Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Homofobia 16/Oct/2012 às 20:21
7
Comentários

Preconceito contra homossexuais pauta eleição de São Paulo

Homossexualidade na eleição para a prefeitura de São Paulo: a campanha política está, definitivamente, na Idade Média

Entidade de defesa dos homossexuais chegou a criticar oficialmente campanha de José Serra por fala sobre gays. Foto: divulgação

Neste ano, 165 homossexuais e transexuais foram assassinados no Brasil. No ano passado, os mortos em decorrência de escolha sexual foram 266. Nos últimos vinte anos, o Brasil assistiu a 3 mil e 50 seres humanos serem assassinados em decorrência de suas escolhas sexuais. O Brasil é o país no mundo com o maior taxa de assassinatos de homossexuais e transexuais.

Por esse motivo, o Ministério da Educação pensou em levar esse debate para dentro das escolas. Isso, em 2010, quando Fernando Haddad era ministro da Educação. Era ano de eleição presidencial, vídeos propostos ao ministério por uma ONG eram de mau gosto. Grupos evangélicos como o do pastor Silas Malafaia aproveitaram a oportunidade, o barulho, e o MEC recuou, desistiu da ideia.

Agora, de novo ano eleitoral, o tema está de volta. Com o apelido de “Kit Gay”. Apelido grotesco na intenção e nos objetivos. O pastor Malafaia foi o escalado para, como ele mesmo definiu, “arrebentar” Fernando Haddad. Porém, como em toda questão embalada pela hipocrisia, pelo cinismo e moral de ocasião, armários acabam sendo abertos.

Neste início de semana e de campanha eleitoral no rádio e TV, com o “Kit Gay” sendo brandido como ameaça, surge um fato. Fato que deixa claro o tamanho da inconsequência num debate que deveria ser tratado com seriedade, em outro momento, e de outra forma.

Leia também

A colunista Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo, publicou uma informação: quando era governador de São Paulo, em 2009, José Serra assinou, e o seu governo distribuiu, um kit de combate à homofobia. “Boneca na Mochila”, um dos vídeos recomendados a professores pelo guia anti-homofobia tucano, era também um dos vídeos que o ministério estudava recomendar, em 2010, antes de recuar.

O guia do governo de São Paulo recomenda que professores usem, por exemplo, imagens de meninas se beijando e homens se abraçando ao discutir a questão. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo informou que o material não era de uso obrigatório e serviria apenas para os professores. O MEC, por seu lado, diz o mesmo: o material seria enviado para seis mil professores. O guia do PSDB recomenda aos professores, e isso é importante:

– Explique que, em nossa sociedade, tudo o que foge a certo padrão de masculinidade e feminilidade é, muitas vezes, visto com estranhamento. E desse estranhamento surgem os preconceitos e, consequentemente, a discriminação.

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) disse não haver “semelhança” entre os dois guias. Pano rápido.

Na verdade, há pelo menos uma semelhança, e fundamental, na intenção dos dois guias ou “kits”: ambos buscavam tirar o tema do armário e debatê-lo com a seriedade que merece.

O que se viu, o que se vê, é o oposto: entre ameaças, recuos, negativas e ataques, o que se assiste são mais alguns passos em direção ao preconceito e à discriminação. Como está posto, o tema da homossexualidade incentiva aos que, nas ruas, no cotidiano, defendem e praticam a barbárie.

É óbvio que ninguém está obrigado a concordar com as escolhas de ninguém. Mas deveria ser óbvio também que, na vida, cada um escolhe o que quer para si. O que não se pode aceitar é esse fato: 165 seres humanos foram assassinados no Brasil, somente nesse ano, por decidirem amar a quem querem, e a quem outros não aceitam.

Bob Fernandes, Terra Magazine

Recomendados para você

Comentários

  1. Gabriel Postado em 16/Oct/2012 às 20:34

    É errado falar em "escolha sexual", pois nenhuma pessoa gay escolheu sentir-se atraída pelo mesmo sexo, essas coisas simplesmente acontecem, então o termo correto seria "orientação sexual".

    • Moderação Postado em 16/Oct/2012 às 20:58

      Gabriel, os editores de Pragmatismo Político estão de acordo com a sua observação. O correto, é, sim, orientação. O conteúdo do texto, no entanto, não poderá ser modificado sem prévia autorização do autor. Obrigado por colaborar.

  2. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 16/Oct/2012 às 20:36

    Será que nas entrelinhas está escrita a palavra LOBISMO? #IronicModeOn

  3. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 16/Oct/2012 às 20:39

    E disse bem o Gabriel: "escolha" não é palavra, o certo é "orientação." Sobre o cidadão Silas: Acho que ele é traumatizado com algum tipo de abuso no passado ou, é homoafetivo. Tem boi na linha.

  4. Lyndy Luca Postado em 16/Oct/2012 às 21:38

    É uma absoluta vergonha, falta de respeito, discriminação e um absurdo o que estão fazendo nas eleições de SP!!! Pelo amor de Deus, a vergonha na cara realmente é algo em total ausência desses "senhores" em questão (Serra e Malafaia - não que estes um dia tenham tido alguma, e um pouco da parte de Haddad tb, embora em um grau bem menor)! Estou, junto com uma boa parcela da população, que já conseguiu se despir de seus preconceitos, à despeito dos que apoiam esses senhores sem qualquer senso de respeito e propagam descaradamente os preconceitos, estupefacta com essa postura desses que se dizem ser políticos (e que, na verdade, estão muito distantes de verdadeiramente o ser)! Como acreditar em criaturas desse nível, que se lançam nos maiores lamaçais em busca de votos, custe o que custar, doa a quem doer, desrespeitando quem quer que seja (ironicamente, sempre são as minorias...)??? Política misturada com religião fundamentalista dá nisso... Que vergonha! É verdadeiramente lastimável em uma democracia de um dito país laico!

  5. Nato Postado em 16/Oct/2012 às 21:45

    "O guia do governo de São Paulo recomenda que professores usem, por exemplo, imagens de meninas se beijando e homens se abraçando ao discutir a questão. ..." Eu não acredito que eu li isso .... Deixemos de ser preconceituosos desde que o machismo prevaleça! É isso mesmo? "/

  6. Ricardo Rocha Aguieiras Postado em 18/Oct/2012 às 14:58

    Perdão. Mas o Bob Fernandes, ao repetir por DUAS (!) vezes o termo "escolha" para definir orientações sexuais, acaba melando seu próprio texto! Desde quando sexualidades são "escolhas"?? Ele, o Bob Fernandes, pode escolher sua orientação, pode escolher a sua sexualidade? Como ele conseguiu fazer isso? Com a ajuda da Marisa Lobo???