Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Ciência 09/Nov/2012 às 16:02
2
Comentários

'Superterra' é descoberta por astrônomos em área habitável do espaço

Cientistas acreditam que o planeta gira em torno de seu próprio eixo, o que gera o efeito de dia e noite. Com isso, aumentam as chances de ele ter um ambiente mais parecido com o da Terra

Uma equipe de astrônomos de vários países encontrou uma “superterra”, um planeta que pode ter um clima parecido com o da Terra e com potencial para ser habitado, a apenas 42 anos-luz de distância.

O planeta orbita em volta da estrela HD 40307. Anteriormente, sabia-se que três planetas orbitavam em volta desta estrela, todos eles próximos demais para permitir a existência de água.

superterra astronomia espaço vida HD 40307

Representação artística mostra o planeta HD 40307, que tem sete vezes a massa da Terra.

Mas, outros três planetas foram encontrados em volta da HD 40307, entre eles a “superterra”, que tem sete vezes a massa da Terra e está localizada na área habitável do sistema, onde a água líquida pode existir.

Leia também

O planeta, batizado de HD 40307g, tem a órbita mais externa entre os seis em volta da estrela e percorre esta órbita em um tempo equivalente a 200 dias terrestres.

E, o mais importante, os cientistas acreditam que o planeta gira em torno de seu próprio eixo, o que gera o efeito de dia e noite. Com isso, aumentam as chances de ele ter um ambiente mais parecido com o da Terra.

“A órbita mais longa do novo planeta significa que seu clima e atmosfera podem ser os certos para abrigar a vida”, disse Hugh Jones, da Universidade de Hertfordshire, que participou da pesquisa.

A estrela HD 40307 é uma versão menor e mais fria do Sol, que emite luz laranja.

Foram as variações sutis nesta luz que permitiram que os cientistas, trabalhando com a rede Rocky Planets Around Cool Stars (Ropacs), descobrissem os outros três planetas.

A última descoberta se junta aos mais de 800 exoplanetas (planetas de fora do Sistema Solar) já conhecidos pelos cientistas e parece ser apenas uma questão de tempo para os astrônomos finalmente encontrarem a chamada “Terra 2.0”, um planeta rochoso com atmosfera e orbitando uma estrela parecida com o Sol, localizado em uma zona habitável.

A pesquisa deve ser publicada na revista especializada Astronomy and Astrophysics.

Descoberta pela luz

A equipe internacional de cientistas usou um instrumento chamado Harps, localizado no Observatório Europeu do Sul, em La Silla, Chile.

O Harps não vê os planetas diretamente mas detecta pequenas mudanças na cor da luz de uma estrela causada pelas pequenas alterações gravitacionais causadas pelos planetas, uma medição e alta precisão.

“Nós fomos os pioneiros em novas técnicas de análise de dados incluindo o uso de comprimento de onda para reduzir a influência de atividades no sinal desta estrela”, afirmou Mikko Tuomi, pesquisador da Universidade de Hertfordshire e que liderou a pesquisa.

“Isto aumentou significativamente nossa sensibilidade e permitiu que revelássemos três novas superterras em volta da estrela conhecida como HD 40307, transformando-a em um sistema de seis planetas.”

O próximo passo da equipe de cientistas é usar telescópios baseados no espaço observar diretamente o planeta HD 40307g e descobrir qual é sua composição.

Recentemente, o Harps foi usado para localizar outro exoplaneta, desta vez orbitando uma estrela do sistema Alpha Centauri, o mais próximo ao Sistema Solar, a apenas quatro anos-luz de distância.

BBC

Recomendados para você

Comentários

  1. RICARDO Postado em 09/Nov/2012 às 16:40

    JA SEI ONDE VOU NAS FERIAS KKKKK

  2. piracetam Postado em 10/Nov/2012 às 04:41

    Em 2008, pesquisadores já tinham anunciado a descoberta de três planetas orbitando a estrela HD 40307, ligeiramente menor e menos brilhante do que o Sol. O problema é que nenhum dos corpos avistados à época estava na chamada zona habitável, região do sistema onde a temperatura não é tão quente nem tão fria, permitindo a existência de água no estado líquido. Uma nova análise dos dados empreendida por cientistas das universidades de Hertfordshire (Reino Unido) e Goettingen (Alemanha) encontrou outros três planetas, sendo que o mais afastado da estrela, justamente o HD 40307g, encontra-se na distância equivalente a pouco mais da metade da distância entre o Sol e a Terra (ou 90 milhões de quilômetros).