Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 18/Jul/2011 às 12:42
0
Comentários

O cruel destino de Leiby Klettzky, menino que só queria comprar livros

Barbárie: Leiby foi asfixiado e depois esquartejado
Criança deveria ser uma instituição universal, como um verdadeiro patrimônio da humanidade, que ninguém pode ferir, machucar, lesar, maltratar, matar. Nem precisaria haver um estatuto para orientar os adultos sobre como tratá-la ou respeitá-la.

Não é de hoje que nos Estados Unidos são horripilantes as histórias de crianças sequestradas. Muitas aparecem mortas, quando não esquartejadas, como foi o caso do  menino   Leiby Klettzky,  de apenas 8 anos de idade.

Leia mais:
Nada como sentir na pele: um grito de socorro
Trabalhador homossexual da sadia é ‘empalado’ por colegas com mangueira de ar
Imbecilidade ianquee: querem condenar uma criança de 5 anos por assassinato
Vídeo: Soldados americanos sentem prazer espancando crianças iraquianas

Segunda-feira última, era a primeira vez que ele voltava sozinho para casa, no bairro do Brooklyn, NY, a sete quadras de distância do  curso de verão que frequentava. Ele havia combinado com os pais de se encontrarem numa livraria. Mas Leiby, que não estava acostumado a andar pelas ruas desacompanhado, se perdeu e sem saber, acabou se perdendo para sempre de sua família.

Enquanto tentava encontrar o caminho certo, esbarrou com Levi Aron, de 35 anos, judeu como ele,  e pediu que o ajudasse. Aron se ofereceu para levá-lo até a livraria.  Inocente, Leiby entrou no carro de seu futuro algoz,  crente que em pouco tempo estaria encontrando seus pais.

Mas ele estava enganado. Aron,  levou-o para casa e depois de conversar com o garoto e verem televisão juntos, ele o amarrou no sofá para que não fugisse e foi a um casamento na mesma comunidade judaica que ambos frequentavam. Na volta, matou Leiby com a maior frieza que um assassino pode ter.

Depois de asfixiá-lo com uma toalha,  cortou o corpo dele em pedaços. Partes do corpo colocou na geladeira de casa, junto com a faca do crime,  outras ele   botou dentro de uma mala, jogando-a numa lixeira  a poucos metros de sua casa.

Mas  ainda bem que inventaram as tais câmeras de segurança que hoje estão por toda a parte, gravando todos e tudo que as pessoas fazem, de certo e de errado. E foi graças a essas imagens  que a polícia chegou ao assassino do garotinho,  que queria apenas cromprar livros com os pais.

Aron foi preso e confessou o crime. Negou que tenha molestado sexualmente a vítima, mas também não conseguiu explicar o motivo de ter praticado o crime. Disse apenas que,  ao ver a grande mobilização da polícia, assustou-se com o que poderia acontecer a ele e optou por livrar-se do menino, da maneira mais impiedosa possível.

Leia também:
Vítima de racismo e espancado pela polícia: caso Helder Santos 
Crime fardado: assalto pela polícia
Perfeito Raio-X do cidadão norte-americano

Como acontece nesses momentos, logo surge um advogado para defender criminosos da pior espécie. Com Aron não foi diferente. Seu advogado já requereu  um exame de sanidade mental para seu cliente que, segundo ele,  ouve vozes mandando ele fazer o que não quer.

Mas e daí, maluco ou não, Aron acabou com a vida de um garoto da maneira mais cruel possível. Como alegar que é doente mental se trabalhava normalmente, frequentava festas e a sinagoga do bairro?  Ele tem que ser severamente punido. Sou contra a pena de morte, mas acho que um louco como esse nunca mais deveria sair de uma jaula. Doença nenhuma justifica seu ato.

O caso deixou, não só a família  do garoto como toda  a comunidade judaica de Nova Iorque em estado de choque. A morte de Leiby repercutiu em todo país e serviu como um alerta a  outros  pais. Afinal, sem que se perceba, em cada esquina pode estar um monstro como esse, que sequestra, violenta e mata, sem a menor complacência.

No vídeo abaixo uma homenagem ao pequeno Leiby.

Leila Cordeiro – Direto da Redação

Comentários