Redação Pragmatismo
Compartilhar
São Paulo 05/Sep/2012 às 08:53
17
Comentários

Dez perguntas sobre os misteriosos incêndios em favelas de São Paulo

Por que nos acostumamos aos incêndios nas favelas e passamos a considerá-los algo "natural, normal", como se já fizessem parte da paisagem urbana e do cotidiano da metrópole, aceitando resignadamente a banalização da tragédia e da violência?

Francisco Bicudo, em seu sítio

Mais um incêndio atingiu essa semana mais uma favela da cidade de São Paulo – desta feita, as vítimas foram os moradores da Favela do Piolho, no bairro do Campo Belo, na zona sul da capital, numa área que fica próxima, bem pertinho mesmo do aeroporto de Congonhas, imponentemente encravado em região nobre da metrópole.

Em 2012, foi o trigésimo segundo incêndio dessa natureza em São Paulo (média de quatro por mês); já tinham sido registrados outros 79, no ano passado. Só ontem, quase 300 casas foram destruídas e mais de mil pessoas ficaram desabrigadas. Não tenho, confesso, condições de fazer afirmações. Mas, como sugeria e ensinava o filósofo grego Sócrates, ao reconhecer que “só sei que nada sei”, posso fazer perguntas. Questionar não ofende. E ajuda a pensar. Minhas dúvidas:

1) Será que a Prefeitura de São Paulo nos considera mesmo tolinhos e imagina que vamos acreditar, num exercício de fé profunda, que os incêndios são apenas coincidências, lamentáveis tragédias?

2) Incêndios em favelas nessa quantidade acontecem em alguma outra cidade do planeta? Ou São Paulo é um foco isolado, um ponto fora da curva, uma “metrópole incendiária exclusiva”?

Leia também

3) Será que apenas os moradores de favelas não sabem acender o gás ou riscar um fósforo, não sabem lidar com o fogo?

4) Por que essa mesma quantidade de incêndios não acontece em condomínios de luxo dos bairros nobres da cidade?

5) Por que a Prefeitura paulistana, à época da administração de José Serra, desativou o Programa de Segurança contra Incêndio, implantado durante a gestão da prefeita Marta Suplicy e que tinha como propósito justamente desenvolver ações de prevenção e orientação especificamente em favelas? E por que o atual prefeito, Gilberto Kassab, não retomou o programa?

6) Por que os bombeiros e as demais autoridades públicas responsáveis pelas investigações não conseguem explicar ou definir as causas e os responsáveis pelos incêndios, com os laudos finais invariavelmente apontando para “motivos indeterminados”?

7) Será que o que de fato move esses incêndios é uma deliberada política de higienização e limpeza social, destinada a expulsar os moradores das favelas, que “enfeiam as paisagens”, para aproveitar os terrenos finalmente “limpos” para a especulação imobiliária, tornando assim a fotografia da capital “mais bela e atraente”?

8) Por que nenhum jornal de referência e de grande circulação faz as perguntas que devem ser feitas, com intuito de construir a melhor versão possível da realidade?

9) Por que os repórteres de emissoras de rádio e de TV que transmitem informações ao vivo sobre os incêndios (incluindo os repórteres aéreos) parecem sempre mais preocupados com os reflexos dos incêndios sobre o trânsito, em apontar rotas alternativas para os motoristas, do que em dedicar atenção às vítimas das tragédias (muitas fatais) ou à destruição de casas e de sonhos?

10) Por que nos acostumamos aos incêndios nas favelas e passamos a considerá-los algo “natural, normal”, como se já fizessem parte da paisagem urbana e do cotidiano da metrópole, aceitando resignadamente a banalização da tragédia e da violência? Em que lugar do passado ficou perdida nossa capacidade de indignação e de reação?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Larissa Postado em 05/Sep/2012 às 17:32

    Eu tenho uma sugestão: destes incêndios acontecerem nos bairros Lago Sul e Lago Norte em Brasília - DF. Lugar onde os cleptômanos reinam.

  2. myrian Postado em 05/Sep/2012 às 18:47

    Eu tb estranhei esses incêndios, mas diferente da matéria, acredito que grupos espalhados pela cidade sejam os responsáveis. Há pessoas que queimam e espancam mendigos, quem garante que outras não incendeiem favelas? Uma política de estado nesse sentido seria de uma estupidez sem par, ainda mais no fim do mandato. Não digo que todos sejam criminosos, mas certamente há pessoas tirando partido da situação climática para dar um fim em favelas que eventualmente incomodem ou desfigurem um bairro ou outro.

  3. Henrique Postado em 05/Sep/2012 às 21:55

    Coincidência ou não, sempre em ano eleitoral é que ocorrem mais incêndios em favelas de SP. A maior favela do Brasil, Rocinha, só teve um incêndio na década de 60. Quantos títulos de eleitores foram queimados??

  4. Helder Postado em 06/Sep/2012 às 00:50

    São Paulo se torna Roma e Kassab o seu Nero a queimar a gente diferenciada. Quase 600 incêndios de 2008 pra cá, é muita coincidência...

  5. Flaviane Fernandes Postado em 06/Sep/2012 às 09:31

    Eu tenho profundas duvidas quanto ao aluguel social, benefício concedido a quem perde seu barraco ou casa em situações semelhantes a essas. No meu ponto de vista há pessoas que fazem dessa política um negócio. Acredito que deve ser uma linha a ser considerada. Lavagem de dinheiro??

