Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 22/Aug/2012 às 23:08
0
Comentários

Filho de Martin Luther King encontra entrevista inédita do pai

Pesquisador da Universidade de Stanford afirma ser difícil determinar "o significado histórico" desta gravação, mas o importante é que "não se trata apenas de uma transcrição e sim de um discurso"

martin luther king jr.

Martin Luther King Jr., um dos mais notados líderes revolucionários do século XX, morreu lutando por igualdade racial nos EUA. Foto: reprodução

Uma entrevista de áudio feita em 1960 com Martin Luther King Jr., líder pacifista do movimento negro nos Estados Unidos, foi encontrada em um velho sótão na cidade de Chattanooga, no estado do Tennessee, informou nesta quarta-feira à cadeia “CNN” o surpreso autor do achado.

Stephon Tull estava vasculhando algumas caixas abandonadas de seu pai quando se deparou com uma fita k7 com a seguinte escrita: “Entrevista Dr. King. Dec. 21, 1960”. “Isso despertou meu interesse”, explicou Tull, que descobriu que a fita continha uma entrevista feita pelo seu próprio pai. Nesta, Luther King fala de sua definição de não violência e de uma recente viagem à África.

O pai de Tull, que ainda é vivo, realizou essa entrevista para um projeto de livro sobre as tensões raciais e a opressão nos EUA, o qual nunca chegou a ser concluído.

A entrevista foi realizada três anos antes de Luther King pronunciar seu famoso discurso, “I have a dream” (Eu tenho um sonho), durante a “Marcha em Washington pelo Trabalho e a Liberdade” em 1963.

Leia mais

Na entrevista, o líder pacifista fala de sua definição da não violência, “um método que procura assegurar um fim moral e que surge do conceito do amor”.

“Estou convencido que nos livros de história do futuro os historiadores terão que registrar este movimento como uma das grandes epopeia de nosso patrimônio (…) Representa a luta ao mais alto nível de dignidade e disciplina”, argumenta Luther King na gravação.

Em outra parte, o Nobel da Paz também fala sobre uma recente viagem à África e explica que encontrou muito “interesse e preocupação” pelas tensões raciais nos Estados Unidos.

“Temos que resolver este problema da injustiça racial se esperamos manter nossa liderança no mundo”, afirma Luther King.

De acordo com Clayborne Carson, professor de história e diretor fundador do instituto de pesquisa e educação sobre Martin Luther King Jr. na Universidade de Stanford, é difícil determinar “o significado histórico” desta gravação, mas o importante é que “não se trata apenas de uma transcrição e sim de um discurso”.

Segundo a “CNN”, Tull deverá vender a gravação em um leilão privado em Nova York.

Martin Luther King, um dos maiores ícones pacifistas da história, nasceu no dia 15 de janeiro de 1929 e foi assassinado no dia 4 de abril de 1968 em Memphis, no Tennessee.

Agências

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários