Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Palestina 16/May/2012 às 12:33
2
Comentários

1600 palestinos passam 70 dias sem comer e merecem o desprezo da mídia

Imprensa divulga fim de greve de fome de presos palestinos, sem divulgar o começo. Alguém que acompanha o noticiário do dia a dia talvez tenha a natural curiosidade de perguntar-se: E havia 1600 presos palestinos fazendo greve de fome em prisões israelenses?

greve fome presos palestinos

Greve de fome de presos políticos palestinos não teve cobertura na mídia

Em Israel um preso palestino está há 77 dias sem comer protestando ante ao fato de permanecer encarcerado sem uma acusação formal e sem um julgamento. Não é o único, diversos outros fazem greve de fome e há mais de 50 dias também recusam-se a comer reivindicando melhores condições carcerárias e um julgamento. Ao todo 1600 presos palestinos estão em greve de fome nas prisões israelenses onde os direitos humanos são corriqueiramente ignorados e os presos têm sistematicamente sua dignidade violentada.

Contudo, esta situação já perdura há mais de 2 meses e a imprensa brasileira finge desconhecer e quando fala sobre o tema o faz em notinhas escondidas num canto de página. Agora com certo estardalhaço divulga: “presos palestinos encerram greve de fome”. Digite exatamente essas palavras na busca do google e você verá que os principais portais e jornais da grande imprensa dão com destaque o desfecho de um acordo entre Israel e os presos palestinos, mediado pelo governo egipício, que pôs fim a greve de fome.

Leia mais

Alguém que acompanha o noticiário do dia a dia talvez tenha a natural curiosidade de perguntar-se: E havia 1600 presos palestinos fazendo greve de fome em prisões israelenses? Como se não houve divulgação na mídia, se a secretária de Estado americano Hillary Clinton não veio a público manisfestar-se em contrariedade as condições sub-humanas impostas pelo governo israelense aos presos palestinos que encontram-se encarcerados e o secretário geral da ONU em nenhum momento fez qualquer declaração que desse sequer um pequeno sinal de que é inadmissível a reiterada prática de violação aos direitos humanos básicos ainda mais cometida por um país membro, isto é, Israel, signatário das resoluções que tratam do tema? Quando algo semelhante ocorre na China, na Síria, na Venezuela ou em Cuba, a secretária Hillary é uma voz altiva na defesa dos direitos humanos dos cidadãos desses países, assim como o secretário geral da Nações Unidas, sabujo dos interesses Yanques. Com Israel não. Ficam calados.

A propósito de Cuba, a grande mídia nacional demonizou o regime Castrista e fez uma ampla campanha com cobertura diária, inclusive constrangendo o ex-presidente da república Luíz Inácio Lula da Silva a intrometer-se no regime por exigir que interviesse numa questão de Estado que envolvia um ativista político Orlando Tamoyo Zapata que fez uma longa greve de fome que culminou com sua morte. Para imprensa o ex-presidente deveria ter usado de sua influência e dado um ultimato ao regime cubano para soltar o dissente sob pena do Brasil cortar relações diplomática com a Ilha. O tema dos direitos humanos voltou com força na mídia nacional quando a presidenta Dilma visitou Cuba. Os mesmos sofismas de que Cuba precisa acabar com as violações aos direitos humanos e os países Sul americanos precisam demonstrar ao regime cubano que é inaceitável continuar tais práticas perpetuada pela família Castro.

Já sobre Guantánamo, ( em território cubano, onde os E.U.A mantém uma prisão com os mais perigosos terroristas do planeta e ali todo tipo de experimento é feito com práticas de torturas medievais, detenções ilegais, sem uma acusação formal, sem um julgamento, com a morte de prisioneiros não identificados, sem causas especificadas ), a mídia mantém um silêncio obsequioso. Como manteve também no tocante a greve de fome dos presos palestinos em contraste com dissidentes cubanos que ao fazerem greve de fome recebem destaque especial em suas páginas com manchetes chamativas ainda temendo a ameaça vermelha do comunismo algo completamente ultrapassado e sem a menor chance de um dia chegar a ser um regime instaurado no Brasil.

Violações de direitos humanos devem ser repudiadas em qualquer país do mundo. Seja em Cuba, na Síria em Israel ou em qualquer outro lugar no planeta. As considerações aqui dizem respeito a cobertura que a mídia nacional dá quando há violações de direitos humanos em regimes de esquerda, sempre com um enfoque de criminalizar e quando dá o mesmo tipo de cobertura aos regimes políticos capitaneados pelos E.U.A

Por fim, você sabia que havia greve de fome de 1600 presos palestinos em Israel? Agora saiba que tal greve acabou; é o que noticia a grande imprensa. A isto chama-se isenção a toda prova.

Pra Discutir o Brasil, com edição de Pragmatismo Politico

Recomendados para você

Comentários

  1. F.Silva Postado em 16/May/2012 às 14:47

    E a rede Globo,será que deu o devido destaque aos palestinos em greve de fome ou ao poder israelense???Quando a manifestação é contra o Irã ,contra Hugo Chavez,e se um iraniano faz protesto,eles fazem disso uma manchete no JN ou no JH.

  2. sergio luís Postado em 19/May/2012 às 20:38

    Me faz lembrar o genocídio em Ruanda,que ficou à margem da mídia internacional. O 4º poder tem sangue nas mãos!!!!