Luis Soares
Colunista
Compartilhar
São Paulo 18/Sep/2012 às 15:19
9
Comentários

B.O desmente versão de Alckmin sobre chacina: 2 reagiram, 9 morreram

Boletim de Ocorrência registra que policiais da Rota que estavam na operação de Várzea Paulista, no interior de São Paulo, fizeram 61 disparos; e ao contrário do que disse o governador Geraldo Alckmin (“quem não reagiu está vivo”), apenas dois dos nove mortos atiraram

massacre rota alckmin sp

Geraldo Alckmin justificou massacre da rota com a seguinte frase: “quem não reagiu está vivo”. Foto: divulgação

Os policiais militares da Rota dispararam 61 tiros contra os nove integrantes da facção criminosa PCC mortos durante operação realizada na terça-feira passada (11) em Várzea Paulista, na Grande São Paulo. Os dados constam no boletim de ocorrência registrado na DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Jundiaí, segundo o jornal Bom Dia Jundiaí.

O documento aponta também que das armas apreendidas com os criminosos (duas espingardas calibre 12, uma metralhadora, sete pistolas e quatro revólveres) somente duas apresentavam cartuchos deflagrados. Ou seja, apenas dois dos nove mortos atiraram.

Os dados contrariam a afirmação do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na última quarta-feira (13), de que “quem não reagiu está vivo“, já que nove pessoas morreram.

No local, segundo a polícia, era realizado um “tribunal do crime”, onde Maciel Santana da Silva, 21 anos, havia sido “julgado” pela facção criminosa por tentativa de estupro contra uma menina de 12 anos.

Leia também

No documento, dos 45 PMs envolvidos, pelo menos 17 dispararam no mínimo uma vez. Foram usadas 12 pistolas ponto 40 e cinco submetralhadoras.

Ainda, segundo o Boletim de Ocorrência, Maciel, mesmo sendo vítima de um julgamento pelos demais bandidos, estava armado com uma pistola 9 mm, com sete cartuchos íntegros. Na versão dos policiais militares, ele ofereceu resistência e acabou sendo morto.

Príncipe

Iago Felipe Andrade Lopes, 20 anos, conhecido como Príncipe dentro do PCC, era o principal contato dos criminosos de Jundiaí com a Capital. Ele estava com um revólver 357 e foi morto com um único tiro, de acordo com informações obtidas no Hospital da Cidade, de Várzea Paulista.

O líder da facção na região havia sido preso uma vez por roubo e receptação, mas estava foragido. A polícia acredita que ele tenha sido o responsável por organizar “o tribunal do crime”, já que era quem tomava as decisões do PCC na região.

Príncipe morava em Campo Limpo Paulista, mas desde o começo do ano, segundo informações do setor de inteligência da polícia, residia em um apartamento no Cecap, em Jundiaí. Era de lá que comandava o tráfico de drogas, além de roubos organizados pela facção.

Transferências

Dos cinco presos durante a operação, dois foram transferidos nesta sexta-feira para um presídio de segurança máxima em Avaré, no Interior do Estado. Segundo a polícia, Alex Sandro de Almeida, 30 anos, e Richard de Melo Martelato, 24, pertencem ao alto escalão do PCC e, para evitar tentativas de resgate, foram levados de Jundiaí.

Desde o dia do confronto, eles e outros três homens presos na chácara foram levados para o CDP (Centro de Detenção Provisória) no Tijuco Preto. O local chegou a receber um esquema especial de segurança.

