Luis Soares
Colunista
Compartilhar
PSDB 14/Feb/2012 às 17:50
4
Comentários

Massacre do Pinheirinho: Geraldo Alckmin pressiona aliados para sabotar CPI

PSDB se esforça para barrar CPI do Pinheirinho. Até agora, o requerimento já possui 27 assinaturas garantidas. São necessárias 32 para a instalação.

cpi pinheirinho massacre psdb governo

Sonhos, vidas, planos. Nada sobrou no Pinheirinho além de ruínas e feridas

O governo do estado de São Paulo tem pressionado os parlamentares que compõem a base governista na Assembleia Legislativa a não colaborarem com as investigações do chamado “massacre do Pinheirinho”, em São José dos Campos, a 97 quilômetros da capital paulista. A informação é do deputado Marco Aurélio (PT), autor do pedido de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os abusos ocorridos na reintegração de posse do dia 22 de janeiro.

Leia mais

“Nós temos informação de que, assim que o recesso terminou na última semana, o governo do estado, investiu forte sobre os deputados de sua base para não assinarem a CPI. Alguns já falaram para mim que só de pensarem em assinar, já receberam recados pesados do governo”, contou Marco Aurélio. Até agora, o requerimento já possui 27 assinaturas garantidas. São necessárias 32 para a instalação.

Marco Aurélio contou ainda que presenciou ataques injustificáveis da polícia enquanto esteve junto aos desalojados na Igreja do perpétuo Socorro, em São José. “Se há uma ordem para retirar as pessoas que estão ocupando uma terra ilegalmente, por que a polícia persegue as pessoas que já deixaram o local para atirar bomba nelas? Eu estava lá, eu estava junto com o grupo atingido”, relatou.

De acordo com deputado, a CPI poderia convocar as pessoas do governo e do comando da polícia para questionar a razão de alguns abusos inexplicáveis. “Qual o motivo para se destruir as casas com tanta pressa e com todos os pertences pessoais dos moradores dentro. Não estava na ordem de despejo essa punição para as pessoas”, explicou.

Como medida paliativa, o governo estadual prometeu um auxílio-aluguel no valor de R$ 500 para cada um dos desabrigados cadastrados na prefeitura. Segundo o último balanço divulgado pelo Executivo municipal, 268 famílias já haviam realizado o cadastro. No entanto, parlamentares locais estimam em 1.200 as famílias desabrigadas.

Para Marco Aurélio, as atitudes emergencias que o governo deveria adotar consistem na colocação de equipes para atender caso a caso aqueles que ficaram desabrigados. “O governo precisa resolver os casos urgentes, como o das crianças que precisam de fraldas, dos idosos que precisam de medicamento, pessoas que precisam de roupas, gente que necessita de fotos de postos para retirada de documentos. As necessidades são múltiplas”, disse.

Enquanto a oposição não consegue as assinaturas necessárias para a instalação da CPI, o parlamentar afirmou que o tema será amplamente debatido na Comissão de Direitos Humanos da Alesp.

Raoni Scandiuzzi, Rede Brasil Atual

Recomendados para você

Comentários

  1. marisa victorio da silva Postado em 15/Feb/2012 às 08:45

    Respeitar o ser humano, chega de sofrimento.

  2. Lia Drumond Postado em 15/Feb/2012 às 14:33

    Um dia farão um "Minhocão" com o nome do Alckmin, pq ele está arrombando SP

  3. Fátima Silva Postado em 16/Feb/2012 às 02:06

    É uma covardia o q um ser humano faz por ganãncia,acho q esse tal geraldo alckimin não é humano ,é um animal

  4. Adriano Postado em 02/Jul/2013 às 18:23

    Esse governador é um ditador, adora violencia policial, vive ainda no tempo da ditadura, é um elemento que deve ser banido da política, é um vagabundo, nunca trabalhou, está na política desde os 19 anos...FORA ALCKMIN!!!