Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 08/Sep/2011 às 16:48
7
Comentários

Urariano Mota comenta pérola global: Negro caolho vira loiro de olho azul

Sammy Davis Jr.
No último quatro de setembro, em pleno Domingão do Faustão, o ator Rodrigo Lombardi expôs esta maravilha, para elogiar uma dupla de dançarinos:

Tem um cara que eu acho sou muito fã desde que sou criancinha, acho que foi ele que me fez ser artista, juntamente com o meu pai. Era um cara que na sua época era assim negro, caolho, um metro e cinquenta, chamado Sammy Davis Júnior, que quando entrava no palco saía com dois metros de altura, louro, de olho azul” (risos na plateia). 

O vídeo dessa verdadeira pérola brasileira está aqui

De imediato, caiu na web com uma série de comentários, desde os que chamavam de racista o ator aos que o defendiam, deitando panos mornos.

Olha, tenho muita pena das pessoas que encararem isso como preconceito… São pessoas que estão querem se vitimar!!! Ele deixou bem claro na referencia dele que Sammy Davis Junior se transformava em outra pessoa no palco, alguém totalmente diferente do que  ele era… Se ele fosse branco, alto, loiro, de olho verde se transformaria em negro, baixo, de olhos negros… por favor, parem de achar chifre em cabeça de cavalo e prestem atenção? no contexto….


Leia mais:
Nossa,  estava dando uma lida nisso tudo e é impossível não escrever algo. Racismo seria falar que ‘caolho é feio’ ‘negro é horrível’ ‘e um metro e cinquenta é ridículo’. Em nenhum momento? foi dito isto pelo ator. Geennnnteeee!!!! qual o problema em admitir que algumas pessoas são mais bonitas que outras exteriormente, vamos ser hipócritas então???? Algumas pessoas estão ficando cheias de dedos quando o assunto é racismo…

A discussão levantada não é pela citação da palavra `negro`,e sim, que o ator falou que Sammy se tornava branco quando dançava, ou seja, `apesar dele ser um preto (credo), ele dançava como branco`. É racismo!!! As escolas não ensinam as pessoas? a compreenderem falas, textos, nada? Não, não ensinam”.

É claro que o comentário do patinho feio, Samy Davis Jr.,  que virou cisne branco, louro e de olho azul por força do talento, é claro que isso  não significa que o ator da Globo seja racista. Que horror, isso não. Ele apenas deu corda à veia poética, que não tem outra. Rodrigo Lombardi lembrou um artista negro até na melhor das boas intenções. De um modo muito elogioso, para os louros, of course. Ele quis dizer que os nascidos com o acidente da pele branca já entram no mundo com o mesmo valor dos negros talentosos. Pois o sol nasceu para todos, para brancos e queimadinhos de sol. Mas é inegável que o comentário de Lombardi foi claro, alto de dois metros como a formação cultural do Brasil.

Desde os bancos escolares todos aprendemos um Brasil ideal para as sinhazinhas prendadas. Lá na sala de aula, em todos os trezes de maio, nos virávamos para os negros, para os de pele mais escura que a nossa. Os meus colegas, os meus amigos, incapazes de uma resposta plena da rebeldia dos quilombos, baixavam os olhos. Os meus irmãos de pele e coração às vezes sorriam, sorriam com o seu riso mais branco que os detergentes da televisão, sorriam só com os dentes brancos, quando ouviam, “hoje é teu dia, negão”. 

Mas não só. Aos males da escola todos recebemos a formação nas ruas, no trabalho, no cinema, na televisão,  de um país envergonhado de sua mestiçagem, dos seus negros. É como se vivêssemos numa Europa do Norte com algumas manchas de território.  É uma coisa tão visceral, que mesmo o grande Joaquim Nabuco chegou a escrever revoltado, do exterior, porque os jornais haviam lembrado, na morte do amigo Machado de Assis, que o nosso maior gênio era mulato. Palavras de Nabuco: “para mim, ele sempre foi um grego”.    

Leia também:
Lembro que em 1977, quando um senhor de cabelos grisalhos entrou sozinho no Teatro do Parque, no Recife, todos pensaram que o homem era um operário.  Parecia um operário, porque era negro. Camisa dupla face. Ele iria, deveria ir cuidar de algum fio solto, ou rever a iluminação do teatro, pensaram todos. Então os que esperavam na fila, notaram os seus grandes óculos escuros, o seu nariz, o seu rosto oval, de um Modigliani na África. Então perceberam que o eletricista era o operário de almas Angenor de Oliveira, o compositor amigo de Noel Rosa, o homem a quem Nelson Sargento não ousava pedir parceria, por vergonha, diante do “compositor finíssimo”. Cartola!

Depois do show, ninguém pensou que aquele negro saíra do palco na pele de um branco, louro, de olhos azuis. Saiu como Cartola, “apenas”.
_



Urariano Mota – Direto da Redação 

Comentários

  1. Luiz Postado em 08/Sep/2011 às 17:00

    Acho que o próprio ator percebeu a mancada que falou e tentou se reparar posteriormente elogiando a beleza da dançarina negra. Bem, foi um escorregão, involuntário, me pareceu, reflexo de uma sociedade ainda racista.

  2. Marcos Postado em 08/Sep/2011 às 22:15

    Vai me desculpar mas esse patrulhamento está insuportável. Ninguém pode se expressar que já nos acusam de preconceituosos.

  3. jo bernardo Postado em 11/Sep/2011 às 10:24

    Sim, temos que sair do tempo das cavernas, aprender a respeitar todas as dierenças.

  4. Vinícius Postado em 08/Oct/2011 às 00:00

    O caso dele é até bobinho se comparado à muitas grosserias e violências terríveis que já vi por aí. A intenção do ator era boa, ele apenas falou sem pensar, e depois tentou reparar.

  5. ALEX Postado em 07/Nov/2011 às 13:18

    Mas o que a Rede Globo tem a ver com isso???? O ator falou essa besteira em nome da Rede Globo??? Ou o título "pérola global" é só para dizer que o mané sem noção é funcionário da odiada Rede Globo??? Rsrsrsrs, logo vão dizer que a Rede Globo só contrata racistas, rsrsrsrs, êêêê petezada, assim não dá!

  6. Carina Djamila Postado em 03/Jan/2012 às 13:37

    Acredito que a intenção do ator era das melhores possíveis e o que ele disse foi sem pensar já que o padrão de beleza,inteligência e tudo mais e branco e enraizado....Agora vao me desculpar quem acha q isso não é preconceito.O problema do Brasil e esse esse fingir que ssa merda de sentimento não existe sendo assim,coisas como essas e outras muito piores passam como liberdade de expressão,vontade de dizer etc...
    Quanto a Globo,e depois a midia brasileira nem vale a pena comentar,pra quem acha que é tudo imparcial,procurem um documentario com os proprios atores negros e brancos da globo falando sobre a questão

  7. Carina Djamila Postado em 03/Jan/2012 às 13:55

    Olha gosto muito desse ator e até acredito que tal comentário foi sem querer,pois os padrões de beleza e de inteligencia estão tão enraizados que coisascomo essa e coisas muito piores são taxadas como liberdade de expressão e não como falta de respeito.Quanto a globo e a midia brasileira nem faço questão de dizer nada

O e-mail não será publicado.