Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Ditadura Militar 25/Sep/2012 às 14:59
4
Comentários

Justiça enfim reconhece: tortura matou jornalista Vladimir Herzog

Naturalizado brasileiro, Vladimir Herzog tornou um dos destaques do movimento pela restauração da democracia no Brasil, depois do golpe militar de 1964…

vladimir herzog tortura suicídio ditadura

Foto oficial de Vladimir Herzog “enforcado” foi vendida para atestar versão dos torturadores de que o jornalista cometera “suicídio”. Justiça encerra fraude: Herzog morreu em decorrência de maus-tratos. (Foto: arquivo)

O juiz Márcio Martins Bonilha Filho, da 2ª Vara de Registros Públicos do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), determinou na última segunda-feira (24) a retificação do atestado de óbito do jornalista Vladimir Herzog, que morreu em 1975 na capital paulista. O atestado, emitido no período da ditadura, indicava que sua morte foi consequência de suicídio. Porém, por ordem da Justiça o atestado de óbito informará que a morte dele foi causada por maus-tratos.

O juiz determinou que, a partir de agora, passe a constar no documento a seguinte informação: “A morte [de Herzog] decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do 2º Exército – SP (DOI-Codi)”. O DOI-Codi era a sigla conhecida do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna subordinado ao Exército, que atuava como órgão de inteligência e repressão do governo.

A retificação foi um pedido da Comissão Nacional da Verdade, representada pelo coordenador, ministro Gilson Dipp. A solicitação foi encaminhada a pedido da viúva Clarice Herzog. Na decisão, o juiz Bonillha Filho elogiou a atuação da comissão.

“[A comissão] conta com respaldo legal para exercer diversos poderes administrativos e praticar atos compatíveis com suas atribuições legais, entre as quais recomendações de ‘adoção de medidas destinadas à efetiva reconciliação nacional, promovendo a reconstrução da história’”, disse o magistrado na sua decisão.

Leia também

Nascido na Croácia, Vlado Herzog passou a assinar Vladimir por considerar seu nome exótico. Naturalizado brasileiro, ele se tornou um dos destaques do movimento pela restauração da democracia no Brasil, depois do golpe militar de 1964. Era militante do Partido Comunista e sofreu torturas em São Paulo.

Em 25 de outubro, Vladimir foi encontrado morto. Segundo informações fornecidas na época, o jornalista foi localizado enforcado com o cinto que usava. Porém, a família e os amigos jamais aceitaram essa versão sobre a morte dele. Nas fotos divulgadas, o jornalista estava com as pernas dobradas e no pescoço havia duas marcas de enforcamento, indicando estrangulamento. No período da ditadura, eram comuns as versões de morte associadas a suicídio.

Agências

Recomendados para você

Comentários

  1. Fabio Postado em 26/Sep/2012 às 01:09

    Brasileiro não conhece historia mesmo, aliás alguns nem lembram em que votou na ultima eleição. As ilustres viúvas das ditaduras falam do tempo em que se pensar diferente era criminoso e ia para o Doi Codi ou DOPS, onde comunista comia e chupava sangue de criancinha. Vão pro diabo que te carregue cambada! Como vê igual a Alemanha Nazista tinha ao lado do regime grandes empresas e empresários, Bayer, Krupp, e por aí vai. Aqui tinha o Bradesco, Globo, Roberto Marinho e outros mais. Como diz na TV, Cidadão que não conhece suas historia esta condenado a repeti-la. Cada povo tem o governo que merece. É triste olhar tantos desgraçados analfabetos políticos e históricos elogiando o regime militar e os torturadores desgraçados. Quando meu Deus que esse pessoal irá pagar pelos crimes que perpetraram contra estudantes, contra artistas, contra os intelectuais desse país em benefício dos norte-americanos que financiaram o golpe em 1964, da elite corrupta desse país e de tudo que denigre a minha nação. Dilma Roussef, honre a sua história, faça justiça, tenha coragem, não me decepcione, pois a história a julgará! E para aqueles que defendem tanto os torturadores saibam que tem também uma legião de torturadores anistiados mamando nas tetas do erário. E viva a Argentina e o Uruguai, que continua punindo seus carrascos. No Brasil, para quê, está bom assim, quem sabe outra turma toma o lugar deles e começa tudo de novo... Brasil o país da vergonha onde torturadores que violaram de todas as formas possíveis os direitos humanos seguem impunes, assim como os políticos, que inveja da Argentina e do Uruguai nessas horas, aqui não, aqui tem que esperar o assassino covarde morrer...

  2. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 26/Sep/2012 às 16:34

    É preciso dizer que NÓS BRASILEIROS NUNCA TIVEMOS DÚVIDAS quanto ao caso do Herzog. Assim como não temos dúvidas que TODOS os Atestados de Óbito assinados por Harry Shibata, são ABSOLUTAMENTE questionáveis. Disse bem o Fabio: "É triste olhar tantos desgraçados analfabetos políticos e históricos elogiando o regime militar." Outro dia uma gauchinha queria ressuscitar o ARENA em nome da Democracia. Estaria dando risada se não fosse trágico em plenos anos 2012, alguém que recebeu instrução na vida ( se é que aprendeu algo útil ) querer Partido político de Militares. Eu amo o Brasil, mas tem hora que penso: Essa Terra está parada desde 22 de Abril de 1500!

  3. Osvaldo Aires Bade Comentários Bem Roubados na "Socialização" - Estou entre os 80 milhões Postado em 16/Jul/2013 às 06:10

    Por que um cara da Croácia vem fazer política no Brasil - vizinho da Bulgária? Aqui está a explicação de atacarem o Lobão: O VÍDEO PROVA QUE NEM SEMPRE RECORDAR É VIVER: ÀS VEZES É MORRER DE VERGONHA http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/07/o-video-prova-que-nem-sempre-recordar-e.html