Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 15/Dec/2012 às 13:27
58
Comentários

Vídeo sobre cotas gera polêmica e reações racistas: "essa conversa não é sobre você"

Vídeo sobre cotas produzido por estudantes de Salvador provoca polêmica na rede e gera reações raivosas e de conotação racial. Atriz que protagoniza o vídeo já foi chamada de "macaca e chimpanzé"

Um vídeo, feito por estudantes e intitulado “Cotas – essa conversa não é sobre você” tem causado polêmica nos últimos dias nas redes sociais. Nos 5 minutos e 17 segundos do vídeo, publicado no mês de novembro no YouTube pelo usuário “jrborges13”, a jovem Juliette Nascimento apresenta um discurso direcionado aos estudantes brancos de classe média.

cotas racismo youtube

“Essa conversa não é sobre você”. Vídeo desperta polêmica e ódio na internet.

Neste sábado (15), o vídeo, feito por integrantes da Rede Nacional de Juventude Negra, já alcançou cerca de 108 mil visualizações, sendo que 951 clicaram na opção “Gostei” e 7963 na opção “não gostei”. Recentemente, o site da Veja publicou um texto em que classificou o vídeo como “puro lixo racista” e diz que “prega o confronto racial e de classe”.

Logo na introdução do vídeo, o texto de Tamara Freire, com adaptação de Jr. Borges, deixa clara a ironia da mensagem. “Eu sei como é difícil quando a gente encontra alguém que nos mostra os nossos próprios privilégios, mas deixa eu tentar mais uma vez: me arrisco a dizer que não me importo se você não conseguir entrar naquele curso mega-concorrido que você sempre sonhou porque simplesmente essa conversa não é sobre você”, dispara Juliette Nascimento.

(Clique aqui para ler a íntegra do texto utilizado no vídeo, ou assista ao vídeo no fim desta página)

“Eu sei que você pensa ser o centro das atenções, mas agora você não é o centro das atenções e sei que deve ser um ‘baque’ porque você está sempre acostumado com isso, não é? […] Quando você chora pelo curso que está cada vez mais distante agora, suas lágrimas não me comovem. O que realmente me comove são as lágrimas daqueles que nascem, crescem sem qualquer perspectiva para alimentar o mesmo sonho que você. É sobre essas pessoas que estamos falando”, emenda a estudante.

Leia também

Em outra parte do vídeo, o texto diz: “(…) Quando você diz que, na verdade, os seus pais pagam o curso somente porque trabalham tanto ou porque você ganha uma bolsa pelas boas notas que tira, eu não me comovo. Não me comovo mesmo! O que me comove é que muitos outros pais trabalham muito mais do que os seus e recebem muito menos por isso”.

Reação

Após a postagem do vídeo, diversos comentários foram feitos.”Afff !! Como se ser rico fosse pecado. E o rico só é rico porque trabalha muito… Que ridículo este vídeo, ela poderia defender o sistema de cotas de outra maneira”, acrescenta outro comentário. “Fazem negrisse e depois querem que não sofram racismo…”, ressalta mais um comentário.

Em entrevista ao Portal Correio Nagô, o diretor do vídeo Jr. Borges contou que estava em casa, quando compartilharam o texto na página dele no facebook. “Eu e minha esposa conversamos e achamos que daria um bom vídeo que foi gravado nos dias 8 e 9 do mês passado. Foi em tempo recorde, em uma semana saiu do projeto e virou arte”, relatou.

O diretor disse ainda que a intenção era provocar o debate. “Óbvio que ver esfregado na cara seus privilégios agride. Mas a nossa intenção não era de agredir, de forma alguma”, destacou.

“O que não esperávamos eram os ataques racistas que aconteceram. Não esperávamos também as acusações de racismo, não acreditamos na sociedade da segregação, por isso nunca imaginamos que a resposta viria em um nível tão baixo.Uma serie de tentativas de desvalidar o que produzimos. Foi muito infantil, mas serviu de aprendizado para sabermos que boa parte deles não esta dispostos nem a dialogar acerca do assunto”, disse.

Publicação

Sobre o texto publicado na Veja, Jr. Borges ressaltou o que chama de posicionamento da revista. “Não podíamos esperar nada diferente da Veja, não é? Uma revista que historicamente se posiciona ao lado das elites brasileiras, que visa atingir ideologicamente os membros da classe média, para que estes sirvam de cinto de contenção dos conflitos de classe, gerados pela própria natureza do capitalismo. Não pregamos confronto racial, nós só dissemos a eles que chega desse discurso ultrapassado que eles fazem”.

