Redação Pragmatismo
Compartilhar
PSDB 06/Feb/2012 às 17:44
4
Comentários

Não bastasse a destruição de famílias, dono do Pinheirinho tem dívida milionária perdoada

A corte paulista decidiu dar um “bombom” para adocicar a vida dos credores de Nahas que devem estar em situação "muito difícil"

naji nahas justiça pinheirinho sp

Naji Nahas

Aos amigos sempre um empurrão, aos inimigos a lei e, se for preciso, a força, por meio de cassetetes, tiros e bombas. Em decisão mais recente o Tribunal de Justiça comprovou a validade da sabedoria popular. A corte paulista resolveu dar uma “colher de chá” para a massa falida da Selecta Comércio e Indústria S/A – empresa do megainvestidor Naji Nahas – e dona terreno que abrigava a comunidade do Pinheirinho.

A corte paulista decidiu dar um “bombom” para adocicar a vida dos credores de Nahas que devem estar em situação muito difícil: reduziu R$ 1,6 milhão da dívida que a empresa contraiu junto à prefeitura de São José dos Campos por não pagamento de IPTU (Imposto Predial Territorial Urbano). Mau pagador merece um perdão.

Leia mais

A dívida total da massa falida com a prefeitura é de R$ 14,6 milhões. O valor abatido refere-se ao IPTU de 2004 e 2005. Os advogados da Selecta, empresa do investidor Naji Nahas, entraram com ação em 2006 solicitando alteração da alíquota de cobrança do imposto nos dois anos.

Com a decisão favorável, a Selecta conseguiu reduzir R$ 777 mil do IPTU em 2004 e R$ 835 mil em 2005. A decisão, de segunda instância, foi do juiz José Henrique Fortes Júnior, da 15ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, e ocorreu na última sexta-feira (28), seis dias após a reintegração do terreno.

A Prefeitura de São José afirmou que já recorreu de decisão. A vitória da Selecta na Justiça abre precedente para a massa falida pedir redução da alíquota do IPTU também nos anos seguintes, o que reduziria sensivelmente as dívidas da massa falida com o terreno do Pinheirinho.

Nahas foi preso em 2008 durante a operação Satiagraha, acusado pela Polícia Federal de cometer crimes no mercado financeiro. Em 1989, o investidor foi apontado como o responsável pela quebra da bolsa do Rio de Janeiro, ao comprar e vender ações para si mesmo, utilizando laranjas, para controlar os preços do mercado.

Maus tratos de animais

Nesta sexta-feira (3), o Ministério Público paulista mandou abrir inquérito no 2º Distrito Policial de São José dos Campos. O inusitado na determinação do MP é que a investigação não é para saber as consequências da ação policial contra os moradores, mas para apurar e definir responsabilidades sobre supostos crimes de abuso e maus tratos a animais ocorridos por ocasião da reintegração de posse na comunidade do Pinheirinho, no dia 15 de janeiro.

Leia também

De acordo com notícias veiculadas pela Agência de Noticias sobre Direitos Animais, durante a operação de reintegração de posse executores da medida judicial teriam disparado balas de borracha e usado retroescavadeiras sobre animais domésticos, conduta que caracteriza crime.

Fernando Porfírio, Brasil 247

Recomendados para você

Comentários

  1. Neimar Mendes Lima Postado em 19/Feb/2012 às 12:03

    eh... o final q eu achei mais bizarro... o que em animais eh crime no ser humano eh lei...

  2. ANDREIA Postado em 19/Feb/2012 às 13:39

    mEU dEUS ... MINHA DÍVIDA SÓ AUMENTA E NINGUÉM PERDOA.... E OLHA QUE PASSO DIFILCULDADE......

  3. Manoel Postado em 20/Feb/2012 às 11:57

    E é bem possível que sejam condenados por maltatarem os animais. Por massacrarem os moradores, o coronel foi condecorado!

  4. Observador Postado em 13/Mar/2012 às 21:13

    Não acho que a lei garanta aos animais beneficios superiores aos das pessoas humanas. A injustiça atingiu a todos mas aos contrario da maioria dos moradores dezenas ou centenas de animais foram mortos, soterrados nos barracos que foram derrubados. Não pense que os animais recebem tratamento melhor que os humanos pois nas tragedias sempre sao deixados para trás a propria sorte.