Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 16/Sep/2011 às 03:07
8
Comentários

Patrícia Poeta acha que apresentar o Fantástico é mais importante que presidir o Brasil

Por Urariano Mota
A arrogância de uma emissora que transmite a ilusão criminosa de estar acima das instituições, e de que a sua utilidade para a população (muitos reféns da fantasia) se sobrepõe às ações governamentaisPragmatismo Político
Muito script, muita prepotência e pouco preparo
Desde o tempo em que trabalhei no rádio, aprendi que uma entrevista nem sempre deve começar pelo que mais interessa. Pois existiria depois o que se chama edição, onde o fundamental que interessava à pauta assumiria o devido lugar de destaque. Assim fizemos em mais de um Violência Zero, esse era o nome do programa, um espaço de direitos humanos no rádio, que então denunciava os criminosos da boa sociedade em Pernambuco.
Mas nunca, nem mesmo no dia em que entrevistamos um espancador de travestis, que afirmava na maior naturalidade odiar gays e assemelhados, nunca tratamos  o agressor com desrespeito à sua pessoa, ou dele montamos o que não era real, documentado, em provas e pesquisas anteriores. Isso quer dizer, não lhe púnhamos na boca aquilo que o editor pensara antes, pois mais de uma vez mudamos o imaginado, que não se confirmava na pesquisa viva.   
Leia mais:
Que diferença para a entrevista de Patrícia Poeta com a  presidenta Dilma no Fantástico do último domingo! A primeira coisa a se notar, já no começo, é a diferença de autoridade entre a repórter/apresentadora e a presidenta do Brasil. Entendam o que isso quer dizer: quem mandou em cena foi Patrícia, perdão, Poeta.  “Agora vamos trabalhar?”, comandou a moça cuja poesia reside nos longos cabelos. A edição preservou o constrangimento, a clara insinuação de que a presidenta não estivesse já trabalhando, exatamente  para responder à grande autoridade da apresentadora do Fantástico. Que comandava e cruzava os braços.
Quem essa gente pensa que é? Aqui se confirma uma vez mais a história do carregador de quadros de santos em cima de jumento, que ao passar pelas estradas via o povo se ajoelhar e pensava “o quanto sou importante”. Quem monta no veículo tv globo recebe a sua aura. Patrícia manda na presidenta, e a edição realça o mando mais adiante em outro momento. Olhem bem, prestem atenção, porque a fala a seguir é da Poeta: “Vou deixar a senhora falar um segundo exemplo. Tomei seu tempo lá na alvorada, a senhora tem crédito agora. Vou deixar”. Sentiram a força?   
Antes, da autoridade, Patrícia Poeta, vêm muitas bobagens (lembram-se do princípio de edição?), todas desrespeitosas para o cargo e importância da primeira mulher a presidir o Brasil, mulher ex-guerrilheira, torturada e quase morta na ditadura. Pergunta a autoridade do veículo:  “ Em uma reunião dessas, por exemplo, tem um momento mais mulher? Bolsa, sapato, filho, neto?”, e segue, entre menções a fotos de netinho, até atingir o que interessa:
“Poeta:  A senhora não imaginava, por exemplo, que fosse ter que trocar quatro ministros em tão pouco tempo, três deles, pelo menos, ligados a denúncias de corrupção, esperava isso?
Dilma: Olha, Patrícia, eu espero nunca trocar nenhum ministro e muitos deles eu não troquei exatamente por isso. Vamos e venhamos. O ministro Jobim, Nelson Jobim, saiu por outros motivos.
Poeta:  Mas os outros três…
Dilma: Eles ainda não foram julgados, então não podem ser condenados”.
Até o sublime instante em que se irmanam editores e repórteres ungidos pelo poder do veículo. Lembrem-se do princípio da edição, o que conduz bobagens até chegar a este ponto:    
E como que a senhora controla esse toma lá da cá, digamos assim, cada vez mais sem cerimônia das bancadas? Como é que a senhora faz esse controle? 
Dilma: Você me dá um exemplo do ‘da cá’ que eu te explico o ‘toma lá’’.
Vem um curto silêncio na cena da entrevista. O ar não admite buracos, mas ainda assim há um raivoso e perturbado silêncio. Então volta a verdadeira autoridade, que ali chegou por decisão soberana de todo o povo do Brasil:  
“Estou brincando contigo…. Vou te explicar. Eu não dei nada a ninguém que eu não quisesse. Nós montamos um governo de composição. Caso ele não seja um governo de composição, nós não conseguimos governar. A minha base aliada, ela é composta de pessoas de bem. Ela não é composta, não é possível que a gente chegue e diga o seguinte: ‘Olha, todos os políticos são pessoas ruins’”.
A autoridade que vem do veículo onde monta, a cara da entrevistadora Patrícia Poeta é de morder,  apesar de palavras em tom de meiga manteiga. Não há mais um morde e assopra. Há um morde e assobia. Quem desejar ver a pegadinha que se frustrou, olhe aqui ( Veja o vídeo )
Leia também:
Se houvesse uma edição popular, de toda a entrevista esta frase seria a mais séria: “Tou brincando contigo”. E os risos do Brasil ao fundo, que no rádio chamavam BG. 

_

Direto da Redação

Comentários

  1. Sulamita Postado em 06/Oct/2011 às 20:52

    Cada um tem direito de falar o que pensa!Bom pra ela que esta muito bem empregada.E a política talvez não seja a praia dela,tem pessoas que prefere ser dona de casa a uma executiva!Coisas da vida.

  2. Rosi Postado em 15/Oct/2011 às 01:45

    Cara, não dá pra por a Poeta pra entrevistar alguém inteligente e importante como a Dilma. A Poeta é para entrevistar celebridade!

  3. Sybylla Postado em 20/Oct/2011 às 16:59

    Essa entrevista com a presidente Dilma me incomodou em especial quando ela resolveu perguntar sobre a vaidade da presidente, como se o fato de ser mulher colocasse cabelos, brincos e saltos em primeiro lugar. Uma visão bastante perturbadora, mas afinal comum em um país machista e vulgar como o Brasil.

  4. Juliana Trinci Postado em 20/Nov/2011 às 00:14

    o correto é presidente. não presidenta.

  5. Luis Soares Postado em 20/Nov/2011 às 03:22

    Juliana, os dois estão corretos.

  6. Aruan João Baccaro de Freitas Postado em 24/Dec/2011 às 15:39

    Chamar Dilma de "Presidenta"? Eu acho essa uma decisão muito inteligenta! Todas as estudantas deveriam admitir essa coisa maravilhosa. Haja paciência! Autoridade civil, por mais importante que seja (ou que se acha...), não manda na Ortografia.

  7. Aruan João Baccaro de Freitas Postado em 24/Dec/2011 às 15:42

    PS: Esse tipo de chamada jornalística é claramente falsa. Além do artigo não demonstrar o que se propõe, não foi provado que vilipendiar as opiniões da referida jornalista não seja exatamente um ato tão infame quanto o fato de tentar enveredar uma personagem pública em uma "entrevista-pegadinha".

  8. Robervaldo Postado em 19/Jun/2013 às 00:14

    soh uso tv pra jogar videogame. na epoca q o mythbusters se recusaram a fazer um episodio sobre o 11/9/2001 eu jah assistia apenas o TCM soh pra ajudar a dormir hauihaiuhaiuha

O e-mail não será publicado.