Um dos participantes do vídeo chegou a ser reconhecido em um shopping de Salvador. “Juliete relatou um tímido reconhecimento. Pessoas ficaram a encarando constrangidas com a presença dela e este piorou quando ela perguntou se tinha algum problema”. A atriz já foi chamada, no YouTube, segundo relato do grupo, de “macaca, gorila e chimpanzé“.

O diretor relatou que chegou a salvar comentários. “Tem alguns bem interessante, em especial um que o sujeito diz ‘Em 2000 anos de historia, os europeus desbravavam o mar aberto e os continentes. Descobriam e estudavam fenômenos. Inventavam as ciências, a matemática, a filosofia. E o negro africano? Ficou lá na África, com sua “cultura” tribal e questionável. Não avançando em nada. No máximo em algum estilo musical ou outra coisa relacionada. Nada relevante no entanto”.

Para ele, o saldo do vídeo é positivo. “Esperávamos acender o debate, e conseguimos. Foi até maior que imaginávamos. Queremos no fundo que a sociedade brasileira se observe veja que existem cidadãos de segunda classe. Onde a tão falada democracia é uma ferramenta nas mãos de quem aprendeu a segurar o poder, dele passando de geração em geração em suas famílias. Nós questionamos abertamente as estruturas sociais e étnicas do país, o que no Brasil é pecado. Muita gente acredita na democracia racial, esse é um dos grandes empecilhos para que a população entenda o que dizemos”, finalizou.

Participaram também do vídeo Raiane Pedreira, na câmera base e edição e Vaguiner Jorge, na maquiagem e direção teatral.

Assista ao vídeo abaixo

Portal Correio Nagô , atualizado por Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Jean Postado em 15/Dec/2012 às 14:33

    Gostei muito do vídeo, mas achei que foram tantos "não é sobre você" e "você que..." durante a fala dela que me deu a impressão do vídeo ser sim desses brancos de classe média, e não dos negros, como era a intenção...

  2. Raquel Postado em 15/Dec/2012 às 16:36

    Sou branca de classe média, estudei em um excelente colégio particular e sou A FAVOR das cotas. Meus argumentos passam longe desse discurso infantil, falacioso e ,sim, preconceituoso e segregacionista mostrado no vídeo. Não acredito que as cotas sejam a maneira mais justa ou ideal de mudar a situação da educação brasileira, mas acredito que seja a única chance que nós temos de mudar algo, a partir de uma ascensão intelectual em massa de pessoas que sabem o que é ser pobre no Brasil, o que permitirá formar lideranças importantes e fundamentais para a verdadeira mudança estrutural de que precisamos. Tenho 18 anos e, mesmo prestando vestibular e sentindo a dificuldade provocada pelo aumento da concorrência, mantendo a minha posição. Dessa maneira, enquanto eu saio em defesa da DEMOCRACIA SOCIAL e neutralização dos preconceitos na sociedade, me DECEPCIONO muito ao ver uma abordagem triste como essa, que se nivela aos piores racistas do país, ao fazer a mesma abordagem segregacionista em torno de algo que deveria vir para promover igualdade. Enfiar todos os brancos de classe média no mesmo saco rotulado por 'intolerantes, mimados e racistas' é análogo a enfiar todos os negros no mesmo saco rotulado por 'macacos e chipamzés'. No fim das contas, a atitude desse vídeo possui o mesmo efeito social daquilo que ele busca combater: manter o sentimento de ódio e segregacionismo. E isso, a gente costuma chamar de HIPOCRISIA!

    • Esmael Nery Postado em 14/Nov/2013 às 11:18

      Muito bom! Me poupou dos esforços de dizer o mesmo. No entanto, a argumentação usada vai por uma via muito perigosa. Certamente vai desencadear reações "agressivas".

    • Thiago José Vieira Postado em 25/Jan/2014 às 05:49

      Mesmo não te agradando é o que o negro/pardo sofre e é assim que ele encara o branco perante as suas dificuldades. Qlqr reação nossa é denegrida, felizmente não precisamos do seu aval. Não existe igualdade, então não espere compaixão e nem teremos. Não é ódio, longe disso, é a realidade.

  3. Luis Postado em 15/Dec/2012 às 16:39

    Que bonito! Com argumentos lógicos e convicentes, o vídeo nos convida a vencer o preconceito eliminando as barreiras raciais.

