Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 22/Aug/2011 às 17:56
1
Comentário

Médica que cercou casa com seringas de HIV positivo causa indignação

Mulher diz que tomou atitude porque está cansada de ser roubada. Seringas serão avaliadas para confirmar se estão realmente infectadas
Médica usa seringas com HIV como proteção
A médica que fixou seringas nas grades do muro de sua casa, no Distrito
Federal, informando que elas estariam com sangue contaminado pelo vírus
HIV positivo será encaminhada para avaliação clínica quando retornar ao
trabalho, segundo nota divulgada hoje pela Secretaria de Saúde do DF.

A
mulher trabalha como ortopedista no Hospital Regional do Paranoá e se
encontra em abono anual, direito que os servidores públicos têm para
ficar alguns dias ausentes do serviço.

Segundo a direção do
hospital, será investigado se a médica se apropriou do material
utilizado em seu ambiente de trabalho e, caso seja confirmado, será
aberto um processo de sindicância para apurar os fatos. 
Leia mais:
Os servidores
não têm autorização para retirar material médico-hospitalar da unidade
de saúde.
Polêmica

“Muro com sangue. HIV
Positivo. Não ultrapasse”, consta de um aviso que a mulher colocou na
grade, segundo imagens divulgadas neste domingo pelo canal de televisão
“Globo”, a quem declarou que decidiu agir assim porque se sente
“desprotegida”.

“A primeira vez foi o cortador de grama, seguido
de um secador de cabelo e uma câmara fotográfica e depois um televisor”,
relatou sobre os objetos que foram roubados.

Vizinhos da médica
reagiram indignados e revelaram que denunciaram o caso à Polícia, que
por sua vez respondeu que não pode fazer nada, pois se trata de uma
propriedade privada e não há “nada” que configure um crime.

A
Associação dos Moradores, no entanto, baseada em normas municipais,
pediu a médica para retirar as seringas e lhe deu um prazo de cinco dias
para fazer isso, sob ameaça de multa.

Leia também:
Revista global faz terrorismo com saúde de Dilma

O primeiro-secretário do
Conselho Regional de Medicina, Farid Buitrago, disse que essa entidade
não foi notificada sobre o assunto, mas criticou a médica.

“Toda
providência que uma pessoa ou um médico adotar para tentar ferir ou
agredir uma pessoa deve ser condenada”, declarou Buitrago, quem, além
disso, considerou que as autoridades devem investigar como a mulher se
apropriou das mostras do vírus.

Jornal Correio do Povo

Comentários

  1. EXEGETA Postado em 24/Oct/2011 às 23:50

    "Toda providência que uma pessoa ou um médico adotar para tentar ferir ou agredir uma pessoa deve ser condenada",
    declarou Buitrago, quem, além disso, considerou que as autoridades devem investigar como a mulher se apropriou das mostras do vírus.


    olha q inversão de valores, essa medida não foi para "tentar ferir", e sim para tentar se PROTEGER, já q do estado nem temos esta
    tutela. ainda considero um absurdo jurídico dizer q qe a medida foi adotada com dolo, pois sim foi uma prevenção contra atos
    ilícitos dos quais nós cidadãos somos vitimas totalmente indefesas visto q nao há uma política de segurança pública efetiva. Ai nessa parte o "exegeta" que disse que a ação teve dolo nao lembrou que proteger sua casa é exercício regular do direito, e caso algem tenha lesao entramos na legitima defeza, ou seja este ato esta embasado por 2 excludentes de ilicitude
    Pq os assaltantes nao vao ser investigados???

    mais uma vez somos vítimas passivas da violencia onde vivemos com medo de assaltantes , estupradores e etc, e mesmo nao tendo qem
    nos proteja , nos ficamos ate mesmo sem o direito de nos revoltar.

    é a mesma coisa sempre, o pai tem uma filha de 11 anos estuprada e espancada
    nadaa acontece... o pai se revolta, mata o BANDIDO e depois vem akela inversão de valores, o pai da criança violentada é qem é preso
    ...

    nao digo aqui que a médica tinha razao, mas acho q aa sociedade ja esta cansada de depoimentos hipócritas e corruptos de um estado
    que estimula uma sociedade sem conhecimento, para ser mais facil sde manipular.