Redação Pragmatismo
Compartilhar
Índios 18/Nov/2011 às 16:09
14
Comentários

Brutal massacre na Comunidade Kaiowá nessa sexta (18) é ignorado pela mídia

Cacique Nísio Gomes (no centro da foto abaixo) foi executado com tiros de calibre 12 e seu corpo foi levado pelos pistoleiros. Até agora, nenhuma nota na grande mídia

massacre índios Kaiowá Mato Grosso do Sul
Imagem: Pragmatismo Político

No início da manhã desta sexta-feira (18), por volta das 6h30, a comunidade Kaiowá Guarani do acampamento Tekoha Guaiviry, município de Amambaí, Mato Grosso do Sul, sofreu ataque de pistoleiros, cerca de 40, fortemente armados.

O massacre teve como alvo o cacique Nísio Gomes, 59 anos, (centro da foto) executado com tiros de calibre 12. Depois de morto, o corpo do indígena foi levado pelos pistoleiros – prática vista em outros massacres cometidos contra os Kaiowá Guarani no MS.

As informações são preliminares e transmitidas por integrantes da comunidade – em estado de choque. Devido ao nervosismo, não se sabe se além de Nísio outros indígenas foram mortos. Os relatos dão conta de que os pistoleiros sequestraram mais dois jovens e uma criança; por outro lado, apontam também para o assassinato de uma mulher e uma criança.

“Estavam todos de máscaras, com jaquetas escuras. Chegaram ao acampamento e pediram para todos irem para o chão. Portavam armas calibre 12”, disse um indígena da comunidade que presenciou o ataque e terá sua identidade preservada por motivos de segurança.

Conforme relato do indígena, o cacique foi executado com tiros na cabeça, no peito, nos braços e nas pernas.

“Chegaram para matar nosso cacique”, afirmou. O filho de Nísio tentou impedir o assassinato do pai, segundo o indígena, e se atirou sobre um dos pistoleiros. Bateram no rapaz, mas ele não desistiu. Só o pararam com um tiro de borracha no peito.

Na frente do filho, executaram o pai. Cerca de dez indígenas permaneceram no acampamento. O restante fugiu para o mato e só se sabe de um rapaz ferido pelos tiros de borracha – disparados contra quem resistiu e contra quem estava atirado ao chão por ordem dos pistoleiros. Este não é o primeiro ataque sofrido pela comunidade, composta por cerca de 60 Kaiowá Guarani.

Decisão é de permanecer

Desde o dia 1º deste mês os indígenas ocupam um pedaço de terra entre as fazendas Chimarrão, Querência Nativa e Ouro Verde – instaladas em Território Indígena de ocupação tradicional dos Kaiowá.

A ação dos pistoleiros foi respaldada por cerca de uma dezena de caminhonetes – marcas Hilux e S-10 nas cores preta, vermelha e verde. Na caçamba de uma delas o corpo do cacique Nísio foi levado, bem como os outros sequestrados, estejam mortos ou vivos.

Leia também:
Ruralistas do Congresso vaiam anúncio da morte de extrativista
Maitê quer se livrar de Dilma, mas não dos R$13 mil que embolsa da Previdência

“O povo continua no acampamento, nós vamos morrer tudo aqui mesmo. Não vamos sair do nosso tekoha”, afirmou o indígena. Ele disse ainda que a comunidade deseja enterrar o cacique na terra pela qual a liderança lutou a vida inteira. “Ele está morto. Não é possível que tenha sobrevivido com tiros na cabeça e por todo o corpo”, lamentou.

A comunidade vivia na beira de uma Rodovia Estadual antes da ocupação do pedaço de terra no tekoha Kaiowá. O acampamento atacado fica na estrada entre os municípios de Amambaí e Ponta Porã, perto da fronteira entre Brasil e Paraguai.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. EDMIR GAGLIARDI Postado em 20/Aug/2013 às 23:29

    POR ESSA E OUTRAS, SINTO UM IMENSO ÓDIO DA UDR.

  2. gabriel Postado em 21/Aug/2013 às 02:11

    qm se importa ninguém pq o mundo ta perddo só querem oq é do deles por direito eles sim sao cultura nao a televisão com suas novelas e bla bla blas a to revoltado so fosso fecebook e estara me sentindo péssimo !!!

