Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Barbárie 22/Jun/2012 às 15:06
1
Comentário

Capangas de Daniel Dantas ferem 20 trabalhadores sem terra à bala

Cerca de 20 pessoas foram feridas à bala na fazenda Cedro, em Marabá, no sudeste do Pará. Militantes acusam os capangas da fazenda de propriedade do banqueiro Daniel Dantas pelo ataque.

sem terra pará tiros

20 pessoas, incluindo crianças, foram alvejadas

Os sem terra faziam um ato com mais de 1.000 famílias em frente à sede da fazenda contra o desmatamento, o uso intensivo de agrotóxico e a grilagem das terras públicas.

Depois do ataque dos capangas, as famílias ocuparam a rodovia.

“Fomos recebidos com muitos tiros por parte da escolta armada. Há muitos feridos, inclusive crianças de colo, que foram levados para o hospital de Eldorado do Carajás, a 50 Km do local”, denuncia Charles Trocatte, dirigente do MST.

A ocupação

A fazenda da Agropecuária Santa Bárbara foi ocupada por 240 famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em 2009.

A área é objeto de imbróglio jurídico que envolve o estado, a família Mutran e o grupo Santa Bárbara, do banqueiro Daniel Dantas, imortalizado pela sua esperteza no mundo dos negócios do mercado financeiro e investigação da Polícia Federal (PF).

O antigo castanhal foi transferido através da ferramenta jurídica do aforamento para ser explorado de forma extrativa pela família Mutran, em particular o pecuarista Benedito.

Ao longo dos anos o castanhal deixou de existir e em seu lugar surgiu o pasto. No Pará o aforamento abrange um período de concessão de 1955 a 1966. A família Mutran foi a principal oligarquia do sudeste do Pará e é conhecida pela forma truculenta com que costuma tratar os seus adversários e pela prática de mão de obra escrava em áreas que controlou.

Abaixo, leia nota oficial do MST e da Comissão Pastoral da Terra (CPT) sobre o ataque dos pistoleiros:

Trabalhadores sem terra do MST feridos à bala no Pará

Na manhã desta quinta feira, jagunços travestidos de seguranças da Fazenda Cedro, de propriedade do Banqueiro Daniel Dantas, atiraram contra um grupo de trabalhadores rurais sem terra ligados ao MST no Sudeste do Pará que realizavam um ato político de denuncia da grilagem de terra publica, de desmatamento ilegal, uso intensivo de venenos na área e violência cotidiana contra trabalhadores rurais. Até o momento há confirmação de que 16 trabalhadores foram feridos à bala, sendo que, alguns deles estão em estado grave. Não há confirmação de mortes.

Cerca de 300 famílias já estão acampadas nessa fazenda desde o dia 1º de março de 2010. Ao todo, foram 06 fazendas do Grupo de Dantas ocupadas pelos movimentos sociais no período. Mesmo a então juíza da Vara Agrária de Marabá tendo negado o pedido de liminar de despejo feito pelo grupo à época, o Tribunal de Justiça do Estado, cassou a decisão da juíza de autorizou o despejos de todas as famílias.

pistoleiro sem terra

Pistoleiro

Através de mediação da Ouvidoria Agrária Nacional, foi proposto um acordo judicial perante a Vara Agrária de Marabá, através do qual, os Movimentos Sociais, com apoio do INCRA, desocupariam três fazendas (Espírito Santo, Castanhais, Porto Rico) e outras três (Cedro, Itacaiunas e Fortaleza) seriam desapropriadas para o assentamento das famílias. O Grupo Santa Bárbara, que administra as fazendas do Banqueiro, concordou com a proposta. Em ato contínuo, os trabalhadores sem terra desocuparam as três fazendas, mas, o Grupo Santa Bárbara tem se negado a assinar o acordo.

A formação dessa (Fazenda Cedro) e de muitas outras fazendas adquiridas pelo Grupo Santa Bárbara no sul e sudeste do Pará (ao todo, adquiriram mais de 60 fazendas num total de mais de 500 mil hectares) vem de uma trama de ilegalidades históricas envolvendo grilagem, apropriação ilegal de terras públicas, fraude em Títulos de Aforamento, destruição de castanhais, trabalho escravo e prática de muitos outros crimes ambientais. História, que até o momento, por falta de coragem política, nem o INCRA e nem o ITERPA se propôs a enfrentar. Terras públicas cobertas de floresta de castanheiras se transformaram em pastagem para criação extensiva do gado.

Frente à situação exposta o MST exige:

– A liberação imediata das três fazendas para o assentamento das famílias dos Movimentos sociais;

– Uma audiência urgente no INCRA de Marabá, com a presença da SEMA, do ITERPA, da Casa Civil para encaminhamento do assentamento e apuração dos crimes ocorridos na área.

– Apuração imediata, por parte da polícia do Pará dos crimes, cometidos contra os trabalhadores.

Brasil de Fato

Tags

Recomendados para você

Comentários

  1. Gilberto Postado em 21/Dec/2013 às 20:13

    Trabalhei nessa fazenda e no que sei, os guardas da escolta armada somente fazem seu trabalho, o mst ja destruiu uma vez toda a sede da fazenda e inclusive a saqueou. Diversos roubos de gado ocorrem e os funcionários da fazenda vivem acoados e no medo. Querem fazer reforma agrária em uma area muito produtiva, isso no meu ponto de vista é inaceitável.