Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 23/Nov/2011 às 17:24
6
Comentários

'Preto com carro bom só se for roubado', diz professora racista para aposentada

“Senti-me humilhada. Nunca imaginei que chegaria aos 58 anos de idade e passaria por isso”, desabafou Sandra

humilhação negro racismo injúria racial
Humilhação: Sandra foi vítima de injúria racial

A aposentada Sandra Aparecida dos Santos, de 58 anos, alega ter sido vítima de injúria racial, na tarde de segunda-feira, na Rua Presidente Rodrigues Alves, no Centro de Mogi das Cruzes. De acordo com Boletim de Ocorrência (B.O.) registrado no 1º Distrito Policial, a acusada de proferir as ofensas contra a funcionária pública aposentada, que é negra, é a professora Iracema Cristina Nakano, de 53 anos.

A discussão teria ocorrido nas imediações do Mercado Municipal. De acordo com Sandra, Iracema teria alegado que o carro da aposentada, um VW Fox prata, placas DKC-1142/Mogi, era seu e que havia sido furtado há quatro meses. No entanto, mesmo com as negativas de Sandra, Iracema teria insistido que o carro era dela e dito que “preto para ter um carro assim, só se for roubado“. Esta frase foi ouvida pelo marido de Sandra, o policial Carlos Roberto Madeira Pereira, e a testemunha M.D.E..

“Senti-me humilhada. Nunca imaginei que chegaria aos 58 anos de idade e passaria por isso”, desabafou Sandra, que trabalhou por 33 anos no Hospital Luzia de Pinho Melo. Ela contou que o ex-marido da professora e a tia dela é que pediram desculpas pelo fato.

A aposentada ainda descreveu que a professora abriu seu carro, olhou o interior do veículo e teria continuado a afirmar que o mesmo era o dela, que havia sido furtado e está em nome da tia, Helena Cardoso Siqueira. “Mesmo com todas as evidências contrárias, ela continuou insistindo em algo que não tinha qualquer razão. Além disso, foi totalmente irresponsável com os comentários racistas que fez. Ficamos surpresos de ela ter feito isso sendo uma professora, que deve educar e ensinar as coisas certas”, destacou Pereira, que pretende processá-la por danos morais.

A ocorrência foi registrada pelo delegado Orli de Morais e sua equipe formada pelos policiais Ivone, Laudemiro e Arlindo. Ele entendeu que houve crime de injúria racial e determinou a prisão da professora, que pagou fiança de R$ 545,00 e responderá em liberdade. A pena para o crime é de até 3 anos de prisão.

O Diario

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. Luciana Rocha Postado em 23/Nov/2011 às 17:59

    ué, mas racismo não é crime inafiançável???

  2. Luis Soares Postado em 23/Nov/2011 às 18:47

    Luciana, o caso irá para a justiça e até sair o veredicto ela poderá responder em liberdade, como já fez quando pagou a fiança. E, olha, embora racismo seja crime inafiançável e da presença de testemunhas neste episódio, ainda reluto em acreditar que essa racista seja realmente condenada à prisão.

  3. Lumahish Postado em 24/Nov/2011 às 07:56

    Este país é um engôdo mesmo... Acho que está na hora de acabar
    com esta classificação de crime de Racismo e Injúria Racial.
    Pra quem não sabe, Injúria Racial é quando o crime e proferido contra
    uma pessoa e Racismo é contra um grupo. Porém, sou adepta da idéia de
    Nelson Mandela: "Todos os negros do mundo são ofendidos quando alguém
    ofende um!"
    Portanto, Injúria Racial nem deveria existir. Se um negro é ofendido em
    qualquer lugar do mundo, todos nós, negros, somos ofendidos também.

  4. EFGoyaz Postado em 25/Nov/2011 às 09:12

    Se um negro é ofendido, todas as pessoas do mundo são ofendidas também. A humanidade é uma só e passou da hora de ficar segmentando tudo. Não existe uma fronteira científica entre qualquer tipo de pessoa e outra. A raça é só uma: a raça humana.

  5. Juarez Silva Postado em 01/Dec/2011 às 02:53

    Alguém "comeu mosca" nesse episódio, a figura da injúria racial é aplicada quando uma ofensa é direcionada única e diretamente à pessoa e traz junto uma referência ao sujeito ou adjetivação de conotação racial, ex. "sua negra, morta de fome", não foi o caso..., a declaração "preto para ter um carro assim, só se for roubado", é generalizante e direcionada a todo um grupo humano, sendo assim não é injúria , é racismo mesmo e não deveria de sido afiançavel, a penalização também é muito maior; espero que o Ministério Público na hora da denúncia ou o magistrado que acolher façam a devida recapitulação..., é impressionante o que a polícia faz para não indiciar alguém por racismo...( e olha que o marido da Sra. é policial), por outro lado o jogador Marcelinho Paraibano por tentar ou beijar a força (ato muito repudiável) a irmã de um delegado, não teve "refresco"... foi indiciado por ESTUPRO...; essa "dificuldade policial generalizada" em tratar casos de racismo tem que ser eliminada.

  6. Luciano Postado em 25/Dec/2013 às 21:16

    Francamente esses racistas deveriam criar vergonha no meio da cara e irem cuidar da própria vida, se essa gente não tem capacidade para conviver com as diferenças que fiquem no lugar deles ao invéz de vir com seu discursinho nojento e ultrapassado. Eu não tenho a menor paciencia e nem obrigação de aturar essa cambada.