  4. Cássio Suzuki Postado em 15/Dec/2012 às 16:56

    Muito bom o vídeo. E realmente, a conversa não é sobre os citados. Me entristece ver gente achando que sofre racismo por ser branco e de classe média hahaha A internet é um meio ótimo pra propagar o conservadorismo das pessoas. Isso porque, atrás da tela supostamente estão todos protegidos. Assim lemos os maiores absurdos, como o rapaz que comparou a cultura européia, achando-a superior a cultura negra. Infelizmente as pessoas ainda não percebem que não existe esse negócio de segregação ou preconceito com os brancos. Acham que por um negro usar uma camiseta escrito "100% negro" também tem direito de usar uma escrita "100% branco". Esquecem a divida histórica que existe, e dizem que é coisa do passado. Isso me revolta. "Rico é rico porque trabalha muito" - dá vontade de rir lendo umas coisas dessas. Como se os pobres não trabalhassem também, muitas vezes muito mais do que os ricos. Não sei porque, mas boa parte das pessoas acham que a sociedade é justa e igualitária. Pelo menos é essa minha impressão. Acham que o racismo não existe mais. Acham que é somente coincidência que quase não exista negros dentro das faculdades federais ou filantrópicas, mesmo eles sendo mais da metade da população brasileira. Pra quem é anti-cotas ou que achou o video agressivo com os brancos, lembrem-se: A Sociedade NUNCA julga mal uma pessoa por ela ser branca. Parem de se fazer de vitimas por coisas que definitivamente não são.

  5. Guilherme Augusto Postado em 15/Dec/2012 às 17:38

    Tapa na cara da sociedade... yea, yea

  6. Ismael Wolf Postado em 15/Dec/2012 às 20:05

    Esse vídeo é racista! Não é assim que se conquista igualdade. Dizer que "agora é tudo nosso" não é igualdade.

  7. Marcos Santos Postado em 15/Dec/2012 às 20:31

    Toda forma de debate é positiva, no entanto, não podemos esquecer que o Brasil ainda tem uma dívida muito alta a ser paga aos negros e não é uma simples política de cotas que irá resolver todos os problemas que esse grupo de minorias enfrenta há séculos. Penso que não cabe ofensas e nem criticas ácidas à atriz Juliete e sabe por quê? Ela está exercendo seu direito de expressão e pensamento garantidos pela Constituição Brasileira e portanto, é inadmissível algumas reações de alguns internautas. Não é com violência verbal que se faz democracia e sim, sabendo respeitar as diferentes opiniões e que aliás, foi muito difícil conquistar este espaço por causa dos anos de chumbo de atravessamos. Vamos valorizar este momento com maturidade e, sobretudo, aproveitar as ferramentas tecnológicas para promoção de debates que possam agregar valores e nos colocarmos em níveis favoráveis num cenário cada vez mais globalizado e pluralista graças ao estreitamento das fronteiras que só a internet pode nos proporcionar, porém, parece que ainda não estamos prontos e nem preparados para usá-la em pról do debate saudável e agregador.

  8. João Postado em 15/Dec/2012 às 20:56

    Um vídeo racista de merda desses só pode ser respondido com uma resposta racista de merda também. Usem argumentos.

  9. ronaldo Postado em 16/Dec/2012 às 00:04

    Imagina se brancos fizessem um vídeo semelhante. Seriam processados na hora (de maneira correta, diga-se!) por racismo

  10. JOÃO SZABO Postado em 16/Dec/2012 às 08:29

    A besteira começou na lei que criou as cotas, como na lei que criou o dia da consciência negra, e criou o feriado. E o Supremo referedou a besteira, não tornando inconstitucional tais leis, que ferem o artigo 5 o. - XLII da Constituição. São leis preconceituosas, segregacionistas, e separam os irmãos brancos e negros. Então o vídeo é apenas uma consequência da fragilidade das nossas Instituições, que não tem nem sequer, ainda, ideia do que possa ser preconceito racial. Precisamos melhorar muito, e entendo que o vídeo deve ser entendido, apenas, como uma colaboração para melhorar a nossa democracia tão fragilizada e tão abandonada, e nosso Estado de Direito, que está muito longe de merecer este nome.

  11. Deyve Postado em 16/Dec/2012 às 10:43

    Sou negro, estudo na Uerj e não entrei por cotas...

  12. Thiago Postado em 16/Dec/2012 às 12:35

    João Szabo, o Dia da Consciência Negra é uma coisa, o feriado é outra. Ter um dia como esse há relevância cultural, mas o feriado é tão ingênuo que a maior parte das cidades do país sequer aderiu a essa imposição injustificada. Deveríamos ter menos feriados, isso sim. O de Tiradentes deveria ser abolido, por exemplo.

  13. Força Postado em 16/Dec/2012 às 13:22

    Lindo! Até que em fim os negros Baianos eståo acordando desta eterna escravidåo! Brasil o País do Apartheid colorido. O país onde o branco vive feliz fingindo que racismo nåo existe e negro e indio vive um eterno pesadelo nas måos de um povo que ainda tem uma mentalidade colonial!

