Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 19/Dec/2012 às 13:47
2
Comentários

Enquanto brancos passam a morrer menos, negros passam a morrer mais

Morte de negros aumenta e de brancos diminui no Brasil. A quantidade de vítimas brancas teve queda de 27,5% entre 2002 e 2010; e o aumento de vítimas negras foi de 23,4% no mesmo período

negros assassinados brasil

Número de negros assassinados não para de crescer no Brasil.

Desde 2002, o número de homicídios envolvendo a população branca vem diminuindo, enquanto ocorre um aumento de assassinatos da população negra. É o que revela o Mapa da Violência 2012. A quantidade de vítimas brancas caiu de 18.852, em 2002 para 13.668, em 2010, ou seja, uma queda de 27,5%. No mesmo período, o número de vítimas negras aumentou de 26.952 para 33.264, aumento de 23,4%. Para o autor do estudo, Julio Waiselfisz, a privatização da segurança pública no Brasil ajuda a aumentar essa diferença.

Em 2002, proporcionalmente, morreram 45,8% mais negros do que brancos. Em 2010, foram 139% mais negros assassinados do que brancos, ou seja, muito mais do que o dobro. As regiões Nordeste e Norte são as que apresentam maior vitimização negra, termo usado na pesquisa justamente para mostrar a porcentagem da população negra assassinada, em relação com a população branca.

Leia também

Os cinco Estados onde há o maior número de homicídios de negros, em comparação com os homicídios de brancos são Alagoas, Paraíba, Pernambuco, Distrito Federal e Sergipe, todos com taxas acima de 50 assassinatos por 100 mil negros. No outro extremo, estão Paraná – único Estado ondem morrem mais brancos do que negros -, Rondônia e Mato Grosso.

Censo

O percentual de pessoas que se declararam pretas passou de 6,2% para 7,6% na última década, segundo Censo elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O aumento foi maior entre as que se declararam pardas, de 38,5% para 43,1% no mesmo período. Em 2010, aproximadamente 91 milhões de pessoas se classificaram como brancas, 15 milhões como pretas, 82 milhões como pardas, 2 milhões como amarelas e 817 mil como indígenas.

De acordo com o levantamento de 2010, São Paulo é a cidade com maior número de pretos e pardos em todo o país, com cerca de 4,2 milhões, seguido do Rio de Janeiro (cerca de 3 milhões) e Salvador (cerca de 2,7 milhões).

Agência Brasil e Censo 2012

Recomendados para você

Comentários

  1. josé afonso Postado em 05/Jan/2013 às 06:49

    O racismo é, e sempre será combatido. Infelizmente nunca acabará, Caramba, estamos em pleno século XXl e temos um belo exemplo na SUPREMA CÔRTE do país. Senhores racista, acordem e vivam a realidade. (somos todos iguais perante DEUS)

  2. Marcelo Postado em 18/Mar/2013 às 16:21

    Também somos todos iguais perante a LEI. Mas vejam bem o que acontece. Em todo caso o texto em questão não fornece bons argumentos. Se pretendeu ser um resumo da pesquisa tão pouco vou me interessar em le-la. Ora! "brancos morrem menos que negros". Morremos todos iguais: uma vez apenas. Só depois que o leitor se dá conta do que ira tratar o texto: uma pesquisa. E enquanto tal apresenta numeros: pronto medimos, calculamos e especificamos indices, apresentamos uma resposta para o problema e pronto. Ah o formalismo da ciencia. Qualquer coisa cabe nele. Enquanto problematica o texto chama a atenção para um tema de primeira ordem: o racismo. Mas em termos de problematização, penso que é pouco aproveitavel.