Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Mercado 23/Aug/2012 às 01:57
2
Comentários

Sadia e Carrefour terão de indenizar cliente que encontrou barata em frios

Barata encontrada em produto Sadia no Carrefour acarreta em indenização a ser paga por ambas as empresas

barata sadia carrefour

Ao colocar no mercado um produto nestas condições, os fornecedores infringiram as regras do Código de Defesa do Consumidor. Imagem: representação

O desembargador Rogério de Oliveira Souza, da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio, condenou o Carrefour e a Sadia a indenizar uma cliente, por danos morais, no valor de R$ 17 mil. Jaci Fátima Gonçalves Vieira conta que foi ao supermercado fazer compras e dentre os produtos adquiridos estavam queijo e presunto, fabricados pela Sadia.

Ainda de acordo com a autora, após consumir o produto, sua filha reclamou do mau cheiro vindo do mesmo, e ao examiná-los achou uma barata. O Carrefour alegou culpa exclusiva da Sadia, fabricante do produto. Por sua vez, a fabricante agiu da mesma forma e alegou culpa do supermercado.

Para o magistrado, o dano moral ficou comprovado, pois ao exercerem suas atividades, fabricante e comerciante frustraram as expectativas geradas na consumidora, que somente recorreu a estes por serem renomados e tradicionais nos ramos em que atuam.

Leia mais

– A legitimidade ativa é inequívoca, eis que a recorrente adesiva (Jaci) foi quem comprou os alimentos e vivenciou os momentos de angústia ao ver sua filha desesperada ao descobrir que ingeriu presunto em que havia uma barata morta.

Por outro lado, a responsabilidade do 1º Apelante (Carrefour) é flagrante. O presunto no qual havia o repugnante inseto foi fabricado pelo 2º Apelante (Sadia), aplicando-se à hipótese a regra do artigo 12, caput e §1º. Não obstante a identificação do fabricante, a responsabilidade solidária do comerciante exsurge da precária condição em que os alimentos eram conservados, tanto que os laticínios apresentavam fungos.

Ao colocar no mercado um produto nestas condições, os fornecedores infringiram as regras do Código de Defesa do Consumidor – concluiu.

Agências

Tags

Recomendados para você

Comentários

  1. Leandro Coelho Postado em 23/Aug/2012 às 10:16

    Mas e o direito da barata? Ela foi chamada de repugnante! Além disso, foi morta imprensada entre uma pilha de queijo e outra de presunto! Um desrespeito! Ninguém para para pensar: e se fosse o Gregor?

  2. Alana Postado em 23/Aug/2012 às 10:47

    Nem Kafka explicaria essa.