Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 11/Nov/2011 às 15:28
9
Comentários

Não, FHC, we don't falamos english e nem temos money, OK?

Onde é que Fernando Henrique estava com a cabeça quando sugeriu um slogan em inglês para o PSDB?
Dizem que havia um mendigo que ficava na avenida Atlântica, no Rio, em frente ao Copacabana Palace. Ele costumava abordar os turistas estrangeiros com a seguinte frase: “Laikar, nós laika. Mas money, que é good, nós num have”. Era o mais próximo que ele conseguia chegar da língua inglesa, para tentar explicar aos turistas que gostava de dinheiro, mas não tinha.

É bem provável que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso risse da história. Mas, talvez, ele não se compadecesse dela. A história revela alguns traços da personalidade brasileira. 

Vale ler também:
A primeira, essa imensa admiração tupiniquim que, nós brasileiros, demonstramos por qualquer brilhareco estrangeiro, especialmente norte-americano. A segunda, óbvia: nossa língua nativa é o português. E, num país com baixíssimo nível educacional, não se pode esperar que as pessoas comuns dominem uma língua estrangeira. Com o mendigo da história, Fernando Henrique partilha a primeira característica: também parece se deslumbrar por qualquer brilhareco estrangeiro. Sobre a segunda, ele faz como boa parte da nossa elite: vale-se do seu conhecimento da língua estrangeira para tripudiar de quem não conhece.

Neste nosso Brasil que se esforça para manter o mito da democracia racial, o que não faltam são apartheids. E o apartheid cultural é um deles. E uma das formas pelo qual ele se manifesta é a demonstração arrogante de alguns que fazem questão de mostrar que sabem falar inglês, ou outra língua estrangeira, para os que não sabem. Para entender a humilhação, peça a um motorista de táxi que ele mostre como anotou um pedido de corrida para o Business Towers ou para o Corporate Center, ou qualquer outro desses prédios com nome em inglês que se espalham pelas cidades.

Daí que parece inacreditável que, na discussão que o PSDB fez esta semana no Rio de Janeiro para traçar novas estratégias, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tenha sugerido que o partido adotasse para o seu futuro um slogan em inglês. Na discussão, FHC propôs a adoção do slogan “Yes, we care” (“Sim, nós cuidamos”), uma adaptação da palavra de ordem adotada por Barack Obama na sua campanha nos Estados Unidos, “Yes, we can” (“Sim, nós podemos”).

A intenção de Fernando Henrique era criar uma marca para demonstrar que o PSDB, ao contrário do que costuma dizer o PT, tem preocupações sociais. Daí, o “Yes, we care”. Daquela pesquisa que foi feita por Antônio Lavareda, um dos diagnósticos obtidos foi a constatação de que as pessoas, de fato, não enxergam nos tucanos ações relacionadas com a área social. Nem no governo Fernando Henrique. E uma das conclusões tiradas foi que isso seria, em parte, consequência da estratégia usada por Geraldo Alckmin e José Serra de esconder FHC nas suas campanhas à Presidência. Então, era preciso criar uma tática que reforçasse que coisas como o Bolsa-Escola foram adotadas no governo Fernando Henrique. Que o PSDB, na sua passagem pelo Executivo, “cuidava” ou se “preocupava”, outra possível tradução para “care”.

Agora, dizer que se preocupa com as pessoas mais pobres numa língua que as pessoas mais pobres não dominam? Onde é que Fernando Henrique Cardoso estava com a cabeça? Se o PSDB precisa, pelo diagnóstico feito, fugir da pecha de ser um partido elitista, como é que ele vai conseguir isso a partir de uma frase numa língua que não é a nativa do brasileiro e que só a elite domina? Se a crítica é que o PSDB só fala para os engravatados da Avenida Paulista, na sua primeira opção de estratégia, ele continuará falando somente para os engravatados da Avenida Paulista. E esses já não precisam ser convencidos: eles já preferem votar no PSDB, que há tempos reelegem em São Paulo.

Leia mais:
Porque aqueles para os quais o slogan sugerido por Fernando Henrique deveria atingir, diante dele, vão continuar falando como o mendigo de Copacabana: “Olha, mister FHC, laikar nós laika, mas num have”.

Rudolfo Lago, Congresso em Foco

Comentários

  1. Chanda Postado em 11/Nov/2011 às 19:16

    mesmo que as pessoas mais pobres dominassem né,nós falamos ingles por acaso???O ingles é pra ser usado no exterior,quem fala ingles aqui mesmo com brasileiros só demonstra um complexo de inferioridade tremenda,eu não votaria numa pessoa que não passasse pra mim segurança em si mesmo,amor próprio.Tenho vergonha de gente assim capacho.

  2. Felipe Postado em 12/Nov/2011 às 21:14

    Ne praticamente qualquer parte ta na cara o fanatismo PTista, fanatismo ofusca toda e qualquer razão em um argumento, patético, simplesmente patético.

  3. karlRahner Postado em 14/Nov/2011 às 15:43

    O nome oficial do Timão, uma das torcidas mais populares, é "Sport Club Corinthians". Está em inglês.

  4. Luis Soares Postado em 16/Nov/2011 às 17:32

    Ao que se fala, popularmente, esporte clube corinthians paulista. Como se proliferam esses trolls...

  5. intervortex Postado em 07/Dec/2011 às 03:12

    Ha entendi. Se alguem for para a Suecia vai ter que aprender sueco para se comunicar entao?
    E se um sueco vier aqui ele vai ter que aprender portugues?

  6. Luis Soares Postado em 07/Dec/2011 às 13:22

    Na verdade você não entendeu muita coisa, assim como FHC e o PSDB estão até agora sem entender.

  7. Dirlei Postado em 13/Dec/2011 às 08:13

    Mas, que coisa sem fundamento o Inglês é uma língua importante para leitura, pesquisa, instrumento importante de acesso ao MUNDO. Precisamos ir além da ideia que a língua inglesa está estreita e unicamente ligada aos EUA, ademais muitos outros países também falam esta língua, é a mesma coisa associar o Francês a França, o português a Portugal. É burrice e "antiamericanismo" ultrapassado associar esta língua somente aos norteamericanos.

  8. ARNILDO HASPER Postado em 15/Dec/2011 às 19:13

    Parece que ignorancia próamericana se sentiu ofendida. Ingles é a opção para comunicação internacional. Claro que tem literatura em ingles, e boa. Mas ignorar que a absoluta maioria dos brasileiros só fala portugues, é demais, ainda vindo de um ex presidente???!!!

  9. Unknown Postado em 25/Dec/2011 às 13:33

    Quem acha que este falastrão do FHC fala "inglêis", assistam no youtube o Hard Talk, entreviasta de um jornalista inglês, que mostra o quanto o "Farol de Alexandria" assassina o idioma bretão, qualquer aluno com seis meses de Fisk fala bem melhor que o entreguista do FHC. Aliás, o que se esperar de um ser que se permite serr chamado por FHC?

O e-mail não será publicado.