Redação Pragmatismo
Compartilhar
Geral 22/Aug/2012 às 20:52
2
Comentários

Pai de gêmeos, um branco e outro negro, se diverte com histórias dos filhos

Morador de Campo Grande, Luis tomou um susto quando soube da dupla gravidez da mulher, Audicelia Evangelista, de 45 anos. E outro após o nascimento dos filhos, um negro, como o pai, e outro branco, como a mãe

pai gêmeos negro branco

Estimativa de casos semelhantes: menos de 1% de chance de incidência. Foto: Nina Lima / Extra

Finalmente eles foram reconhecidos no futebol. Enquanto um é zagueiro, tem cabelos crespos e adora doce, o outro é atacante, tem fios louros e prefere salgado. Com as diferenças, ficava difícil perceber que David Evangelista de Oliveira, o branco, e Nícolas, o negro, são irmãos gêmeos.

— Os pais dos coleguinhas do futebol achavam que só um era meu filho e que o outro era um amiguinho dele. E olha que os dois já treinam há um ano e meio. Mas só agora descobriram que são irmãos gêmeos — conta o montador de peças de laboratório Luis Carlos de Oliveira Silva, de 42 anos, pai das crianças.

Leia mais

Fama no bairro

Morador de Campo Grande, Luis tomou um susto quando soube da dupla gravidez da mulher, Audicelia Evangelista, de 45 anos. E outro após o nascimento dos filhos, um negro, como o pai, e outro branco, como a mãe.

— Na época, os colegas brincavam: “ah, esse aí não é seu filho, não!”. Uma vez entrei numa maternidade e o David me chamou de pai. O segurança cochichou: “não é filho dele.” Mas eu penso: os dois puxaram ao pai e à mãe — afirma Luis.

Famosos no sub-bairro Santa Rosa, Nícolas e David, aos 9 anos, já começam a colher os frutos da fama que os levou a um programa de TV ainda recém-nascidos. Outro dia mesmo foram seguidos por duas meninas que descobriram onde moravam.

— Cheguei do trabalho umas 19h30m e peguei o Nícolas passando gel no cabelo e o Davi se arrumando. Logo em seguida, duas meninas gritaram o nome deles aqui no portão. Elas estavam tomando coragem para chamá-los para sair — explica o pai, que se diverte ao saber que os filhos já estão se interessando pelas meninas.

O nascimento de irmãos gêmeos, um negro e outro branco, ainda surpreende.

Miscigenação

A cegonha também foi generosa, em Botafogo, onde vivem as gêmeas Beatriz e Maria Gaia Gerstner, hoje com 8 anos. Uma é morena como a mãe e a outra é branca como o pai, um alemão.

— Quando estou com a branca não acham que é minha filha. E quando o pai está com a morena é a mesma coisa — conta a mãe, Janaína Gaia, de 35 anos, hoje separada do pai delas.

A diretora do Centro Vida — Reprodução Humana Assistida, na Barra, na Zona Oeste, Maria Cecília Erthal, estima que há menos de 1% de chance do nascimento de gêmeos diferentes.

— É a miscigenação que faz com que os genes de pais negros e brancos se encontrem — explica.

Extra

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Alana Postado em 22/Aug/2012 às 21:20

    Ai, gente. Branco e preto pra mim é a mesma coisa. Somos todos iguais. Desde a estrutura química do DNA até todos os constituintes do nosso organismo. Cor é só uma questão de expressão gênica, nada mais que isso. Não vejo diferença alguma. Pelo menos eu, penso assim. James Watson (dito pai da genética), com seus discursos preconceituosos, está sucumbindo na própria soberba. A genética moderna já mostrou que não existem raças humanas do ponto de vista biológico. Cerca de quase 150 milhões de brasileiros possuem uma contribuição africana em seu genoma. Não sei o porquê do estardalhaço em relação a isso.

  2. Alana Postado em 23/Aug/2012 às 11:52

    Nem percebi meu erro, mas J. Watson é o pai do DNA, da genética é o Mendel.