  14. Pedro Postado em 16/Dec/2012 às 13:25

    Que bonito. Mas... Vão conseguir se manter lá dentro? O governo também vai manter as cotas ao longo do curso?

  15. W. Rizzo Postado em 16/Dec/2012 às 17:41

    O João Szabo resumiu, consistentemente, a questão, e demonstra que continuar discutindo a questão das desigualdades no Brasil com base na cor da pele, só interessa às classes eternamente dominantes. Um retrocesso aos argumentos do séc. XIX, habilmente manipulados para justificar o apartheid e o nazismo. Nos sécs. XVI e XVII, os nativos africanos e sulamericanos foram declarados pela Igreja como desprovidos de alma, para justificar seu aprisionamento e uso como escravo. Só mudaram o discurso.

  16. cristiano Postado em 16/Dec/2012 às 23:13

    O sistemas de cotas tem que ser social e não racial, assim como tem negros que não tem condições de pagar uma faculdade, também tem brancos também, ou ser pobre é coisa só de negro? Se for me avisa, por que essa noticia não chegou no meu bairro!!

  17. Antonio de Pádua Postado em 16/Dec/2012 às 23:18

    Por que o meu comentário foi excluído ? Onde está o direito de expressão ? Precisa decotas também ?

  18. Bruno Postado em 17/Dec/2012 às 10:46

    Acredito que as tais cotas vão muito além de um discurso disseminando ódio, de fato, não se trata de exacerbar a falta de intelecto que parte das pessoas pensam que os negros tenham e sim dar condições mais favoráveis a quem sofre descriminação, podemos alegar que somos iguais mas jamais podemos falar que todos tem a mesma chance, isso é estúpido, o problema do vídeo é a generalização que foi feita em cima dos pré conceitos da sociedade brasileira, que por inteira, composta de negros e brancos, continua sendo extremamente racista e conservadora. O problema do Brasil é que tudo tende ao Fla x Flu, Corinthians x Palmeiras, PSDB x PT, Escola de samba A x Escola de samba B. As pessoas tendem a rotular as outras, vivemos de títulos e rótulos.

  19. Rodrigo Teixeira Postado em 17/Dec/2012 às 10:48

    A cor da minha pele é branca, não sou cachorro, não tenho raça. Se fosse um cachorro seria vira-lata. Minha avó (mãe da minha mãe) vivou pouco, e não teve uma boa vida. Viveu como escrava até os 22 anos, como empregada doméstica em troca de um teto para morar e comida. Casou com um nordestino que não tinha onde cair morto, e teve 5 filhos, um deles a minha mãe que se casou com um homem de pele branca. O primeiro emprego do meu pai foi de office boy e o da minha mãe, auxiliar de escritório num cemitério. Ambos trabalharam muito e fizeram muitos sacrifícios, para que eu frequentasse as melhores escolas e tivesse todo conforto possível. Se a duas linhas atrás desta história estivesse escrito " homem de pele negra" ao invés de "homem de pele branca". O Sociedade me deveria tudo inclusive uma vaga na universidade, mesmo que eu tenha estudado nas melhores escolas, isso não importaria, pois o brasil teria uma dívida histórica comigo e os meus antepassados. Como não é o caso, eu sou um filhinho de papai de classe média racista, que não sabe nada sobre sofrimento e esforço. Muito coerente, muito coerente....

    • Fernando Postado em 06/Jun/2014 às 12:54

      Não é um cachorro mas é um animal!

  20. Marcello Postado em 17/Dec/2012 às 11:14

    Nem consegui ver o video todo. Estudei em colegios publicos, enfrentando todas as dificuldades citadas. Mas e dai? Fiz vestibular e me formei na UFRJ. Fiz mestrado e doutorado, sempre com bolsas e trabalhando muito. Sinto-me ofendido com o video. "E tudo nosso!". COmo assim? E tudo nosso, dos brasileiros. Ou e para todos ou para nenhum, independentemente na cor da pela.

    • Carla Postado em 13/Nov/2013 às 12:11

      É isso ai Marcello, assim como você, estudei a vida inteira em escola pública, enfrentando muita dificuldade financeira, muitas vezes tendo que sentar junto a outros colegas de sala, porque naquele ano não tinha como comprar livro, e consegui passar na UFPR, sem cotas, e sim NA RAÇA, fiz mestrado e doutorado, sempre trabalhando. As cotas para escola pública, até tem fundamentação, uma vez que nossa educação de base ainda é muito precária e estará dando oportunidade a TODOS, independentemente da co da pele ou etnia.

  21. Diego /furtado Postado em 17/Dec/2012 às 14:28

    deveria ser cota por renda e não por "cor" .. e deveria ter um prazo para acabar e gerar educação de qualidades para todos enquanto a escola particular recebem beneficio do governo a coisa mais difícil e uma escola publica consegui o mesmo ..

