Redação Pragmatismo
Compartilhar
Guerra injustificável 22/Oct/2011 às 21:51
1
Comentário

Irresponsabilidade gritante: Hillary Clinton pregou publicamente um assassinato

Por que Clinton foi à Líbia? Para encobrir as atrocidades e exibir um rosto branco, limpo, sorridente, para esconder a morte e a destruição

Hillary Clinton líbia irresponsabilidade gritante
Hillary Clinton (reprodução)

A principal coordenadora da guerra contra a Líbia, Hillary Clinton, andou pela África pregando abertamente o assassinato de Muamar Kadafi, movimento sem dúvida muito impopular na África e em todo o mundo.

Em reunião com o Conselho Nacional de Transição, dos “rebeldes” da OTAN, na terça (18), a secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton disse que Washington queria ver o comandante líbio Kadafi “capturado ou morto”[1].

Em comentário à declaração de Clinton que clamou por mais sangue, o professor Paul Sheldon Foote, da California State University, explicou que o governo de Obama realmente crê que esse assassinato seria justificável[2]:

“Os loucos por guerra que há no governo Obama dirão que Kadafi foi ditador e, portanto, seria lícito assassiná-lo. Não esqueçam quem é Hillary Clinton. Em 2008, candidata à presidência, ela ameaçou matar todos os iranianos, homens, mulheres e crianças, e fazer do Irã uma cesta de lixo”.

Para Foote, por trás da visita surpresa de Clinton à Líbia estava o desejo dos EUA de incluir-se entre os “vitoriosos”, para receber também os louros do chamado “sucesso” da OTAN na Líbia.

“Além de terem dito que assassinaram Bin Laden, querem dizer, agora que se inicia a campanha de reeleição de Obama, que conseguiram uma grande ‘vitória’ na Líbia” – disse o professor, falando da California.

E continuou:

“Ainda há muitos combates na Líbia e praticamente tudo que todos ouvimos em todas as televisões e jornais é falso. Estamos ouvindo uma narrativa de propaganda, sobre o que realmente se passa na Líbia”.

Keith Harmon Snow, jornalista investigativo independente e correspondente de guerra, diz que o assassinato de Kadafi foi um “target assassination” [assassinato predefinido, premeditado] e que é ilegal. Disse também que não se pode ter qualquer dúvida de que havia uma agenda oculta por trás da visita aparentemente espontânea, de Hillary Clinton, à Líbia.

“Por que Clinton foi à Líbia? Evidentemente, para dar a impressão, ao público norte-americano, que a Líbia estaria sob controle absoluto dos EUA. Para encobrir as atrocidades e exibir um rosto branco, limpo, sorridente, para esconder a morte e a destruição”.

Seja como for, a julgar pelos comentários, são poucos os que veem Hillary Clinton como rosto limpo. O comentário típico, mais frequente, em inúmeras páginas panafricanas na Internet, é hostil à figura de Clinton e ao que foi fazer na Líbia. Por exemplo, o que aí se vê (inglês corrigido):

“É, Hillary Clinton teve a ousadia de clamar pelo assassinato de um herói da África. Agora, ela que espere para ver quem morre antes, ela ou Kadafi. Ela pediu. Kadafi não é Saddam Hussein nem Osama Bin Laden. Kadafi é herói dos africanos e nosso líder. Sei que ela é um monstro, como Samantha Powell nos disse. Mas, dessa vez, ela foi longe demais. Ela que comece a contar seus dias. A Ummah muçulmana africana já a condenou. Já há uma fatwa. Os africanos nunca a perdoarão. Ela não está vendo o movimento de protesto que está crescendo no Mali”.

O internauta referiu-se ao Mali (“Marcha em apoio a Kafafi no Mali”, com imagens do Mali, ontem, 6ª-feira lá), mas há inúmeros outros movimentos já crescendo em outros pontos da África, nenhum deles noticiado. Não apenas os cidadãos da África estão manifestando sua indignação em postados e em manifestações de massa, como também já há publicações europeias da grande imprensa, que adotaram discurso de resposta veemente (como a publicação russa coletiva, Pravda.ru) contra Clinton.

Em artigo intitulado “A Bruxa Má do Ocidente parte para a Líbia”, Lisa Karpov, que escreve dos EUA, pergunta:

“Será que essa senhora não tem cérebro? Será que não percebe que o que ela diz contra Kadafi é o mesmo que milhões de pessoas, em todo o mundo, dizem dela e de suas falanges de guerra, imundas, genocidas?”[3]

Notas dos tradutores

[1] 21/10/2011, Mathaba, “O leão da África está morto”
[2] Entrevista pela televisão Russia Today
[3] Em Counterinformation

Russia Today | Tradução: Coletivo Vila Vudu

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. meryll 77 Postado em 28/Oct/2011 às 02:08

    ACHO LAMENTAVEL QUE POVOS QUE SE DIZEM CIVILIZADOS CERQUEM E MATEM ALGUEM COMO NAO SE DEVERIA FAZER DE MODO ALGUM. PAIS RELIGIOSO NENHUM PODE DAR ESSE TIPO DE DEMONSTRAÇÃO TRISTE E SELVAGEM PARA O MUNDO. QUE DEUS TENHA PENA DESSAS ALMAS!