Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Mercado 04/Jan/2013 às 19:48
1
Comentário

100 mais ricos do mundo ganharam US$ 241 bilhões em 2012

Apesar da crise, 100 mais ricos do mundo ganharam US$ 241 bilhões em 2012. No topo da lista da Bloomberg está o magnata mexicano Carlos Slim, com uma fortuna avaliada em 75,2 bilhões de dólares

Com efeitos avassaladores sobre a população mundial desde sua eclosão, em setembro de 2008, a crise econômica foi bastante positiva em 2012 para os bilionários do planeta, conforme revela resumo anual da agência Bloomberg, publicado nesta quarta-feira (02/02). As 100 pessoas mais ricas do mundo ganharam 241 bilhões de dólares no ano que passou, ou, de acordo com comparação feita pelo jornal Publico.es, tudo o que a Espanha – um dos países mais atingidos pela crise – gastou com aposentadorias, desemprego, saúde e benefícios sociais em 2012. Todas as fortunas juntas somam agora 1,9 trilhões de dólares.

carlos slim fortuna homem rico

Mexicano Carlos Slim ainda é dono da maior fortuna do planeta.

No topo da lista da Bloomberg está o magnata mexicano Carlos Slim (à esquerda), com uma fortuna avaliada em 75,2 bilhões de dólares. As receitas de suas empresas de telecomunicação, imobiliárias e as ações em grupos de comunicação cresceram 21,6% no ano passado.

Slim, que é proprietário da Telmex, o que lhe dá o monopólio das comunicações no México, têm também numerosos negócios na Espanha. Em 2011, o milionário se tornou um dos sócios privados mais importantes do CaixaBank e em 2012 passou a ser acionista majoritário do time de futebol Real Oviedo Club.

De acordo com a publicação, somente 16 dos 100 maiores magnatas do mundo tiveram perdas no ano passado. Na verdade, como escreveu à Bloomberg em um e-mail com seu Blackberry, deitado em uma espreguiçadeira nas Bahamas, John Catsimaditis, proprietário do Red Apple Group INC, “esse foi um ano estupendo para os bilionários”. O saudita Alwaleed bin Talal Al Saud e o chinês Lee Shau Kee engrossaram seus imensos patrimônios em 65,2% e 42,4%, respectivamente.

Leia também

A publicação afirma que o espanhol Amancio Ortega, de 76 anos, fundador do grupo têxtil Inditex, do qual faz parte a rede Zara, foi o bilionário que mais aumentou sua fortuna em 2012, com ganho de US$ 22,5 bilhões ao longo 2012, até atingir um total de US$ 57,5 bilhões – aumento de 63% em relação ao ano anterior.

O antes homem mais rico do mundo, Bill Gates, continua sendo o número dois da lista, a exemplo de anos anteriores. O cofundador da Microsoft aumentou sua fortuna em 12,6% e conta com um patrimônio de 62,700 bilhões de dólares. Entre os primeiros 40 da relação da Bloomberg, somente a empresária do ramo da mineração, Gina Rinehart, viu seu patrimônio encolher.

O quarto lugar é de Warren Buffett, investidor do mercado financeiro, que desde o começo da crise pediu sanções legais contra banqueiros e solicitou ao presidente Barack Obama várias vezes para que subisse os impostos das grandes fortunas. “Claro que há luta de classes. Nós, os ricos, a começamos e estamos ganhando”, afirmou. Buffett tem um patrimônio de 47,9 bilhões de dólares.

Também está na lista, na colocação 23, Sheldon Adelson, magnata dos cassinos e um dos principais financiadores da campanha do candidato republicanos à Presidência dos EUA, Mitt Romney. Com uma fortuna de 22,700 bilhões de dólares, Adelson aumentou o patrimônio em 14,2% no último ano.

Marina Terra, Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários

  1. Ismael Postado em 25/Feb/2013 às 17:32

    "O quarto lugar é de Warren Buffett, investidor do mercado financeiro, que desde o começo da crise pediu sanções legais contra banqueiros e solicitou ao presidente Barack Obama várias vezes para que subisse os impostos das grandes fortunas. “Claro que há luta de classes. Nós, os ricos, a começamos e estamos ganhando”, afirmou. Buffett tem um patrimônio de 47,9 bilhões de dólares". (Pragmatismo) No Brasil onde existe um empresariado saudosista do modo de comando da "casa grande" e por ser bem menos corajoso, ao que parece, que o Buffett, insistem que a ideia de luta de classes não faz sentido. Ora como não se a classe empresarial vive em pé de guerra contra os gastos e os avanços sociais que beneficiam as classes trabalhadoras?