Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 20/Sep/2011 às 17:13
0
Comentários

Historiador da USP conta a história do Partido dos Trabalhadores em novo livro

PT : Sucesso eleitoral e transformações ideológicas. Livro traz a história do partido e debate mudanças internas na estrutura da legenda que pavimentaram as eleições de Lula e Dilma
Mudanças foram fundamentais para conduzir Lula à Presidência
O historiador Lincoln Secco, da Universidade de São Paulo (USP), registra em estilo ensaístico a história do Partido dos Trabalhadores. Ele é o primeiro intelectual brasileiro a se deparar com o desafio de contar a história da maior agremiação de esquerda do Brasil.
Em História do PT (Ateliê Editorial, 320 pág.), o autor aponta que o partido tem uma trajetória de sucesso eleitoral em comparação com partidos de esquerda europeus, que demoraram mais de 40 anos para chegar ao governo.  No entanto, esse êxito eleitoral não foi alcançado sem profundas mudanças na estrutura partidária e no posicionamento ideológico da legenda. A composição do partido, aliás, organizado em tendências, é uma das novidades que o partido trouxe para a política brasileira e para a esquerda mundial.
Leia mais:
Tal como o formato estatutário diferente, também é peculiar a origem dos militantes que compuseram o partido naquele momento em que o regime militar demonstrava sinais de esgotamento. Secco aponta seis principais grupos que formaram o partido: o Novo Sindicalismo, forjado nas greves do ABC; os movimentos sociais organizados junto à Igreja Católica; políticos já estabelecidos no MDB que viriam a aderir à legenda; intelectuais de esquerda; organizações trotskistas diversas; e, por fim, militantes oriundos da luta armada contra a ditadura.
Essa configuração de um modelo plural é fundamental, para Secco, na análise dos rumos que o partido trilhou. Confira abaixo entrevista com o historiador:
Brasil de Fato – A configuração atual do PT pode ser compreendida pela vitória da realpolitik implementada pelo Novo Sindicalismo sobre agrupamentos trotskistas e os intelectuais (que aos poucos até deixaram a legenda)?
Lincoln Secco – Alguns intelectuais e militantes históricos, mais “ideológicos”, deixaram o PT. Mas, curiosamente, muitos o fizeram por causa de uma exigência ética. Eu não afirmaria que o Novo Sindicalismo derrotou as correntes marxistas simplesmente. Houve o que os italianos chamavam de transformismo. Vários quadros das correntes pragmáticas vieram do marxismo e assumiram ministérios e governos estaduais enquanto a maioria das lideranças sindicais se apagou no passado ou se contentou com cargos de segundo escalão no governo Lula. Como explico no livro, muitos trabalhadores manuais deixaram de ascender por causa de sua origem social, embora tal explicação nos incomode. Lula, na verdade, é uma das exceções. Afinal, até onde foram os líderes metalúrgicos do ABC? O pragmatismo do sindicato pode ter vencido, mas ao custo de largar os sindicalistas pelo caminho e encontrar porta-vozes mais aceitáveis em intelectuais e sindicalistas de classe média.
Como se deu esse processo de “aggiornamento total” do partido que, em sua opinião, ocorreu em 2002? De que maneira este processo foi fundamental para o PT deixar de ser uma mera possibilidade para tornar-se uma alternativa concreta para governar o país?
Desde a derrota do Lula em 1989, começou uma operação delicada: por um lado, a moderação do discurso, as alianças e o programa. Mas isso tinha forte oposição interna no PT. A partir de 1995, começou uma centralização maior da vida interna. Eu acredito que algumas correntes foram se distanciando do PT já antes de 2002, porque se tornou difícil para a esquerda partidária sobreviver desde que o partido implantou o PED (Processo de Eleições Diretas). O PT trouxe para dentro de si um mecanismo eleitoral em que os mandatos dotados de mais recursos passaram a arregimentar eleitores na base. Por outro lado, um partido mais unificado se tornou confiável para chegar ao poder e era disso que Lula precisava.
Você aponta que o PT, desde os primórdios, apresentava uma dependência, sobretudo financeira, dos poucos mandatos que tinha. Na sua opinião, quando – se de fato houve isso – o partido passou a se organizar mais em torno de mandatos do que de tendências?
Os parlamentares mais votados logo tentavam se impor. Tanto é assim que em 1993 a Direção Nacional tentou disciplinar os mandatos de deputados federais. Mas há um momento em que o PT se torna um partido de mandatos, embora as tendências continuem existindo. Esse processo acontece ao longo dos anos 1990. O caso de São Paulo é interessante. Na capital, a corrente majoritária rachou em vários pedaços. Cada um dominado por um “capa preta”, como se diz no jargão. Veja que na cidade de São Paulo a CNB (Construindo um Novo Brasil) não é majoritária hoje.
Desde o mote “partido sem patrão”, nos primórdios da legenda, o PT veio notabilizando-se mais, a partir dos anos 1990, por mandatos que combatiam exemplarmente a corrupção e prefeituras com “o modo petista de governar”. Em 2005, há a crise, que acarreta no que você chama de “fim de parte do simbolismo do partido”. Hoje, o que o diferencia dos demais?
Sem dúvida nenhuma, a sua história. O PT está totalmente integrado à ordem, mas por muito tempo ainda será um partido diferente. Olhe a composição social das bancadas do PT e dos demais partidos. O PT tem mais sindicalistas, mais gente de origem nas classes baixas. Olhe para o mapa eleitoral do Brasil em 2006 e 2010 e, se preferir, analise o mapa eleitoral da cidade de São Paulo desde 1988.
Leia também:
O PT nunca teve um único princípio como seu motivo de existência. Ele é simplesmente o partido que tem o apoio da classe trabalhadora, o que não significa dizer que sua política represente os interesses últimos dela. Aí é uma outra discussão, de natureza programática.
O direito a conformar tendências, presente já na fundação do partido, é apontado como uma das principais novidades da legenda e da esquerda mundial. Com o status de maior partido do Brasil, a configuração de um partido de tendências internas passou a ser apenas simbólica? Um exemplo atual disso seria a articulação que Lula (teoricamente membro do campo Construindo um Novo Brasil) faz para emplacar Fernando Haddad (do grupo Mensagem ao Partido) como candidato a prefeito de São Paulo…
As tendências continuam por aí. Mas hoje o PT é dominado por “campos”, em que a relação entre militantes é menos disciplinada, menos orgânica. Na verdade, o campo é uma frente de tendências. Mas é cedo para analisar o exemplo que você cita. Lula impôs o nome da Dilma porque os quadros dirigentes históricos do PT foram destruídos pelo escândalo do mensalão. Recentemente, ele tentou impor um presidente para o PT em substituição ao José Eduardo Dutra. Mas o PT preferiu Rui Falcão. Em São Paulo, pode ser que haja prévias, o que Lula nunca quis.
O cientista político André Singer afirma que a preferência da população pelo PT, conquistada ao longo dos anos, não foi revertida em apoio às causas de esquerda. E também aponta que cabe ao PT, como agremiação de esquerda, politizar a chamada nova classe média, que apresenta posições conservadoras. O senhor partilha dessa opinião?
A ampliação de uma nova classe trabalhadora remediada não se fez necessariamente acompanhar de valores políticos de esquerda. Eu concordo com isso. O governo Lula promoveu a integração de milhões de pessoas ao mercado de consumo. Além disso, a integração ao mercado de trabalho se deu em empregos de baixo salário e alta rotatividade. É inegável que o governo petista não representou uma mudança qualitativa no Estado Brasileiro, mas também é verdade que deu um salto quantitativo no atendimento às carências da população.

