Redação Pragmatismo
Compartilhar
Racismo não 16/Sep/2011 às 15:02
2
Comentários

Racistas da internet disseminam ódio mas recuam sob pressão: é dever denunciá-los

Enquanto os cartolas do Facebook não descobrem um modo de proteger a quem lhes dá tanto dinheiro, o jeito é fazer como a usuária Clarisse Miranda Gomes que botou a boca no mundo

internet racismo preconceito crime

Enquanto os inventores de redes sociais faturam milhões com o sucesso de suas criações, os usuários vão perdendo, cada vez mais, sua privacidade e muitos tem até seus nomes achincalhados por gente desconhecida que simplesmente se acha no direito de falar o que bem entende de qualquer um, sem o mínimo de respeito e conveniência.

A última vítima desse abuso verbal foi a recém eleita Miss Universo 2011, a angolana Leila Lopes. Logo depois de escolhida como a mulher mais bonita do universo, ela foi alvo de comentários preconceituosos e racistas por parte de um desses usuários do Facebook que se acham poderosos o suficiente para xingar e ofender sem limite, só porque tem à disposição, um espaço público e a liberdade de escrever o que bem quiser.

Veja só o que disse Marco Antonio Arcoverde Cals em seu perfil do Facebook:

“Leila Lopes é a Miss Universo! Conheci a preta mês passado e fez muito bem de ter prendido aquele cabelo de vassoura. Era a única elegante das 5 finalistas… todas com cara de brega. Ela não… parecia uma Barbie Black Label! HAHAHA Algo me diz que lutará pelas classes! Parabéns, macaca! :)”

Diante da gratuidade das ofensas, ele foi denunciado por outros usuários que acabaram por forçá-lo a se explicar.

“É gente… tão compartilhando isso aqui! MUITO OBRIGADO facebook por ter colocado meu mural ABERTO PRA PÚBLICO como default SEM ME CONSULTAR pra QQ MANÉ ler post meu fora de contexto. Mais uma vez: Quem eu ♥ eu chamo de MACACA. Independente de cor, credo, formação, local onde reside ou se gosta da novela “Fina Estampa”. Quem não, recebe OUTROS NOMES. Quem me conhece sabe disso, correto macacas? PS> E SIM, o cabelo solto dela não é dos melhores. E daí? Do meu irmão tb não é! :)”

Mas as desculpas dele não convenceram. Clarisse Miranda Gomes, que comandou a campanha para denunciar o perfil de Arcoverde e suas ofensas à miss negra, revoltada, respondeu:

“Não quero espalhar o ódio, nem que o rapaz (do comentário infeliz) seja agredido na rua (NUNCA NA VIDA!!!), só acho que o comentário e as desculpas foram péssimas e que o respeito ao próximo esta acima de tudo!!! Eu não acho “carinhoso” ser chamado de viado, viadinho, gorda (o), caolha, macaca, cabelo de vassoura e vários outros nomes… #prontofalei. Quem não respeita o próximo, não merece respeito! E isso vale pra tudo e pra vida!”

Bem, esse é apenas um exemplo do que acontece quase diariamente no Facebook. Tem muita gente que se aproveita do espaço de que dispõe, que deveria ser para compartilhar amizades e pensamentos, para ofender o próximo, com a maior desfaçatez.

Volta e meia, usuários se vêem desrepeitados em sua privacidade, quando outros, que são apenas amigos virtuais, se acham no direito de postar o que bem entendem no wall alheio, como fotos pessoais, mas que são absolutamente desconhecidas para a vítima do abuso, sem contar com citações e poemas que muitas vezes não condizem com o pensamento daquele usuário, além de postarem informações profissionais, portfólios e currículos sem a permissão dele. Com amigos virtuais assim quem precisa de inimigo, não é mesmo?

Aí vem a pergunta que não quer calar: por que os organizadores e inventores do Facebook não reservam uma parte dos milhões que ganham para cuidar da privacidade dos usuários de sua rede social? Não deveria haver uma ferramenta que previamente impedisse a postagem de comentários ofensivos e vexatórios, com teor racista ou em relação a qualquer minoria?

Mas enquanto os cartolas do Facebook não descobrem um jeito de proteger a quem lhes dá tanto dinheiro, o jeito é fazer como a usuária Clarisse Miranda Gomes que botou a boca no mundo diante da atitude ridícula e racista do Marco Antonio Arcoverde Cals, que mal ou bem teve que se desculpar.

Rede social também tem que ser solidária, e nós todos que temos nossos perfis no Facebook e o usamos para nos comunicar e externar nossas ideias e opiniões dentro do respeito e limite humanos, somos obrigados a ficar atentos para não permitir arbitrariedades como essas. Afinal, o Facebook foi criado para conectar seres humanos.

Cordeiro

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. la viea mon avis Postado em 30/Dec/2011 às 10:54

    ...muito triste esse comemtario do usuario do facebook!!! ele deveria se tratar...

  2. G. Fridman Postado em 13/Jun/2012 às 12:25

    triste triste...