/02/policia-orienta-moradores-de-rua-espancados-a-dizerem-que-levaram-uma-queda.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/02/pms-teriam-abusado-sexualmente-e-torturado-moradores-do-pinheirinho-pericia-investiga.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/01/cozinheira-e-violentamente-agredida-por.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/04/criancas-de-rua-denunciam-abusos-sexuais-cometidos-por-pms.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/11/menina-18-anos-agredida-policiais.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/11/racismo-tortura-pm-curitiba-bairro-alto-show-horror-em-comunidade.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/01/ordem-e-abordar-individuos-negros-e-pardos.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/01/assassinato-juiza-patricia-acioli.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/02/mulher-tem-dedos-decepados-durante-abordagem-policial-irei-trata-la-como-homem.html http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/01/cracolandia-policial-pediu-para-menina.html AMIGOS, AGORA ME FALEM. PORQUE NUNCA VEREMOS UMA MATÉRIA COM A SEGUINTE MANCHETE: "POLÍTICO É FLAGRADO ROUBANDO 450 MILHÕES E É ESPANCADO PELA POLÍCIA" OU ESTA: "TROPA DE CHOQUE INVADE MANSÃO NOS JARDINS E TORTURA MORADORES" OU QUEM SABE ESSA OUTRA: "ALUNOS DE COLÉGIO PARTICULAR DE HIGIENÓPOLIS SÃO CONFUNDIDOS COM BANDIDOS MORTOS POR POLICIAIS" ...todos aqui sabemos porque.

  16. Rafael Postado em 04/Apr/2013 às 23:25

    "Nota-se que o jogo de poder e interesses particulares são os dedos que apertam os gatilhos, une-se a uma força policial corrupta e pessimamente treinada e que foi selecionada sem quaisquer critérios de avaliação psicológica, minto sem qualquer critério não, o bom soldado é o que obedece sem questionar." Daniel a media do nível educacional do policial no Brasil é muito superior que a media do cidadão comum, juntar um monte de matérias negativas sobre policiais é fácil, inclusive isso é fácil com qualquer profissão, agora obter esses números desse vídeo quero ver qual setor da sociedade faz isso, aposto que o seu muito menos. http://www.youtube.com/watch?v=JCBbWF1Zg8E Conheço centenas de policiais todos honestos íntegros, o policial no Brasil é violento pois a sociedade é violenta com o policial, entre em uma periferia para patrulhar a probabilidade de levar pedradas é muito alta pois a quantidade de bandidos no local é grande porem os honestos que lá moram geralmente denunciam crime para a polícia, a maneira de se vestir conta sim assim como a maneira de agir, se pessoas se fantasiam de bandidos isso não tem nada a ver com pré conceito e sim com um conceito formado depois de centenas de prisões de criminosos todos vestidos da mesma forma, inclusive os próprios bandidos se vestem de "gente" para cometerem crimes sem serem percebidos. Outro detalhe que o crime nada tem relação com falacias esquerdistas de pobreza e desigualdade social, os maiores bandidos são ricos e comandam uma legião de criminosos pobres de caráter semelhante, o caráter e a formação da pessoa que gera o criminoso e não o ambiente onde ele vive, se assim o fosse monges pobres budistas que nem comida possuem seriam todos assaltantes e sequestradores em vez de fazer o bem onde habitam. O Brasil esta piorando não por causa da polícia a unica instituição que mantem a ordem nessa zona literal, mas sim por causa da quantidade de drogados e um direito penal que visa o criminoso em vez da vitima, somado a outros fatores.