_

Como organizar uma base social não integrada à produção? Como criar formas organizadas para o lulismo? Tudo isso é difícil. Mas cabe lembrar que a relação do povo com Lula não é passiva. Os mais pobres conduziram Lula e não o contrário. Lula simplesmente lhes devolveu o apoio com conquistas sociais limitadas pelo horizonte da conciliação de classes porque no Brasil ninguém quer um confronto. É a nossa história desde a independência política, que foi uma negociação. Mas a história continua e pode chegar o momento em que o lulismo será um leito muito estreito para acomodar interesses tão contraditórios.
O papel da militância, inicialmente primordial para a formação do partido, foi perdendo espaço. A quais fatores você atribui essa constatação?
O PT não é mais um partido de militantes voluntários como era antes por várias razões que eu discuto no meu livro. Mas compare qualquer partido de esquerda hoje com o PT! O PT coloca em movimento milhares de filiados. O último processo preparatório de encontros de macrorregiões do estado de São Paulo mobilizou 10 mil militantes. E os delegados eleitos contrariaram a direção estadual no encontro realizado em Sumaré (SP). Claro que isso não é mais comum. O que eu quero dizer é que o problema não está só no PT, embora nele seja mais visível porque é um partido de massas. A pergunta que deve orientar a esquerda é: quem quer militar num partido hoje? Será que as mudanças oriundas da Terceira Revolução Industrial, que afetaram o cotidiano, não transformaram também a militância? Eu não tenho a resposta. Mas, ao mesmo tempo, as ruas e praças estão cheias na Espanha, Grécia e no Chile. E onde estão os partidos revolucionários?
Renato Godoy de Toledo – Brasil de Fato

Comentários