  3. Solange Sacconi Falcão Postado em 22/Aug/2013 às 00:03

    Nimguem faz nada,quem pode fazer não faz,são criminosos tanbem,quem cala consente.Em plena Era de 2013,matança de indios.Aonde estão os direitos dos Indios,por acaso existe? Tambem estou revoltada.

  4. Alguém do Norte Postado em 22/Aug/2013 às 01:13

    Depois não sabem o porquê das pressões internacionais sobre o Brasil com relação a Amazônia.O Brasil fica dando uma de "joão sem braço", esquece a região, não dá a mínima e não é de hoje e por incrível que pareça ainda quer ter controle sobre a região. Enquanto o governo deixa essas coisas acontecerem, os EUA, lá em cima, em Roraima, tá dando maio apoio aos Ianomami. Se preparem para muita merda no ventilador, se preparem...

  5. Juca Postado em 22/Aug/2013 às 13:19

    Infelizmente as leis do Brasil a partir dos governos do PT só servem para confundir os direitos. É claro que onde esses supostos indígenas reivindicam posse pertencem aos brancos, muitos vindo de famílias tradicionais de fazendeiros há mais de 300 anos. São todas 100% produtivas. Outra coisa esse povo não é índio. É um bando de pilantras que vieram do Paraguai na década de 1930 fugindo da Guerra entre aquele país e a Bolívia. Depois se naturalizaram brasileiros. Sua prole nasceu no Brasil. Porém aquelas terras nunca pertenceram a eles nem a seus antepassados.

  6. ALTAMIRO Postado em 22/Aug/2013 às 18:08

    isso é um absurdo, quando os brasileiros irão acordar ? essa terra era e é dos índios, temo mais é que divulgar e lutar . Eu como budista não posso admitir esse movimento dos ruralistas. A C O R DA B R A S I L ................

  7. Junior Postado em 22/Aug/2013 às 23:25

    Tô contigo Gabriel, o Indio é o que de mais sagrado há, ele respeita a terra e a natureza, e por isso é perseguido por quem não a respeita e quer ganhar dinheiro com ela e não a proteger! Por mim Indio deveria ser intocavel, é nós que deveriamos pedir licença para entrar nas terras que são deles! Lamentavel esta inversão de valores do Brasil que era verde, está quase cinza e cehio de vermelho do sangue de quem ama a terra!!

  8. jorge camargo Postado em 23/Aug/2013 às 11:57

    Tristeza absoluta, isto nao deveria acontecer em nosso pais, o governo deveria mandar a policia federal investigar e punir os executores e os mandantes.

  9. aruna Postado em 24/Aug/2013 às 11:21

    Meu deus ate quando isto vai continuar.. como podemos nos chamar de humanos ao ver isto calados... meu deus

  10. Iara Corrêa Postado em 25/Aug/2013 às 00:02

    Se a mídia não noticiou estrondozamente tamanha barbárie é porque é conivente com esse estado de coisas ou recebe ordem de silêncio por quem a comanda. Agora vamos ver o que diz a justiça e o Estado que deve proteger suas nações.

  11. Raphael Postado em 29/Aug/2013 às 13:34

    Massacre S.M. Ação ou efeito de massacrar. Carnificina, chacina, matança, mortandade. Assassinar pessoas sem dar a chance de se defenderem. Até onde eu entendi mataram apenas um índio. Não to menosprezando o caso nem a causa, mas sim quem escreveu a matéria com palavras que sugerem uma falsa interpretação para chamar cliques e likes..

  12. [email protected] Postado em 02/Sep/2013 às 20:51

    iêda, estou ultimamente viajando muito, ainda não foi decidido nada judicialmente , enquanto sua aposentadoria, pode dá entrada, caso necessite que eu vá junto me avise, estarei em boninal 12-09 beijos rose

  13. WILLIAMS Postado em 06/Sep/2013 às 07:27

    ESSES INDIOS TEM DE SUMIR DO MAPA,ESSES VENDIDOS PARA AS ONG´S.

  14. Criança indígena de oito anos é queimada viva por madeireiros no Maranhão Postado em 22/Jan/2016 às 10:49

    […] Brutal massacre na Comunidade Kaiowá nessa sexta (18) é ignorado pela mídia […]