Luis Soares
Colunista
Homofobia 28/Sep/2011 às 00:34
3
Comentários

Clínicas oferecem "desomossexualização" de lésbicas com práticas subumanas

Mulheres homossexuais são submetidas a castigos físicos e psicológicos que vão desde a humilhação verbal, obrigação de permanecer algemada, dias sem consumir alimentos, espancamentos, diferentes formas de abuso e violência

lésbicas clínicas preconceito homossexual

Mulheres homossexuais são internadas contra a própria vontade

No Equador, clínicas chamadas de Centro de Reabilitação oferecem serviços de “desomossexualização” de mulheres lésbicas. O que se encontra nesses locais são situações degradantes, segundo denuncia o Comitê da América Latina e Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (Cladem), em comunicado lançado na semana passada.

O texto exige o fechamento imediato dos centros, expondo os crimes cometidos nesses espaços. “Nestas clínicas se praticam castigos físicos e psicológicos que vão desde a humilhação verbal, insultos, obrigação de permanecer algemada, dias sem consumir alimentos, espancamentos, diferentes formas de abuso e violência, incluídas aquelas sexuais, como a ameaça de violação, entre outras”, relata.

De acordo com o Comitê, estabelecimentos do tipo já funcionam há dez anos no país, internando à força centenas de mulheres homossexuais, que enfrentaram tratamento considerado tortura pela Convenção contra a Tortura – ratificada pelo Equador e incorporada à constituição nacional. Além disso, ressalta o Comitê, o sofrimento imposto tem o objetivo de punir as mulheres que assumiram sua orientação homoafetiva.

Leia mais

Em junho deste ano, mais dois casos foram relatados à Oficina de Comunicação Mulher – a clínica Cristo Rey, em Machala, e FAITH, em Guayaquil, ainda em funcionamento. Antes disso, a Oficina já havia requerido informação ao Conselho Nacional de Controle de Substâncias Entorpecentes e Psicotrópicas (Consep) e ao Ministério da Saúde sobre os estabelecimentos. Há 206 clínicas no Equador, e apenas 55 se reportam a ambas as entidades.

– As mulheres internadas contra sua vontade nestes centros estão sendo lesadas, agredidas fisicamente, produzindo danos mentais e morais que lhes impedem de conservar sua estabilidade psicológica e emocional, vulnerando seu direito à integridade pessoal, direito contemplado na Constituição Política do Equador (CPE), art. 2º”, ressalta.

O Estado equatoriano é também responsável por estas violações, uma vez que, tendo conhecimento dos fatos, não age para impedi-los, investigar, julgar e punir os responsáveis. A indiferença ou inação do Estado constitui uma forma de incitação e/ou autorização do fato, assinalam, citando o Comitê contra a Tortura.

As clínicas incorrem em muitos delitos contra os direitos das mulheres, desrespeitando instrumentos internacionais. Por exemplo, a Declaração de Beijing e a Plataforma de Ação reconhecem que a mulher tem direito de controlar e decidir livremente sobre sua sexualidade, sem ser submetida à coerção, discriminação e violência.

Frente ao cenário, o Cladem exige que o Estado cumpra compromissos estabelecidos em instrumentos internacionais e pare de se omitir. “Com sua inação, está legitimando a discriminação por orientação sexual que cotidianamente se reproduz na sociedade, nesse sentido, posta por uma sociedade antidemocrática, contrária ao respeito dos direitos humanos das pessoas”, critica.

Correio do Brasil

Posts relacionados

Comentários

  1. Luis Soares Postado em 28/Sep/2011 às 01:04

    Uma das principais batalhas a serem travadas pelo ser humano neste século que ainda se inicia é o combate contínuo à todas as formas de preconceito.

    • danilo Postado em 06/Mar/2014 às 23:04

      este século não chega ao fim. Neste século a humanidade acaba. sorte do planeta.

  2. eu daqui Postado em 16/Dec/2014 às 09:47

    Ainda existe a clínica em que o Lou Reed foi internado lá em NY?

O e-mail não será publicado.