  22. Gabriel Postado em 17/Dec/2012 às 22:18

    Eu fico lendo esses comentários e pensando, será que esses “bonzinhos” cheios de “ideias” não se dão por conta o tamanho do racismo que habita as suas almas?! Não existe argumento contra as cotas que não seja racista. Quando escravizaram, quando a polícia persegue, quando discriminam sempre olharam a COR DA PELE. Quando está na hora de começar a reparar a imensa dívida histórica querem esquecer da COR DA PELE. Para que cotas???? SE houvessem políticas públicas…, SE houvesse educação pública de qualidade…, SE, SE SE… NÃO HÁ NADA DISSO!!!!! E os negros continuam a sofrer preconceito, continuam a carregar séculos de escravidão nas costas, continuam a sofrer perseguição policial, continuam excluídos! Agora os escravocratas acham que os negros podem esperar mais quantos séculos para esses “SE” deles se realizarem, se é que se realizarão? Chega de cinismo!!!! Isso é racismo puro! Lendo os comentários vejo como é forte a ideologia que prega que o negro tem que ser pacífico, não pode reclamar, não pode se revoltar, tem que esperar o branco resolver ser “bonzinho”. Dizem: “o negro não pode falar num tom de revolta, isso vai aumentar o racismo”. Quando o negro reivindica seus direitos é que vemos quem é racista, porque logo surgem esses tipos de comentários. PS: Para quem cita a Constituição, o princípio da igualdade, leia um pouco sobre a História do Brasil e se atualize com o conceito de "IGUALDADE MATERIAL".

  23. Rodrigo Teixeira Postado em 18/Dec/2012 às 16:56

    Você obviamente não leu meu comentário. Pois sendo minha família repleta de negros ( inclusive quase todos se sentem ofendidos com a ideia de cota racial) seria um contra-senso, eu fruto da mistura de várias etnias ser "racista". Racista seria eu defender a idéia de que alguém é menos capaz de ingressar na universidade por causa da sua cor e não por suas condições sociais e financeiras.

    • Dina Postado em 15/Nov/2013 às 23:02

      Não se trata de ser incapaz, acho que você não consegue entender que os desiguais precisam ser tratados de forma desigual, para reduzir ou cessar as desigualdades. Você fala das exceções, detenha-se a regra, e a regra é que os negros sempre estiveram à margem, e não podem ser cobrados de forma igualitária em algumas questões porque não tiveram as mesmas oportunidades e nem terão no sistema atual, sem cotas. As cotas são necessárias hoje, para que no futuro elas sejam extintas, pois todos terão igualdade de oportunidades.

  24. Fabiana Farias Postado em 19/Dec/2012 às 07:16

    Cobrar igualdade sendo preconceituoso? Desde quando todos os brancos são de classe média? Eu sou negra, estudei em escola pública e me lembro muito bem da quantidade de brancos que tinha na escola. Quem quer igualdade deve agir com igualdade. "É tudo nosso", "100% negro", "orgulho negro"? Não vamos à lugar nenhum assim!

    • Jackeline Postado em 05/Apr/2014 às 14:45

      Como vc é inteligente, sábia, bem instruída! Deve ter tido uma educação maravilhosa, parabéns aos seus pais por você, orgulho!

  25. Fabiana Farias Postado em 19/Dec/2012 às 07:21

    Sou contra as cotas para negros, mas a favor de cotas para alunos de escolas públicas, por motivos óbvios. Não é a melhor saída, mas creio que não podemos esperar a educação de base ser igualitária para beneficiar pessoas com a educação superior no presente. Temos urgência! Não podemos esperar o país do futuro se resolver.

    • Jackeline Postado em 05/Apr/2014 às 14:52

      Fabiana, vc é um anjo, é de pessoas como vc que o mundo precisa! POR FAVOR, faça um vídeo com suas sábias palavras, POR FAVOR! Não é de discórdia que essa moça está semeando e plantando ódio que o mundo precisa. Precisamos de vc! Faça um vídeo e me avise, serei a primeira pessoa a curtir e a divulgar. Não é preciso debater com essa senhora racista do vídeo, só expor suas idéias de luz. Abraços!

  26. Nando Bolognesi Postado em 19/Dec/2012 às 15:39

    Centenas de anos de racismpo, opressão, segregação! Até que enfim alguma voz se levanta. Chega dessa babaquice de patria da diversidade. Somos, como tantas outras, uma sociedade extremamente preconceituosa, racista, machista, segregacionista, intolerante e cìnica. Precisamos de atitudes combativas e engajadas como esse vídeo. Parabéns pela coragem. E se tantos gays, mulheres, nordestinos, e toda espécie de marginalizados tomassem atitudes como essa? Com certeza teríamos alguma chance de buscar um mundo mais igualitário, justo e solidário. Mãos a obra!

