Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 01/Aug/2011 às 16:54
0
Comentários

Atleta italiano chama brasileiro de 'negro sujo' e é expulso de competição

Racismo é crime: merece repúdio e ação penal
Marco Coledan, o ciclista italiano racista
O ciclista italiano Marco Coledan, da equipe Trevidiani, foi excluído da competição Tour do Rio, por uma decisão unânime dos responsáveis pela competição, após fazer agressões racistas contra o brasileiro Renato Santos, conhecido como Centenário, do clube DataRo de Ciclismo. O desentendimento aconteceu no sábado, durante a etapa de Teresópolis a Três Rios. Os dois vinham no mesmo pelotão, quando começaram a discutir. 
O italiano, então, xingou o brasileiro. O atleta Murilo Ferraz, que é da equipe de Centenário e já morou na Itália, entendeu a expressão e traduziu para o colega. Coledan teria chamado Centenário de algo como “negro sujo”. O brasileiro imediatamente comunicou ao comissário Felipe Augusto Cunha Almeida. 
Leia mais:
O diretor geral da prova e representante da União Ciclística Internacional (UCI), o canadense Adrian Levesque, foi informado do ocorrido pelo colégio de comissários. Ele entendeu que existe uma regra que permitia excluir o italiano da prova. Como não houve agressão física, não caberia outra punição. Os comissários acharam também que seria prudente tirar Coledan do Tour já que poderia haver uma tentativa de represália na etapa deste domingo contra o italiano. 
O técnico da equipe italiana, Mirko Rossato, tentou minimizar o episódio: 
– Ele (Coledan) brigou com o atleta brasileiro como ocorre em qualquer corrida. Mas, essa decisão de exclusão foi da organização e nós aceitamos. Quem ofendeu primeiro foi o brasileiro, e ele respondeu. Só que com uma palavra que não se usa no Brasil, mas que não tem qualquer importância em italiano. 
Leia também:
Já Centenário disse que considerou justa a decisão da exclusão do italiano da prova e afirmou que não pretende processá-lo judicialmente: 
– Ele me ofendeu com palavras racistas, uma coisa que não pode acontecer. Eu contei para os comissários e queria que acontecesse isso (a punição). O que aconteceu é inadmissível. Briga pode ser, mas não racismo. Ainda mais no Brasil, um país onde lutamos muito contra isso. 
Com informações do Jornal O Globo

Comentários

O e-mail não será publicado.