  6. Christiane Isis Postado em 06/Sep/2012 às 09:38

    Não tinha pensado na questão de quantos títulos de eleitores foram queimados, interessante! Será que essa é a idéia?

  7. Weslei Santana Postado em 06/Sep/2012 às 11:07

    A pergunta de número 9 ao meu ver é que deixa claro que a imprensa está sendo manipulada (mais uma vez) para acobertar o que realmente está por trás desses crimes contra a população.

  8. Diego Postado em 06/Sep/2012 às 11:39

    Sinistro ou diríamos previsível esses incêndios.. coincidem também com áreas que estão a ser desapropriadas para passagem de monotrilhos e até novas vias; a politicagem não coloca as caras para não sujar o nome, mas contratam empresas para as desapropriações... Lamentável!

  9. monalisa Postado em 06/Sep/2012 às 12:27

    medo

  10. Roberta Postado em 06/Sep/2012 às 23:01

    Oportunidades de novas moradias

  11. João Roberto Postado em 07/Sep/2012 às 16:15

    HAHAHA patético isso, só faltam falar que é obra dos Illuminatis.. por favor né Vocês estão neuróticos, deve ser o uso massivo de maconha.

  12. Luca Postado em 17/Sep/2012 às 12:33

    Vai fumar um baseado e para de falar merda João Roberto! Se pra você isso é natural ou simplesmente acredita mesmo que esses incêndios é por conta do ar seco, você tá doente

  13. Bill Postado em 26/Sep/2012 às 12:23

    Será que o que de fato move esses incêndios é uma deliberada política de higienização e limpeza social, destinada a expulsar os moradores das favelas, que “enfeiam as paisagens”, para aproveitar os terrenos finalmente “limpos” para a especulação imobiliária, tornando assim a fotografia da capital “mais bela e atraente”? essa pergunta responde tudo. e, na boa, tem que ser muito idiota MESMO pra acreditar que isso tudo é "gente que não sabe acender fósforo". fala sério.

  14. Zeca Postado em 27/Sep/2012 às 17:48

    Henrique a favela da Rocinha esse ano mesmo teve um incêndio até um pouco sério a diferença é que dentro das favelas tem como pegar água e os bombeiros agiram rápido fora que os moradores quando crianças são treinados na escola pra se defender de um incêndio, sabem como fugir e como combater enquanto os bombeiros não chegam, as favelas daqui do RJ volta e meia ta tendo incêndio seja por curto circuito ou por queimadas de lixo em que o fogo se espalha mas é como eu disse os moradores sabem como proceder então não fica nada sério.

  15. Ednaldo Fonseca Postado em 03/Oct/2012 às 07:43

    É muita coincidencia NÃO ???!!!

  16. Renato Dantas Postado em 16/Nov/2012 às 07:41

    Fiz um texto na mesma linha dessa matéria em setembro, ninguém falava sobre isso já estava me achando paranóico. 27/07/12 CERCAMENTOS CONTEMPORÂNEOS Para quem não lembra os cercamentos foram promovidos pelos senhores feudais na transição do feudalismo para o capitalismo durante a revolução industrial que consistia em expulsar os servos de suas terras ficando livres para plantar e/ou criar gado ao mesmo tempo que criavam mão de obra disponível para a indústria, pois bem, hoje em dia noto uma situação um pouco semelhante, se analisarmos a capital de São Paulo e mapearmos os incêndios ocorridos em favelas detecto um padrão de acontecimentos. Após os incêndios as famílias são removidas do local e literalmente jogadas em alguma periferia, muitas vezes em containers adaptados com portas e janelas, posteriormente a área afetada sofre uma explosão imobiliária, pode ser coincidência mas além disso alguns desses incêndios precedem a aproximação da construção das estações de metrôs e trens. Essa sequência de eventos, parece-me muito estranha, como exemplo próximo a nós para quem não se lembra foi o incêndio da favela da Av. Do Estado que tomava toda final da avenida e parte da vila Prudente próximo a ponte São Paulo antes da construção do “minhocão” e do metrô vila Prudente. Porque contei toda essa história? Ao abrir os jornais hoje pela manhã como faço todos os dias passando pelas notícias das mídias de massas seguido pelas especializadas, me deparo com um novo incêndio em outra favela, descrevendo que iniciou quando um morador chegou do trabalho e ligou o fogão, ora essa todas as pessoas que moram em favelas tem um medo constante de fogo e sabem o risco que correm, não são ingênuos, mas deixando de lado a estranheza que me causou essa “causa”, também pensei na proximidade da copa do mundo e olimpíadas, esta última mesmo ocorrendo no Rio de Janeiro também trará dividendos a São Paulo, dito tudo isso sugiro a quem também se questiona a esse respeito que simplesmente prestem atenção nos eventos que sucederão o incêndio nos próximos 4 ou 5 anos, sei que parece muito, mas basta que não esqueçam que ele ocorreu e de vez em quando se atentar a região descrita na matéria, Grande abraço."

  17. Favelas incendiadas são áreas mais valorizadas. Coincidência? Postado em 16/Feb/2016 às 18:36

    […] Dez perguntas sobre os misteriosos incêndios em favelas de São Paulo […]