  27. Rodrigo Teixeira Postado em 20/Dec/2012 às 11:17

    Um mundo mais igualitário, onde quem tem a pela negra, ou seja homosexual tenha mais direitos com a desculpa de que seus antepassados não tiveram nenhum. Muito conveniente.

    • Roberta Postado em 15/Nov/2013 às 23:17

      Não são mais direitos, é tentar minimizar a desigualdade.

  28. Walber Postado em 21/Dec/2012 às 03:30

    Esse vídeo não tem nada de auto-afirmação, é FASCISMO no seu estado mais puro, cheguei inclusive a postar uma resposta a ele. A única cota que sou a favor, é a cota social. Por acaso essas pessoas que postaram esse vídeo já pegaram um ônibus na vida? Creio eu que não, até porque o discurso deles nessa reportagem diz tudo. São um bando de defensores de regimes fascistas/socialistas, aqueles mesmos que EXTERMINAM todos aqueles que se opõem a eles. É por causa desse lixo de gente que o Brasil está na situação que está. Todo mundo adora dizer que é negro, japonês, italiano, alemão... ninguém gosta de reconhecer que é BRASILEIRO. Espero que a autora desse vídeo vá para a África, lá sim ela vai ver o que é pobreza de verdade, enquanto ela fica nesse discursinho idiota de preguiçosa choramingando porque não tem um smartphone!

  29. WHD Postado em 22/Dec/2012 às 06:08

    Se preparem para uma guerra racial. Na próxima guerra, o escudo será a cor da pele. Acordem!

  30. Tamy Postado em 29/Dec/2012 às 09:16

    Só acho que é fácil defender algo que não te atinge. A maioria dos defensores das cotas raciais sequer são negros, são pessoas que tiveram a oportunidade de estudar em ótimas escolas, fizeram cursinho, etc. Agora, pensem na situação do branco pobre, muitas vezes de família nordestina, que irá concorrer em menos vagas. Sim, sei das cotas sociais, mas tecnicamente eles são prejudicados em relação aos negros. Pensem... É fácil defender as cotas raciais quando se sabe que sua 'vaguinha' está garantida, mas reflitam sobre a situação do branco, morador de uma periferia, cujo os pais são operários vindos do Nordeste, e com mais 3 ou 4 irmãos. Difícil pensar assim não é? Será que é mais vantajoso para os seus argumentos fazer como a escritora do texto e colocar que todos os brancos são ricos mesquinhos e ostentadores? O que mais me decepciona nos movimentos sociais, principalmente o que há dentro das universidades, é que uma pequena elite (sim, elite, que fez as melhores escolas e cursinhos caríssimos) levantam uma série de bandeiras que em nada condiz com a que utilizaram em sua vida. Militância necessita de tempo. O pobre, que assim como eu, tem que estudar e trabalha,r sinto muito mas não tem tempo para militar. Cabe a quem? A elite, que entrou na universidade graças ao dinheiro da sua classe e agora luta para que os menos abastados possam também. Dó? Não creio que uma luta que a elite, ou A BURGUESIA trave a favor dos pobres seja justa ou honesta. Na hora da decisão, cada um vai ir para o lado que mais a beneficia. É fácil levantar a bandeira das cotas quando já se está na universidade. Isto não é empatia, justiça ou nada do gênero. Pra mim o nome disso é HIPOCRISIA!

  31. Tamy Postado em 29/Dec/2012 às 14:36

    Reações racistas? Nada mais lógico, sofreram ataques racistas, como deveria ser o retorno?

  32. Lyndy Luca Postado em 16/Jan/2013 às 18:48

    O texto é de uma jovem mulher branca, gente, que eu conheço virtualmente e que demonstra muita lucidez em seus argumentos. Ela foi sarcástica? Sim, foi! Mas sabem por que (aliás, o texto deixou isso bem claro)? Porque aqueles que hoje são os "privilegiados", apesar de continuar com excelentes condições de vida, ainda reclamam e se fazem de vítimas, quando as grandes vítimas da história sempre foram esses, desde há muitos considerados e tratados como "seres inferiores". O que impera hoje em dia é um egoísmo sem precedentes, em que as pessoas só pensam em si, no seu lado, e quando há alguma melhoria para aqueles "esquecidos, abandonados ao Deus-dará", fazem o escarcéu que fizeram a respeito das cotas. Essa gente não adora exibir roupa de marca, carrões, ostentar-se em baladas caras, etc??? Qual é problema de estudar em uma universidade particular??? Mas não! Eles querem TUDO pra ELES, e que se f**** o resto. Esse texto veio com a ironia necessária, mas jamais com "racismo".

