Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Saúde 19/Aug/2011 às 17:37
3
Comentários

Eutanásia: Professora implora por 'morte digna' para filha em estado vegetativo

Camila, de dois anos, não enxerga, não escuta, não chora e não sorri

eutanásia argentina morte dignaA professora argentina Selva Herbón, 37, fez um apelo para que sua filha de dois anos, em estado vegetativo desde que nasceu, possa ter uma “morte digna”. A filha Camila ficou um período sem receber oxigênio durante o parto, o que pode ter provocado danos cerebrais, e está em um estado vegetativo permanente desde então.

A professora enviou uma carta na semana passada aos deputados do país pedindo a aprovação de projeto de lei que permita “a morte digna” de Camila. Herbón escreveu que a situação da menina é “irrecuperável e irreversível”, mas que existe um “vazio legal” na legislação atual que impede a retirada dos aparelhos que a mantém viva.

Na carta, a mãe diz ainda que especialistas de quatro lugares deram parecer favorável a “limitar o esforço terapêutico e retirar o suporte vital” da criança. Ela diz, porém, que nenhum médico quer se arriscar a desligar os aparelhos, já que o fato, com as leis atuais, seria definido como “homicídio”.

Selva e seu marido, Carlos, são pais também de uma menina de 8 anos, saudável. “Na minha condição de mãe, eu lhes suplico, a partir do meu caso e de muitos outros, que seja aberto o debate (no Parlamento)”, afirmou na carta.

Sem visitas

Em entrevista à BBC Brasil, a professora disse ter certeza de que a “morte digna” é o melhor para Camila. “Na minha concepção de mãe, ela não tem vida digna. Camila não vê, não escuta, não chora, não sorri. Eu e meu marido não queremos que ela tenha uma vida mantida de modo artificial”, disse.

A professora contou que o marido e a filha já não visitam a menina, internada no hospital Centro Gallego, da capital argentina, porque não suportam ver “a criança crescer, mas sem sentir nada”.

“Conversei com um especialista da Universidade Católica Argentina (UCA) que me disse que é possível desligar, legalmente, os aparelhos desde que se comprove que ela tem morte cerebral. Vamos tentar conseguir um médico que confirme este fato”, disse.

Questionada se o desligamento dos respiradores artificiais significaria eutanásia, ela respondeu: “Eutanásia quer dizer ‘boa morte'”.

Selva afirma que recebeu, nesta quarta, um diploma por um curso virtual de bioética que estudou durante quatro meses. “Eu quis estudar para entender melhor o que estou defendendo para minha filha”, disse. Segundo ela, outros pais “podem preferir ter um filho nestas condições, para poder acariciá-lo todos os dias”. “Mas não é o que entendo como vida para minha filha”, afirmou.

Especialistas

O apelo de Selva Herbón foi destaque nos jornais Clarin e La Nación, os principais da Argentina, e gerou entre especialistas manifestações pró e contra o pedido da mãe.

“Uma pessoa em estado vegetativo persistente pode permanecer assim entre oito e dez anos. Mas a maior quantidade de informação disponível hoje é em relação aos adultos. Por isso, se busca o consenso (sobre a morte digna) em cada caso”, disse o presidente da Associação Cérebro Vascular Argentina, Conrado Estol.

A coordenadora do Comitê de Bioética do Incucai (Instituto Nacional Central Único de Doações e Transplantes), Beatriz Firmenich, disse que a menina “já não deveria estar viva”.

Mas o diretor do Departamento de Bioética da Universidade Austral, Carlos Pineda, é contra o desligamento dos aparelhos. “É um ser humano que merece ser respeitado. Mas sua família não a considera um ser humano, e por isso pede que ela seja morta”, disse Pineda.

O deputado Miguel Bonasso, do partido Diálogo por Buenos Aires, disse que o debate deve ser aberto, e por isso recentemente apresentou um projeto de lei no Congresso que possibilita “a autonomia dos pacientes e o respeito à sua vontade”. Seus assessores disseram, porém, que o texto foi pensado para adultos, e não para crianças, e por isso o debate é a melhor saída. De acordo com a imprensa local, outros oito projetos semelhantes estão no Congresso.

Para o assessor de Bioética da Secretaria de Direitos Humanos do governo federal, Juan Carlos Tealdi, o estado da menina é “irreversível” mas, na sua opinião, os médicos “têm medo de ser processados” pela Justiça.

Na Argentina, duas províncias, Neuquén e Rio Negro, sancionaram recentemente leis que legalizam a “morte digna”.

Marcia Carmo, de Buenos Aires – BBC

Recomendados para você

Comentários

  1. Luis Soares Postado em 19/Aug/2011 às 18:23

    Não falando deste caso em específico, mas aqui no Brasil ainda vejo uma enorme contradição em pessoas que defendem a vida de determinado indivíduo inconsciente em particular e, ao mesmo tempo, são indiferentes à todos os que estão morrendo por falta de tratamentos simples, em função da escassez de recursos gerada pelo desvio dos mesmos aos tratamentos de alta complexidade num CTI. Isto para não mencionar quando são favoráveis à pena de morte. Enfim, poços de contradições.