Rede Brasil Atual

Recomendados para você

Comentários

  1. Ana Gama Postado em 18/Sep/2012 às 15:28

    Estou enviando este artigo para livre publicação e circulação a propósito das intrigas que se originam a partir do julgamento do "mensalão". Elas transcendem este julgamento e, a meu ver, pretendem politicamnte atingir o PT como um todo e o ex-Presidente Lula. Um abraço Lboff Manter viva a causa do PT: para além do “Mensalão” Leonardo Boff* Há um provérbio popular alemão que reza: “você bate no saco mas pensa no animal que carrega o saco”. Ele se aplica ao PT com referência ao processo do “Mensalão”. Você bate nos acusados mas tem a intenção de bater no PT. A relevância espalhafatosa que o grosso da mídia está dando à questão, mostra que o grande interesse não se concentra na condenação dos acusados, mas através de sua condenação, atingir de morte o PT. De saída quero dizer que nunca fui filiado ao PT. Interesso-me pela causa que ele representa pois a Igreja da Libertação colaborou na sua formulação e na sua realização nos meios populares. Reconheço com dor que quadros importantes da direção do partido se deixaram morder pela mosca azul do poder e cometeram irregularidades inaceitáveis. Muitos sentimo-nos decepcionados, pois depositávamos neles a esperança de que seria possível resistir às seduções inerentes ao poder. Tinham a chance de mostrar um exercício ético do poder na medida em que este poder reforçaria o poder do povo que assim se faria participativo e democrático. Lamentavelmente houve a queda. Mas ela nunca é fatal. Quem cai, sempre pode se levantar. Com a queda não caiu a causa que o PT representa: daqueles que vem da grande tribulação histórica sempre mantidos no abandono e na marginalidade. Por políticas sociais consistentes, milhões foram integrados e se fizeram sujeitos ativos. Eles estão inaugurando um novo tempo que obrigará todas as forças sociais a se reformularem e também a mudarem seus hábitos políticos. Por que muitos resistem e tentam ferir letalmente o PT? Há muitas razões. Ressalto apenas duas decisivas. A primeira tem a ver com uma questão de classe social. Sabidamente temos elites econômicas eintelectuais das mais atrasadas do mundo, como soia repetir Darcy Ribeiro. Estão mais interessadas em defender privilégios do que garantir direitos para todos. Elas nunca se reconciliaram com o povo. Como escreveu o historiador José Honório Rodrigues (Conciliação e Reforma no Brasil 1965,14) elas “negaram seus direitos, arrasaram sua vida e logo que o viram crescer, lhe negaram, pouco a pouco, a sua aprovação, conspiraram para colocá-lo de novo na periferia, no lugar que continuam achando que lhepertence”. Ora, o PT e Lula vem desta periferia. Chegaram democraticamente ao centro do poder. Essas elites tolerariam Lula no Planalto, apenas como serviçal, mas jamais como Presidente. Não conseguem digerir este dado inapagável. Lula Presidente representa uma virada de magnitude histórica. Essas elites perderam. E nada aprenderam. Seu tempo passou. Continuam conspirando, especialmente, através de uma mídia e de seus analistas, amargurados por sucessivas derrotas como se nota nestes dias, a propósito de uma entrevista montada de Veja contra Lula. Estes grupos sepropõem apear o PT do poder e liquidar com seus líderes. A segunda razão está em seu arraigado conservadorismo. Não quererem mudar, nem se ajustar ao novo tempo. Internalizaram a dialética do senhor e do servo. Saudosistas, preferem se alinhar de forma agregada e subalterna, como servos, ao senhor que hegemoniza a atual fase planetária: os USA e seus aliados, hoje todos em crise de degeneração.. Difamaram a coragem de um Presidente que mostrou a autoestima e a autonomia do país, decisivo para o futuro ecológico e econômico do mundo, orgulhoso de seu ensaio civilizatório racialmente ecumênico e pacífico. Querem um Brasil menor do que eles para continuarem a ter vantagens. Por fim, temos esperança. Segundo Ignace Sachs, o Brasil, na esteira das políticas republicanas inauguradas pelo do PT e que devem ser ainda aprofundadas, pode ser a Terra da Boa Esperança, quer dizer, uma pequena antecipação do que poderá ser a Terra revitalizada, baixada da cruz e ressuscitada. Muitos jovens empresários, com outra cabeça, não sedeixam mais iludir pela macroeconomia neoliberal globalizada. Procuram seguir o novo caminho aberto pelo PT e pelos aliados de causa. Querem produzir autonomamente para o mercado interno, abastecendo os milhões de brasileiros que buscam um consumo necessário, suficiente e responsável e assim poderem viver um desafogo com dignidade e decência. Essa utopia mínima é factível. O PT se esforça por realizá-la. Essa causa não pode ser perdida em razão da férrea resistência de opositores superados porque é sagrada demais pelo tanto de suor e de sangue que custou. *Leonardo Boff é teólogo, filósofo, escritor e dr.h.causa em politica pela Universidade de Turim por solicitação de Norberto Bobbio.

  2. Daniel M Moreira Postado em 19/Sep/2012 às 21:21

    Não entendi esse comentário nesse post, nada a ver!!! Ana Gama. O que vale é que o Alckmin está certo, o que me lembra dos tiroteios do velho oeste, o xerife não esperava todos sacarem para revidar, talvez algum idiota pense que esse maravilhosos policiais da Rota deveriam esperar que os "safados" armados atirassem primeiro, para depois revidar. Bala neles turma, só assim resolveremos o problema de criminalidade. Parabéns governador!!!

  3. Tango Postado em 20/Sep/2012 às 17:15

    Daniel M Moreira, os PM's agiram de forma incorreta sim. Primeiro eles deveriam ter pedido educadamente aos criminosos que se dividissem em dois grupos: um grupo com os que queriam reagir e outro com os que não queriam reagir. Feita essa triagem, eles dariam início ao combate, mas só com o grupo disposto a resistir. Ah, e antes de iniciar o confronto, os policiais poderiam entregar camisetas brancas com os dizeres "sou da paz" aos criminosos que optassem por não reagir, como forma de reconhecimento pela cooperação. Acho que deveriam até oferecer um refrigerante e uma pipoquinha, para que os criminosos "da paz" pudessem assistir ao combate de camarote.

  4. nice Postado em 21/Sep/2012 às 13:31

    Acho bem digno mandar matar esse povo com ou sem reação não deveriam ter direitos humanos já que essa corja deixou de ser gente, se a segurança no nosso país fosse mais limpa poderiamos aprovar uma lei que bandidos devem ser caçados e trazidos vivo ou mortos e os cumpridores da lei seriam condecorados por isso e não como acontece muitas vezes serem depostos de seu cargo. Porquer senão fica parecendo que os policiais primeiro tem que convidar para uma pizza e tentar resolver tudo com psicologia.

  5. Ros Postado em 11/Oct/2012 às 03:06

    Vagabundo tem que levar bala mesmo, os "anjinhos" do "direito dos manos", não esperam para atirar no policial, para assaltar e matar inocente.

  6. mario felix Postado em 22/Oct/2012 às 10:41

    com certeza esses comentarios sao de policiais ou de conhhecidos

  7. mario felix Postado em 22/Oct/2012 às 10:42

    policiais e bandido sao todos iguais

  8. Sgt Mariano Postado em 24/Dec/2012 às 01:15

    Ahan tudo igual né Mario Felix! Vc deve conhece muito bem a policia pra ta falando assim né ? Queria ve se algum desses bandidos te pegassem, te estrupassem, aí queria vee a quem vc iria recorer! Vai procurar se orientar rapaz!

  9. Maria Cristina Postado em 10/Jan/2013 às 07:24

    Quando começaremos a respeitar a dignidade da pessoa humana; com o consequente respeito a constituição do Brasil?