  33. Lyndy Luca Postado em 16/Jan/2013 às 18:53

    E só pra constar: para o povo "preguiçoso mental", que é aquele que se recusa a se instruir e pensar com o seu próprio cérebro, utilizando-se de pensamentos alheios, correspondendo estes com a verdade ou não, que o Prouni existe para ajudar aos pobres. As cotas são um reparo histórico a favor desse povo negro tão injustiçado. "o que é o Prouni É um programa do Ministério da Educação, criado pelo Governo Federal em 2004, que concede bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em instituições privadas de ensino superior, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, a estudantes brasileiros, sem diploma de nível superior. Podem participar os estudantes egressos do ensino médio da rede pública ou da rede particular na condição de bolsistas integrais da própria escola, os estudantes com deficiência e os professores da rede pública de ensino do quadro permanente que concorrerem a cursos de licenciatura, nesse caso não é necessário comprovar renda. Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda bruta familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais (50%), a renda bruta familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa." http://siteprouni.mec.gov.br/index.php Ah... um excelente programa de ajuda... culpa do Lula, viu??? rs

  34. Dr. Xavier Postado em 07/Feb/2013 às 03:11

    Imaginem se os brancos começarem a desfilar camisetas, escrito "100% BRANCO", iam dizer que é racismo, provocação, mas quando um negro veste uma camiseta escrito "100% NEGRO", aí pode... absurdo. E no vídeo está claro que é pra provocar, mesmo dizendo "não é sobre vc" é óbvio que ela está se referindo o tempo todo aos brancos, e ainda termina dizendo "é tudo nosso!", queria só ver se brancos fizessem um vídeo respondendo à altura, aí seria racismo!!!

  35. Katia Postado em 17/Feb/2013 às 17:41

    Já que é para separar por cor de pele, então os negros deveriam ser proibidos de concorrer nas vagas "gerais", restringindo-se as vagas para negros, deixando as demais apenas para brancos, amarelos, vermelhos, etc., sem direito,inclusive, as cotas sociais. que seriam destinadas aos pobres não negros.

  36. Joelson Postado em 22/Feb/2013 às 23:45

    Alguém avisa pra esse pessoal que não se combate preconceito com mais preconceito. Sou a favor das cotas raciais, SIM. E digo: o vídeo é extremamente racista. Generalizações ridículas. Se queriam levantar um debate, péssimo primeiro passo: é ÓBVIO que a reação seria agressiva do mesmo modo. Existem maneiras mais inteligentes de se começar um diálogo, pelamor! Quem sabe com argumentos?? Estudei sempre em escola pública (e olha só, não sou negro! como assim, mas no vídeo parece que só os negros frequentam as escolas públicas!), não tenho e nem sei ao certo pra que serve o tablet, e hoje estudo em universidade pública também (e, pasmem, não ganhei meu automóvel zero bala quando passei no vestiba). Enfim, exemplos assim seguiriam com todos apresentados ao longo do vídeo, que dá pra resumir muito bem com uma palavra, GENERALIZAÇÃO. E generalizações não levam a um debate sério e livre de preconceitos; muito pelo contrário. Infelizmente, vejo esse vídeo como uma tremenda BURRICE e um retrocesso na luta pelos direitos dos negros. Acho que essa polêmica toda irá apenas justificar o ódio e o racismo já tão presentes nos brasileiros.

  37. Anderson Postado em 16/Mar/2013 às 23:08

    Negrinha racista esta do video

  38. Adilson de Freitas Postado em 09/Apr/2013 às 03:15

    De fato, a menina é racista e rancorosa! Deveria se esforçar mais e vencer por si mesma, sem precisar das cotas. Vamos lembrar que antes das cotas muitos negros passavam no vestibular! Valor é para quem merece. Não pode ser exigido!

  39. joao Postado em 10/Apr/2013 às 20:57

    João zasbo eu não quero ter um irmão como vc nem no inferno vc além de reaça e racista é muito burro.

  40. joao Postado em 10/Apr/2013 às 21:02

    Esse rodrigo teixeira então um racista safado querendo opinar vem dizer que tem negros na familia e que eles se ofenderam com o vídeo quem se ofendeu foi vc babaca ,engole seco pilantrão que essa sua igualdade enfia no rabo.no seu é claro.

    • Cristiana Obelar Postado em 30/Dec/2013 às 12:49

      E vc é bastante desbocado. Não sabe respeitar uma opinião diferente da sua. Parabéns pela sua educação, mas jamais espero que se forme e que tenhamos um profissional como você em nossa socieddade. Deviamos ter cota por boa educação.

