Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 31/Aug/2011 às 00:09
1
Comentário

Análise: Principais religiões do mundo incentivam o acúmulo de riquezas

Rachel McCleary – pesquisadora de religião e economia da Universidade de Harvard.
Religiões baseadas na crença no inferno são mais eficientes para o comportamento econômico pois motivam os fiéis através do medo
Religiões monoteístas usam experiência coletiva como
forma de pressionar seus fiéis para a doação

A religião é uma instituição financeira tanto quanto espiritual. Sem doações dos fiéis, as religiões como organizações sociais não sobreviveriam

Não é surpreendente que as maiores religiões do mundo – Judaísmo,
Cristianismo, Islamismo, Budismo e Hinduísmo – promovam a acumulação de
riquezas através de seus sistemas de crenças, o que contribui para a
prosperidade econômica.


Incentivos espirituais como a danação e a salvação são motivadores
eficientes. Por isso, religiões que dão ênfase à crença no inferno são
mais propensas a contribuírem para a prosperidade econômica do que as
que enfatizam a crença no paraíso.
Leia mais:
Pastor Silas Malafaia compara homossexuais a traficantes e assassinos em série

As religiões que têm foco na crença no paraíso dão mais importância a
atividades redistributivas
(caridade) para diminuir o tempo das pessoas
no inferno e chegar mais perto do paraíso.

Já o incentivo que se baseia na crença no inferno parece mais eficiente
para o comportamento econômico, porque motiva os fiéis a trabalhar mais
duro para evitar a danação.

A estrutura organizacional, assim como o sistema de crenças de uma
religião, afeta diretamente sua habilidade de arrecadar fundos dos
fiéis.

A riqueza das religiões, de maneira muito semelhante à riqueza das
nações, depende da estrutura de sua organização. Mas, diferentemente das
corporações, as finanças das religiões não são transparentes para o
público nem são monitoradas.

Algumas estruturas religiosas são hierárquicas como a da Igreja Católica
Romana, com a concentração de riqueza no clero e no Papado. Por
contraste, as igrejas evangélicas e pentecostais favorecem um acúmulo de
riqueza de pai para filho.

O famoso evangelista americano Billy Graham e seu filho William Franklin
Graham 3º, que assumiu a presidência da associação evangelista do pai,
são um exemplo de como o poder espiritual e a riqueza de uma religião
são mantidos pelos laços familiares.

Outras organizações tendem a ser descentralizadas e comunitárias por
natureza, como o judaísmo, com as sinagogas locais mantendo a autonomia
sobre as finanças.

Mas as religiões coletivas, como as monoteístas, requerem a crença
exclusiva em um só Deus e contam financeiramente com tributos e doações
voluntárias de seus membros.

Leia também:
Igreja Universal em queda livre no Brasil: alternativa é explorar povo africano
Pastor adverte que ateus representam perigo para as crianças na internet
Bispo afirma que mulheres só são estupradas quando querem

Como consequência, um templo, igreja ou mesquita exerce pressão coletiva
e outros tipos de sanções grupais para garantir a ajuda financeira
contínua dos fiéis à religião.

No entanto, uma dificuldade constante enfrentada pelas religiões é que
muitos membros decidem agir de acordo com sua própria vontade e não dar
apoio financeiro.

Outro tipo de estrutura religiosa é a privada ou difusa. Hinduísmo e
budismo são religiões privadas, em que os fiéis realizam atos religiosos
sozinhos e pagam uma taxa para um monge pelo serviço.

Nestes casos, as atividades religiosas são partes da vida diária e podem
ser feitas a qualquer momento do dia. Elas não requerem nem um grupo de
fiéis nem a presença dos monges.

Estas religiões privadas tendem a ser politeístas e sustentadas financeiramente pelo pagamento de uma taxa de serviço.

Religiões com muitos recursos, como por exemplo o catolicismo romano e o
islamismo, historicamente foram – algumas vezes – monopólios
financiados pelo Estado.

A regulação da religião pelo Estado pode reduzir a qualidade das
vantagens espirituais na medida em que aumenta a capacidade da religião
de acumular riqueza. Mas uma religião subsidiada pelo Estado pode ter um
efeito positivo na participação religiosa.

Por exemplo, os governos da Dinamarca, Suécia, Alemanha e Áustria
subsidiam muitas religiões para a manutenção de suas propriedades, a
educação do clero e os serviços sociais.

Mesmo que isso não necessariamente aumente o número de pessoas que
frequentam a igreja, o investimento financeiro do Estado nas
instituições religiosas aumentou as oportunidades das pessoas de
participarem de atividades patrocinadas pela religião.

_




BBC

Comentários

  1. marta Postado em 16/Apr/2012 às 10:24

    o esse saite e muito bom