Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Corrupção 22/Nov/2012 às 10:49
2
Comentários

'Tolerância Zero' com corrupção só funcionou uma vez na história do Brasil

Por ironia do destino, Carlos Cachoeira, o maior criminoso do Brasil, ganhou a liberdade na véspera da leitura do relatório da CPMI que o investigou

Helena Sthephanowitz, Rede Brasil Atual

Quem estava imaginando que o Judiciário brasileiro havia entrado em uma era de “tolerância zero” com escândalos de corrupção, após o julgamento do chamado “mensalão” – uma vez que até deduções valeram para substituir provas – acorda nesta quarta-feira (21) diante da velha impunidade, quando o escândalo envolve um governador tucano.

joaquim barbosa stf carlinhos cachoeira

Estaria Joaquim Barbosa, agora presidente do STF, irritado com a libertação de Carlos Cachoeira, o maior criminoso do Brasil?

O bicheiro Carlinhos Cachoeira estava em prisão temporária. Recebeu a primeira condenação devido à Operação Saint Michel, por tráfico de influência e formação de quadrilha. Uma pena de cinco anos de prisão em regime semiaberto (dormiria na cadeia e sairia durante o dia para trabalhar). Como ainda pode recorrer à instâncias superiores, ficará em liberdade até todos os recursos possíveis serem julgados, o que pode levar anos.

Ah… a pena inclui também multa de cerca de R$ 3 mil. Para quem acumula mansões, fazendas, apartamentos de luxo no Rio de Janeiro, iates e imóvel em Miami, segundo as investigações, convenhamos, é bem pouco.

É curioso comparar a punição dada ao bicheiro com a dosimetria aplicada ao chamado “mensalão” – lembremos que as investigações apontam envolvimento do governador tucano Marconi Perillo (GO) em contravenções. Além de condenação sem provas em alguns casos, todas as penas foram muito maiores, tanto no tempo de reclusão como no valor da multa.

Cachoeira ainda responde outros processos, decorrentes das Operações Vegas e Monte Carlo, portanto é provável que esta primeira condenação esteja tecnicamente correta, e apenas a multa esteja baixa, pois a sentença é referente a uma tentativa de fraudar a licitação de bilhetagem eletrônica no sistema de transportes do Distrito Federal. O que soa estranho é haver dois pesos e duas medidas, quando comparado às sentenças do “mensalão”. Isso só reforça a percepção de que este último foi um julgamento político, de exceção à regra.

Outra estranheza é que a razão para Cachoeira ser mantido em prisão temporária era ele ser visto como ameaça para corromper e intimidar terceiros, inclusive altas autoridades, de ser capaz de interferir no curso do processo. Um agente da polícia federal que investigou o caso foi executado, em um assassinato ainda não esclarecido. Um juiz federal afastou-se do processo alegando insegurança diante de ameaças. Outro juiz foi alvo da tentativa de intimidação pela mulher do bicheiro, quando o ameaçou com a publicação de um dossiê contra ele na revista Veja, chegando a dizer que o diretor da revista, Policarpo Júnior, era “empregado” de Cachoeira.

À exceção desta última ameaça não há provas do bicheiro estar ligado aos outros fatos, afinal há muita gente envolvida. Mas as coincidências inspirariam cautela, pelo menos até os processos das operações Monte Carlo e Vegas estarem encaminhados, a salvo de maiores interferências.

Por ironia do destino, Cachoeira ganhou a liberdade na véspera da leitura do relatório da CPMI que o investigou.

Recomendados para você

Comentários

  1. corporation offshore Postado em 23/Nov/2012 às 09:49

    Sandes Júnior também pediu a Cachoeira ajuda financeira para bancar pesquisa eleitoral. Em uma conversa gravada pela Polícia Federal, o parlamentar recorre ao bicheiro para obter R$ 7 mil para uma sondagem de intenções de votos à Prefeitura de Goiânia . Cachoeira, com interesse em contratos no município, trabalhava para emplacar a candidatura do senador Demóstenes Torres nas eleições de 2012, enquanto Sandes fazia lobby para ser vice de Demóstenes, apontado como favorito em levantamentos internos de partidos aliados.

  2. Rodrigo Teixeira Postado em 18/Feb/2013 às 05:47

    Perdi meu interesse pela matéria imediatamente após o "chamado mensalão".