  41. Alexandre Postado em 18/Jun/2013 às 14:48

    Nossa, a moça do vídeo é contra o preconceito? Quer mudar esse problema? Deveria começar por ela mesma... de que forma ela quer igualdade se em seu discurso defende que os negros devam ser tratados de maneira privilegiada? É evidente que muitos negros passam por dificuldades em várias esferas de suas vidas, assim como muitas pessoas de outras etnias. Mas sobre o acesso às universidades, o critério de aprovação deve se basear no desempenho do candidato que faz as provas, e não em sua cor ou condição social! Muitos brancos também enfrentam nosso sistema de educação pública infeliz, triste, inaceitável... e aí?! O termo-chave que está implícito no discurso da moça do vídeo é "discriminação positiva". Sim! O resumo da história é que "os negros devem ter uma ajuda extra para entrar na universidade". No vídeo também se condena a desigualdade, por outro lado também se ouvem frases como "Agora é tudo nosso, tudo nosso!"... Como assim??? Quem souber resolver essa inequação, por favor apresente o conjunto solução.

  42. vaguiner Postado em 14/Jul/2013 às 02:50

    Por que na construção da humanidade o branco usou o negro para ser seu escravo ou entendeu que o homem de pele negra só prestava para ser isso, por que em certas regiões do mundo fora até da África onde tem negros e brancos mesmo que a minoria ou a maioria seja negros, os negros sempre são mais pobres e ou miseráveis, por que a policia mata mais negros do que brancos ou pessoas de pele clara segundo dados jornalísticos e estatísticos, por que crianças e jovens negros vão a escola pública estudar e quase sempre não tem aulas e péssimas instalações para estudar e nas melhores escolas particulares com instalações de última geração para facilitar o aprendizado quem estuda são mais de 99,9 % de brancos ou pessoas de pele clara. Então da para mais ou menos entender por que as cotas é uma reparação social e moral.

  43. Cosme Postado em 12/Nov/2013 às 17:43

    "Eu acho que ela lê muita ficção, igual a fala dela" Sou de origem polonesa e sempre estudei um colégio público porque meus pais não podiam pagar a minha formação intelectual. Tenho pós! Estudava e trabalhava assim, como citado por ela, não, pior, acordava antes das cinco e ia dormir depois da meia noite. Acho que essa conversa não é comigo mesmo, pois não aguento ouvir esse mi mi mi....

  44. Guilherme Pazeto Postado em 26/Nov/2013 às 13:04

    Não gostei do vídeo. Simples. Parte do pressuposto que todo negro é pobre e todo o branco é rico. Há brancos que vivem em situação de miséria, e que cursam escolas públicas, assim como há negros de classe média ou mesmo ricos, que cursam boas escolas e tudo. Esse vídeo apenas mostra o quão perigoso é realizar políticas baseadas em critérios racistas como a cor da pele. O racismo de alguém não pode ser generalizado como racismo de uma sociedade ou de uma classe de pessoas sobre outra. Então me mostre onde um negro foi barrado em uma escola, em um concurso, ou em uma oportunidade de emprego, só pelo fato de ser negro? Então toda, absolutamente toda empresa faz distinção entre negros e brancos? As estatísticas não mostram o racismo, mas sim a dificuldade de mobilidade social entre ricos e pobres. Essa política de cotas é uma ideia populista e perigosa, que não resolve problema e causa segregação, aprofundando ódios numa sociedade que até agora soube viver em harmonia com seus semelhantes. Será mais uma herança terrível do PT para a história desse país.

  45. Thiago José Vieira Postado em 25/Jan/2014 às 05:34

    O negro reage e é chamado de racista. Tem que ser direto, reto e claro. É pra "branco" entende bem.

  46. eu daqui Postado em 28/Feb/2014 às 09:58

    Só podia ser de Salvador..............

    • poliana Postado em 26/Jul/2014 às 19:45

      n entendi sua colocação, eu daqui!

  47. Jackeline Postado em 05/Apr/2014 às 14:39

    Sinto pena dela, é terrível ter problemas emocionais, talvez traumas de infância e complexo de inferioridade demonstrado claramente no vídeo. Fala coisas racistas, chama de "patroazinha", desrespeita as pessoas, coitada e graças às cotas para afros, nem processam ela. Será que ela nunca dependeu de um branco ou japonês? Duvido! Se o objetivo dela era de provocar os brancos, ela nunca vai conseguir porque nós somos tão orgulhosos de sermos dessa cor que não precisamos dizer isso prá ninguém! Como eu disse, é digna de pena, esse complexo causará problemas de saúde mais tarde a ela. Talvez um bom psiquiatra branco, negro, japonês ou índio consiga melhorar um pouco a baixa estima dela. Oremos!