Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 14/Dec/2011 às 21:14
0
Comentários

Imagens inéditas de Strauss-Kahn e camareira no dia do 'abuso sexual' revelam armação

Strauss-Kahn era o mais bem cotado nas pesquisas para impedir a reeleição de Nicolas Sarkozy e foi vítima de um espetáculo fantasioso e criminoso

Strauss Kahn

Strauss Kahn

O canal de televisão francês BFMTV divulgou na última semana pela primeira vez imagens internas do hotel Sofitel, em Nova York, no dia em que Dominique Strauss-Kahn foi acusado pela camareira Nafissatou Diallo de abuso sexual.

O canal francês exibiu um resumo de cinco minutos das gravações, feitas em 14 de maio e minutos depois do horário em que a camareira, de origem guineense, afirmou ter sido violentada por Strauss-Kahn, então diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional. Na época, ele chegou a ser preso,permanecendo durante semanas em prisão domiciliar. No entanto, acabou inocentado pela promotoria norte-americana, que acusou Diallo de ter mentido em seu depoimento.

Leia também

A TV francesa afirma que as imagens reforçariam a inocência de Strauss-Kahn, na época um dos homens mais poderosos do planeta e favorito para se tornar o candidato do Partido Socialista nas eleições presidenciais francesas de 2012. Ele era o mais bem cotado nas pesquisas para impedir a reeleição de Nicolas Sarkozy. DSK, como é conhecido pela imprensa francesa, afirma ter sido vítima de um complô.

As imagens

No vídeo, Strauss-Kahn deixa o hotel sem nenhuma pressa, após pagar sua conta, por volta das 12h27. Sorridente, cumprimenta os funcionários e sai para pegar um táxi ao lado de um carregador de malas. Diallo afirma ter sido agredida aproximadamente vinte e um minutos antes (12h06).

Já fora do hotel, na rua, ele deixa um táxi passar, e tranquilamente acena para outro em seguida e entra no veículo.Todos esses fatos teriam ocorrido em menos de três minutos. Após sair do hotel, ele ainda teria almoçado com sua filha, que mora na cidade. Ele só foi preso dentro do avião, quando embarcava de volta para a França.

Por sua vez, às 12h51, Diallo desce o elevador até o andar térreo acompanhada por uma de suas supervisoras que, por sua vez, chama um segurança, Derek Mai, que dá um telefonema. Dois minutos depois, Brian Yearwood, engenheiro e responsável pela vídeo-segurança do hotel, sai de sua sala. Os dois homens encontram Diallo e sua supervisora.

Naquele momento, a camareira estava sentada, aparentando tranqüilidade. Ela não chorava. Demorou mais oito minutos para que os seguranças começassem a escutar seu testemunho. Já mais agitada, Diallo gesticula muito aos fazer o relato para os dois homens e mais um terceiro segurança, localizado em uma guarita e que não aparece nas imagens.

A supervisora pede que ela conte mais detalhes de côo teria sido a agressão e as duas reproduzem a cena, com Diallo interpretando o que seria DSK.

Em seguida, Diallo se encontra novamente sozinha por mais vinte minutos. Às 13h33, o terceiro agente liga para a polícia.

Um minuto depois da ligação, Yearwood e Mai se isolam em um depósito onde estão sozinhos,e sem testemunhas. De repente, começam a pular e se abraçar de alegria. Mai chega a ensaiar uma dança. A imprensa francesa cogitou a celebração como se os dois estivessem comemorando o sucesso da suposta fraude. O jornalista norte-americano Edward John Epstein já havia indicado a mesma suspeita.

Defesa

Após a divulgação das imagens, a rede hoteleira Accor, dona do Sofitel, foi acusada de envolvimento no suposto complô por parte da imprensa francesa. A multinacional negou a acusação veementemente.

Leia mais

O grupo disse que “a ideia de que esses vídeos provam o envolvimento da Accor em um complô é um disparate” e que os seguranças “não tinham conhecimento do status político de Dominique Strauss-Kahn antes dessa fita” e “reafirmaram que não se lembram exatamente das razões para essa ‘atitude de comemoração'”.

No vídeo, a TV francesa afirma que o grupo Accor, dono do Sofitel, teria apurado a comemoração de um resultado esportivo, mas nenhum partida ocorria naquele momento.

Fonte: Opera Mundi

Recomendados para você

Comentários