Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Senado Federal 27/Dec/2012 às 17:07
4
Comentários

Senadores se dizem contra 14º e 15º salários, mas só 12 devolvem benefício

Na tribuna em Brasília, todos os senadores se manifestaram no sentido de repudiar os exagerados adicionais que recebem através dos 14º e 15º salários, mas apenas 12 parlamentares tiveram coragem de devolver o benefício

Veja como eu voto, mas não veja o que eu faço. Esse é o lema do Senado Federal quando o assunto é a mordomia do 14º e 15º salários. Na segunda-feira, 72 dos 81 parlamentares embolsaram R$ 26,7 mil referentes ao 14º. Dias depois, três deles decidiram devolver a regalia, totalizando 12 que desistiram de receber.

O 15º será pago em fevereiro. Os senadores aprovaram por unanimidade o projeto que extingue o benefício, em 9 de maio, mas a proposta está parada na Câmara dos Deputados. Só após passar por duas comissões, e ser votado em plenário pelos deputados, o projeto voltará ao Senado para promulgação.

salários senado federal

Só 12 dos 81 senadores abriram mão de regalias

Conforme informação repassada oficialmente pela assessoria de imprensa do Senado, os nove parlamentares que inicialmente não aceitaram receber foram: Ana Amélia (PP-RS), Ana Rita (PT-ES), Cristovam Buarque (PDT-DF), João Capiberibe (PSB-AP), João Ribeiro (PR-TO), João Vicente Claudino (PTB-PI), Pedro Taques (PDT-MT), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Rodrigo Rollemberg (PSB-DF).

Na quinta-feira, o Senado encaminhou uma nova lista. Um dia após receber o dinheiro, o relator do projeto, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), encaminhou ofício à Diretoria Geral do Senado informando que devolveria o valor depositado em conta-corrente. “Solicito que sejam adotadas as devidas providências para que sejam devolvidos aos cofres públicos os proventos referentes ao 14º e 15º salários pertinentes ao senador”, diz o documento.

Leia também

Dois dias depois, os senadores Waldemir Moka (PMDB-MS) e Walter Pinheiro (PT-BA) também encaminharam ofício pedindo o estorno.

No microfone

Todos os outros senadores, mesmo votando e declarando publicamente ser contra a regalia, não abriram mão do extra no fim do ano. Durante a votação do projeto em plenário, todos os partidos fizeram uma defesa veemente da necessidade de abolição dos rendimentos adicionais. Nos microfones, alardearam o absurdo e a vergonha de receberem dois salários a mais do que qualquer trabalhador brasileiro. Mas a prática se encarregou de mostrar que a história é bem diferente.

O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), por exemplo afirmou, em maio, que os extras se transformaram em uma enorme distorção, mas não abriu mão de receber a regalia agora. “Não faz nenhum sentido que nós, senadores, tenhamos o que popularmente consagrou-se como 14º e 15º, nos distanciando da grande maioria dos trabalhadores brasileiros”, afirmou, na época. Eduardo Suplicy (PT-SP) chegou a sugerir, durante a tramitação do projeto, que os adicionais fossem depositados num fundo de combate à pobreza.

Os senadores que receberam o 14º na segunda-feira ainda podem abrir mão de ganharem o 15º daqui a dois meses.

Estado de Minas

Recomendados para você

Comentários

  1. idan Postado em 27/Dec/2012 às 17:49

    Vcs ja viram BANDIDO devolver o objeto do roubo?

  2. Bruno Cordeiro Postado em 27/Dec/2012 às 21:01

    Salve a velha política, muita retórica e pouca ação

  3. FDG DESIGNER GRÁFICO Postado em 31/Dec/2012 às 15:31

    "o povo acha que elegeu seus governantes para representa-los no congresso, seria isso o correto, mas na verdade os governantes que elegemos com o nosso voto, estão no congresso para representar unicamente os interesses das grandes corporações privadas, grandes industrias alimentícias, grandes industrias do petróleo, grandes bancos, hoje em dia a cifra de negócios de uma empresa como a exon mobil é maior do que o pib de países como a Austría e Dinamarca, ai você percebe que algumas instituições privadas tem muita influencia nos governos, 52% do produto bruto mundial estão nas mãos de empresas privadas, o mundo não é governado pelos políticos e sim pelas grandes corporações.Acorda Brasil." By Fabyo Cannavaro..

  4. josé afonso Postado em 04/Jan/2013 às 06:50

    Quando e que nós eleitores vamos acordar e acabar com essa farra? NÓS TEMOS O PODER.